Centro Cultural São Paulo – Novembro 2011

Centro Cultural São Paulo – CCSP – Programação de Música – Novembro de 2011

Curadoria de Música

Música Clássica
 
Clássicos do Domingo
Domingo, 11h30
Sala Jardel Filho
Entrada Franca

Dia 06
Baccarelli Coral da Gente Juvenil – Com Adriano Conto (piano) – Regência Gisele Cruz
Frase:
Com grandes clássicos da música erudita e da música popular brasileira, coral se apresenta sob regência de Gisele Cruz e acompanhamento do pianista Adriano Contó.

Desenvolvido desde 2000, o Coral da Gente é a porta de entrada para crianças e adolescentes da comunidade de Heliópolis no Instituto Baccarelli.
O projeto promove o ensino de canto coral e suas atividades representam uma introdução ao universo da música.
As aulas de técnica vocal, postura, respiração, percepção musical e expressão cênica são ministradas por profissionais conceituados e pedagogicamente preparados para trabalharem o aprendizado musical e o desenvolvimento pessoal e social dos alunos.
Desde o seu início, o programa conta com o patrocínio da Volkswagen do Brasil e, atualmente, também tem parceria com outra instituição do grupo, o Banco Volkswagen.
Com um repertório diversificado, o Coral da Gente realiza constantes apresentações em importantes espaços culturais de São Paulo, entre os quais se destacam: Sala São Paulo, Teatro Alfa, Teatro Municipal de São Paulo, Obelisco do Ibirapuera, Estádio do Morumbi, Mosteiro de São Bento, Páteo do Colégio e Catedral da Sé.

PROGRAMA
Victor C. Johnson 
Deo dicamus gratias 
Silvio Baccarelli 
Panis angelicus
Giuseppe Pitoni
Cantate Dominum
Steven Burnett
Jubilate Deo
J. Arcadelt
Ave Maria
Negro Spiritual – Arr-Noble Cain
Deep River
L. V. Beethoven
Joyful, Joyful
R. Vaughan Williams
A song of the New Age
Gabriel Fauré
Cantique de Jean Racine
Caetano Veloso – Arr. André Vidal
Luz do sol
Flavio Venturini/Murilo Antunes – Arr. Alexandre Zilahi
Nascente
Flávio Venturini
Todo azul do mar
Gilberto Gil – Arr. André Protasio
Mulher de Coronel
Tobias Barreto/Caio Senna
Namoro não é crime
Chico Buarque – Arr. Liduino Pitombeira
Acalanto
Dorival Caymi – Arr. Marcos Leite
Vatapá
Dori Caymmi/Nelson Motta – Arr. Walter Junior
Cantador
M. White/Al mc Kay e A. Willis – Arr. Mark Brimer
September

Dia 13
Piano a 4 mãos com Bruno Felix e Lucas Gonçalves
Frase:
Em perfeito entrosamento, jovens talentos apresentam obras de Mignone, Brahms, Ronaldo Miranda, entre outros.
RELEASE
Bruno Felix
Natural de Santos e radicado em Cubatão, cidades litorâneas do estado de São Paulo, começou a estudar piano erudito aos 7 anos de idade no Conservatório Municipal “Ivanildo Rebouças da Silva” (atual Escola Técnica de Música e Dança “Ivanildo Rebouças da Silva”), onde teve aulas com Josvâine Pontes Diniz Santos e concluiu o curso técnico de música com Ana Lucia Passarelli de Souza. Cursou alguns meses de piano erudito na ULM (atual EMESP) em São Paulo, capital, com o professor Daniel Matos. Já se apresentou no Chile, na cidade de Melipilla e atuou como correpetidor em diversos corais pela Baixada Santista. Atualmente cursa piano erudito na Faculdade Cantareira com Daniel Matos. É integrante do Coral Municipal de Cubatão “Zanzalá”. Suas pretensões profissionais destinam-se à elaboração de recitais seja como solista ou camerista, participação em concursos de música pelo Brasil e exterior.

Lucas Gonçalves
O jovem pianista Lucas Gonçalves, de Cubatão-SP, formado na Escola Técnica de Música e Dança ‘’Ivanildo Rebouças da Silva’’, participou de diversos concursos nacionais de piano conquistando diversos prêmios: Concurso Maestro Rodrigo Tavares (3 primeiros lugares), Concurso Maestro Souza Lima (primeiro lugar), Concurso ArtLivre (primeiro lugar) e Concurso Professora Edna Basseth (segundo lugar). Participou também de importantes festivais de música: Festival de Música nas Montanhas/Poços de Caldas-MG (2008-2009) e Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão (2010 e 2011).  Já se apresentou no MuBE (São Paulo), no Teatro Coliseu (Santos) e no Teatro Guarany (Santos). Atualmente, é pianista da Banda Marcial de Cubatão e cursa o primeiro ano de bacharelado em piano na ECA – USP sob orientação do grande pianista Eduardo Monteiro. 

PROGRAMA
Parte 1 – Bruno Felix (solo)
Debussy
Prelúdio da “Suíte Bergamasque”
Guarnieri
“Ponteio n°49″
Ginastera
“Danzas Argentinas”
Chopin
“Scherzo 3″
Beethoven
“Sonata op.2 nº 3” – primeiro movimento

Bruno Felix e Lucas Santos Gonçalves:

Francisco Mignone – “Congada”
Dvořák – “Dança Eslava n°10″
Ronaldo Miranda – “Tango”
Brahms – “16 valsas, op.39”

Dia 20
Savino de Benedictis pelo Coral Infantil da Escola de Música de São Paulo– Regência  Prof. Rosana Civile – 1º PARTE
Frase: Concerto que destaca a produção musical do compositor ítalo-brasileiro, o criador do método de solfejo Bona.

RELEASE
SAVINO DE BENEDICTIS PELA ESCOLA DE MÚSICA DE SÃO PAULO
No dia 20 de novembro de 2011, às 11h30, na série Clássicos do Domingo, a Sala Adoniran Barbosa do Centro Cultural São Paulo recebe alunos da Escola de Música de São Paulo (antiga Escola Municipal de Música) para uma apresentação de obras de Savino De Benedictis, professor e compositor ítalo-brasileiro.
Com uma carreira de atuação bem variada dentro da atividade musical, Savino De Benedictis foi personalidade de destaque desde muito jovem. Começou a carreira como flautista, mas especializou-se como professor de matérias teóricas, das quais escreveu diversos livros adotados em escolas de todo o Brasil. Teve grande destaque na organização do movimento sindical da cidade, fundando em 1913 o Centro Musical de São Paulo. Esta entidade mantinha orquestra própria, incorporada em 1949 pelo município e se tornou a Orquestra Sinfônica Municipal do Teatro Municipal de São Paulo.
Como compositor, escreveu mais de cem peças, entre as quais o grandioso Centenário, para orquestra, banda e corais, que inaugurou o Monumento do Ipiranga em 1922, centenário da Independência do Brasil, e em 1940 inaugurou também o Estádio do Pacaembu.
A apresentação dos alunos da Escola de Música de São Paulo é panorama alentado de sua criação musical, com peças compostas desde 1914 até 1969. São obras pianísticas, corais, canto e piano, câmara e orquestra. O recital é fechado com La Girouette, para orquestra de cordas, última obra composta por ele, aos 86 anos.

PROGRAMA
Obras para canto de Savino de Benedectis – primeira parte

Dia 27
Savino de Benedictis pelo Coral Infantil da Escola de Música de São Paulo– Regência  Prof. Rosana Civile – 2ª PARTE
Frase: Concerto que destaca a produção musical do compositor ítalo-brasileiro, o criador do método de solfejo Bona.

RELEASE
SAVINO DE BENEDICTIS PELA ESCOLA DE MÚSICA DE SÃO PAULO
No dia 20 de novembro de 2011, às 11h30, na série Clássicos do Domingo, a Sala Adoniran Barbosa do Centro Cultural São Paulo recebe alunos da Escola de Música de São Paulo (antiga Escola Municipal de Música) para uma apresentação de obras de Savino De Benedictis, professor e compositor ítalo-brasileiro.
Com uma carreira de atuação bem variada dentro da atividade musical, Savino De Benedictis foi personalidade de destaque desde muito jovem. Começou a carreira como flautista, mas especializou-se como professor de matérias teóricas, das quais escreveu diversos livros adotados em escolas de todo o Brasil. Teve grande destaque na organização do movimento sindical da cidade, fundando em 1913 o Centro Musical de São Paulo. Esta entidade mantinha orquestra própria, incorporada em 1949 pelo município e se tornou a Orquestra Sinfônica Municipal do Teatro Municipal de São Paulo.
Como compositor, escreveu mais de cem peças, entre as quais o grandioso Centenário, para orquestra, banda e corais, que inaugurou o Monumento do Ipiranga em 1922, centenário da Independência do Brasil, e em 1940 inaugurou também o Estádio do Pacaembu.
A apresentação dos alunos da Escola de Música de São Paulo é panorama alentado de sua criação musical, com peças compostas desde 1914 até 1969. São obras pianísticas, corais, canto e piano, câmara e orquestra. O recital é fechado com La Girouette, para orquestra de cordas, última obra composta por ele, aos 86 anos.
PROGRAMA
Obras para canto de Savino de Benedectis – segunda parte

Dia 04 de dezembro
Polyphonia Ensemble Berlin
Com: Martin Kögel (Oboé), NN (Clarinete), Jörg Petersen (Fagote), Johannes Watzel (Violino), Henry Pieper (Viola) e Thomas Rößeler (Violoncelo).

Frase: Pela primeira vez no Brasil, o grupo alemão apresenta obras de compositores consagrados.

PROGRAMA

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791)
Quartett F-Dur KV 370
für Oboe, Violine, Viola und Violoncello
Allegro
Adagio
Rondeau. Allegro

Franz Schubert (1797-1828)
Trio B-Dur D. 581
für Violine, Viola und Violoncello
Allegro moderato
Andante
Menuetto. Allegretto
Rondo. Allegretto

Jean Françaix (1912-1997)
Divertissement
für Oboe, Klarinette und Fagott
Prélude
Allegretto assai
Elégie
Scherzo

Gustav Holst (1874-1934)
Sextett e-moll
für Oboe, Klarinette, Fagott, Violine, Viola und Violoncello
Moderato
Scherzo. Allegro vivace
Adagio
Thema. Allegretto

Concerto ao meio dia
Terça-feira, 12h30
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 01

Rogério Tutti – piano
Frase: Jovem talento do teclado nacional apresenta as quatro Baladas de Chopin, além de obras de Villa-Lobos e Stravinski.

RELEASE
Rogerio Tutti, já apresenta uma carreira de grande destaque internacional. Em inúmeras oportunidades, o pianista já se apresentou em diversas salas dos Rússia, Cuba, Chile, Portugal e Brasil. Mais recentemente em novembro de 2010, Rogerio realizou uma turnê nos Estados Unidos com apresentações que incluíram nas cidades de Nova York, Boston, Norwell, Baton Rudge. Nesta turnê foi realizada a estréia mundial da Sonatina no. 2 de Douglas Tonwsend na Columbia University em Nova York.
Seu primeiro DVD entitulado “Concerto de Piano” que contém obras de Beethoven, Chopin, Liszt e Villa-Lobos já  foi exibido em emissoras do Brasil e em mais de 40 paises incluindo Irlanda, Alemanha, França, Suécia, Noruega, Austrália, Nova Zelândia, Emirados Árabes, Estados Unidos e outros.
Concluiu seu Graduate Diploma em Piano Performance no New England Conservatory com o pianista Gabriel Chodos onde cursou Interpretação Musical com o diretor da Boston Philarmonic o maestro Benjamin Zander e música de câmara com o violinista Nicolas Kitchen e a violista May Motobucsh do Quarteto de Cordas Barromeu.  Rogerio foi também bolsista na Escola Nacional de Artes de Havana, onde estudou piano com a pianista Teresita Junco. Conquistou o título de Mestre em Piano Performance pela University of North Dakota nos Estados Unidos com o pianista Sérgio Gallo. Estudou também com Fernando Paluan,  Rosa Maria Tolón, Luis de Moura Castro em Hartford (EUA) e Antonio Bezzan em São Paulo.      
Dentre os prêmios conquistados, destacam-se: 1o. lugar no Concurso “MTNA – North Dakota” nos Estados Unidos; 1 o. lugar no Concurso “Artlivre” em São Paulo; 3o. lugar no Concurso Internacional “Cláudio Arrau” em Quilpue, no Chile; Prêmio de Melhor Intérprete da Música Latino Americana em “Amadeo Roldan” em Havana, Cuba;
Rogerio também é diretor artístico da série “Villa-Lobos in America”. Série iniciada em 2010 nas cidades de Nova York e Boston  que conta com o apoio da Embaixada Brasileira dos Estados Unidos e Steinway Hall New York.
Atualmente é professor de piano da Escola de Musica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, diretor artístico do projeto social da Escola de Musica de Maçaiba e doutorando em músicologia pela Universidade de São Paulo sob orientação de Eduardo Monteiro.

PROGRAMA
F. CHOPIN (1810-1849)
4 Balada
Balada no. 1 op. 23
Balada no. 2 op. 38 
Balada no. 3 op. 47
Balada no. 4 op. 52. 
HEITOR VILLA-LOBOS (1887-1959)
Alma Brasileira
IGOR STRAVINSKI (1882-1971)
Trois Mouvements de Petrouchka
1. Danse russe
2. Chez Petrouchka
3. La semaine grasse

Dia 08
Dúo Orellana & Orlandini
– Duo de violão
FRASE: Uma reunião de músicas de compositores latinoamericanos compõe este programa executado por dois dos mais renomados violonistas chilenos.

RELEASE
Dúo Orellana & Orlandini – Duo de violão
Formado pelos músicos chilenos Romilio Orellan e Luis Orlandini, violonistas de música clássica, o Duo desenvolve um projeto de circulação de concertos que enfocam em seus repertórios a produção musical latinoamericana e em especial a música chilena. Individualmente os músicos do grupo atuam também como solistas de orquestras.
Desde 2005 realizam o projeto denominado “Dos Guitarras para el Bicentenario” com gravações e intercâmbio com os países irmãos do bicentenário: Argentina, Colômbia e México. Em 2008 como contribuição à valiosa difusão da criação musical chilena e latinoamericana para duo de violões editaram seu primeiro CD pelo Selo SVR-Chile.
Esta apresentação no Brasil se deve graças ao apoio da Direção de Assuntos Culturais do Ministério das Relações Exteriores do Chile e está inserida em um circuito cultural que contempla recitais em outros países, entre os quais Bolívia, Equador, Perú, Argentina e Estados Unidos da América.
Romilio Orellan e Luis Orlandini são professores das mais prestigiosas universidades chilenas, entre elas a Universidad de Chile, Universidad Mayor y Universidad Católica de Chile.

Críticas:
 “… En ese momento fuimos testigos de cómo dos músicos pueden llegar a sentir y transmitir total placer al hacer música, cuando logran afiatarse como corresponde y transmiten su musicalidad y talento al público…exhibieron con mucha elegancia un derroche técnico y estilístico lleno de contrastes dinámicos. La inmensa ovación que les brindó el público solo hizo justicia a un desempeño notable desde todo punto de vista.”
(Gilberto Ponce, Diario El Mercurio. Santiago-Chile, Enero 2005)

PROGRAMA

OSCAR OHLSEN (Chile, 1944)  
Suite sobre Aires Chilenos (2007) 
Impresiones sobre una canción de Luis Advis
Vamos a Belén, pastores (villancico de Chiloé)
La Malaheña (Canción de Chiloé)
La Palomita
JAVIER FARÍAS (Chile, 1973)   
Trastocada (2007)
JUAN ANTONIO SÁNCHEZ (Chile, 1965)  
Rin del Adiós y Sirilla del Nuevo Día (2010)
RADAMES GNATALLI (Brasil, 1906-1988)
Anacleto de Medeiros (Schottisch)
Chiquinha Gonzaga (Corta Jaca) (De Suite Retratos, 1956)

II PARTE

JUAN ANTONIO SÁNCHEZ (Chile, 1965) 
Cuatro Caminos (2007)
Norte / Sur / Este / Oeste
ASTOR PIAZZOLLA(Argentina, 1921 – 1992)   
Tango Suite (1984)
Allegro / Andante / Allegro

Dia 15
“Que Esse Mundo Vai Virar…” – aos encontros entre arranjadores e o canto coral
Com: Dênia Campos (soprano), Ana Sampaio(soprano), Mara Campos(meio-soprano), Kátia Rocha(contralto), José Palomares(tenor), Fernando Grecco(tenor), Maurício Martinazzo(barítono) e Jan Szot (baixo)

Frase: O grupo presta uma homenagem ao canto coral brasileiro.
RELEASE
O canto coral brasileiro, por sua natureza, trajetória e prática agregadora, vem desbravando um caminho cada vez mais identificado com o cancioneiro popular. Seu leal parceiro de jornada? O Arranjador – uma espécie de alquimista – aquele que respira a obra original para exalar e promover a transformação, a possibilidade. Transmutação, não em busca do que reluz como o ouro, mas do que revela, transpira e traduz ao ouvido anônimo a vertigem compartilhada da criação. Co-autor ou co-criador talvez, pois empresta à criatura um outro, o seu e mais fôlego, vibração, colorido e significado.
Sem esquecermos da indiscutível e expressiva genialidade de compositores que nos ofereceram e nos renderam através de suas muitas, tantas canções, dedicamos este concerto aos multiplicadores de idéias, linhas, vozes, órbitas, emoções.
Os textos das obras escolhidas para este repertório complementam-se, fundem-se num profundo desejo de resgate, de promessa, de esperança ainda que diante de nossa inevitável condição humana. Canções para despertar as palavras e os homens.

RELEASE
Mara Campos (direção musical e meio-soprano)
Em sua formação recebeu a orientação das educadoras Adriana Ribeiro e Maria Luiza Carvalho, dos Maestros Benito Juarez, Hugg Ross, Henrique Gregori e J. E. Gardiner, dos Professores Beth Pinheiro, Osvaldo Lacerda e Damiano Cozzella e dos cantores Lúcia Passos e Fernando Carvalhaes.
Desde 1978 atua como Regente coral, formando e dirigindo inúmeros conjuntos como o CORALUSP, o Coral da Aliança Francesa de São Paulo, o Coral da Escola de Belas Artes do Paraná, o Coral do Portal, o Grupo Som-A-Pino, o Coral Paulistano do Theatro Municipal de São Paulo, os Corais Infantil e Juvenil da Escola Municipal de Música, a Oficina de Canto Coral do Centro Cultural São Paulo e os Coros Infantis do projeto de coro cênico desenvolvido pelo Grupo “Canto em Movimento” junto ao SESI/SP.
De 1982 a 1989 integrou o Projeto Villa-Lobos de Canto Coral – INM/FUNARTE e entre 1982 e 2011 foi Professora de regência e canto coral em 20 edições da Oficina de Música de Curitiba/PR. Entre 1987 e 2003 atuou como Regente convidada dos coros ingleses BBC Singers, New College e The Sixteen, do grupo Vox Brasiliensis, da instalação coral Concerto Concreto em temporada na Bienal “A Trama do Gosto” e da gravação do CD Villa-Lobos em Paris. Fez a criação e direção musical dos espetáculos ZAP – O Resumo da Ópera (1999 e 2002), Coro dos Contrários – 22 em 2002 (2002 e 2006) e Ragnarock (2010). Entre 1987 e 2000 criou e coordenou os Festivais de Coros da Aliança Francesa, da Igreja São Francisco, do Grupo Pão de Açúcar e do Theatro Municipal de São Paulo – Encontro de Coros Camago Guarnieri nas edições de 2007 e 2008.
À convite das Orquestras Oficina de Cordas de Campinas/SP, Orquestras Sinfônica Municipal e Experimental de Repertório dirigiu as óperas “Orfeu” de C. Monteverdi e “Os Peregrinos de Meca” de C. W. Gluck, a “Cantata Acadêmica” de B. Britten, “Retratos” de R. Gnattali e “Postais Paulistanos” de Villani-Côrtes entre outras obras.

Ana Sampaio (soprano)
Ana Sampaio estudou canto lírico no Conservatório Musical do Brooklin em 1993, e canto popular na Escola Canto do Brasil em 2005 e 2006 com as professoras Regina Machado e Solange Sá. Atualmente estuda canto com Fernando Grecco e interpretação na Escola de Teatro Célia Helena. Participou de inúmeros corais e grupos vocais, dentre os quais se destacam: Trovadores Urbanos, Coral Unifesp, Madrigal Arcadelt e Zíper na Boca. Em 2010 integrou o elenco do musical Ragnarock, realizado pela Cia. Ópera do Mendigo.

Jan Szot (baixo)
Jan Szot nasceu e iniciou seus estudos em Ribeirão Pires, onde formou-se em piano, flauta doce e regência. Seus estudos de canto foram iniciados em 1989 na Universidade Marie Curie na cidade de Lublin na Polônia. No Brasil, estudou com Ilda Sergl e Adélia Issa na Universidade livre de música, Thomas Salbó na Faculdade Santa Marcelina e o Prof. Maurício Martinazzo.

Denia Campos (soprano)
Iniciou seus estudos de canto aos 16 anos no Centro Cultural Gustav Rither em Goiânia, onde posteriormente cursou a Universidade Federal de Goiás tendo recebido a orientação da professora Maria Bartira Bilego de Moraes. Integrou o Coral Paulistano do Teatro Municipal de São Paulo de 1998 a 2011, participando como solista junto ao coro, Orquestra Sinfônica Municipal e Orquestra Experimental de Repertório em montagens das obras Carmina Burana de Carl Orff, Missa emDó Maior de L. Beethoven, Magnificat de J. S. Bach, Te Deum de M. Charpentier e Litanie de W. A. Mozart. Realizou as primeiras audições no Brasil das óperas Il Mondo de la Luna de J. Haydn e O Grande Macabro de G. Ligeti.
Em2005 participou da montagem da ópera Candide de L. Bernstein no papel dePaquette, em 2006 foi o primeiro gênio da montagem da ópera  A Flauta Mágica de W. A. Mozart e de 2008 a 2010 fez o papel de Amahl na ópera Amahl e os Visitantes da Noite de G. Menotti, dentro da programação realizada pelo Teatro Municipal de São Paulo. Atualmente recebe orientação do professor Juvenal de Moura.

Maurício Martinazzo (barítono)
Jundiaiense teve sua formação musical em piano e canto no Conservatório Musical de Jundiaí. Aperfeiçoou-se posteriormente com Nayr Effemberger Guelli (Escola Pianística Olga Rizzardo Normanha) e com Leilah Farah (técnica vocal).
Desenvolve intensa atividade pedagógica na área do canto erudito com enfoque na pesquisa relacionada à voz humana – estilo e repertório. É fundador do Madrigal “Cantabilis”, formado por cantores de sua Escola Particular de Música. Atualmente é preparador vocal, solista e coralista deste grupo, atuando também como professor de técnica vocal e pianista co-repetidor.

Fernando Grecco (tenor)
Jornalista e regente formado ECA-USP estudou canto com Caio Ferraz. Dentre seus trabalhos como solista vocal destacam-se: A Ressurreição, de Schütz; a Missa do Orfanato, de Mozart; As Sete Palavras de Cristo, de C. Frank; no Réquiem, do padre José Maurício. Em ópera, participou de Orfeu, de Monteverdi, O Rei Arthur, de Purcell; Acis e Galatea, de Haendel; As Bodas de Fígaro, de Mozart; e Salomé, de R. Strauss. Paralelamente, Fernando Grecco desenvolve atividade como diretor de cena, tendo realizado as montagens de Ácis e Galatea, de Haendel; Os Peregrinos de Meka, de Glück; O Elixir do Amor, de Donizetti; e os espetáculos teatrais Belinda e a Guerra das Quengas, A Linguagem das Flores, Os Pecados de Moliére e Ragnarock! _ A Epopéia Humana. De 1992 a 2011, foi integrante do Coral Paulistano do Teatro Municipal de São Paulo.

José Palomares (tenor)
Arquiteto formado pela FAU-USP estudou canto com Caio Ferraz. Dentre seus trabalhos como solista vocal, destacam-se: o Magnificat, a Paixão Segundo São João e o Oratório de Páscoa, de Bach; a Missa da Coroação, de W. A. Mozart; a Pauken Messe e a Missa Lord Nelson, de J. Haydn; a Missa, de I. Stravinsky; e a Cantata Acadêmica, de B. Britten. Em ópera, destacam-se suas atuações em O Rei Arthur, de Purcell, Acis e Galatea, de Haendel; Os Peregrinos de Meka, de Gluck, A Flauta Mágica, de Mozart, Ariana, de Marcello e L’Orfeo, de Monteverdi, O Elixir do Amor, de G. Donizetti; Rigoleto e Um Baile de Máscaras, de Verdi, e Salomé, de R. Strauss. Paralelamente José Palomares vem desenvolvendo trabalhos como cenógrafo e figurinista com destaque para os espetáculos Belinda e a Guerra das Quengas, A Linguagem das Flores,
Os Pecados de Moliére e Ragnarock! – A Epopéia Humana. Desde 1983, é integrante do Coral Paulistano do Teatro Municipal de São Paulo.

Kátia Novaes Rocha (contralto)
Estudou canto com Caio Ferraz, Efigênia Cortes e Margareta Tenaglia. Como solista, destacam-se suas participações no Gloria, de Antonio Vivaldi, e nos espetáculos Spes Única, Requiem Eterno e nos 25 anos do Coro Luther King. Na série das Vesperais Líricas do Teatro Municipal de São Paulo, atuou nas óperas Os Peregrinos de Meka e Ifigênia em Aulis, de Cristoph W. Gluck; e The Fairy Queen e O Rei Arthur, de Henry Purcell. Como coralista, integrou a o Coral Sinfônico do Estado de São Paulo (OSESP) e o Coral Paulistano do Teatro Municipal de São Paulo, entre outros.

PROGRAMA

GERALDO VANDRÉ
Arueira (arranjo de Daniano Cozzella)
JOÃO BOSCO E ALDIR BLANC
Caça à raposa (arranjo de Lincoln Antonio)
DORIVAL CAYMMI E NELSON MOTTA
O cantador (arranjo de Marcos Leite)
MILTON NASCIMENTO
Canção amiga (arranjo de Mara Campos)
CHICO BUARQUE
Todo o sentimento
CHICO BUARQUE E EDU LOBO
Na carreira (arranjos de Ana Yara Campos

Dia 22
Duo Canto e Piano com Luciene Weiland (mezzo-soprano) e Leonardo Fernandes (piano).

Frase: Neste espetáculo um repertório vinculado ao Dia da Consciência Negra.

O duo trabalha pela conservação e divulgação do patrimônio musical brasileiro com o desenvolvimento de intensa pesquisa sobre a obra de H. Villa-Lobos dentro de uma proposta diversificada e pontual que acompanha as diversas fases da obra do autor e sua influência na Música Popular Brasileira. Em fevereiro de 2010, o Duo fez uma turnê ao Oriente Médio (Líbano e Dubai), e à Alemanha durante a Copa Cultural.

Leonardo Fernandes (piano)
Graduou-se pela Universidade de São Paulo, além do mestrado cursado na PUC – São Paulo. Atuou com o cravista Edmundo Hora e com a organista Elisa Freixo. Participou do I e do III Simpósio de Teclados históricos de Mariana e do 27º Workshop Internacional em Stavanger, Noruega. Constantemente requisitado a participar de importantes projetos de música de câmara, Leonardo Fernandes atuou junto a artistas como barítono Walter Weiszflog, a mezzo-soprano Anna Maria Kieffer, o trompetista Paul Mitchell, entre outros.
Seu repertório abrange obras da renascença à contemporaneidade; estreou obras dos compositores Rubens Ricciardi e Marisa Ramires Lima, e é dedicatário de obra do belga Leo Kupper.

Luciene Weiland (Mezzo-soprano)
Estudou, Canto Lírico com Celine Imbert, Leilah Farah e Kátia Guedes (em Berlim, Alemanha) e Música de Câmara com Anna Maria Kieffer, além de ser graduada em História, abrindo amplo campo de pesquisa histórica voltada à música.
Atua no ensino como professora de história da música na ULM (Universidade Livre de Música) Sua formação conta ainda com numerosos cursos, master-classes e workshops, tanto no Brasil como no exterior. Atualmente, aperfeiçoa sua técnica e interpretação com o professor de cantor Lenine Santos e com a maestrina Nancy Bueno.

PROGRAMA
CHICO CANIDÉ
Ebano (texto de abertura)
ALOYSIO ALENCAR PINTO (1905-2007)
Louvação a Ogun (Cantada em três dialetos diferentes)
WALDEMAR HENRIQUE (1905-1995)
Hei de seguir teus passos
WALDEMAR HENRIQUE (1905-1995)
É Maracatú
BABI DE OLIVEIRA (1908-1993)
Vamo Saravá
HEITOR VILLA-LOBOS (1887-1959)
Estrela do céu é lua nova
OSCAR LORENZO FERNANDEZ (1897-1948)
Essa nega Fulô – sobre poema de Jorge de Lima (1893-1953)
FRANCISCO MIGNONE (1897-1986).
Dona Janaina – sobre poema de Manuel Bandeira (1886-1968)
HECKEL TAVARES (1896-1969)
Banzo
ARY BARROSO (1903-1954)
Boneca de piche – sobreLuiz Iglésias (1962).

Dia 29
Canções de um outro Oriente – contemporaneidade  com Adriana Bernardes (soprano) e Antonio Eduardo (piano)

Frase: Neste espetáculo obras de compositores brasileiros do Século 20.

RELEASE
Adriana Bernardes – soprano
Como solista e recitalista, tem se apresentado nas mais diversas salas de espetáculo de São Paulo e Rio de Janeiro, entre as quais Sala São Paulo, Theatro Municipal de São Paulo e Centro Cultural Banco do Brasil SP e RJ.
Em 2010 e 2011 participou do MUC- Mostra de Música Contemporânea de Santos, na qual fez diversas estréias mundiais.
Tem sido constantemente convidada como solista da Orquestra de Câmara Paulista, conjunto com o qual gravou Orquestra de Câmara Paulista ao Vivo na Sala São Paulo em 2009. Em 2007 interpretou Quitéria e Crisostomo em Dom Quixote nas Bodas do Comacho (Telemann) e Colette em Le Devin du Village (Rousseau) nas Vesperais Líricas do Theatro Municipal de São Paulo. Gravou em 2007 o CD Sarau Brasil – canções brasileiras do séc. IXX e em 2008 o CD Curumim com canções de Camargo Guarnieri.

Antonio Eduardo – piano
Participando com freqüência de festivais, encontros de música contemporânea e congressos nacionais e internacionais em musicologia, o Dr. Antonio Eduardo vem se destacando como um pianista e pesquisador voltado para a música de seu tempo.
Escreveu “O Antropofagismo na obra pianística de Gilberto Mendes” (AnnaBlume/FAPESP), além de diversos artigos para periódicos, sobre música  contemporânea.
Atualmente dirige coleção voltada para música contemporânea brasileira, Antonio Eduardo Collection,constando em seu catálogo obras de Gilberto Mendes, Silvia Berg, Sergio Vasconcelos Correa, Rodolfo Coelho de Souza e Almeida Prado.

PROGRAMA
PIOTR LACHERT (1938)
C’era (texto de Rudyard Kipling)
EDUARDO ESCALANTE (1937)
Trovas Populares (2008)
I – Cantiga
II – Galope
III – Modinha
IV – Batuque

Letra de Batuque (versos do folclore brasileiro)
Fui no mato apanhar lima,
Errei, apanhei limão;
Vamos comigo, siá moça,
Não conheço lima, não!

Prelúdio n.16
BRANCO BERNARDES (1965)
Farewell, Dear Heart (letra de Willian Shakespeare) 2009
Citharizat Cantico (Canto do Rouxinol – letra de autor anônimo da compilação dos Carmina Burana) 2009
Canção (2010)
Invenção (em memória de Nilson Lombardi) 2010

Letra de Canção (versos de Paulo Leminski)
Um passarinho voa
Pra árvore que não mais existe
Meu pensamento voa
Até você só pra ficar triste

ANTÔNIO RIBEIRO (1971)
CANÇÕES DE MÁRIO (poemas de Mário de Andrade) 2009
I – Na rua Aurora eu nasci
II – Garoa do meu São Paulo
III – Esse homem que vai sozinho

Letra de Garoa do meu São Paulo (versos de Mário de Andrade)
Garoa do meu São Paulo,
-Timbre triste de martírios-
Um negro vem vindo, é branco!
Só bem perto fica negro,
Passa e torna a ficar branco.
Meu São Paulo da garoa,
-Londres das neblinas finas-
Um pobre vem vindo, é rico!
Só bem perto fica pobre,
Passa e torna a ficar rico.
Garoa do meu São Paulo,
-Costureira de malditos-
Vem um rico, vem um branco,
São sempre brancos e ricos…
Garoa, sai dos meus olhos.

GIL NUNO VAZ
A quem quer todas as notas 2003
De palavra, de palavras 2009
Canção do exílio (poesia de Casimiro de Abreu) 2003
Música Paradiso: o beijo colado 2004

Letra de Canção do exílio (versos de Casemiro de Abreu)
Se eu tenho que morrer na flor dos anos,
Meu Deus que seja já,
Eu quero ouvir na laranjeira, à tarde,
Cantar o sabiá!
A voz do sabiá!

Centro Cultural São Paulo – Outubro de 2011

Centro Cultural São Paulo – CCSP – Programação de Música – Outubro de 2011

Curadoria de Música
Música Clássica
 
Clássicos do Domingo
Domingo, 11h30
Sala Jardel Filho
Entrada Franca

Dia 02
Recital de piano com Paulo Francisco Paes
FRASE:
Conceituado pianista apresenta composições próprias e clássicos da música erudita como Valsa da Dor de Villa Lobos e Op. 31 nº2 de Beethoven.

Paulo Francisco Paes  (pianista)
Nasceu no Rio de Janeiro. Cursou a Escola Nacional de Música Federal do Rio de Janeiro, sob a orientação da professora Sonia Goulart e concluiu a carreira de piano no Conservatório Brasileiro de Música.
Neste período participou de diversos concursos, obtendo prêmios como o Segundo Lugar e Melhor Intérprete de Bach em 1996, prêmio repetido em 2000, só que pelo Prêmio Nacional Magdalena Tagliaferro.
Representando o Brasil no exterior, participou da série Piano in Concert no IBAM, para a Embaixada do Brasil no Uruguai, além de diversos locais importantes para a música brasileira.
Estudou em Madrid, sob a orientação da professora Galina Egiazarova e na Escola de Música Creativa para orquestração e música para cinema.
Compôs a trilha original do filme Aparecida- O Milagre, de Tizuka Yamasaki que teve o lançamento em dezembro de 2010.
Se apresentou na Virada Cultural de São Paulo de 2011. Em setembro de 2011 concerto no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

PROGRAMA

Villa-Lobos
Valsa da Dor
Impressões Seresteiras
Paulo Francisco Paes
Prelúdio
Chão de Nuvens
Marés

INTERVALO

L. V. Beethoven
Sonata op. 31 n.º 2
Paulo Francisco Paes
Fantasía
Valente

Dia 09
Recital de clarineta e piano com Kornel Wolak (Clarineta) e Alvaro Siviero (piano)
FRASE: Clarinetista polonês em visita ao Brasil apresenta repertório clássico, acompanhado do aclamado pianista Alvaro Siviero

KORNEL WOLAK  (clarinete)
Altamente elogiado em dois continentes pelo seu tom glorioso, controle técnico preciso e imaginação musical, Kornel Wolak está bem em seu caminho para uma carreira importante como solista e músico de câmara no repertório clássicos e cross-over. A crítica o aclamou por sua performance, que mostrou “calma e paciência admirável na construção de sonoridades … cheio de energia,” (Andrzej Chylewski, Glos Wielkopolski).
Como membro do Quartetto Gelato de 2007 a 2009, Wolak participou, neste último ano, da gravação do álbum Musica Latina. Ele também atua como solista na gravação de Clarinet Concerto de Karol Kurpinski em 2007, lançada pelo Canal II da Rádio Polonesa – um CD que foi nomeado pela maior premiação de gravação polonesa, o “Fryderyk”. Sua mais recente gravação é o Clarinet Concerto (Mozart) e Concertino (Weber) com a Sinfonietta Eslovaca.
Como solista, ele já se apresentou com a Orquestra Filarmônica de Poznan, Orquestra Sinfônica de Quebec, Toronto Sinfonietta, Orquestra de Câmara da Rádio Polonesa, Orquestra Sinfônica de Charleston (Carolina do Norte, EUA) entre outras. Em 2012-13, irá atuar como solista com a Toronto Concert Orchestra pelo sul de Ontário.
Como músico de câmara, atuou juntamente com o Wieniawski String Quartet, the Glenn Gould String Quartet, the Tokai Quartet e the Lodos Wind Quintet. Em agosto deste ano, participou do festival internacional “Chopin and his Europe” em Warsaw, Polônia.
Destaques da temporada 2011-12 estão residências no Equador e Brasil, incluindo recitais e concertos com orquestra, assim como apresentações no Canadá, no Four Season Opera House e uma gravação do Francaix clarinet concerto em Budapeste.
Também um devoto pela educação musical, Wolak estabeleceu Music Mind Canada (MMC – Música Mente Canadá), uma iniciativa que projeta, promove e produz programas educacionais para escolas, comunidades locais e outros grupos interessados em aprender música.
Nasceu em 1970 na cidade de Bialystok, Polônia, numa família de músicos (seu pai era trompetista e sua mãe, violista). Após os primeiros estudos na Academia de Música de Poznan e, posteriormente, no Liceu Musical, em 2001, Kornel foi bolsista na Escola de Música Jacob da Universidade de Indiana, onde estudou com Eli Eban e conquistou seu certificado de músico performático e sua graduação em Música. Já em Toronto, continuou seus estudos orquestrais com Joaquim Valdepeñas na Escola de Música Glen Gould.
História da arte, religião, filosofia e poesia também fazem parte dos interesses de Kornel, sendo que sua poesia foi publicada em diversas revistas polonesas para jovens poetas.

Alvaro Siviero (piano)
Alvaro Siviero é um apaixonado pelo piano. Aos sete anos já se apresentava em público. Aos nove anos recebeu seu primeiro prêmio: a Medalha de Ouro do Governo do Estado de São Paulo para jovens talentos.  
 Siviero especializou-se na Áustria e acumula passagens pela Alemanha, Portugal, Itália, França e Suíça. Músico que participa ativamente do cenário brasileiro como camerista e solista, atuou diante de diversas orquestras nacionais e internacionais, como a London Festival Orchestra, Salzburg Chamber Orchestra, I Musici de Montreal, Russian Virtuosi of Europe, The City of Prague Philharmonic Orchestra, Budapest Chamber Orchestra, entre outras, também em turnês pela Argentina, Brasil, Uruguay, Inglaterra, Chile, Perú, USA, entre outros países. A sua tocante interpretação do Concerto n.3 para piano de Rachmaninov foi ovacionada pelo grande público e por críticos musicais durante turnê nacional que realizou nas principais salas de concerto do Brasil. 
Em 2006 foi o primeiro pianista brasileiro selecionado pela Fondazione Wilhelm Kempff, a participar do curso de imersão na obra de Beethoven, em Positano. Entre 2004 e 2006, na Argentina, Siviero atuouem projetos culturais de integração cultural do Cone Sul e foi o artista responsável pelo recital de abertura da primeira edição do Prêmio Jorge Amado – Prêmio Nacional às Artes.  
No ano de 2007 apresentou-se em concerto exclusivo para o Papa Bento XVI durante sua visita ao Brasil. Em 2009, a convite exclusivo do Pontifício Conselho de Cultura, Siviero representou o Brasil no histórico Encontro Mundial de Artistas, realizado na Capela Sistina, em Roma. 
Em 2011, contando com a presença de personalidades de diversos países, Siviero foi o pianista mundialmente convidado a realizar o primeiro recital oficial de reabertura da verdadeira cela em que Chopin viveu na Cartoixa de Valldemossa, em Maiorca, após a histórica sentença judicial que esclareceu esse engano histórico. Como diretor artístico, supervisionou a série de concertos do Embratel Convention Center, a temporada de concertos internacionais do Teatro Palácio Avenida – HSBC e a temporada Concertos Internacionais do Teatro São Bento, em São Paulo. Siviero atualmente é diretor artístico da temporada de concertos do IICS – Instituto Internacional de Ciências Sociais.  
Com especialização em Educação Multicultural pelo Lesley College, Cambridge, Álvaro Siviero é também graduado em Física pela Universidade de São Paulo.

Dia 16
Recital de piano com Olga Kiun
FRASE:
A renomada pianista russa apresenta clássicos para seu instrumento.

Olga Kiun (piano)
A pianista russa Olga Kiun descende de uma tradicional família de músicos soviéticos. Estudou no conservatório Tchaikowski, com o consagrado pianista e professor russo Lev Oborin. Em Leningrado cursou seu doutorado sob a orientação de Pavel Serebriakov. O repertório da pianista Olga Kiun abrange desde os compositores do séc. XVII aos contemporâneos, com ênfase aos românticos.
Olga tocou na Romênia, Bulgária, Polônia, Uruguai e Peru, apresentando-se pela primeira vez no Brasil em 1991, em Curitiba, e segundo o crítico Andréas Adriano do jornal Gazeta do Povo: “Olga Kiun mostra musicalidade imensa e a maneira emocional e apaixonada de tocar, necessárias a quem se dedica ao repertório romântico… uma das melhores pianistas que já pousaram em terras tupiniquins”.
No Brasil Olga atuou como solista nos mais conceituados grupos sinfônicos do pais, tais como a Orquestra Sinfônica do Estado do Paraná, a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, a Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, a Orquestra Nova Filarmônica (SP), a Orquestra Sinfônica de Campinas, a Camerata Antiqua de Curitiba e a Orquestra Sinfônica Paulista. Tendo trabalhado com, entre outros, os regentes Alceo Bocchino, Benito Juarez, Paulo Torres, Adriano Machado, Roberto Duarte, Lutero Rodrigues, Osvaldo Colarusso e Roberto Minczuck.
 Olga Kiun desenvolve intensa atividade artística e pedagógica como recitalista, camerista, solista de orquestra, jurada em concursos e professora convidada em festivais de musica em todo o país além de ser professora titular da Escola de Música e Belas Artes do Paraná.

PROGRAMA

N.Medtner    (1880-1951 )                              
Sonata em sol menor op.
Claudio Santoro   (1919-1989 )                             
Sonata n3
Allegro energico
Adagio
Moderato
F. Liszt        (1811 – 1886 )                              
Chasse- Neige -  Estudo transcendental  de ” Anos de peregrinação”
Vallee D’Obermann
Les cloches de Geneve
Orage

Dia 23
Baccarelli Quinteto de Metais
FRASE:
Neste Quinto concerto da parceria do CCSP com o Instituto Baccarelli o grupo apresenta obras de Ary Barroso, Franz Lehar, Claude Debussy, entre outros.

RELEASE
O Quinteto de Metais do Instituto Baccarelli iniciou suas atividades em 2006, com intuito de estudar e aprimorar o conhecimento através da música de câmara, utilizando-se de diferentes tipos de estilos que se pode trabalhar com essa formação, tais como composições que abrangem toda idade média até às composições populares da atualidade.
O Quinteto de Sopros é composto pelos principais instrumentistas de metais da Sinfônica Heliópolis. Nos trompetes, Thiago Lopes e Thiago Araújo, na trompa Thiago Rodrigues, no trombone Aline Alcântara e na tuba Deivid Peleje. O orientador do grupo é o renomado trompista Mário Rocha, músico do Theatro Municipal de São Paulo.
O Quinteto de Sopros do Instituto Baccarelli tem se apresentado em diversas ocasiões: em 2009, foi o principal grupo dos instrumentos de metais na Expo Music, desenvolvendo assim um trabalho de mostra de instrumentos pela Yamaha do Brasil.
O Grupo tem a proposta de mostrar que o trabalho de instrumentos de metais em conjunto, pode ser tão abrangente e eficaz quanto quaisquer outros grupos de música de câmara.

ALINE ALCÂNTARA, trombone

Aline Alcântara formou-se pela Universidade do Estado de São Paulo (ECA-USP) no curso de Licenciatura em Música, onde obteve aulas de trombone com o prof. Ms. Donizeti Fonseca (USP/BSESP).
Aline Alcântara iniciou seus estudos de trombone com o maestro Edson Leite Penteado, em São Carlos, SP. Em 2007 e 2008, participou do Festival de Música de Santa Catarina (FEMUSC), onde obteve aulas com Dárcio Gianelli (OSESP), Darrin Milling(OSESP) e Jay Friedman(Chicago Symphony), também participou da I & II Encontro Internacional de Metais, em Tatuí, onde fez aulas com Wagner Polistchuk (OSESP), Antonio Henrique Seixas (OSB) além de outros grandes nomes do cenário musical.
Em 2008, participou da renomada Academia Internacional de Verão em Pommersfelden – Alemanha, do Collegium Musicum Schloss Pommersfelden,  em julho de 2010, voltou ao mesmo festival como solista convidada. Em 2010 foi  integrante  do musical “O Rei & Eu – The King and I”, com direção geral de Jorge Takla e direção musical do maestro Jamil Maluf. Em 2011, participa do musical “Evita”, com direção geral de Jorge Takla e direção musical de Vânia Pajares.
Desde setembro de 2007, é membro da Sinfônica Heliópolis, do Instituto Baccarelli, sob a regência dos maestros Roberto Tibiriçá e Isaac Karabtchevsky.
Em 2010, viajou junto à Sinfônica Heliópolis para a 1º turnê dessa orquestra na Europa, apresentando-se na Alemanha (Bonn, Berlim e Munique), Holanda (Amsterdam) e Inglaterra (Londres), sob a regência dos maestros Peter Gülke, Yutaka Sado e Roberto Tibiriçá.

DEIVID WILSON PELEJE, tuba

Iniciou seus estudos de tuba na cidade de Itapevi, no ano de 2000, sob orientação de José Luiz Ricci e Reinaldo José Camargo (Trombonista e professor do Conservatório de Tatuí). Estudou no Conservatório Villa Lobos com Marco Antonio Delfino (Tubista da Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo), na Escola Municipal de Música de São Paulo e na Universidade Livre de Música com o professor Dráuzio Chagas, Luiz Ricardo Serralheiro (Banda Sinfônica do Estado de São Paulo) e Marcos dos Anjos Junior (OSESP).
Atuou como aluno ativo em masterclasses ministradas por James Gourlay (Inglaterra), Malte Burba (Alemanha), David Kuts (Holanda) Freed Mills (Fundador do Quinteto Canadian Brass), Luciano Vaz Vieira (Brasil), Shemuel Hershko (Israel).
Apresentou-se sob a regência dos maestros Monica Giardini (Brasil), Marcos Sadáo Shirakawa (Brasil), Pablo Dell Oca Sala (Argentina), Laszlo Marosi (Flórida), Peter Gülke (Alemanha), Edilson Ventureli (Brasil), Roberto Tibiriçá (Brasil), Carlos Prazeres (Brasil) e Zubin Mehta (Israel).
Participou da Banda Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo, em 2006 e 2007, também em várias apresentações da Série “Aprendiz de Maestro”. Foi tubista dos Quintetos Metal Nobre e Fundsom. Como músico convidado participou do concerto da Orquestra Filarmônica de Munique, sob a regência do maestro Zubin Mehta, em 2010, e atuou também em vários outros grupos Sinfônicos e Camerísticos.
Atualmente é Tubista da Sinfônica de Heliópolis, desde 2008, sob a direção artística do maestro Isaac Karabtchevsky; e do grupos de câmara Quinteto de Metais do Instituto Baccarelli, Grupo de Música Balcânica “Mutrib” e do Coral e Orquestra Baccarelli.

THIAGO MARTINS RODRIGUES, trompista

Iniciou seus estudos musicais aos nove anos de idade. Em 1994, estudou trompa com o professor Marcelo Silva (Banda Sinfônica de Cubatão).
Em 1995 e 1996, passou a estudar com o professor Ruben (Banda Sinfônica de Cubatão). No período de 2000 a 2005, voltou a fazer aulas com o professor Marcelo Silva.
Desde 2006, é aluno do Instituto Baccarelli, onde integra a Sinfônica Heliópolis como primeira trompa. Atualmente, recebe aulas do professor Mário Rocha (Instituto Baccarelli e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal de São Paulo).
Em 2010, viajou junto à Sinfônica Heliópolis para a 1º turnê dessa orquestra na Europa, apresentando-se na Alemanha (Bonn, Berlim e Munique), Holanda (Amsterdam) e Inglaterra (Londres), sob a regência dos maestros Peter Gülke, Yutaka Sado e Roberto Tibiriçá.
Atualmente, a Sinfônica Heliópolis tem direção artística do maestro Isaac Karabtchevsky e tem como patrono o maestro Zubin Mehta.
Junto à Sinfônica Heliópolis, teve oportunidade de atuar junto aos renomados solistas como Joshua Bell, Erik Schumann, Leonard Elschenbroich, Daniel Guedes, Antônio Del Claro, Shlomo Mintz, entre outros.
Participou como aluno ativo nas masterclasses ministradas pelos músicos Thomas Muller (Orquestra de Câmara de Zurique), Michael Slatkin (Filarmônica de Israel), Luiz Garcia (Orquestra Sinfônica Brasileira e German Brass), Luckas Cristinat (Orquestra Sinfônica de Lucena- Suíça), Franz Draxinger (Ensemble Berlin) e Jorg Brückner (Orquestra Filarmônica de Munique)
Participou do Festival de Música nas Montanhas (Poços de Caldas – 2007, 2010 e 2011), II Concurso de Férias de Tatuí (2005) e do I Festival de Música de Cubatão (2002). 
Atuou como músico convidado das Orquestras Sinfônicas Municipais de São Paulo e Santo André, Orquestra Experimental de Repertório; e como professor no Projeto “Cubatão Sinfonia” (2008).
Atua no Instituto Baccarelli, também, como Professor Assistente.

THIAGO RICARDO DE ARAUJO, trompete

Iniciou seus estudos musicais com o pai na Igreja Assembléia de Deus, aos dez anos de idade. Em 2003, passou a estudar trompete na Banda da Escola Padre José de Anchieta, em Cubatão.
Em 2004, ingressou na Banda Marcial Municipal de Cubatão, sob regência do Maestro Alexandre Felipe Gomes e passou a ser orientado pelo professor Sílvio Flórido Júnior, da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo. Nesse mesmo ano, participou do 10º Festival Internacional de Bandas e Fanfarras, no Chile, sendo convidado novamente no ano seguinte. Ingressou no Centro de Estudos Musicais Tom Jobim, em 2006, onde obteve orientações com o professor Edilson Nery, da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo.
Em 2007, conquistou o 1º Lugar no III Concurso de Metais da Universidade Livre de Música, e passou a ser orientado pelo professor Carlos Sulpício no Instituto Baccarelli. Nesse mesmo ano, se tornou integrante da Sinfônica Heliópolis, participando do Concerto “Sinfonia das Telas” sob regência do maestro Roberto Tibiriçá.
Em 2008, fez seu primeiro concerto no 36º Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão.
Em 2010, viajou junto à Sinfônica Heliópolis para a 1º turnê dessa orquestra na Europa, apresentando-se na Alemanha (Bonn, Berlim e Munique), Holanda (Amsterdam) e Inglaterra (Londres), sob a regência dos maestros Peter Gülke, Yutaka Sado e Roberto Tibiriçá.
Atualmente, a Sinfônica Heliópolis tem direção artística do maestro Isaac Karabtchevsky e tem como patrono o maestro Zubin Mehta.
Junto à Sinfônica Heliópolis, teve oportunidade de atuar junto aos renomados solistas como Joshua Bell, Erik Schumann, Leonard Elschenbroich, Daniel Guedes, Antônio Del Claro, Shlomo Mintz, entre outros.
Participou de masterclasses ministradas pelos músicos Guido Segers (Orquestra Filarmônica de Munique), Jörn-Christian Schulze (NDR Radiophilarmonie), Rami Oren (Orquestra Filarmônica de Israel), Thomas Neuberth (Orquestra Filarmônica de Camara de Freiburg), Markus Mester (Bamberger Symphoniker), Miguel Etxpare (Orquestra Sinfônica de Euskadi), Gareth Small (Hallé Orchestra / London Brass)
Atua no Instituto Baccarelli, também, como Professor Assistente.

THIAGO SILVA LOPES, trompete

Recebeu as primeiras orientações de trompete com seu pai. Posteriormente, estudou durante três anos com o professor José Torres Menezes. Atualmente, estuda com o professor Carlos Sulpício.
Atuou na Banda Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo, em 2005, na Orquestra Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo, em 2006, como músico convidado nas Orquestras Sinfônicas de São Bernardo do Campo e de Santos.
Atualmente, integra a Banda Sinfônica Municipal de Cubatão e é chefe de naipe da Banda Marcial Municipal de Cubatão e Sinfônica Heliópolis.
Teve aulas como aluno ativo nas masterclasses ministradas pelos músicos Fred Mills (Membro fundador do Canadian Brass), Heinz Schwebel (1º Trompete da Orquestra Sinfônica da Bahia e professor da Universidade Federal da Bahia), Fernando Dissenha (1º Trompete da OSESP e professor da Academia da OSESP), Rolf Smedvig (Membro fundador do Empire Brass e professor titular na Royal Academy of de Londres), Marc Brian Reese (Membro do Empire Brass e professor da Universidade de Lynn), Olivier Anthony Theurillat (Solista de Berna e professor do Conservatório de Lausanne – Suíça), Jorn-Christian Schulze (1° Trompete da NDR Radiophilharmonie Hannover –Alemanha) , Guido Segers (Membro da Filarmônica de Munique) e Ulf Lehmann (Membro da Orchestra Bach).
Participou do 2º Curso de Férias de Tatuí (2005), 1º Festival de Inverno de Bragança Paulista (2006), 29º Curso de Férias Internacional de Verão de Brasília (2007) e 39º Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão.
Em 2010, viajou junto à Sinfônica Heliópolis para a 1º turnê dessa orquestra na Europa, apresentando-se na Alemanha (Bonn, Berlim e Munique), Holanda (Amsterdam) e Inglaterra (Londres), sob a regência dos maestros Peter Gülke, Yutaka Sado e Roberto Tibiriçá.

PROGRAMA
Samuel Scheidt  
Battle Suite – Gagliard Battaglia
Joseph Mouret  
Rondeau
Giovanni Gabrieli
Canzona per Sonare nº 1
La Spiritata
Tylman Susato  
Renascensa Dance
La Mourisque 
Basse Dance Bergeret 
Anônimo
Sonata de “Bänkesängerlieder”  
Michael Kamen  
Quinteto “Trompa Mágica” 
Franz Lehar  
 Die Lustige Witwe  
Jack G. Mckie
Andante
Victor Ewald
Quinteto nº 2 (1º movimento)
Claude Debussy
Menina com os cabelos louros
Gilberto Gagliardi
Cantiga Brasileira
Ary Barroso
Aquarela do Brasil

Dia 30
Paola Baron
FRASE:
Harpista italiana apresenta composições especiais para seu instrumento, indo da era clássica ao impressionismo.

Paola Baron (harpa)
Membro da Orquestra Sinfônica de São Paulo – OSESP (Brasil), já foi Harpista Principal no Teatro Ópera e Ballet em Liubliana (Eslovênia). Formou-se com Patrizia Tassini no Conservatório J. Tomadini em Udine, com a nota máxima, e com Sarah O’Brien na Universidade Mozarteum em Salzburg, com louvor.
Frequentou o curso de pós-aperfeiçoamento no Conservatoire National Supérior de Musique em Lyon, França, com Fabrice Pierre.
Acompanhou masterclasses dadas por Cristina Bianchi (Orquestra Sinfônica da Rádio Bávara) e frequentou a Accademia per Professori d’Orchestra do Teatro alla Scala.
Colaborou, também como Harpista Principal, com a Orquestra Fondazione Arturo Toscanini (dir. Lorin Maazel), Orchester der Tiroler Festspiele (dir. Gustav Kuhn), Birmingham Royal Ballet, Orchestra Sinfônica del Friuli- Venezia Giulia, Slovenska Filharmonija Orchestra, RTV Slovenija Orchestra, HNK Ivana pl. Zajca em Rijeka, SNG e Simfonicni Filharmonija Orchestra em Maribor.
Atuou em concertos como solista, com conjuntos de câmara (participando do IV Simpósio Europeu de Harpa), e como solista com orquestras na Itália e no exterior (França, Alemanha, Austria, EUA, Eslovênia, Croácia).
Em janeiro de 2004 tocou Sequenza II de Luciano Berio, no Teatro Carlo Felice em Gênova, no primeiro memorial europeu dedicado ao compositor, espetáculo transmitido ao vivo pela Rádio Tre Rai.
Participou em concursos nacionais e internacionais: Concurso Internacional de Harpa dos E.U.A., Concurso Nacional F. Schubert (Primeiro Pr„mio), Concurso Internacional “Città di Tortona” (Terceiro Prêmio), X Concurso Nacional da Società Umanitaria di Milano (Primeiro Prêmio); em maio de 2002 ganhou o Segundo Prêmio no “V. Salvi”, o mais prestigioso Concurso de Harpa da Itália; em novembro de 2003 ganhou bolsa como finalista do Concurso Internacional “V. Bucchi” em Roma; em maio de 2005 ganhou o Segundo Prêmio no Concurso de Harpa Alemão dado pelo Círculo Cultural de Economistas Alemães (Kulturkreis der deutschen Wirtschaft) na Confederação da Indústria Alemã (BDI);em junho de 2007 ganhou o Primeiro Prêmio no Concurso Internacional da Associação Eslovena de Harpa. Realizou gravações para Sarx Records das peças compostas por Noel-Gallon e J. Guridi.

PROGRAMA
C. Debussy
(1862-1917)
Arabesque I
D. Scarlatti (1685-1757)
Sonata K208 em la maior
Sonata K 27 em si minor
L. Spohr (1784-1859)
Variations op.36 “Je suis encore dans mon printemps”
M. Flothuis (1914-2001)
Pour le tombeau de Orphee
P. Patterson (1947)
Tarântula
C.P.E. Bach (1714-1788)
Sonata em Sol major
Adagio
Allegro
Allegro
L. Berio (1925-2003)
Sequenza II
G. Caramiello (1838-1938)
Fantasia sobre os temas de “Aida”

Concerto ao meio dia
Terça-feira, 12h30
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 04
Piazzolla
- 90 anos – Trio Images – Com: Cecilia Guida(violino), Henrique Muller (viola) e Joaquim Paulo Espírito Santo (piano)
FRASE: Em comemoração aos 90 anos do grande compositor revolucionário do tango, trio apresenta obra de Piazzolla em singular formação

O Trio Images , fundado em 1999,é composto por  três dos mais importantes músicos brasileiros, Cecília Guida(violino),Henrique Muller (viola) e Joaquim Paulo Espirito Santo(piano),professores conceituados, com excelente formação européia e concertistas premiados. A sua singular formação, repertório, técnica, sonoridade e afinidade musical têm levado o Trio a realizar inúmeros concertos no Brasil e exterior (Armênia, Geórgia, Rússia, Argentina, etc) convidados pelos governos locais,pelo “Comitê de Cultura de Moscou” e por outras entidades sempre com relevante sucesso (“…a magia do Trio virtuoso…” – Revista da Academia de Ciências da Rússia; “…músicos de raça e perfeição…” – La Nación), intercambiando composições brasileiras com as dos países em que se encontraram, verdadeiros “Embaixadores da Música” (Maestro Walter Lourenção). Com várias estréias de obras inovadoras e algumas dedicadas ao Trio (Cláudio Santoro, Villani-Côrtes, Marlos Nobre, etc), foi “Revelação” em 2002 ( Revista“Concerto”), recebendo no mesmo ano, a “Condecoração de Honra” do Governo Armênio, pela sua inestimável divulgação pelo mundo da música armênia.Em 2009,completando 10 anos de atividades,o Trio Images, em tournée, recebeu em Yerevan o“Diploma da Cultura” e a “Medalha de Ouro da Cultura”outorgados pela Sra.Ministra da Cultura da Armênia H.Pogyosyan, a mais alta e honorável condecoração oferecida a artistas pelo governo armênio.
Foi considerado o” Melhor Conjunto de Câmara de 2006” pela APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) e em 2008 recebeu da mesma entidade o “Grande Prêmio da Crítica  “ . Em 2007, O Trio Images foi laureado com a  “Ordem do Mérito Cultural Carlos Gomes” no grau de Comendadores, em reconhecimento ao seu trabalho e incentivo cultural.

CECÍLIA GUIDA (violino)
Spalla de várias orquestras brasileiras e européias, bolsista do governo alemão, diplomou-se com nota máxima pela Universidade de Köln, aperfeiçoando-se no Conservatório Superior de Genebra,Suíça..Estudou com grandes mestres: Lyerco Spiller, Yehudi Menuhin, Berta Volmer, Max Rostal e Corrado Romano.

HENRIQUE MÜLLER (viola)
Primeiro viola de diversas orquestras brasileiras e européias, estudou com grandes mestres (Corrado Romano, André Vauquet, Doris Roussiaud e outros) como bolsista do Conservatório Superior de Genebra, Suíça.Aluno de Cláudio Santoro,foi 15 anos, maestro da Orquestra Sinfônica Jovem Municipal de S.Paulo.

JOAQUIM PAULO ESPIRITO SANTO (piano)
Pianista de carreira, regente e importante correpetidor no Brasil todo, estudou piano com Nellie Braga (Escola Magda Tagliaferro) e regência com Eleazar de Carvalho.Regeu várias orquestras importantes (Osesp). É mestrando em Musicologia pela UNESP e maestro associado na Orquestra Filarmônica Afro-Brasileira.

PROGRAMA

Astor Piazzolla  (1921-1992)
Lo que vendrá
Adiós nonino
Fuga 9
Fuga y mistério
Las 4 estaciones porteñas
Verano
Outoño
Invierno
Primavera
Suite del angel
Tango
Milong
Muerte

Dia 11
Recital de violão com Marcos Gomes
FRASE: Violonista interpreta obras de grandes compositores nacionais, colocando em destaque composições brasileiras.

Este eminente virtuose do violão de exuberante talento e musicalidade, nasceu em São Paulo. Seu interesse pela musica, veio inicialmente através de seus pais e irmãos. Em sua casa paterna, a boa musica sempre foi cultuada com muita seriedade. Dentro deste ambiente, o então menino Marcos Gomes, começa a despertar a tensão de seus pais e irmãos com seu exuberante talento musical direcionado para o violão.
Sentindo a necessidade de aprimorar seus estudos, procurou o escritor deste modesto livro, com quem fez minucioso estudo técnico relacionado ao violão e aos primeiros rudimentos de teoria musical.
Sua brilhante carreira de solista de violão iniciou-se durante o Primeiro Ciclo do Violão em 1991, com patrocínio AABB(Associação Atlética Banco do Brasil), e apoio cultural do Sesc Pompéia.
No ano de 1993, fez curso de teoria musical na ULM(Universidade Livre de Musica- SP), com a professora Maria Zei.  Em 1998, participa do CD de Francisco Araújo, interpretando com brilhantismo a faixa denominada Oliveirais. Em função disto no ano de 2003, gravou seu primeiro CD na gravadora CPC-UMES, denominado MARCOS GOMES, NO MESMO PIQUE. No mesmo ano, participou de um memorável espetáculo de música instrumental na qualidade de solista de violão na serie SESC INSTRUMENTAL BRASIL.
No transcorrer do ano de 2004, quando ainda estamos escrevendo este livro, Marcos Gomes já gravou seu segundo CD, com solos instrumentais para violão de grande virtuosismo, destacando-se obras como Moto perpétuo de N. PAGANINI, entre outras  obras de grande envergadura. 
No ano de 2005 e 2006, participou com brilhantismo do Primeiro Seminário de violão Laurindo de Almeida, realizado em Miracatu,  no interior de São Paulo ,com o patrocínio do Departamento de cultura daquela cidade.
Nos anos 2009, viaja para São Luiz do Maranhão, onde realiza apresentações ao lado de Guinga , Sebastião Tapajós entre outros renomados artistas interpretando obras do ilustre compositor maranhense Ubiratan de Souza.
Neste ano participa da serie Movimento violão, um evento musical dos mais conceituados  direcionado para o violão , onde  realizou recitais  nas cidades de São Paulo, Ribeirão Preto e Araraquara
Durante o ano de 2010, gravou diversos programas especiais em solos de violão para renomadas emissoras de televisão.
A carreira de Marcos Gomes, já alcançou notoriedade Nacional e com certeza será reconhecida internacionalmente

PROGRAMA
Dilermando Reis  
Contra- Tempo
Viola Triste
Disse me Disse
Eterna Saudade
Uma Noite em Hifa
Magoado
Noite de Lua
H. Villa –Lobos
Prelúdios 1 e 3
Isaac Albenis
Astúria
João Pernambuco
Interrogando
Genésio Nogueira
Memórias de Villa-Lobos
Dansa Paraguaia
Américo Jacomino (Canhoto)
Abismo de Rosas
Armandinho Neves
Mafuá
F. Tárrega
Recuerdo de Alhambra
Gaspar Sagreras
Una lagrima
Francisco Araujo
Seresta da Saudade
Moleque Travesso
Rapsódia Nordestina
Dansa Paraguaia
Relíquias do Tempo
Genésio Nogueira
Notas de Saudades
Ernesto Nazareth
Odeon

Dia 18
Recital de violão Com Francisco Araújo
FRASE: Com composições próprias, e outras que demonstram o universo brasileiro, artista apresenta repertório inspirado no batuque.

Francisco Araújo (violão)
Este exímio  virtuose do violão, compositor e interprete, iniciou seus estudos de violão com seu pai, que era um solista de violão de talento  e colecionador de um seleto arquivo de gravações tanto de musica instrumental brasileira direcionada para o repertório do violão como também  de outros instrumentistas,cantores e interpretes de grande expressão que contribuíram para a história da musica brasileira.
Foi dentro deste ambiente musical que o então ainda menino Francisco Araújo despertou para o mundo da musica e conseqüentemente para o universo do violão.
 Seu pai que foi seu primeiro professor, apesar de  possuir um invejável domínio técnico do violão  não tinha conhecimento de teoria musical e quando percebeu a manifestação espontânea do talento musical do filho decidiu procurar o professor e violonista José Alves da Silva, conhecido nos meios artísticos e musicais com o pseudônimo artístico de Aimoré.
foi com este mestre do violão brasileiro que Francisco Araújo aprimorou os seus estudos técnicos pertinentes ao violão e estudou teoria musical.
Mantendo um seqüência de estudos durante um período de quatro anos sobre  a primorosa orientação do  mestre Aimoré, Francisco Araújo matriculou-se n o Conservatório musical de São Caetano do sul, graduando-se  como professor de violão.
Logo após estudou harmonia tradicional com  Osvaldo Lacerda e em seguida harmonia funcional com Marilena de oliveira, J. Zula de oliveira.
Dando seqüência a sua formação musical estudou composição com Guido Santórsóla e  J.J.koelheuter.

PROGRAMA

Dilermando Reis
Eterna saudade
Batuque 
Tom Jobim
Luiza
Francisco Araujo
Na onda do Blues
Caindo no batuque
Dilermando Reis
Caxinguelê
Francisco Araujo
Capibano (frevo dedicado ao Capiba)
Variações sobre um tema de Ernesto Nazareth
Rapsódia nordestina (sobre temas de Humberto Teixeira e Luiz Gonzaga)

Dia 25
Violão Impressionista com Diogo Carvalho
FRASE: Explorando a atmosfera onírica, enigmática e fascinante, violonista expande repertório do violão solo e traz novos desafios para o instrumento.

Nascido em São Paulo, Brasil, em 1984, Diogo Carvalho é formado em Música pela Universidade de São Paulo (USP) e cursa atualmente o mestrado em música nessa mesma universidade. Seu tema de pesquisa são suas próprias transcrições para violão solo de obras de Debussy e Ravel.
No disco Impressionim – Acoustic Guitar Solo o violonista alcança resultados surpreendentes, executando as transcrições para violão, feitas por ele mesmo, de obras compostas para piano ou orquestra por Claude Debussy, Maurice Ravel e Erik Satie. Nessas leituras originais de repertório tão conhecido, o violão solo recria e ressalta a atmosfera onírica, enigmática e fascinante do impressionismo, a ponto de as peças soarem como se tivessem sido concebidas originalmente para o
próprio instrumento.
O domínio alcançado por Diogo Carvalho na arte da transcrição reflete o conhecimento da linguagem do piano, no qual iniciou seus estudos de música, em 1988, aos quatro anos de idade. Ao adotar o violão como seu instrumento, Diogo passou de imediato a praticar a transcrição de músicas compostas para piano, o que abriu caminho para uma compreensão própria do violão, com novas possibilidades técnicas e interpretativas.
Diogo Carvalho atua também no ensino de música. O primeiro volume de Violão Solo MPB, lançado por ele em 2006, reúne arranjos originais de músicas do cancioneiro popular brasileiro. O projeto foi concebido para atender às necessidades de iniciantes no instrumento, desejosos de tocar em violão solo canções populares, usualmente executadas com violão e voz.

PROGRAMA
Claude-Achille Debussy (1862-1918)
La Fille aux Cheveux de Lin
Maurice Ravel (1875 – 1937)
Menuet Sur le Nom D´haydn
A la Maniere de Borodine 
Claude-Achille Debussy (1862-1918)
La Plus que Lente
Maurice Ravel (1875 – 1937)
Prelude
Erik Satie (1866 – 1925)
Gymnopedie 1
Gnossienne 1
Maurice Ravel (1875 – 1937)
Pavane de la Belle au Bois Dormant
Claude-Achille Debussy (1862-1918)
Doctor Gradus Ad Parnassum
The Little Shepherd 
Golliwogg´s Cake Walk 
Maurice Ravel (1875 – 1937)
Pavane Pour une Infante Defunte 
Claude-Achille Debussy (1862-1918)
Clair de Lune 
The Little Nigar

Música Popular

Quinta na Faixa
Quinta-feira, 19h
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 06
Marco Lienhard e Convidados
Com: Marco Lienhard (Shakuhachi e Taiko), Matheus Ferreira (Shakuhachi), Tamie Kitahara (Kotoe e Shamisen) e Gustavo Eda (Tsugaru Shamisen e Canto)
Frase: Em passagem pelo Brasil, mestre Marco Lienhard apresenta um concerto de música tradicional japonesa focado no Shakuhachi, flauta japonesa, e no taiko, tambor, ao lado de outros intrumentistas.

Dia 13
Escola Municipal de Música – Regência: Jorge Salim
Frase: Grupo da Escola Municipal de Música apresenta clássicos da música brasileira e internacional sob a regência do maestro Jorge Salim

Dia 20
Los Labios
Frase: Sucesso na noite indie de Buenos Aires, o grupo apresenta uma cumbia moderna com fusões eletrônicas, com destaque para a performance da cantora e atriz Lulú Jankilevich.

Show ao Meio-dia no CCSP
Sexta-feira, 12h30
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia  07
Celso Cardoso e os Impossíveis
Com sua banda, o cantor e comentarista esportivo interpreta expressivos nomes do pop rock nacional.

Dia 14
Felipe Cazaux
Com um trabalho calcado no blues, Felipe Cazaux foi destaque nas revistas Guitar Player e Blues’n’ Jazz por voz singular e o timbre característico de sua guitarra.

Dia 21
Santurys e Trio Taj
O sitarista, introdutor da world music no Brasil, apresenta um repertório espelhado em suas vivências na Índia e na Espanha.

Shows / 2011
Sexta-feira e sábado, 19h e domingo, 18h
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 07, 08 e 09
André Mehmari e convidados: Marília Vargas e Tiago Pinheiro (dia 7), solo (dia 8), Luca Raele (dia 9).
Pianista, arranjador, compositor e multiinstrumentista, André Mehmari é um dos mais completos músicos brasileiros.

Dia 21
Mônica Feijó
Cantora, compositora, atriz e bailarina de Recife mostra seu novo trabalho acompanhada por músicos do Mundo Livre S.A.

Dia 22
Raíces de América
Valorizando a cultura latino-americana no cenário brasileiro, o grupo transita por temas políticos, folclóricos, cotidianos e musicais de toda América Latina

Dia 23
Carlos Careca
Lançamento do cd Alma Boa de Lugar Nenhum com canções de Carlos Careqa e Bertolt Brecht, participação de Paulo Braga (piano)

Especiais CCSP – Risos e lágrimas, uma noite para Nelson Cavaquinho
Sábado, 19h e domingo, 18h
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 01 e 02
Adriana Moreira, Ilana Volcov, Karine Telles e Karina Ninni
Participação especial: Eduardo Gudin
Quatro vozes femininas interpretam a obra de Nelson Cavaquinho

Bafafá Instrumental
Quinta, sexta, sábado e domingo
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 27
Marcos Paiva Trio
O baixista, compositor, arranjador e produtor Marcos Paiva apresenta o espetáculo “Meu Samba na Prato”, uma homenagem ao disco “Edison Machado é Samba Novo” e à toda a geração de músicos pioneiros do samba jazz.

Dia 28 – Show ao meio dia – Especial (sexta-feira, 12h30)
Regional Imperial
Com uma instrumentação que conta com violão, cavaquinho, pandeiro e violão 7 cordas, o grupo tem como principais referências os regionais de Benedito Lacerda, Canhoto e Época de Ouro.

Dia 28
Flávio Bala Quarteto
Com uma formação de teclados, baixo, bateria, samples e programação de bateria, o saxofonista apresenta repertório de artistas como Ray Charles, Radiohead, Pixinguinha, Charles Parker… Numa concepção atualíssima.

Dia 29
Raul de Souza
Músico Convidado: Fábio Torres (piano)
Com suingue próprio, o trombonista mostra interpretações originais para standards da música brasileira e internacional.

Dia 30
DUOFEL
O duo de Violões lança o DVD gravado no Cavern Club, em Liverpool, tocando Beatles.

Festival de Improvisação
A série reúne músicos brasileiros e estrangeiros ao longo do ano em apresentações de improvisação livre, tipo de música que incorpora elementos da música erudita contemporânea, vertentes do jazz, música folclórica, rock, entre outros, em torno de um ideal de composição desvinculada de estruturas prévias. Parte dos espetáculos está inserida na programação regular de música do CCSP; outra parte acontece em dias, salas e horários alternativos, aproveitando as múltiplas possibilidades deste espaço.

Espaço Cênico Ademar Guerra
Sábado, às 21h, domingo, às 19h
Oficinas: de 19 a 21 de outubro. Mais informações e inscrições no site do CCSP.
Entrada Franca

Dias 22 e 23
II Festival Internacional Abaetetuba de Improvisação Livre
Com: Hans Koch (clarone – Suíça), Javier Carmona (bateria – Espanha), John Russel (guitarra – Inglaterra) e Marcio Mattos (violoncelo – Inglaterra/Brasil)
Pelo segundo ano consecutivo, o Centro Cultural São Paulo convida para sua série o coletivo paulista Abaetetuba, que recebe quatro expoentes da improvisação livre mundial para oficinas e apresentações musicais em diversas formações instrumentais. O grupo atualmente conta com Panda Gianfratti (percussão), Rodrigo Montoya (shamisen) e Thomas Rohrer (sax e rabeca).

Progressivos
Importantes nomes do rock progressivo nacional em performances criadas especialmente para este evento
Sexta e sábado, às 19h, domingo, às 18h
Sala Adoniran Barbosa – Entrada Franca

Dia 14
Violeta de Outono
Surgida em meados dos anos oitenta, moldou uma sonoridade própria ao misturar tendências da época à psicodelia de Pink Floyd e Beatles.

Dia 15
Sergio Hinds
Líder da aclamada banda de rock progressivo O Terço, Sergio Hinds lança o álbum solo “Alive”, indicado ao Grammy de melhor disco de rock brasileiro do ano.

Dia 16
Terreno Baldio
Ícone do Rock Progressivo que volta depois de mais de três décadas.

Concerto Especial (incluir)
Sala Jardel Filho
Sábado, 11h30
Entrada Franca

Dia 29
Judicaël Perroy
Frase: Violonista francês premiado pela Revista Diapason apresenta repertório com obras de Bach, Granados e Barrios, entre outros.

Vencedor de vários concursos internacionais, o francês Judicaël Perroy é um dos maiores violonistas de sua geração. Talento precoce, começou a tocar violão aos 7 anos de idade no “Conservatoire Municipal Inter-arrondissements” de Paris.  Desde então, tem desenvolvido uma bem sucedida carreira internacional, chegando agora pela primeira vez ao Brasil. Além de possuir uma técnica virtuosa e maturidade musical, Judicaël tem como diferencial a utilização de um violão concebido pelo renomado luthier australiano Greg Smallman, que que dá ao instrumento uma potência de som inédita no universo violonistico através de uma técnica de construção inovadora.

PROGRAMA

J. S. Bach (1685 – 1750)
Suite para Alaúde BWV 997
Präludium
Fuge
Sarabande
Gigue-Double

Prelúdio, Fuga e Allegro BWV 998

INTERVALO

Manuel Maria-Ponce (1882 – 1948)
Sonata 3                                                                                                       
Allegro Moderato                                                                                                    
Chanson                                                                                                     
Allegro non troppo

Agustin Barrios (1885 – 1944)
Choro da saudade

Enrique Granados (1867 – 1916)
Valses poeticos

Gilberto Mendes completa 89 anos

Hoje, 13 de outubro, o compositor Gilberto Mendes completa 89 anos. Ele nasceu na cidade de Santos (SP), no dia 13 de outubro de 1922. Aqueles que acham que a obra do compositor santista é fortemente marcada pela música popular poderão estranhar o fato de, até aos nove anos de idade, sua iniciação musical ter sido inteiramente erudita. Aos dezoito anos, sob o impacto do filme Fantasia, de Walt Disney, Gilberto Mendes resolveu estudar música, abandonando a Faculdade de Direito que tinha começado em São Paulo. Ele reconhece que esse filme – que viu e reviu muitas vezes – foi um divisor de águas em seu desenvolvimento. É importante lembrar que o seu então cunhado, Miroel Silveira, foi um dos grandes incentivadores para que ele seguisse a carreira de músico.

Gilberto Mendes estudou harmonia com Savino de Benedictis e piano com Antonieta Rudge no Conservatório Musical de Santos, no período de 1941 a 1948. No ano de 1954, ele teve algumas aulas com o compositor Claudio Santoro, que o preveniu que não era bom morar em um lugar tão bonito, à beira-mar, pois naturalmente a beleza iria desviá-lo de seu trabalho. E, de fato, o próprio Gilberto Mendes reconhece que, além de ter começado tarde os estudos de música, seu progresso foi mais lento do que o esperado, pois ele tinha que ir à praia. Mas o próprio compositor encara com naturalidade tudo que a vida lhe reservou, ele não se arrepende de nada. Esse é um fator importante na personalidade de Gilberto Mendes, tudo soma, nada subtrai ou divide.

Trecho da minha Dissertação de Mestrado A Influência da Poesia Concreta na Música Vocal dos Compositores Gilberto Mendes e Willy Corrêa de Oliveira. Unesp, Agosto de 2002.

Seguem dois videos:

Gilberto Mendes – Asthmatour – Madrigal Ars Viva – Regente: Mº Roberto Martins

Gilberto Mendes (1922) – Poema de Décio Pignatari /
Coro a capella da 28° Oficina de Música de Curitiba – Regência: Mara Campos

Cartola – O genial compositor

Hoje, 11 de outubro, Cartola estaria completando 103 anos, incrível que, trinta e um anos após a sua morte, suas músicas ainda mostram a  grande força deste grande compositor e letrista, sem dúvida nenhuma um dos maiores já surgidos na música brasileira.
Angenor de Oliveira nasceu no Rio de Janeiro no dia 11 de outubro de 1908 e morreu no dia 30 de novembro de 1980.
O criador da Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, criou também o seu uniforme, nas cores verde e rosa, foi o seu primeiro Diretor de Harmonia. Compositor reverenciado pelos outros compositores na sua época e posteriormente. Compositor que era admirado por Villa-Lobos e que o apresentou ao maestro Leopold Stokovisky, na ocasião que foi gravado um disco com os mais importantes músicos brasileiros. Foi parceiro de Noel Rosa, Carlos Cachaça, Elton Medeiros e tantos outros. Teve suas músicas gravadas por Carmen Miranda, Francisco Alves, Beth Carvalho, Ney Matogrosso entre tantos outros artistas. Um compositor genial, com todo direito de ser um imortal.

Shostakovich – Concerto para Cello

Tem dias que eu acordo ouvindo, nas minhas memórias, trechos desse brilhante concerto, ou simplesmente andando vou ouvindo trechos dessa obra. Que obra prima, da grande tradição russa de uma brilhante orquestração. Aproveitem e apreciem.

Shostakovich: Cello Concerto n.1 op.107 – Mischa Maisky – 1st mvt. Leo Siberski conducts Saarbrücken Radio Symphony Orchestra
Martina Reitmann, horn

http://www.youtube.com/playlist?p=PLAF3A4FE23F0CAB65

Programação do Centro Cultural São Paulo – Setembro de 2011

Programação de Música do Centro Cultural São Paulo - CCSP  - Setembro 2011

Texto de Abertura

No início do ano a pianista pernambucana Elyanna Caldas desceu em São Paulo e veio conhecer o Centro Cultural. Ao ver a Sala Adoniran Barbosa com um show repleto de público pensou logo em propor um evento no qual pudesse apresentar seu último trabalho que destacou em CD um pouco da música de seu conterrâneo, o compositor Capiba que viveu entre 1904 e 1997. Assim nascia esse projeto que agora se consolida no concerto do dia  20 que apresenta não os frevos deste compositor de mais de 200 obras, mas as suas valsas e os seus choros com a rica herança nordestina que presenteia São Paulo.
Nesta linha de um evento clássico-popular a pianista Rosária Gatti apresenta um concerto de flores, isto é, selecionou um repertório de músicas que falam rosa, jasmim, flor de abacate, pássaros… Enfim um repertório que anuncia a primavera (dia 13). A série Concerto ao meio-dia traz ainda o Duo Amato formado pela pianista Nathália Kato e pelo clarinetista Herson Amorim com um rico programa que contempla, entre outras obras, a Fantasiestücke op. 73, de Schumann e a Sonata em Ré de Nino Rota. (dia 6). E no dia 27 o pianista búlgaro Miroslav Georgiev e a flautista norte-americana Sarah Hornsby apresentam um repertório com obras de compositores pouco conhecidos no Brasil como Vladiguerov, Schulhoff, entre outros. Uma oportunidade de conhecer novos sons.
A tradicional série Clássicos do Domingo traz em setembro dois programas instrumentais e dois programas dedicados ao canto. Continuando a parceria do CCSP com o Instituto Baccarelli temos no dia 7 o Quarteto de Cordas Baccarelli, formado por professores do Instituto que apresentam obras Beethoven, Webern e o trágico quarteto n. 8 de Shostakovich. No dia 18 um concerto-homenagem a um dos maiores compositores brasileiros do Século 20, o genial Almeida Prado (1943-2010), que coincidentemente realizou sua última palestra neste CCSP no dia 18/09/10. O Ensemble Almeida Prado liderados pelo Maestro Carlos Moreno apresenta um programa inteiramente dedicado à obra deste compositor. Nos concertos líricos o Duo Abumrad-Reis, formado pelo baixo Eduardo Janho-Abumrad e pelo pianista João Moreira Reis apresenta um delicioso programa romântico com obras de Liszt e Mahler, no dia 11. E no último domingo do mês, dia 25, Márcia Domingues (soprano), Martha Domingues (piano) e Érica Manfredini (violoncelo) apresentam as canções do mais recente CD da cantora, Brasil em Cores, com modinhas imperiais e música folclórica brasileira.
Mas não é só de música clássica que a programação do CCSP é formada. Aliás, a música popular é a que tem o maior número de espetáculos e amplo público diversificado. Os shows acontecem de quinta a domingo no período noturno e ainda tem o Show ao meio-dia, às sextas-feiras. Neste mês são 19 eventos de gêneros diversificados. Entre os artistas e bandas destacamos o suave timbre de voz Carolina Zingler, o multimidiático Loungetude46 dialogando com literatura e cinema, GEM – Grupo Experimental de Música com seus instrumentos inusitados de material reciclável, o guitarrista Tony Babalu, com seu trabalho experimental que remonta a primeira geração do rock paulistano, o grupo Tigre Dente de Sabre com sua música instrumental no limite do jazz e da música underground, o norte-americano Daniel Higgs ex-integrante da culturada branda Lungfish e muitas outras bandas e grupos. Veja a programação completa neste folder.  Destaque ainda para dois projetos de continuidade. Um que acontece ao longo do ano com programas mensais, o Festival de Improvisação, que neste mês traz Veryan Weston (piano), Hannah Marshall (violoncelo), Tony Buck (bateria), Ingrid Laubrock (viola), Mandy Drummond (viola) e Luc Ex (baixo), grupo de músicos europeus que fazem uma leitura livre de obras de compositores como Charles Ives e Eric Satie a Burt Bacharach.
O segundo projeto se integra com outros equipamentos municipais de cultura como o Centro Cultural da Juventude e a Galeria Olido, o conhecido Outubro Independente, que está em sua terceira edição – uma série de eventos que discute a produção independente através de performances e debates. Porém, uma programação integrada, combinando datas e compromissos de espaços culturais em rede, exigiu que o projeto Outubro Independente deste ano fosse realizado em setembro (!). Para não perder a história do projeto e para não dizer que neste ano outubro caiu em setembro, a esquisitice do nome Outubro em Setembro Independente/2011 tenta dar conta dessa história. Independente de outubro ou setembro ou esquisito o que vale é que a programação está ótima. Confira!

Francisco Coelho
Curador de Música

Música Clássica
 
Clássicos do Domingo
Domingo, 11h30
Sala Jardel Filho
Entrada Franca

Dia 04
Quarteto de Cordas Baccarelli
– Com: Luiz Amato (violino); Eliane Tokeshi; (violino); Renato Bandel (viola); André Micheletti (violoncelo)
FRASE: O quarteto apresenta obras de Beethoven, Webern e a obra que Shostakovich dedicou às vítimas do facismo e da guerra, o Quarteto n. 8.

RELEASE
LUIZ AMATO (violino)
Luiz Amato é natural de São Paulo, violinista e professor. Bacharel pela Universidade de São Paulo (USP) realizou Mestrado e Graduate Diploma pelo New England Conservatory de Boston, nos Estados Unidos. Em 1996, doutorou-se pela Universidade da Califórnia, em Santa Barbara, Estados Unidos, e, durante esse período, foi membro do quarteto de cordas em residência desta universidade, com o qual participou de vários festivais e concertos pelos Estados Unidos, Europa e Brasil.
De volta ao Brasil, Luiz Amato integrou como spalla a Camerata Novo Horizonte e a Orquestra de Câmara São Paulo, o Trio Ives e o Quarteto de São José dos Campos e Municipal da Cidade de São Paulo – com quem ganhou respectivamente em 1997 e 2001, o prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), na categoria “Melhor Grupo de Câmara do Ano”.
Foi spalla da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, da Amazonas Filarmônica e da Orquestra Jazz Sinfônica. Em 2006, gravou o CD “Abstrações” com o Grupo Quintal Brasileiro, o qual foi indicado pelo “Prêmio Toddy de Música Independente” como um dos melhores do ano na categoria instrumental.
Ex-Diretor Artístico da Orquestra de Câmara da UNESP, atualmente Luiz Amato é professor da UNESP e do Instituto Baccarelli.

ELIANE TOKESHI (violino)
Obteve o título de Bacharel em Violino no Instituto de Artes da Unesp, como aluna do professor Ayrton Pinto. Premiada com uma bolsa do governo brasileiro (CAPES), deu continuidade aos estudos na Boston University, Estados Unidos, onde estudou com o professor Peter Zazofsky. Em 1999, concluiu o curso de Doutorado em Violino na Northwestern University em Chicago, sob orientação de Gerardo Ribeiro.
Recebeu diversos prêmios, como o 1o lugar nos concursos Jovens Instrumentistas do Brasil, Jovens Estímulos do Estado de São Paulo e Jovens Solistas da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, quando atuou sob a regência do maestro Eleazar de Carvalho. Em 1998, venceu o Concurso de Solistas da Northwestern University.
Como solista, tocou à frente de várias orquestras, com destaque para as orquestras da Universidade de São Paulo, da Unesp, Sinfonia Cultura, Sinfônica de North Shore e da Universidade da Northwestern (EUA).
Apresenta-se também em recitais e concertos de música de câmara. Tem realizado várias estreias de obras, conseqüência de destacado trabalho voltado para a valorização do repertório brasileiro e contemporâneo. Com freqüência tem lecionado em festivais, como os de Campos de Jordão, Londrina, Ourinhos e Gramado, e ministrado master classes em universidades. 
Foi professora de violino e música de câmara da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e atualmente leciona no Departamento de Música da Universidade de São Paulo e no Instituto Baccarelli.

RENATO BANDEL (viola)
Nascido em Piracicaba, São Paulo, iniciou seus estudos de música aos seis anos de idade, com sua mãe. Estudou com Maria Lúcia Krug, Celisa Frias, Ed Walson Marafon, Yoshitame Fukuda, Elisa Fukuda, Marcelo Jaffé, Paulo Bosísio, Neithard Resa e Hartmut Rohde.
Aos 20 anos, recebeu uma bolsa para estudar na Academia da Orquestra Filarmônica de Berlim. Realizou concertos com essa orquestra sob regência de Claudio Abbado, Daniel Barenboim, Seiji Ozawa, Günter Wand, Zubin Mehta, Bernard Haitink, Simon Rattle, Nikolaus Harnoncourt, entre outros, em várias cidades europeias. Com esta orquestra, realizou diversas gravações de CDs e DVD.
Em 2000, recebeu título de “Mestre” na Universidade de Artes de Berlim.
Recebeu o “Prêmio Carlos Gomes – Melhor Conjunto de Câmara”, em 2006, como integrante do Quarteto Camargo Guarnieri.
Durante sua estadia de sete anos em Berlim integrou a “Ensemble Oriol Berlin”, realizando concertos na Alemanha, México, Portugal, com renomados solistas internacionais. Atuou também como músico convidado na Orquestra Gulbenkian (Lisboa / Portugal).
É professor e coordenador do Instituto Baccarelli (São Paulo). Coordena também o Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão e a Escola de Música do Estado de São Paulo (EMESP).

ANDRÉ MICHELETTI (violoncelo)
Natural de Piracicaba, André Micheletti é professor de violoncelo na Unicamp, coordenador pedagógigo do projeto de ensino musical na cidade de Paulínia e está na fase final de seu doutorado na Indiana University, como bolsista da CAPES – Fulbright, em Violoncelo e Violoncelo Barroco, sob orientação de Helga Winold, Nigel North e Stanley Ritchie, tendo aulas particulares e masterclasses com Janos Starker.
Mestre em Violoncelo e Pedagogia do violoncelo pela Northwestern University em Chicago, sob orientação de Hans Jörgen Jensen e Bacharel em violoncelo pela Unicamp, sob orientação de Antonio Lauro del Claro.
Participou de festivais de música nacionais e internacionais, além de aulas particulares e masterclasses com Roberto Ring, Frans Helmerson, Hidemi Suzuki, Antonio Menezes, Robert Suetholz, Cláudio Jaffé, Wieland Kujken, Eric Kim, John Holloway e Christopher Hogwood.
Foi concertino da Columbus Indiana Philharmonic Orchestra, concertino da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal de São Paulo e primeiro violoncelo da Camerata Fukuda e da Orquestra de Câmara da Unesp. Atuou ainda junto a Orquestra Experimental de Repertório e Jazz Sinfônica.
Como solista, fez, entre outras apresentações, a primeira audição do concerto para violoncelo e orquestra de Edmundo Villani Côrtes. Como recitalista e camerista, tem atuado no Brasil e nos Estado Unidos.
Atuou como camerista convidado do Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo, na série “Pinacoteca – Bank Boston” e na série de concertos do Centro de Cultura Judaica.
Foi o primeiro colocado e melhor intérprete de Música Brasileira nos Concursos Estímulo aos Jovens Solistas do Brasil e no Concurso Jovens Instrumentistas do Brasil, além de vencedor do Concurso Jovens Solistas da Orquestra Experimental de Repertório.
Com instrumento de época (violoncelo barroco), foi finalista do Concours Etoile-Galaxy, de Montreal, com o Trio Vetruviani e semi-finalista da competição “A Tre”, em Trossingen, Alemanha.
Em 2009, foi vencedor do Concurso de Música da Espanha e América Latina, promovido pela Embaixada da Espanha nos Estados Unidos e pelo Centro de Música Latino-Americana da Indiana University.
Foi professor na escola da Columbus Indiana Philharmonic Orchestra, da Universidade Livre de Musica – Centro de Estudos Musicais Tom Jobim e dos festivais de Música de Juiz de Fora, Belém do Pará, Londrina, do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão e do FIB – Festival de Internacional de Inverno de Brasília. É professor de violoncelo no Instituto Baccarelli.

PROGRAMA

Ludwig van Beethoven (1770-1827)
Quarteto de cordas nº 1, em fá maior, op. 18
Allegro con brio
Adagio affetuoso ed appassionato
Scherzo
Allegro
Anton Webern (1883-1945)
Langsamer Satz
Dmitri Shostakovich (1906-1975)
Quarteto de cordas nº 8, em dó menor, op. 110
Allegro molto
Allegretto
Largo

Dia 11
Duo Abumrad / Reis
– Com: Eduardo Janho-Abumrad (baixo) e João Moreira Reis (piano)
FRASE: O Duo traz um repertório romântico com obras de Franz Liszt e o Gustav Mahler.

RELEASE:
O duo entre o baixo Eduardo Janho-Abumrad e o pianista João Moreira Reis atua desde 1985 e de seus programas constam, desde o início de sua formação, obras dos períodos que vão do Barroco ao Romantismo, do Impressionismo ao Modernismo, incluindo os nacionalistas espanhóis e brasileiros, divulgando-os também no exterior, por ocasião da estada do Duo em Milão, entre os anos de 1988 e 1995. 
Além das performances como duo, ministram cursos de aperfeiçoamento técnico e de interpretação lírica e de câmera, como ocorreu entre 2005 e 2008, nos curso de Canto do Festival de Inverno de Sabará,  patrocinados pela Secretaria de Cultura de Sabará e pela UniBH.
As apresentações do Duo despertam sempre os aplausos do público, acompanhadas freqüentemente de elogiadas críticas especializadas em jornais do Brasil e do exterior. Dentre as apresentações, destacam-se aquelas realizadas no Palazzo dei Leoni, em Asti, e no Auditório da RAI, em Turim, ambas na Itália; no MASP, Sala Cidade de São Paulo, Teatro Municipal, em São Paulo. Recentemente realizou recitais no Rio de Janeiro (Espaço Finep), Belo Horizonte (Palácio das Artes) e São Paulo (Centro Cultural São Paulo,  Masp, Sesc Vila Mariana e Teatro Popular do Sesi) e pelos Sesis de várias cidades do interior de São Paulo.

EDUARDO JANHO- ABUMRAD
(baixo)
Estreou no Teatro Municipal de São Paulo em 1976 (La Traviata e Macbeth) e na Missa Diligite, de Camargo Guarnieri – sob sua regência – no Teatro Cultura Artistica (1977). Em 1979 gravou autores brasileiros na Radiotelevisión Española e estreou em Werther no Theatre de la Monnaie, em Bruxelas. Cantou no Festival Verdi de Ludwigshafen (Il Corsaro) e, no Festival de Martina Franca, Les Pêcheurs de Perles, de Bizet, gravado pelo selo Nouva Era e Gala Mozart. Apresentou-se nas Salas Verdi e Puccini do Conservatório Giuseppe Verdi, de Milão e no Teatro da Rai de Turim. De volta ao Brasil cantou Requiem,  Nabucco, Il Trovatore, Rigoletto e Macbeth de Verdi,  Salvator Rosa,  Il Guarany e Lo Schiavo de Carlos Gomes,  Il Barbiere di Siviglia e Missa Solene de Rossini; criou Gonçalo em A Tempestade de Ronaldo Miranda e Ways of the Voice de Leo Kupper em São Paulo, Espanha e Bélgica. Privilegia também a música de câmera, e com o Duo Abumrad-Reis desde 1983, apresenta-se no Brasil e Europa. Gravou Remeiros do  São Francisco de Ernst Widmer, Way of the voice, Dedicatórias (canções nacionais), com o pianista João Moreira Reis  e Top 28, memória da Ópera Brasileira. Dentro outros, estreou em 2010 Oroveso (“Norma”), Frate (“Colombo”), as Quatro Canções Sérias (Branhms )e ciclo de Canções (Lorca). Estudou com Tiana Amarante e Herminia Russo (Brasil) e Romolo Gazzani, Rodolfo Celetti  e Luiza Giannini (Itália) .
No Teatro Castro Alves, de Salvador, cantou, anteriormente, La Bohéme, de Puccini, Lucia di Lammermoor, de Donizetti e Il Trovatore, de Verdi, sempre sob regência do Maestro  Pino Onnis.

JOÃO MOREIRA REIS (piano) 
Natural de Barretos, SP, onde iniciou os estudos musicais e de piano com Janette Bampa, tendo se diplomado pelo Conservatório Musical “Carlos Gomes”.  Posteriormente concluiu o curso de piano pela Faculdade Paulista de Arte, na capital paulista, onde estudou com Vera Velloso e André Müller, com quem retomou os estudos de aperfeiçoamento técnico e estilistico em 2004.  
Desde 1985, colabora ao piano com cantores eruditos, acrescentando à atividade de solista a de camerista, com apresentações no Brasil, Alemanha e Itália, em salas como MASP e Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo, Auditório Cláudio Santoro, em Campos do Jordão, Palácio das Artes, em Belo Horizonte, Estúdio Bennet Kleintje, em Munique/Alemanha, Auditório RAI de Turim, Palazzo Ottolenghi, de Asti, e Academia Européia de Música de Erba, na Itália. Registrou para a Europa Rádio de Milão e gravou o CD “Dedicatórias”, pela Algol (São Paulo). 
Luiz Gonzaga de Oliveira (Brasil), Fábio Luz e Adriana Maimone (Itália) são nomes que influenciaram seu aperfeiçoamento.

PROGRAMA

Franz Liszt (1811-1886)
Du bist wie eine Blume  ( Heinrich Heine)
Des Tage laute Stimmen schweigen  (Ferdinad von Saar)
Ein Fichtenbaum steht einsam ( Heinrich Heine)
Valse Obliée – piano solo
Einst  (Friedrich v. Bodenstedt)
Gebet (Friedrich v. Bodenstedt)
Sei still (Henriette von Schorn)
Consolação nº 2- piano solo
O Lieb (Ferdinad Freiligrath)
Oh, quand je dors ( Victor Hugo)
Gustav Mahller (1860-1911)
Rückertlieder
Liebst du um Schönheit
Ich atmet’ einen linden Duft
Blicke mir nicht in die Lieder
Um Mitternacht
Ich bin der Welt abhanden gekommen

Dia 18
Ensemble Almeida Prado
– Com: Helenice Audi (piano); Constança Almeida Prado (violino); Joaquim Abreu (percussão); Eduardo Bello (violoncelo) e Carlos Moreno (Direção Artística)

FRASE: A diversidade na música de câmara de Almeida Prado

RELEASE

JOAQUIM ABREU (Percussão)
Joaquim Abreu iniciou seus estudos musicais em São Paulo e entre 1981 e 84 foi bolsista do governo francês, obtendo diplomas de percussão e música de câmara no Conservatório Nacional da região de Strasbourg – França, nas classes Jean Batigne e Detlef Kiefer. Em 1985, quando retornou ao Brasil, se integrou por concurso a Orquestra Sinfônica Brasileira. O percusionista chegou a se apresentar no Carnigie Hall, em Nova York, na Rádio France, em Paris, e no Grand Theatre de Genebra com o Duo Diálogos de Percussão, um de seus trabalhos mais expressivos. Por 20 anos lecionou percussão e música de câmara na Escola Municipal de Música de São Paulo. Com Andrea Kaiser desenvolve um criativo Duo para voz e percussão , o Materiales Ensemble. Integra também o Núcleo Hésperides “Música das Américas”.

Helenice Audi (Piano)
Nasceu em São Paulo. Fez seus estudos de Piano com Lina Pires de Campos e Arnaldo Estrella . Matérias teóricas, Harmonia, Contraponto, Análise e História da Música com Osvaldo Lacerda e Camargo Guarnieri .Ganhou vários Concursos entre eles o 1o  prêmio no Concurso Nacional de Tatuí , 1o  prêmio no Concurso Jovens Solistas da OSESP e  Prêmio Governador do Estado de S. Paulo. Formou- se em Piano e Virtuosidade pelo Conservatório Sta. Cecília de São Paulo. Com Maria Curcio fez Curso de Interpretação e Téçnica Pianística. Formou- se em Pedagogia na Universidade Oswaldo Cruz.
Como solista apresentou- se ao lado de regentes como: Eleazar de Carvalho, Diogo Pacheco, Flavio Florence, Carlos Alberto Pinto Fonseca , Reinaldo Calegari entre outros. Realizou Recitais e Gravações de Música Brasileira em Helsinqui, Copenhage, Roma, Genebra, Frankfurt, Nova Iorque, e em várias capitais brasileiras. Realizou diversas estréias mundiais no Brasil e na Europa da obra pianística de Almeida Prado. Como camerista, apresentou-se junto à Evgenia Popova, Perez Dworecki, Dartiu Silveira e paralelamente tem se dedicado à atividade pedagógica.
Em 2006, participou do Projeto Petrobrás : Música Contemporânea em registro na Discoteca Oneyda Alvarenga,  sob direção de Francisco Coelho, com a gravação de Obras para Violino e Piano de Almeida Prado.

Constança Almeida Prado (Violino)
Premiada com a Bolsa de Estudos da CAPES/Brasília, programa Apartes, concluiu em 2001 o Mestrado em Violino-Performance na Manhattan School of  Music – New York, com a orientação do Professor Isaac Malkin, música de câmara com Isidor Cohen e Sylvia Rosenberg, interpretação com Kenneth Cooper. Com a orientação de Evgenia Popova, Ayrton Pinto e Cecília Guida, realizou o Bacharelado em Violino na Faculdade Santa Marcelina em 1998, onde orientada por Paulo Castagna e Álvaro Carlini, desenvolveu o trabalho “31 Compositores Paulistas – Panorama da Obra violinística”.
Nascida em São Paulo em 1978, iniciou os estudos de violino aos seis anos com Yoshitame Fukuda e Elisa Fukuda. Estudou teoria musical,  percepção e análise  com Osvaldo Lacerda e Dante Cavalheiro. Recebeu os Prêmios: 1o lugar no Concurso Nacional de Violino de Piracicaba, Prêmio de Melhor Intérprete de Música Brasileira e 2o lugar  no Concurso IBEU Nacional de Violino, Indicação ao Prêmio Carlos Gomes 2001.
Como solista de orquestra, realizou estréia aos 10 anos. Realizou estréia mundial das seguintes obras: dos compositores norte-americanos Peter Andreacchi, Hayg Boyadjian ao lado de Beatriz Balzi, do compositor russo Vladimir Beluntsov, e compositores brasileiros como Sergio Kafeijian, a obra Constantia para violino e piano, de Mario Ficarelli, as obras  para violino e orquestra: Fantasia e Cartas Celestes n.8, de seu pai, Almeida Prado,  e gravações das mesmas com OSB (ao Papa João Paulo II), Orquestra do Teatro Nacional e “Sudwestfalen Landesorchester NRW”, participando também em recitais dedicados a obras de Silvia de Lucca, Osvaldo Lacerda, Ronaldo Miranda. Atuou como solista na Alemanha e Brasil, junto aos Maestros Carlos Moreno, Roberto Tibiriçá, Benito Juarez, Ricardo Rocha, Ligia Amadio, Lutero Rodrigues, Claudia Ferez, Henrique Muller, Guga Petri, Cláudio Cruz, Graham Griffits, Emiliano Patarra, Aylton Escobar, Reinaldo Calegari, Silvio Barbato, Kenneth Cooper, assim como recitais no Brasil e em Nova Iorque, junto aos pianistas Helenice Audi, Achille Picchi, Eun Lee, Sarah Higino e André Rangel.
De 2001 a 2006, assumiu a classe de violino de Evgenia Popova na ECA/USP, tendo sido nomeada após Concurso Público. Entre diversos Festivais, participou em 2003 e 2004, como Violinista e Professora do Festival Eleazar de Carvalho, em Fortaleza, e, a convite do Maestro Kirk Trevor , do Festival de Verão da “Missouri Symphony Orchestra”, por dois meses em 2005, dando continuidade ao seu aperfeiçoamento. Em 2006, participou do CD /Projeto Petrobrás : Música Contemporânea em registro na Discoteca Oneyda Alvarenga,  sob direção de Francisco Coelho, com Obras de Almeida Prado. Realizou junto ao Maestro Carlos Moreno e o Algol Ensemble, a gravação da obra “Das Lied Von der Erde” de Gustav Mahler-Versão de câmara de Arnold Schoenberg, com Rodrigo Esteves e Fernando Portari, em 2008.

EDUARDO BELLO (violoncelo)
Natural de Petrópolis/R.J, iniciou os estudos musicais aos 10 anos no Instituto dos Meninos Cantores, “Canarinhos de Petrópolis”, participando, durante 12 anos, de gravações e concertos dentro do cenário nacional e internacional. 
Bacharel em violoncelo foi laureado com o 1º lugar nos principais concursos do Brasil: III Concurso Nacional – Academia Nacional de Música/R.J; I Concurso de Música de Câmara “Magdalena Tagliaferro”/S.P.; Concurso “Cidade de Araçatuba”; e nos concursos públicos para a Orquestra Sinfônica de Campinas e OSUSP, onde permanece desde 1998.
Seus principais mestres foram Henrique Drach, Atelisa Sales, Alceu Reis e Gretchen Miller; além de Paulo Bosísio e Ernani Aguiar. Participou de master classes internacionais com Antônio Meneses, YoYo Ma, Peter Rejto, Dennis Parker, Peter Wispelwey.
Como camerista e solista constam em seu repertório, em primeira audição mundial, obras dos compositores Ernani Aguiar, Almeida Prado e Amaral Vieira.
Pós-graduado pela PUC de Campinas é frequentemente convidado a participar de bancas de concursos e a lecionar nos principais festivais do Brasil.
Ministrou aulas no Conservatório de Tatuí, na Escola de Música de Piracicaba e na EMESP.
Como regente iniciou sua especialização com o maestro português Osvaldo Ferreira. Atuou como regente nas orquestras Infanto-Juvenil do Conservatório de Tatuí e Filarmônica Infanto-Juvenil de São Paulo.
Participou do “1º Encontro Internacional de Professores de Orquestras”, em 2008 na Venezuela, representando o Instituto Baccarelli e, em julho de 2011, foi regente e professor durante o II Festival Internacional de música de Piracicaba.  Atualmente é Coordenador do Departamento Infantil-Juvenil, regente e professor do Instituto Baccarelli, violoncelista da OSUSP e regente da Orquestra Jovem de Paulínia/SP.

PROGRAMA
Almeida Prado
(1943 – 2010)
Preambulum – dedicado a Antonio Meneses, (cello solo)
Livro de Xangô (1985) (violino e cello)
Sonata n.4 “da Ressurreição” (2007) (violino e piano)
Allegro Appassionato
Andante Cantabile ‘ como orquídeas orvalhadas’
Rápido
Máscaras: ação dramatica-sonora (1986) (percussão)   
Cartas Celestes n.11 (2000) (percussão e piano)

Dia 25
Brasil em Cores
– Com: Márcia Domingues (soprano); Martha Domingues (piano) e Érica Manfredini (violoncelo)

FRASE:  Recital com interpretações de modinhas imperiais e músicas folclóricas brasileiras, obras que compõe o novo CD da soprano, Brasil em Cores

RELEASE
Márcia Domingues (soprano)
Soprano, natural de São Paulo, Bacharel em Pedagogia com habilitação em Edac – Educação para Deficientes da Áudio Comunicação (portadores de deficiência auditiva) pela FMU- Faculdades Metropolitanas Unidas, iniciou seus estudos de canto com Cláudia Mocchi e realizou aperfeiçoamento musical na “Danube Bend” Summer – Universitad im Donauknie, Hungria.
Participou do Projeto de Musicalização Infantil em São Paulo, através do Método Kodály em 1995. Participou do Concurso “Novos Talentos”, promovido pela Prefeitura de São Paulo, no qual recebeu classificação máxima.Interpretou Canções Clássicas dos desenhos da Disney, em evento promovido pela Walt Disney Company, Brasil em 1998. Participação no Cd: Das Ensemble Von Disneys Der König Der Löwen (Os Cantores do Rei Leão da Walt Disney) : Gemeinsam Für Afrika ( Juntos pela Africa) 2006. Atuou como principal Sarabi no elenco da produção da Walt Disney Company – Rei Leão (Der König der Löwen) em Hamburgo, Alemanha em 2006 e 2007.
Em 2008 lançou o  CD solo : Uma Voz Um Piano Um Só Coração de  Marcia Domingues & Helenice Audi  de peças barrocas:”Esse seu primeiro disco solo é dedicado a árias de compositores barrocos. Peças de Giordani (Caro mio ben); Caccini (Tu ch’hai le penne, amore); Antonio Scarlatti (Se Florindo è fedele, Son tutta duolo etc.); Pergolesi (Se tu m’ami, se sospire) e Händel (Ah! Mio cor) dão oportunidade para a artista mostrar seus dotes vocais e seu timbre delicado. – Revista Concerto  de Música Erudita/2008  -São Paulo- Brasil.
Neste ano teve seu projeto : Musicas Folclóricas Brasileiras / Modinhas Imperiais selecionado no Edital Sesi de Música Erudita 2011. Participou de diversas apresentações, dentre as quais destacamos as realizadas nos seguintes locais: Theater in Hafen – Hamburg, Alemanha, Spiegelsal -Hamburg, Alemanha,Martin Luther Kirche- Wentorf – Alemanha,Centro Cultural de São Paulo, Teatro Municipal de São Paulo, Catedral Metropolitana da Sé, Teatro Municipal de Santos, Theatro São Pedro, Memorial da América Latina, Solar do Barão de Jundiaí, Espaço Cultural Alberto Frediana de Amparo, Memorial do Imigrante, Pinacoteca Benedito Calixto, Ginásio do Ibirapuera , Ginásio da Portuguesa, TBC- Teatro Brasileiro de Comédia, Teatro Popular do Sesi entre outros.

Martha Domingues (Piano)
Bacharel em música pelo conservatório  Dramático e Musical de São Paulo, iniciou seus estudos de piano com a Profª. Filomena Piccininni, concluindo o Curso Superior de música sob a orientação da Profª. Mercedes Collacioppo.
Participou como solista em apresentações das quais destacamos: Sesc Pompéia, Capela do Pátio do Colégio de São Paulo, Centro Cultural de São Paulo, Teatro Municipal de Santos, Teatro espelhospiterrr.
Durante a realização do Kodály Course, em Stergon na Hungria, atuou como acompanhante de cantores e instrumentistas.Como pianista é integrante de Conjuntos de Câmara e tem se dedicado ao acompanhamento de cantores líricos.
É regente  do Coral da Seicho No Ie do Brasil, com o qual realizou a produção e direção  musical dos  dois Compact Disco.No ano de 2008/2009 produziu o CD Uma Voz Um Piano Um Só Coração de peças Barrocas da soprano Marcia Domingues

Érica Manfredini (violoncelo)
Formada pelo Departamento de Música da Universidade de São Paulo, iniciou seus estudos no Dramático e Musical Dr. Carlos de Campos, em Tatuí.Violoncelista do grupo do Ungambikkula, com o cd O Rastro do canto, a Poesia da alma lançado em 2007 pela Azul Music e com o segundo CD Fala Sagrada, 2009. Atua, também, no grupo Vintena Brasileira e na Orquestra Sinfonieta Fortíssima do Espetáculo Aprendiz de Maestro sob a regência do maestro João Maurício Galindo na Sala São Paulo.
Integrou a Orquestra da  Ópera Il Matrimonio Secreto de Domenico Cimarosa, sob direção musical e regência do maestro João Maurício Galindo (2007);Orquestra Sinfônica Jovem de Guarulhos (2005 e 2006); Orquestra Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo Maestro Eleazar de Carvalho (2003 a 2005); Orquestra Filarmonia, São Paulo, SP (2003 e 2004); Orquestra da montagem da ópera Der Schaupeildirektor, k486, W.A. Mozart, encenada no anfiteatro Camargo Guarnieri na USP (2003); Orquestra Sinfônica Jovem de Sorocaba (2001). Compôs e interpretou a trilha Sonora do curta metragem hóspede, segundo colocado no Festival do Minuto (2004).

PROGRAMA
Anônimo
Deixa dália, flor mimosa…
Roseas flores d’alvorada
Hei- de amar-te até morrer
Franz Ludwik W. Varnhagen
O coração perdido
Anônimo
Busco a campina serena…
Que noites eu passo…
Oswaldo de Souza
Sereia do Mar
Montemor Junior
Uiára
Waldemar Henrique
Boi- Bumba
Luiz Peixoto e Hekel Tavares
Azulão
Inezita Barroso
Nhapopé
Waldemar Henrique e Antonio Tavernard
Foi bôto, sinhá!
Jayme Ovalle e Manoel Bandeira
Azulão

Concerto ao meio dia
Terça-feira, 12h30
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 06
Duo Amato
– Com: Herson Amorim (clarinete) e Nathália Kato (piano)
FRASE: Entre outras obras importantes, a Sonata em ré de Nino Rota e Fantasiestücke op. 73 de Schumann integram o programa deste concerto.

RELEASE
Duo Amato
O Duo Amato, formado pelo clarinetista Herson Amorim e pela pianista Nathália Kato, tem trabalhado intensamente desde sua formação que se deu em outubro de 2009, com a divulgação do repertório específico e original para clarineta e piano. No primeiro momento de seu trabalho, o duo executou o projeto “A Música do Mundo”, que tinha como objetivo mesclar no mesmo recital, peças de compositores de diversos países, evidenciando as diferentes abordagens que cada um deles deu à formação clarineta e piano, considerando as qualidades
timbrísticas dos instrumentos e o contexto histórico em que as peças foram escritas.
O recital “A Música do Mundo” teve apresentações no Museu de Arte do Pará (Belém-PA), e no Museu de Arte de São Paulo (São Paulo-SP), na Série “Música no MASP”.
Em 2010, além de apresentações nas cidades de São Paulo, Campinas e Belém, o Duo Amato gravou um programa para a Rádio MEC-FM no Rio de Janeiro – RJ e realizou um concerto com repertório brasileiro em Portugal a convite da Embaixada Brasileira em Lisboa.

Herson Amorim (Clarineta )
Bacharel em Musica pela Universidade do Estado do Pará (UEPA) na classe do professor Joel Barbosa, onde também estudou com o professor Oleg Andryeyev, o clarinetista Herson Amorim iniciou seus estudos musicais na Igreja Assembléia de Deus com José Maria Pereira. Ingressou em seguida no Conservatório Carlos Gomes, onde estudou com Marcos Cohen e Jacob Cantão.
Participou de diversos festivais de música no Brasil e no exterior e master classes dos professores André Kerver, Romain Guyot, Jon Manasse, Kymberly Cole, Ovanir Buosi, Giuliano Rosas, Cristiano Alves, Luis Rossi, Pedro Robatto, Luis Afonso Montanha, Domingos Elias e Joel Barbosa.
Em abril de 2007 tocou no programa “Prelúdio” da TV Cultura de São Paulo tendo sua apresentação exibida em rede nacional. Foi professor no Conservatório Carlos Gomes (Belém-PA) e primeiro clarinetista solista da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz.
Atualmente é professor efetivo de clarineta da Escola de Música da Universidade Federal do Pará (EMUFPA), integra o Duo Amato, atua no grupo “Sexteto de 7”, e é aluno de Ovanir Buosi (OSESP).

Nathália Kato  (Piano)
Bacharel em Música pela Universidade do Estado do Pará (UEPA) na classe da Profª Glória Caputo, é natural de Belém-Pará e iniciou seus estudos musicais no Japão em 1992. Em 1995, de volta a Belém, ingressou no Conservatório Carlos Gomes onde teve como professores Nelson Neves e Doris Azevedo.
Em festivais nacionais e internacionais, participou de master classes de piano e música de câmara com diversos professores como Piere Ferraux, Edson Elias, Fany Solter, Ricardo Castro e Afonso Venturieri. Na área docente, atuou como professora de Música de Câmara e correpetidora junto ao Conservatório Carlos Gomes e Universidade do Estado do Pará
Tem desenvolvido atividades, sobretudo, como camerista e correpetidora em salas de concerto do Brasil e Portugal. Trabalhou sob regência de maestros como Mateus Araujo, Miguel Campos Neto, Luiz Fernando Malheiro e Jamil Maluf. Atuou no VII Encontro de Violoncelos da Amazônia; XIX, XX e XXII Festival Internacional de Música do Pará; I e II Festival Internacional de Ópera da Amazônia e XII Festival Amazonas de Ópera.
Atualmente, integra o Duo Amato e cursa o Mestrado em Música na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), sob orientação do Prof. Dr. Mauricy Martin.

PROGRAMA

R. Schumann (1810-1856)
Fantasiestücke op. 73 (1849)
I. Zart und mit Ausdruck
II. Lebhaft, leicht
III. Rasch und mit Feuer
N. Rota (1911-1979)
Sonata in Re (1945)
I. Allegretto scorrevole
II. Andante (quasi adagio)
III. Allegro scorrevole
J. Françaix (1912-1997)
Tema con Variazioni (1974)
F. Hydas (1928-2007)
Fantasia
L. Bassi (1766-1825)
Fantasia de concerto sobre temas da ópera
Rigoletto, de G. Verdi

Dia 13
Recital de Piano com Rosária Gatti
FRASE: Com um repertório musical que fala de flores e pássaros a pianista celebra a chegada da primavera.

RELEASE
ROSÁRIA GATTI
Estudou piano com os maestros Mariani, Souza Lima e com a compositora Lina Pires de Campos. Com Anita Salles e Yolanda Sereno estudou órgão. Desenvolve um trabalho musical eclético e versátil, transitando livremente do erudito ao popular. Destaca-se como intérprete de chorinho, valsas e vários outros estilos brasileiros.
Realiza com dedicação um trabalho de pesquisa da memória musical brasilleira resgatando obras valiosas do choro e outros estilos musicais, revelando também o talento de compositores contemporâneos.
Atualmente com quatro CDs gravados pelo selo Eldorado, interpreta obras já consagradas e pérolas redescobertas e adaptadas para piano solo e grupos instrumentais de formação tipicamente brasileira. Com sensibilidade traduz para a linguagem pianística o universo do choro e da música brasileira, divulgando um repertório, em sua maior parte desconhecido do grande público. Perpetua com o seu trabalho a obra de grandes autores que expressam o melhor da alma e da cultura musical Brasileira.
Está se preparando para a produção de seu quinto Cd sobre a obra de Garoto e um DVD ao vivo de música brasileira.

PROGRAMA

MAURA SANDOVAL
AMAR Á NATUREZA
ERNESTO NAZARETH
PÁSSAROS EM  FESTA
ANACLETO DE MEDEIROS
TRÊS ESTRELINHAS
ALVÁRO SANTIM
FLOR DE ABACATE
ZEQUINHA DE ABREU
TARDES EM LINDÓIA
LINA PESCE
CANARINHO GRACIOSO 
PIXINGUINHA
ROSA 
JOÃO PERNAMBUCO
GRAÚNA
JUVENTINO MACIEL
JASMIN
WALDIR AZEVEDO
FLOR DO CERRADO
ARISTIDES BORGES
SUBINDO AO CÉU
JACOB DO BANDOLIM
CHORINHO NA PRAIA

Dia 20
Capiba, valsas e choros
– Com: Elyanna Caldas ( piano); Flávio Androni (violão); Antonio Carlos Vinha  (baixo elétrico) e Kiko Andreolli  (percussão)

FRASE: Em homenagem ao cantor e compositor pernambucano, grupo se reúne para relembrar e fazer releituras da grande obra de Capiba.

RELEASE
Elyanna Caldas (piano)
Pernambucana com cursos de aperfeiçoamento na França, Áustria e Polônia, vem exercendo grande atividade artística, tendo sido professora fundadora do Curso de Música da UFPE e diretora do Conservatório Pernambucano de Música.
Primeiro prêmio do Concurso Magda Tagliaferro, de quem foi aluna em Paris, e segundo prêmio do Concurso Rádio Ministério de Educação  (RJ), participou do V Concurso Internacional Fréderic Chopin em Varsóvia. Tem gravados quatro CDs, sendo dois de Choros e Valsas de Capiba, (divulgados na França em 1997, 2001 e 2008), outro, ‘O Piano em Pernambuco’, dedicado à música pernambucana dos fins do séc. XIX  e inícios do séc. XX, além do ‘Charme da Valsa e do Maxixe’ com composições do paulista Aurélio Gregori e ‘Tritonis’ (obras de Dave Brubeck, Claude Bolling, Paul Desmond e outros renomados jazzistas.

Flávio Androni (violão)
Compositor, arranjador e professor de Música, trabalha na Fundação Magda Tagliaferro onde é Membro do Conselho e Diretor do departamento de música popular. Estudou violão clássico com Clemer Andreotti e composição e arranjo com o maestro Antonio Duran.

Antonio Carlos Vinha (Baixo)
Músico freelancer, estudou com o prof. Aldo Landi, fez o curso de composição e regência na Faculdade Marcelo Tupinambá e de arranjador, com Tom Zé. É professor da Fundação Magda Tagliaferrro em São Paulo.

Kiko Andreoli (percussão)
Técnico de monitoramento do projeto social Amigos do Projeto Guri (2006 a 2008). Baterista titular do musical Cauby, Cauby, com Diogo Vilela,  do musical Os Produtores, na temporada do Rio de Janeiro e do Trio instrumental de música brasileira, Baquara.

PROGRAMA
Capiba
(1904 – 1997)
Cem Anos de Choro
Quem For Bom Me Acompanhe
Valsa Antiga nº 1
Choro para Altamiro
Choro para Radamés Gnatalli
Valsa Verde
Choro para Artur Moreira Lima
Choro para Elyanna Caldas
Mariazinha (valsa)
Relembrando Nazareth
Choro para Miguel Proença
É de Toróró (maracatú)
Choro Antigo nº 1
Choro para Marco César
Um Pernambucano no Rio (frevo)

Dia 27
Recital de flauta e piano
Com: Miroslav Georgiev (piano) e Sarah Hornsby (flauta)
FRASE: Neste programa uma rara oportunidade de conhecer a escrita para flauta e piano dos compositores Schulhoff, Bartok, Vladiguerov e Martinu

RELEASE
Sarah Hornsby (flauta)
A flautista americana Sarah Hornsby atua como camerista e recitalista, além de participar de orquestras internacionais. Ativa defensora de música nova, Sarah estreou várias obras de compositores contemporâneos em colaboração com grupos através dos Estados Unidos e Europa, como o Kammerensemble Neue Musik Berlin, o Ensemble Remix de Portugal e o Manhattan Contemporary Ensemble. Apresentações recentes incluem o Festival Musica Viva de Munique, onde ela estreou “My Sweet Latin Lover” de Iris ter Schiphorst para flautista/atriz e conjunto instrumental, e o Festival de Música Nova de Leipzig, onde seu recital solo foi transmitido para toda a Alemanha. Ela apresentou recitais nos Estados Unidos, Brasil e Alemanha, e foi apresentada como solista com orquestras como a Manhattan Chamber Sinfonia e a Orquestra Sinfônica de Berlim. Como musicista de orquestra, se apresentou com a New York City Opera Orchestra, os Manhattan Virtuosi, a orquestra da Rádio de Berlim e a Sinfônica de Bilbao. Foi premiada em diversos concursos, incluindo o da “Flute Talk Magazine”, o da Chicago Flute Society e o concurso Leopold Bellan em Paris. Em 1996, se apresentou no Carnegie Recital Hall como vencedora da “Artists International Competition”. Gravou para os selos Centaur e Koch-Schwann.
Sarah Hornsby é Mestre em Performance Orquestral pela Manhattan School (onde posteriormente lecionou) e graduada pela Universidade de Wisconsin, assim como diplomada em dois conservatórios na França. Seus professores incluem Sandra Church, Patrick Gallois e Mary Kay Fink.
Recentemente Sarah se dedica ao estudo da performance histórica, especializando-se em flautas históricas pela Escola Superior de Música de Frankfurt, orientada pelo professor Karl Kaiser. Ela é professora de flauta e música da câmera da Escola de Música do Estado de São Paulo.

Miroslav Georgiev (piano)
Formado em piano pela Escola Nacional de Música da Bulgária, cursou dois mestrados na Academia de Música “Pancho Vladigerov” Sofia (Bulgária): piano e regência orquestral. Em 2005, concluiu mais um mestrado em piano na Universidade do Sul da Flórida (EUA). Aos 30 anos e já com 25 anos de experiência musical, Miroslav é um músico bem conceituado. O contato com professores e artistas de tradições eslava e ocidental lhe conferiu uma visão ampla da técnica e interpretação do piano. Além disso, a experiência por ele adquirida em muitas áreas da música – incluindo canto, regência, acompanhamento e música de câmara – o capacita a ter uma abordagem universal e complexa que vai do estilo clássico ao popular.
Miroslav Georgiev foi premiado em vários concursos nacionais e internacionais, entre os quais se destacam: Competição Internacional “Carl Filtch”, em Sibiu, Romênia, segunda colocação; Competição Nacional “Dimitar Nenov”, em Razgrad, Bulgária, primeira colocação; Competição Internacional “Albert Roussel”, em Sofia, Bulgária, prêmio especial de melhor performance em obra francesa.
Com um repertório vasto que abrange todos os estilos e épocas da música, incluindo gêneros do pré-clássico ao contemporâneo, Miroslav realizou inúmeros recitais na Europa, Estados Unidos e Brasil, destacando-se o recital no Museu Debussy em Paris. Suas apresentações em recitais solo, de câmara e em gravações lhe conferiram reconhecimento do público e de críticos na Europa e nos Estados Unidos.
Miroslav Georgiev fixou residência no Brasil em 2006 e atua como correpetidor das madeiras e da classe de regência orquestral na Universidade Livre de Música (Centro Tom Jobim). Desde então, tem realizado vários recitais solo, concertos camerísticos com integrantes da OSESP e outros músicos em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasília. Também realizou gravações para os programas ‘Rede Vida Musical’ da Rede Vida e ‘Pianíssimo’ da rádio Cultura FM, entre outros. Seus últimos projetos incluem a série de concertos ‘O Impressionismo Francês’, em comemoração pelo Ano da França no Brasil, realizados no Centro Cultural São Paulo.

PROGRAMA
Erwin Schulhoff
(1894 – 1942)
Sonata (1927)             
Allegro moderato
Scherzo
Aria
Rondo-Finale
Bela Bartok/Paul Arma (1881 – 1945)
Suite Paysanne Hongroise (1914-17)          
Alexander Vladiguerov (1939 – 1993)
Variaçoes ‘Dilmano – Dilbero’ op.2 (1954)  
Bohuslav Martinu (1890 – 1959)
Sonata No. 1 para flauta e piano (1945)          
Allegro moderato
Adagio
Allegro poco moderato

Música Popular

Quinta na Faixa – Especial Outubro em Setembro Independente – 2011
Quinta-feira, 19h
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 01
Aurélio e seus Cometas
Tendo como uma de suas principais referências “Ziggy Stardust”, de David Bowie, o power trio retorna ao Brasil para lançar o terceiro álbum depois de uma temporada em Londres.

Dia 8
Malaquerencia (
Argentina)
Com forte atuação frente aos músicos independentes da Argentina, o grupo tem como principais referências a salsa, o folclore argentino, o reggae e o jazz.

Dia 15
Biernes
(Argentina)
Com canções dançantes, sejam elas cantadas ou instrumentais, o grupo de Córdoba apresenta uma fusão onde o rock latino é atravessado pelo jazz, a música disco, o candombe uruguaio, o mambo dos anos 70 e a cumbia mar platense.

Dia 22
Optic Yellow Felt
Folk, jazz e rock inglês são algumas das influências do grupo que acaba de lançar um disco gravado pelo produtor Roy Cicala, que já trabalhou com John Lennon, Jimi Hendrix e The Who. A banda explora várias possibilidades de arranjos criando uma sonoridade diferente.

Dia 29
Tusq (Alemanha) e Eletrofan
Influenciada por bandas como Teenage Fan Club, Wilco e Árcade Fire, os alemães do Tusq mescla folk, rock e indie acompanhada pela banda brasileira Eletrofan.

Show ao Meio-dia no CCSP – Especial Outubro em Setembro Independente – 2011
Sexta-feira, 12h30
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 2
Carolina Zingler
Com suave timbre de voz, a cantora e compositora gaúcha faz uma interessante fusão de cool jazz e rock numa viagem poético musical carregada de interpretações marcadas por leveza e sensualidade.

Dia 9
Sérgio Reze Convida:
Zé Alexandre Carvalho (contrabaixo) e Benjamin Taubkin (piano)
Formado por instrumentistas experientes, o trio apresenta composições próprias e temas consagrados da música brasileira.

Dia 16
Loungetude46
Coletivo multimidiático que, tendo a música como mola mestra, dialoga efetivamente com a literatura, o cinema e as artes visuais.

Dia 23
GEM
O Grupo Experimental de Música (GEM) integra em seu trabalho música, lutheria e a artes-visuais. Seus integrantes, através de material reciclável, criam instrumentos inusitados extraindo sons, timbres e ritmos variados com uma sonoridade ímpar.

Dia 30
Tony Babalu & Banda
Trabalho experimental do guitarrista da primeira geração do rock paulistano

Outubro em Setembro Independente / 2011
Quinta-feira, sexta-feira e sábado, 19h e domingo, 18h
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 9
Tigre dente de sabre
O grupo realiza um trabalho instrumental que fica entre o jazz, o erudito e a música eletrônica underground.

Dia 10
Daniel Higgs (EUA)
Ex-integrante da cultada banda Lungfish, o artista natural de Baltimore (EUA) apresenta seu trabalho solo, marcado por sonoridades cíclicas e com inspirações poéticas dentro do universo do pós-rock.

Dia 11
James Orr Complex
Projeto solo do cantor, instrumentista e compositor escocês Chris Mack que transita entre o folk de Nick Drake e o experimentalismo de John Fahey.

Dias 16 e 17
Faust (Alemanha)
Surgida nos anos setenta a banda é umas das pioneiras do gênero que ficou conhecido como Krautrock, uma versão mais experimental do rock progressivo em que estão presentes tanto a música industrial como a psicodélica. O grupo se apresenta pela primeira vez no Brasil.

Dia 23
Nikita
Em seu CD de estréia Phenomenometrika, a cantora e compositora aposta em canções pop perfeitas, com beats modernos e rimas cujos temas giram em torno do universo juvenil.

Dia 24
Seu Nelson da Rabeca
Músico convidado: Zé Pitoco (zabumba)
Músico autodidata e ex-cortador de cana em Alagoas, Seu Nelson é instrumentista, compositor e luthier. Seu repertório tem forte raiz nordestina, com destaque para o baião, o xaxado, o xote e a marcha.

Dia 25
A Deriva
O quarteto, formado por Daniel Müller (piano e escaleta), Beto Sporleder (sax tenor), Guilherme Marques (bateria) e Rui Barossi (contrabaixo acústico), apresenta músicas de seu mais recente álbum, Suíte do Náufrago.

Dia 30
Joe Lally Trio
(EUA/Itália)
Conhecido por ter sido baixista das lendárias bandas Fugazi e Ataxia, nesta última ao lado de John Frusciante do Red Hot Chilli Peppers, Joe Lally vem ao Brazil para lançar em vinil seu terceiro disco solo, “why should i get used to it”.

Concertos Especiais CCSP – Outubro em Setembro Independente
Terça-feira, 21h e quarta-feira, 19h
Sala Jardel Filho
Entrada Franca

Dia 7 
Arthur Kampela e convidados

Músicos convidados: Daniel Murray (violão), Sarah Hornsby (flauta)
Consagrado pelo uso percussivo do violão, o instrumentista brasileiro residente em Nova York recebe convidados para interpretar músicas próprias em diferentes formações. 

Dia 20
O Grivo
O duo mineiro apresenta trilhas compostas para a obra do cineasta e artista plástico Cao Guimarães, do qual serão projetos filmes e curtas durante o espetáculo.

Festival de Improvisação
A série reúne músicos brasileiros e estrangeiros ao longo do ano em apresentações de improvisação livre, tipo de música que se caracteriza por radicalizar a experiência da improvisação por meio de uma criação coletiva que incorpora elementos da música erudita contemporânea, vertentes do jazz, música folclórica, rock, entre outros. Parte dos espetáculos está inserida na programação regular de música do CCSP; outra parte acontece em dias, salas e horários alternativos, aproveitando as múltiplas possibilidades deste espaço.

Sala Adoniran Barbosa
Domingo, 18h
Entrada Franca

Dia 18
Sol6

Com: Veryan Weston (piano), Hannah Marshall (violoncelo) , Tony Buck (bateria), Ingrid Laubrock (viola), Mandy Drummond (viola) e Luc Ex (baixo).
Formado por expoentes da improvisação livre na Europa, o grupo reúne músicos de diferentes países e trajetórias musicais, combinando numa mesma apresentação trechos totalmente improvisados e versões que vão de Charles Ives e Eric Satie a Burt Bacharach.

Programação do Centro Cultural São Paulo – Agosto 2011

Centro Cultural São Paulo – Programação de Música –  Agosto 2011Em agosto a programação musical do Centro Cultural São Paulo segue com suas séries de música erudita, a tradicional Clássicos do Domingo e a série Concerto ao meio-dia que completa quatro anos. Na música popular os shows noturnos acontecem de quinta a domingo e às sextas-feiras há o Show ao meio dia.

Texto de Abertura

Nesta grade de programação os projetos de música vão trazendo artistas consagrados e artistas em ascenção. Na série clássica dominical teremos o internacionalmente consagrado pianista Flávio Varani, no dia 28. O mês conta ainda com a Orquestra Juvenil do Instituto Baccarelli no dia 7, com o duo formado por dois dos mais importantes músicos da atualidade, o contrabaixista Marcos Machado e o pianista Ricardo Ballestero, no dia 14 e o duo de piano a quatro mãos formado por Fernando Corvisier e Fátima Monteiro Corvisier.

Nas terças-feiras, o Concerto ao meio-dia traz um programa sutil com a harpa de Mônica Carmago e a flauta de Rafaela Lopes, no dia 2. A internacional pianista Eva Gomyde, que transita também pela música popular, apresenta no dia 9 um programa com músicas de Gismonti, Pixinguinha e obras próprias.No dia 16 é a vez da Banda Klezmer Brasil apresentar o seu programa com o ritmo delicioso das músicas judaicas. Já no dia 23 é a vez de célebre acordeonista Toninho Ferraguchi e do violonista Rogério Dentello apresentar um programa com obras de Villa-Lobos e obras próprias. Finalizando o mês o quinteto de sopros Chá das 5, formado por mulheres instrumentistas apresenta no dia 30 um programa  com obras de Nino Rota, Jacques Ibert, Debussy, entre outros.
Na série popular Quinta na faixa o mês está dedicado ao gênero Blues com Artur Menezes (dia 4), Celso Salim e Rodrigo Mantovani (dia 11), Power Duo com Adriano Grineberg e Marcos Otaviano (dia 18) e Amleto Barboni e Marcos Ottaviano no dia 25

Nos shows ao meio-dia o destaque é para Roberto Sion, músico de talento reconhecido, ao lado de Itamar Collaço, no dia 19. Mas também há músicos como Roney Giah (dia26), The Sparks (dia 12) e The Gilbertos (dia 5).
Nos shows de sexta à noite (19h) o mês abre com o eletrizante grupo Banda das Velhas Virgens no dia 5. A série segue com a Big Band da Escola Municipal de Música no dia 12, com o Coral da USP, no dia 19 e com o grupo belga Mind Priority, liderado pelo brasileiro José Álvaro.

Os shows dos sábados e domingos abrem com a banda de eletrorock Brollies & Apples no dia 6. No sábado seguinte uma parceria com a literatura traz um show que destaca a música, dança e a poesia da Índia – Poesia dos quatro cantos: noite indiana – com a liderança do sitarista Marcos Santurys, no dia 13.
Neste mês o destaque é para ao Projeto Tessituras, que busca aproximar grandes vozes da música popular e erudita num repertório abrangente. O consagrado cantor Agnaldo Rayol cantará com o renomado cantor das mais importantes temporadas líricas Sebastião Teixeira (dia 20) seguido por Cláudio Nucci e Sandro Bodilon (dia 21), Reanto Braz e Marcos Thadeu (dia 27) e Carlos Navas e Lenine Santos (dia 28).

Na linha da música contemporânea e experimental o Festival de Improvisação que acontecem ao longo do ano com apresentações mensais destaca no dia 14 uma atração internacional com o Duo Baars Henneman (Holanda) formado por Ab Baars (sax tenor, clarinete e shakuhachi) e Ig Nenneman (viola).
Com uma programação intensa a diversidade musical vai ocupando os seus espaços.

Francisco Coelho
Curador de Música 

Dia 20
Agnaldo Rayol e Sebastião Teixeira

Dia 21
Cláudio Nucci e Sandro Bodilon

Dia 27
Renato Braz e Marcos Thadeu

Dia 28
Carlos Navas e Lenine Santos

Brollies & Apples
Frase: Orgia Organizada é um show de eletrorock com influências de punk, grunge e eletrônico.
Entrada Franca

Dia 7
Nasi & Banda
Frase: O Canto e compositor passa sua carreira a limpo e lança o CD e DVD Vivo na Cena
Ingresso: R$20,00

Dia 12
Big Band da Escola Municipal de Música

Entrada Franca

Dia 13
Marcus Santurys
(Projeto Poesia dos Quatro Cantos (Noite Indiana))
Frase: Nesta oportunidade contará com a participação do sitarista Marcus Santurys e seu grupo de música e dança indiana
Entrada Franca

Música Clássica
 
Clássicos do Domingo
Domingo, 11h30
Sala Jardel Filho
Entrada Franca

Dia 07
Orquestra Juvenil Baccarelli – Regência: Cláudia Fers

Frase: O CCSP, numa parceria com o Instituto Baccarelli, abre espaço em sua temporada para os novos talentos brasileiros da música executando obras de Beethoven, Haydn e Danzi.

RELEASE
O programa Orquestra do Amanhã, realizado pelo Instituto Baccarelli, proporciona a crianças e adolescentes o estudo dos instrumentos que compõem o universo de uma orquestra sinfônica, entre eles: violino, viola, violoncelo, contrabaixo, flauta, oboé, clarinete, fagote, trompa, trompete, trombone e percussão.
Apesar de ter sido a primeira atividade realizada com a comunidade em 1996, passou por alterações ao longo dos anos. Em 2003, em paralelo à prática orquestral, foi instituído o chamado ensino coletivo de instrumentos como forma de trabalhar a iniciação em instrumentos com os alunos.
Atualmente, é um programa que oferece aulas coletivas para grupos que estão tomando o primeiro contato com os instrumentos e aulas individuais de aprimoramento, para aqueles que já estão em níveis mais avançados. As aulas teóricas complementam o aprendizado. Também forma grupos de música de câmara como duetos e quartetos de cordas, quintetos de sopros e de metais, orquestra de câmara, grupos de violoncelos e de violas, além de orquestras-escola de níveis infantil, infanto-juvenil e juvenil – método que propicia a prática orquestral desde os primórdios e prepara os alunos para um bom desempenho em grupo, reproduzindo desde cedo o futuro ambiente profissional.

CLAUDIA FERES (regente)
Nascida em São Paulo, Claudia Feres formou-se em composição e regência pela UNICAMP. Após um período em Cincinnati e Chicago, obteve o título de Mestre em música pela Northwestern University (Chicago) sob a orientação do maestro Victor Yampolsky. Estudou com Eleazar de Carvalho, Fábio Mechetti, Henrique Gregori, Teri Murai, Ronald Zollman, Gustav Meier, Robert Gutter e Jorma Panula.
Claudia Feres foi premiada com a medalha de Honra da cidade de Jundiaí pelo seu trabalho como diretora artística da Orquestra Jovem de Jundiaí de 1982 a 1986. Apresentou-se frente à Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas, Amazonas Filarmônica, Orquestra Jovem de Brasília, Orquestra Jovem de Campinas, Orquestra de Câmara da UNICAMP, Camerata Fukuda, Sinfonia Cultura, Orquestra de Câmara de Blumenau, Opera Giocosa del Friuli Venezia-Giulia, Northwestern University Orchestra e North Shore Chamber Orchestra.
Em 1987, venceu o concurso para jovens regentes, promovido pela Orquestra Sinfônica de Porto Alegre. Em 1990, participou do 42º Concurso Internacional da Primavera de Praga. De 1991 a 1994, foi regente titular e diretora artística da Orquestra Sinfônica da Universidade Estadual de Londrina. Participou do International Institute for Conductors em Kiev, onde regeu a Orquestra Sinfônica Nacional da Ucrânia.
Claudia Feres foi regente adjunta da Orquestra Sinfônica de Santo André de 2004 a 2006. Foi diretora artística da Orquestra de Câmara de Jundiaí de 1999 a 2003. De 2002 a 2006, esteve à frente da Orquestra Filarmônica de Mulheres no Projeto AVON Women in Concert, apresentando-se no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, na Pedreira Paulo Leminsky, em Curitiba e Theatro Municipal do Rio de Janeiro com as sopranos Barbara Hendricks e Kiri Te Kanawa.  Ainda neste projeto, Claudia Feres se apresentou com artistas da música popular, como Rita Lee, Paula Lima, Vanessa da Mata, Margareth Menezes, Milton Nascimento e Daniela Mercury. Idealizadora de vários projetos, entre eles Concertos Matinais (Londrina – PR), Concertos Astra (Jundiaí – SP), “Música e Cidadania” (Jundiaí – SP). De 2008 a 2010 foi professora das classes de Regência da Faculdade Souza Lima. Desde 1997 é diretora artística da Escola de Música de Jundiaí, onde coordena a Orquestra de Câmara de Repertório.
Em 2011, foi nomeada Regente Titular e Diretora Artística da Orquestra Municipal de Jundiaí e regente da Orquestra do Amanhã (Juvenil) de Heliópolis, do Instituto Baccarelli.

PROGRAMA

Ludwig van Beethoven (1770-1827)
As Criaturas de Prometeu, op.43: abertura
Franz Schubert (1797-1828)
Sinfonia nº 8, em si menor, D 759 “Inacabada” (25’)
Allegro moderato
Andante con moto
Edvard Grieg (1843-1907)
Peer Gynt: Suíte n°1, op. 46 Amanhecer
A morte de Aase
A dança de Anitra
No hall do Rei da Montanha
Georges Bizet (1838-1875)
Carmen: Suíte nº 1
Prelude & Aragonaise
Intermezzo
Seguidille
Les Dragons d’Alcala
Les Toréadors
Dia 14
Duo de contrabaixo e piano – Com Marcos Machado e Ricardo Ballestero
Frase: Mostrando as inúmeras possibilidades sonoras entre esses dois instrumentos, os artistas apresentam um repertório minuciosamente preparado para o rico encontro.

RELEASE:
Marcos Machado
O contrabaixista gaúcho desenvolve carreira internacional como solista, professor e músico de câmara. Radicado nos EUA desde 1995, onde é professor de contrabaixo erudito e jazz na University of Southern Mississippi, Marcos Machado é também spalla da Meridian Symphony Orchestra.
Realizou seu doutorado na classe do professor  Michael Cameron, na University of Illinois, tendo passado antes pelo Rabbath International Institute de Paris, onde recebeu o diploma em performance do renomado François Rabbath.
Marcos Machado tem atraído a atenção de muitos músicos, em especial do compositor americano Frank Proto que o descreveu como “brilhante”. Sua performance com a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, com a estréia na América do Sul da Carmen Fantasy, de Frank Proto, foi considerada “espetacular”. Tem feito diversas turnês pela Itália, França, Suíça, Portugal, Alemanha, Inglaterra, Brasil e Argentina como spalla e solista. Apresentou-se no Montreux Jazz Festival (Suíça), Vienne Jazz Festival (França), Victoria Bach Festival (Texas, E.U.A.), Bonneville Chamber Music Festival (Utah, E.U.A.), Northern Lights Music Festival (Minnesota, E.U.A), entre outros.
Desde 2007 tem sido convidado pelo grupo de Câmara Conspirare sob a regência de Craig Hella Johnson, conjunto este nomeado seis vezes ao Grammy. Com este grupo gravou obras do compositor inglês Tarik O’Regan no Music Hall do Troy Savings Bank, em Nova Iorque, pelo selo Harmonia Mundi. O CD—Threshold of Night foi lançado em setembro de 2008 e indicado para dois prêmios Grammy 2009.

Ricardo Ballestero  tem dedicado a sua carreira à arte da colaboração pianística, tendo estudado com dois dos mais renomados pianistas-colaboradores da atualidade, Martin Katz e Dalton Baldwin.  Tem se apresentado em recitais com cantores solistas do Metropolitan Opera, New York City Opera, Houston Grand Opera, Teatro Mariinsky e com membros das sinfônicas de Atlanta, Baltimore, Ópera de Frankfurt, Oslo, OSESP e OSB. 
É Professor-Doutor do Departamento de Música da Universidade de São Paulo, onde leciona Repertório Vocal (canção e ópera)  e Colaboração Pianística. Atuou como professor na Universidade do Colorado-Boulder e realizou recitais, palestras e cursos sobre o repertório vocal de câmara nos EUA (universidades de Indiana e Michigan), na Itália, na Alemanha e no Brasil. 
Ballestero completou o seu Doutorado em Colaboração Pianística e Música de Câmara na Universidade de Michigan. Teve a oportunidade de acompanhar aulas de figuras como Shirley Verrett, George Shirley e Rudolf Piernay e as master-classes de Grace Bumbry, Kiri Te Kanawa e János Starker. Foi integrante do Studio da Houston Grand Opera.

PROGRAMA
Reinhold Gliere
(1875 – 1956)
Tarantella
Frank Proto (1941)
9 Variações de Paganini
Stephan Schafer
 L’Adieu
Claude Debussy (1862 – 1918)
Beau Soir
Erich W. Korngold ( 1897 – 1957)
Garden Scene from the suite Much ado about nothing
Joseph Haydn (1732 – 1809)
Divertimento para cello e piano 

Dia 21
Duo Convisier de piano
– Com Fernando Corvisier (piano) e Fátima Monteiro Corvisier (piano)
Frase: Criado em 1991, o duo de piano apresenta um repertório eclético que flui entre clássicos e a música brasileira contemporânea.

RELEASE
O Duo Corvisier

Foi criado em 1991 e desde então tem-se apresentado com sucesso nas principais salas de concerto do Brasil e do exterior. Durante o período de residência nos Estados Unidos, o duo apresentou-se em inúmeros recitais. Podemos destacar a participação na prestigiosa série de concertos da Fundação Rosa Ponselle em Meriden, Connecticut e em diversos concertos como duo integrante do Greenbriar Consortium – grupo camerístico formado pelos músicos da Orquestra Sinfônica de Houston, Texas. Em 2006, o Duo Corvisier foi o único duo pianístico a representar o Brasil em recital nas Primeras Jornadas Internacionales en Música Latino Americana realizadas em Mendoza, Argentina. Em 2007, durante a palestra recital realizada no Primeiro Encontro de Investigação em Performance promovido pela Universidade de Aveiro, Portugal, o Duo Corvisier apresentou em primeira audição, naquele país, as obras para piano a quatro mãos do compositor Ronaldo Miranda. O repertório do Duo Corvisier é eclético incluindo desde os clássicos até a produção musical brasileira contemporânea.

Fernando Corvisier (piano)

Aperfeiçoou-se no exterior na Ecole Normale de Musique Alfred Cortot em Paris, no New England Conservatory em Boston, na Hartt School of Music e obteve o título de Doctor of Musical Arts pela Universidade de Houston. Vencedor do IV Prêmio Eldorado de Música, gravou com o pianista João Carlos Martins a transcrição de Almeida Prado para dois pianos das Quatro Estações de Vivaldi. Gravou para o selo Eldorado obras de Brahms e Ginastera. Participou de diversos festivais de música no Brasil e exterior como docente e recitalista. Desde 2002 é docente de piano do Departamento de Música da USP.

Fátima Monteiro Corvisier (piano)

Doutora em Música pela Universidade de São Paulo, graduou- se com Medalha de Ouro na Escola de Música da UFRJ. Como recitalista já se apresentou em diversas salas de concertos no Brasil, Estados Unidos e Alemanha. Vencedora do II Concurso Dirk Bovendorp e terceiro lugar no III Prêmio Eldorado de Música, foi solista da OSESP sob a regência de Eleazar de Carvalho. Desde 2004 é docente de piano junto ao Departamento de Música da USP.

PROGRAMA

MOZART (1756-1791)   
 Abertura da  ópera  A Flauta Mágica
SCHUBERT  (1797-1828)  
Fantasia em fá menor, D.940

INTERVALO

RAVEL (1875-1937) 
 Introdução e Allegro
EDINO KRIEGER (1928) 
Sonata para piano a quatro mãos
RONALDO MIRANDA   
Variacões Sérias  sobre um tema de (1948) Anacleto de Medeiros
 Tango

Dia 28
Recital de piano com Flávio Varani
Frase: Brasileiro com grande renome no exterior, destaca grandes clássicos da música erudita.

RELEASE
FLAVIO VARANI (piano)

Nascido no Brasil, iniciou sua carreira de solista aos sete anos de idade. Aos oito anos, tocou com a Orquestra Sinfônica Brasileira, sob a regência do maestro Eleazar de Carvalho. Aos treze anos, foi para Paris como bolsista do Governo Francês. Lá, foi aluno de Magda Tagliaferro e, em seu primeiro concerto, tocou Villa-Lobos, compositor que é uma de suas especialidades.
Aos vinte anos, Varani foi para os Estados Unidos onde reside até hoje. Em Nova York, estudou com Rosina Lhevinne na Juilliard School of Music e com Artur Balsam e Dora Zaslavsky, na Manhattan School of Music, onde ganhou o “Harold Bauer Award”. Entre outros prêmios, foi merecedor do primeiro lugar na “Chopin International Competition” em Mallorca (o que veio a impulsionar sua carreira internacional), do prêmio “Musician of the Year”, da Michigan Foundation of the Arts e, ainda, o de “Melhor Solista do Ano”, pela Associação Paulista de Críticos de Arte. É professor catedrático residente da Oakland University desde o início dos anos 70.
Em sua carreira de concertista, faz turnês por países como França, Japão, Alemanha, Estados Unidos, Canadá, Rússia, Colômbia, Venezuela, Equador e Brasil onde se apresenta em importantes salas como Carnegie Hall, Lincoln Center, Brooklyn Academy of  Music, Moscow Conservatory, Munich Gasteig, Sala São Paulo e os Theatros Municipais de São Paulo e Rio de Janeiro.
Participou de  festivais como: Newport Music Festival, Detroit Symphony Orchestra’s Meadow Brook Festival e Cotignac Festival, na França. Ao longo de sua carreira, tocou sob a regência de importantes maestros, como: Gunter Herbig, Sir Neville Marriner, Semyon Bychkov, Lukas Foss, Eleazar de Carvalho, Eduardo Rahn, Constantin Becker, Roberto Minczuk, Roberto Tibiriçá e Georg Schmöhe.

Há anos, Varani vem se apresentando em turnês pelo Japão como solista, professor e integrante do Gallia Trio (do qual faz parte juntamente com o spalla da Orchestre National de France, Luc Hery e o  violoncelista, Paul Julian ). Atuou, por várias vezes neste país também como  artista convidado do Vienna-Tokyo Ensemble.
De sua discografia constam discos gravados para a Orion Master Recordings (USA) e Maison Dante (França). No Brasil, gravou CD contendo obras de Villa-Lobos pelo selo Paulinas – Comep, que mereceu o  prêmio de “Melhor CD de Música Clássica de 1999” pelo Detroit Music Awards – USA . Em 2 001, gravou nos Estados Unidos, pelo selo Albany, dois CDs intitulados Keyboard Maniac, nos quais interpreta músicas da compositora afro-americana Lettie Bekkon Alston. Em 2002, foi convidado pelo Ministério da Cultura para participar com sua gravação das Danças Africanas (Villa-Lobos) do CD “Negro Clássico” (presença negra na música erudita brasileira), editado pela FUNARTE. Em 2004 lançou o cd “Poulenc” e em 2.005 o cd “Chopin / Beethoven, ambos pela gravadora Master Class.
Integra a “Roster of the Steinway Artists”, honraria que vem sendo concedida a um grupo seleto de pianistas internacionais pela manufatura de pianos Steinway & Sons, desde a sua fundação no século XIX. Nesta lista também estão Guiomar Novaes, Horowitz, Rubinstein, Paderewski e Alicia de Larrocha, entre outros.  Recebeu, em 2004, medalha comemorativa dos 150 anos da companhia em agradecimento pelo trabalho de divulgação dos pianos Steinway em todos os países onde se apresenta.
Flavio Varani foi agraciado em 2001, com o prêmio de “melhor instrumentista clássico” concedido pelo Detroit Music Awards (USA).
Nas temporadas de 2002, 2003 e 2004 apresentou-se no Brasil, Estados Unidos e Japão, países onde fez concertos, recitais e master classes. Com o Gallia Trio apresentou-se no Rio de Janeiro e em cidades do Japão.
Lançou em 2005 nos EUA um álbum duplo contendo a primeira gravação mundial da obra completa para piano do compositor e regente francês Paul Paray, incluindo uma Fantasia para piano e orquestra gravada com a Detroit Symphony Orchestra.
Durante a temporada de 2010/2011 realiza turnês internacionais nos EUA, França, Japão, Canadá, Alemanha e Brasil. Prepara-se para as comemorações de seus 55 anos de carreira profissional, lançando o DVD “Um Pianista no Amazonas” e o novo CD “Debussy / Ravel” gravado no Glenn Gould Studio em Toronto /Canadá.

PROGRAMA

J. P. Rameau (1682 – 1764)
Suite de peças de concerto de cravo (1741)
I- La Livri
II- L’Agacante
III- La Timide (I)
IV- La Timide (II)
V- L’Indiscrete
L. van Beethoven (1770-1827)
Sonata opus 110

Intervalo
 
Maurice Ravel (1875-1937)
Valses Nobles et Sentimentales
C. Debussy
L’ysle Joyeuse
F. Liszt
Valsa Mephisto

Concerto ao meio dia
Terça-feira, 12h30
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 02
Duo Harpa e Flauta
– Com Mônica Camargo (Flauta) e Rafaela Duarte  (harpa)
Frase: Com repertório com obras originalmente escritas para essa formação, e também outras transcrições adaptada, o duo de câmara se apresenta com sonoridade única.

RELEASE

Duo Harpa e Flauta
Release:
Formado  por  Mônica  Camargo  (flauta)  e  Rafaela  Lopes  (harpa),  este  duo apresenta obras  originalmente escritas para esta formação e também transcrições  do  cancioneiro  brasileiro  e internacional. Apresentam  obras  de Donizetti,  Villa-Lobos,  Carlo  Gomes,  Bernard  Andrés,  John  Marson, Pixinguinha, Ibert entre outros.
As  musicistas  conheceram-se  na  montagem  do musical A Bela e A Fera, em cartaz em S.o Paulo no ano de 2009, onde iniciaram este duo camerístico de sonoridade única.

Mônica Camargo
Estudou com Renato Axelhud, Jean-No.l Saghaard e Maurício Florence na Escola Municipal de Música de São Paulo e na Faculdade de Artes Alcântara Machado.
Participou  dos  festivais  de  Campos  do  Jordão,Tatuí,  Mendoza  (Argentina)  e  do  Julius Backer Masterclass, New England (EUA). Foi durante 20 anos flautista da Banda Sinfônica do Estado de S.o Paulo, dos musicais A Bela e a Fera, O Fantasma da Ópera, Miss Saygon e O Médico e O Monstro. É a primeira flautista  solista da Orquestra Sinfônica de Santo André

Rafaela Lopes – Graduou-se  na  Escola  de  Música  da  UFRJ  sob  orientação  de  Wanda Eichbauer.  Participou  de  diversos  festivais  tendo  aula  com  Marisela Gonzales,  Liuba  Klevtzova, Helga Storck, Silvia Braga, Silas Lima, Cristina Braga e Marcelo Penido. Como harpista  convidada  já  atuou  nas  principais  orquestras  do  país  sob  a  regência  de  Isaac Karabtchevsky, Roberto Duarte, Lígia Amadio, Karl Martin,Kurt Masur e outros maestros renomados.  Como  solista  estreou  a  obra  de  Ernst  Mahler,  “La  Harp  Enchantèe”,  no Teatro Municipal do Rio de Janeiro e no Festival Internacional de Verão de Brasília, onde obteve grande  sucesso  de  crítica.  Atualmente é harpista  solista do  Theatro  São  Pedro, em São Paulo.

PROGRAMA

F. J. Nadermann (1781 – 1835)
Sonatina n. 3 para Flauta e Harpa
Allegro
Andantino
Allegretto
Georges Bizet (1838 – 1875)
Minuet da Suite Arlesienne n. 2
Intermezzo da Ópera Carmen
Gabriel Fauré (1845 – 1924)
Pavane Op 50
Sicilienne Op 78
Astor Piazzolla (1921 – 1992)
Oblivion
Pixinguinha (1897 – 1973)
Naquele Tempo
Bernard Andrés
7 pequenas peças para Flauta e Harpa inspiradas no Mar
J. Ibert (1890 – 1962 )
Entr’ act  

Dia 09
Recital de piano com Eva Gomyde
Frase: Com composições que exploram a levada da música popular brasileira, a artista executa músicas de própria autoria e grandes clássicos brasileiros.

RELEASE
Eva Gomyde (piano)
Pianista, arranjadora e compositora, começou a tocar piano aos 3 anos de idade.
Iniciou seus estudos de música clássica na Escola Magda Tagliaferro, onde desenvolveu a tecnica pianística e a interpretação, quando tocou em aulas públicas com a grande mestra pianista Magda Tagliaferro.
Nos estudos de música popular fez cursos de harmonia moderna, orquestração e arranjo com Amilton Godoy(pianista do consagrado Zimbo Trio), com o maestro Ciro Pereira, com o pianista e maestro Nelson Ayres e com o famoso músico e maestro alemão Hans-Joachin Koellreuter.
Fez curso de verão no ano 1992 na Manhattan School of Music em New York.
Baseado nesses estudos e experiências, ela apresenta algumas composições misturando diferentes estruturas harmônicas, como as escalas pentatônicas, em ritmos brasileiros, como é o caso de “Baião Pentatônico”.
“Plural”, CD gravado com vários instrumentos(piano , baixo, bateria, flauta, sax, trompete e percussão) em formação de duo, trio quarteto e quinteto com grandes músicos como Rogerio Botter Maio, Sizão Machado e músicos da internacional Banda Mantiqueira, com ritmos brasileiros e forte acentuação jazzística.
“PIANODUO”, CD gravado em trabalho de duo pianístico com o pianista Carlos Roberto Oliveira, que tem temas dos próprios músicos como também de compositores brasileiros consagrados.
“PIANODUO”, DVD gravado em 2007 com temas brasileiros e forte acentuação jazzística. Fez uma tourné pela Romênia no ano 2008 pela Embaixada Brasileira para divulgar a Musica Popular Brasileira.

PROGRAMA

Eva Gomyde
Baião Pentatonico
Trilha da Paz
Vespeiro
Dom Salvador
Meu caro irmão
Egberto Gismonti
Loro
Eva Gomyde
Meu time
Tema para segunda-feira
Ernesto Nazareth
Escorregando
Pixinguinha/Benedito Lacerda
Um a zero

Dia 16
Klezmer
Frase: Com ritmo contagiante, este espetáculo apresenta músicas do cancioneiro  judaico

RELEASE

Banda Klezmer Brasil
Formada em 1994 por Alexandre Fracalanza Travassos, a Banda Klezmer Brasil é um dos únicos grupos musicais brasileiros especializados em canções ídiche e música klezmer . Desde então vem participando de projetos como Arte nas Ruas, patrocinado pela Secretaria de  Cultura do Município de São Paulo, Encontro de Música  Étnica, no Museu de Arte de São Paulo – MASP, entre outros.
Já se apresentou em diversas instituições judaicas paulistas, como A Hebraica e B’ nai B’rith, e tem o seu público cativo. Lançou seu primeiro CD em fevereiro de 2000.

Alexandre F. Travassos (clarinetista, diretor musical e arranjador)
Clarinetista, chefe de naipe da Orquestra Experimental de Repertório desde 2001, também exerce intensa carreira como compositor e arranjador, tendo ganhado vários prêmios no Brasil e no exterior com suas obras. Foi clarinetista e transcritor/compositor da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo.
Em 1994, cria o primeiro grupo klezmer do Brasil, culminando na produção do CD Mishmash à brasileira onde compõe músicas que fundem estilos brasileiros e klezmer.

Sonia Goussinsky (cantora)

 Especializada em Música Antiga e no Cancioneiro Judaico, principalmente em ídiche, repertório da sua atual pesquisa de Doutorado “A canção Ídiche no Brasil – Registro e memória” na USP. Leciona  na Faculdade de música e no Conservatório da FITO (Osasco) e no Musicalis Núcleo de Música (São Paulo). Mestre pelo Trinity College of Music (Londres), e pós-graduada em Música Antiga pela Guildhall School of Music and Drama (Londres). Aperfeiçoou-se em Música Barroca no Conservatório Darius Milhaud (Aix-en-Provence).

Tania Frenkiel Travassos ( tecladista)
Trabalha há mais de 14 anos em diversas escolas de São Paulo como regente e educadora musical.
Participou da criação do Pirchei (coral de meninos) do colégio Iavne.  Tem sido diretora musical de cerimônias de bat mitzva de várias instituições judaicas de São Paulo. Como pianista tem trabalhado em várias sinagogas, com uma  vasta experiência de quase 18 anos.
Participa como tecladista na Banda Klezmer Brasil desde o início de sua criação.

Vicente Falek (acordeonista)
Formado em composição pela FASM em 2006 tem atuado como compositor, arranjador, pianista, acordeonista, professor e produtor.  Se aprofundou em diversos estilos, como o klezmer, tango, jazz, rock, pop, música brasileira e música infantil. Integra o grupo Projeto B, o grupo de Helio Ziskind, o quarteto de Paulo Tiné, o grupo Tango a Mano que acompanha cantora Cecila Aimé e o grupo Fale com Pimenta. Já gravou diversos discos, onde hora atua como instrumentista, hora como arranjador e por vezes também como produtor.

Beto Birger ( baixista) 
Baixista, produtor e compositor. Trabalhou com diversos artistas de MPB e grupos de rock, pop, jazz, reggae etc , participou de mais de 20 CDs, produziu diversas trilhas para video e programas de TV no Brasil e nos EUA. Professor do Centro de Musica da Hebraica, socio do estudio de gravação e produção musical “Loop”
Guilherme Marques (percussionista) 
Iniciou seus estudos como autodidata em Curitiba, sua cidade natal, aos 14 anos. Tornou-se bacharel em música popular pela UNICAMP, onde estudou com Lílian Carmona. Participou de festivais em Curitiba, Brasília, Tatuí e Campos do Jordão. Toca no grupo Comboio, com o qual gravou os discos “Sarado” e “Comboio”, no quarteto À Deriva, com o qual gravou os discos “à deriva”, “à deriva II” e “Suíte do Náufrago”. Forma junto com Celio Barros e Emílio Mendonça o trio de música improvisada Triozz, com o qual gravou um disco. Tocou na primeira formação do GRUPU – grupo de percussão da Unicamp – sob orientação de Fernando Hashimoto.

PROGRAMA

Canções Tradicionais judaicas
Doina
Az Der Rebe Elimelech
Di Krenitse
Der Heiser Bulgar
H. Yablokoff – Papirossn
Araber Tantz
Chiribim
Klezmer Medley
S. Secunda – Bai Mir Bistu Schén
Tumbalalaika
A. Lebedeff – Rumenie, Rumenie

Dia 23
Duo de violão e acordeom
– Com Rogério Dentello (violão) e Toninho Ferragutti (acordeom)
Frase: Em um encontro raro, o duo de violão e acordeom executam clássicos da música brasileira em sonoridade singular.

RELEASE

Rogério Dentello (violão)
Rogério Dentello voltou a morar no Brasil em 2007, depois de 10 anos entre Itália e Alemanha. Dentello estudou música popular com Paulinho Nogueira e Ulisses Rocha. Sua graduação na área clássica foi obtida na Escola Municipal de Música de São Paulo e na Universidade São Judas Tadeu.
Em sua estadia de 3 anos na Itália, aprimorou sua técnica instrumental no Conservatório de Viterbo. Mais tarde transferiu-se para a Alemanha. Obteve lá o título de Mestre em Composição pela Escola Superior de Música de Colônia (Musikhochschule Köln).
Após a primeira turnê pela Europa (1990), gravou seu primeiro disco intitulado Luzes & Lendas, que depois foi relançado nos Estados Unidos pela Brazilian Music Enterprises.
Sua relação com a Europa manteve-se constante, com turnês anuais. Em Roma gravou o seu segundo CD, Aquarela do Brasil (1996), e mais tarde no Brasil gravou o terceiro CD Janela para o Brasil (1999).
Obteve diversas vezes o apoio cultural do Governo Brasileiro para eventos em Embaixadas e Consulados do Brasil (Roma, Frankfurt, Berlim, Colônia, Tóquio, Dublin, Paris). Em Tóquio chegou a se apresentar na Residência da Embaixada, onde estavam presentes senadores japoneses e um membro da família real.
Na Alemanha gravou seu quarto CD intitulado Águas (2002), com suas composições para diversas formações instrumentais. Seu novo CD de violão solo, Bach etc. (2008), contém obras de J.S.Bach, H. Villa-Lobos, Paulinho Nogueira e composições próprias.
Em sua atividade como compositor tem recebido encomendas do Brasil e da Europa. Duas de suas obras para orquestra de cordas foram estreadas no Brasil pela Camerata Florianópolis.

Toninho Ferragutti (acordeom)

Toninho Ferragutti é músico, compositor e arranjador e possui uma extensa participação em shows e em cds de artistas importantes no Brasil e no exterior. Seu cd Sanfonemas, foi indicado ao Grammy Latino no ano 2000 como melhor cd de musica regional e o seu mais recente cd solo, Nem Sol nem Lua esteve na opinião de diversos críticos entre os 10 melhores cds de musica instrumental do ano de 2006. Alem do seus shows com seu trabalho autoral, vem no momento atuando em shows da Orquestra de Maria Schneider (usa), Celine Rudolf (alemanha), Maria Bethania, Monica Salmaso, Gilberto Gil, Zizi
Possi,Trio 202 , Edu Ribeiro, Jovino Santos Neto entre outros.
Não foram poucos os músicos que se dedicaram ao acordeom. Muitos deles tornaram-se virtuosos no instrumento, além de criarem um repertório fundamental que enriqueceu a MPB. Toninho Ferragutti é um destes exemplos. Músico, compositor e arranjador, desde cedo escolheu este instrumento como ferramenta de inspiração e construção de uma bem sucedida carreira. Seus primeiros acordes nasceram em Socorro, no interior do Estado de São Paulo, sua cidade natal. Foi incentivado em casa pelo pai, Pedro Ferragutti, também músico saxofonista e compositor de valsas, choros, dobrados e marchas. O complemento dos estudos se deu nas rodas de choro, grupos de baile, grupos de música gaúcha e gafieiras, além da formação acadêmica no Conservatório Gomes Cardin, em Campinas, acrescentada de aulas particulares de acordeom, com Dante D´Alonzo, e harmonia, com Claudio Leal Ferreira.
Antes de se profissionalizar, Toninho Ferragutti cursou três anos de veterinária na UNESP de Botucatu, curso que abandonou no último ano para se mudar definitivamente para São Paulo, em 1983. Este período marca o início de sua carreira como músico profissional. Apresentou-se em programas de televisão; participou de gravações de discos e gravações de trilhas para cinema, novelas; e esteve presente em shows e gravações de CDs de grande parte dos artistas da MPB como: Gilberto Gil, Edu Lobo, Antonio Nóbrega, Elba Ramalho, Mônica Salmaso, Geraldo Azevedo, Zé Ramalho, Chico Cesar, Sivuca, Dominguinhos, Oswaldinho do Acordeom, Lenine, Paulo Moura, Marisa Monte, Elza Soares, Dory
Caymi, Joyce, Nelson Ayres, Nico Assunção, Hermeto Paschoal, Lenine, Elza Soares, Grupo Corpo, Mario Adnet, Proveta, ), Maira João e Mario Lajinha (Portugal)
Seigen Ono(Japão), Antonio Placer(França).
Participou e vem participando de diversas orquestras sinfônicas como a OSESP(Orqestra Sinfônica doEstado de São Paulo), Orquestras Jazz Sinfônica de São Paulo, Orquestra Petrobras Pró-musica, Orquestra de Câmera da Universidade da Paraíba, Orquestra Sinfonica do Recife, sob a regência de Claudio Cruz, Ciro Pereira, Nelson Ayres, Wagner Tiso, Isaac Karabichevsky, João Maurício Galindo , Carlos Anísio e Osman Gioia e vem interpretando toda obra escrita pelo compositor e Acordeonista Sivuca para esta formação.
Vem participando de importantes festivais de jazz na Europa e U.S.A como a Orquestra da Maestrina e compositora americana Maria Schneider(U.S.A), Monica Salmaso(Brasil), e Celine Rudolph (Alemanha).
Toninho Ferragutti gravou os CDs
- Oferenda – eldorado Japão 1996 – em duo com Roberto Sion
- Sanfonema – Pau Brasil – 2000 – solo – indicado ao Grammy Latino 2000
- Forrobaby – MCD – 2005- CD infantil – Nem Sol, Nem Lua – Biscoito Fino – Acordeom e quinteto de cordas – indicado ao Prêmio TIM de melhor CD de música instrumental 2006 – Trio 202 – Azul Music 2007 com o Nelson Ayres (piano) e Ulisses Rocha (violão). Ao vivo, na jazz Standart de New York, e no Tom Jazz de São Paulo

PROGRAMA
Heitor Villa-Lobos
Bachianas Brasileiras N.5
Rogério Dentello
Valsas Brasileiras n.1
Prelúdio (Suíte TnT)
Brincadeira N.4 (Suíte TnT)
Go Home
Luzes & Lendas
Doce de Leite
Milton Nascimento
Catavento
Rogério Dentello
Preludinho
Quando você disse que vinha
Toninho Ferragutti
Nem sol, nem lua
Na sombra da Asa Branca
Victoria

Dia 30
Chá das 5
Frase: Quinteto formado por mulheres leva o refinamento e liberdade musical através de um repertório eclético e rico, e com a expressividade dos instrumentos de sopro.

RELEASE – O quinteto formado apenas por mulheres, possui compromisso com a qualidade, refinamento e liberdade musical, sem perder a graciosidade das instrumentistas.
Tem como objetivo levar ao conhecimento do público toda a riqueza de timbre, expressividade e versatilidade da família dos instrumentos de sopro: flauta, oboé, clarinete, trompa e fagote.
Com composições e transcrições, o Quinteto Chá das 5 apresentará um repertório eclético e inovador, partindo de peças tradicionais da música erudita de compositores como Mozart, Debussy chegando a compositores populares brasileiros como Pixinguinha, evidenciando sempre o compromisso com o prazer, a alegria e a liberdade musical.
O quinteto é formado por:

Mônica Camargo  (flauta)
Flautista da Orquestra Sinfônica de Santo André. Estudou na Escola Municipal de Música de São Paulo e na FAAM sob a orientação de Jean-Nöel Sagaahrd, Renato Aksehud e Keith Underwood. Participou de cursos de férias em Tatuí, Campos do Jordão e Mendoza ( Argentina). Foi flautista da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo e dos musicais A Bela e a Fera, O Fantasma da Ópera, Miss Saigon e “O Medico e o Monstro”. Lecionou nas Faculdades Metropolitanas Unidas e na Fundação das Artes de São Caetano do Sul.

Giane Martins  (oboé)
Oboísta e corne inglês do Teatro Municipal de São Paulo. Obteve o Bacharelado em Oboé pela USP, e pós-graduação artística (Künstlerische Aufbaustudium) em oboé na “Escola Superior de Música e Artes Dramáticas de Stuttgart”, Alemanha, na classe do renomado solista Prof. Ingo Goritzki. Participou de cursos e masterclasses com vários professores internacionais. Foi oboísta e corne inglês dos musicais “Les Miserables”, “A Bela e a Fera” , “Miss Saigon” e “O Médico e o Monstro”

Marisa Takano Lui (clarinete)
Spalla da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, integrante do Quarteto de Clarinetes “Claras Clarinetas” e Orquestra Filarmônica de São Bernardo do Campo. Concluiu o bacharelado em Clarinete com os professores Leonardo Righi e Luis Antônio Eugênio Afonso pela USP. Participou de diversos festivais de música e masterclasses com professores renomados internacionalmente. Foi clarinetista do musical “A Noviça Rebelde”.

Brenda Barreto ( trompa)
Natural de em Belém do Pará, participou de vários festivais de música pelo Brasil tais como o Festival Internacional de Inverno de Campos dos Jordão e o  Festival de Música de Santa Catarina. Estudou com Luiz Garcia, Samuel Hamzem, Will Sanders, Radek Baborak, Nury Garnaschelli e Ignacio Garcia. Foi finalista do concurso de metais da Emesp em 2007. Realizou trabalhos com a Orquestra Sinfônica da Universidade de São Paulo e Orquestra Filarmônica de Manaus. Atualmente é trompista da Orquestra Bachiana Filarmônica, foi aceita para ingressar na Buchmann Mehta School of Music em Tel Aviv e realiza seu bacharelado em música com Samuel Hamzem na Faculdade Cantareira.

Nara Martins Flores ( fagote)
Fagotista e contra-fagotista da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, obteve bacharelado em Piano, pela Faculdade de Música Santa Marcelina, SP, com a profª. Dayse Di Lucca. Especializou-se em fagote “Kontaktstudium” na Escola Superior de Música e Artes Dramáticas de Stuttgart, Alemanha, com o Professor Marc Engelhardt. Participou como fagotista de festivais de música e masterclasses com professores renomados internacionalmente.

PROGRAMA
Nino Rota
(1911 – 1976)
Petite Offrande Musicale
Claude Debussy (1862 – 1918) (Arranjo de Gordon Davies)
Petite Suíte
P. I. Tchaikovsky (1840 – 1893)( transcrito por Ryohei Nakagawa)
Three Dances
Jacques Ibert (1890-1962)
Trois Pieces Breves
Pixinguinha (1897-1973)( arranjo de Alexandre Travassos)
Carinhoso

Concerto extra
Sexta-feira, 19h
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 12
Big Band da Escola Municipal de Música
Entrada Franca 

Música PopularQuinta na Faixa – Só Blues
Quinta-feira, 19h
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 04
Artur Menezes
Frase: Quando o Baião encontra o Blues

Dia 11
Celso Salim e Rodrigo Mantovani
Frase: Resultado de uma pesquisa intensa, o duo apresenta releitura para clássicos do Delta Blues

Dia 18
Power Duo
– Com Adriano Grineberg e Vasco Fae
Frase: “O som perdido do Mississipi” – Um tributo ao Delta Blues

Dia 25
Amleto Barboni e Marcos Ottaviano
Frase: O poder do som da guitarra blusera, nua, crua e em dose dupla, das décadas de 1940, 50 e 60.

Show ao Meio-dia no CCSP  – Sintonia do Rock 2011
Completando 20 anos, a série Sintonia do Rock apresenta diversas vertentes do gênero mais popular do planeta.

Sexta-feira, 12h30
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 5
The Gilbertos
Frase: Liderada por Thomas Pappon, ícone do rock alternativo nacional, lança o álbum A noite sonhamos .

Dia 12
The Sparks

Frase: Com 45 anos de estrada, The Sparks faz show com o repertório voltado para a Surf Music Instrumental.

Dia 19
Roberto Sion e Itamar Collaço
Frase: Um encontro descontraído do sopro com o contra-baixo

Dia 26
Roney Giah
Frase: Show Queimando a Moleira do músico brasileiro premiado pela Billboard e John Lennon Contestt, que está conquistando as rádios nos EUA

Sintonia do Rock / 2011 19h
Sexta-feira, sábado, 19h e domingo, 18h
Sala Adoniran Barbosa

Dia 5
A Banda das Velhas Virgens
Frase: A banda das Velhas Virgens – 25 anos de independência
Ingresso: R$20,00

Dia 6
Brollies & Apples
Frase: Orgia Organizada é um show de eletrorock com influências de punk, grunge e eletrônico.
Entrada Franca

Dia 7
Nasi & Banda
Frase: O Canto e compositor passa sua carreira a limpo e lança o CD e DVD Vivo na Cena
Ingresso: R$20,00

Dia 12
Big Band da Escola Municipal de Música

Entrada Franca

Dia 13
Marcus Santurys
(Projeto Poesia dos Quatro Cantos (Noite Indiana))
Frase: Nesta oportunidade contará com a participação do sitarista Marcus Santurys e seu grupo de música e dança indiana
Entrada Franca

Dia 19
Coral USP
Frase: Com o projeto Compositores e Arranjadores Paulistas, o tradicional coral aborda um repertório amplo, do erudito ao popular, passeando entre Guarnieri e Gilberto Mendes.

Dia 26
Mind Priority
Frase: Grupo formado na Bélgica por brasileiros e com músicos de diversas nacionalidades trabalha a fusão do jazz europeu com o suingue brasileiro.
Entrada Franca

Especiais CCSP
Sábados às 19h e Domingo às 18h
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Projeto Tessituras
Um encontro de vozes e linguagens: o erudito e o popular dialogando sem fronteiras.

Dia 20
Agnaldo Rayol e Sebastião Teixeira

Dia 21
Cláudio Nucci e Sandro Bodilon

Dia 27
Renato Braz e Marcos Thadeu

Dia 28
Carlos Navas e Lenine Santos

Festival de Improvisação
A série reúne músicos brasileiros e estrangeiros ao longo do ano em apresentações de improvisação livre, tipo de música que se caracteriza por radicalizar a experiência da improvisação por meio de uma criação coletiva que incorpora elementos da música erudita contemporânea, vertentes do jazz, música folclórica, rock, entre outros. Parte dos espetáculos está inserida na programação regular de música do CCSP; outra parte acontece em dias, salas e horários alternativos, aproveitando as múltiplas possibilidades deste espaço.

Dia 14
Duo Baars Henneman
(Holanda)
Com: Ab Baars (saxofone tenor, clarinete e shakuhachi) e Ig Henneman (viola)
Frase: O duo apresenta improvisações a partir de peças escritas pelos dois músicos misturadas com trechos criados na hora do concerto.

Programação de música do Centro Cultural São Paulo – Julho 2011

Centro Cultural São Paulo – Curadoria de Música – Julho 2011

Texto de Abertura

Julho é o mês do Rock.

Música Clássica

Clássicos do Domingo
Domingo, 11h30

Sala Jardel Filho
Entrada Franca

Dia 03
Recital de Violão de Eduardo Minozzi Costa

Jovem violonista em passagem pelo Brasil apresenta repertório variado que inclui desde obras de Gismonti, Jobim, Scarlatti, Schubert, entre outros.

RELEASE

Eduardo Minozzi Costa completou seu bacharelado em Violão Erudito na Universidade de São Paulo sob a orientação de Edelton Gloeden. Durante seus estudos, foi um dos alunos que realizou a primeira audição nacional dos 24 Prelúdios e Fugas de Mario Castelnuovo-Tedesco. Eduardo já recebeu diversos prêmios no Brasil e no Exterior, dentre eles o reconhecido concurso Souza Lima, pelo qual foi oferecida uma viagem cultural aos EUA que resultou na obtenção de uma bolsa de estudos integral para realizar o Mestrado em Guitar Performance na Universidade do Arizona. Foi nomeado como professor assistente (GTA) sob a orientação de Thomas Patterson. Eduardo deu recitais solos em diversas cidades brasileiras e em algumas cidades americanas. Como músico de câmara, foi membro do Trio Opus 12 ao lado de Paulo Porto Alegre e Daniel Murray – grupo que tocou como quarteto juntamente com Edelton Gloeden, obtendo o 1º lugar no Concurso Nascente realizado pela USP em 2003.

Entre as diversas primeiras colocações que recebeu em concursos internacionais destacam-se o Alhambra International Guitar Competition – Dallas (2010), o  Indiana International Guitar Competition (2010) e  Sholin Guitar Competition, Tucson, Arizona (2009)
Eduardo Minozzi Costa concluiu em 2011 o “Pathways to Guitar Excellence ©” (Caminhos para a excelência violonística) – um sistema de prática violonística patrocinado pela Fundação Medici. 

PROGRAMA

FRANÇOIS COUPERIN (1668 – 1733)
Les Barricades Mystérieuses

DOMENICO SCARLATTI (1685-1757)
Sonata K391

SYLVIUS LEOPOLD WEISS (1687 – 1750)
Fantasie

DOMENICO SCARLATTI (1685-1757)
Sonata K209

FRANZ SCHUBERT (1797 – 1828)
Lob der Tränen (Praise of Tears)

SERGIO ASSAD (b.1952)
Elis portrait

JOAQUIN MALATS
(1872-1912)
Spanish Serenade 

INTERVALO

ARMANDO NEVES (1902-1976)
Choro no. 2

PIXINGUINHA (1897 – 1973)
Rosa

GUINGA (b. 1950)
Baião de Lacan

TOM JOBIM (1927 – 1994)
Luiza

DILERMANDO REIS (1916-1977)
Tempo de Criança

DENIS GOUGEON (b.1951)
Lamento-Scherzo

MARIO CASTELNUOVO-TEDESCO (1895-1968)
Tarantella

RONALDO MIRANDA (b.1948)
Appassionata  

Dia 10

Quinteto de Sopros do Instituto Baccarelli com Diego Nascimento, flauta/Lieni Calisto, oboé/ Magali Souza, clarinete/ Felipe Arruda, fagote/ Thiago Rodrigues, trompa

O CCSP, numa parceria com o Instituto Baccarelli, abre espaço em sua temporada para os novos talentos brasileiros da música executando obras de Beethoven, Haydn e Danzi.

RELEASE

DIEGO BRITO NASCIMENTO, flauta
Iniciou seus estudos de flauta transversal em 2000. Concluiu seus estudos na Universidade Livre de Música, em 2007, com o professor Marcelo Adib. Integra a Sinfônica Heliópolis, do Instituto Baccarelli, desde 2008, e estuda atualmente com o professor Rogério Wolf.

Recebeu o 3º lugar do 1º Concurso de Música de Câmara da Universidade Livre de Música, na categoria Duo, em 2006, e o 1º lugar no 2º Concurso de Música de Câmara da Universidade Livre de Música, na categoria Trio, em 2007.

Participou como aluno ativo das masterclasses ministradas pelos músicos Marcos Fregnani (Bamberger Symphoniker / 2008), Heike Malz (NDR Radiophiharmonie Hannover / 2010), Martin Michael Kofler (Orquestra Filarmônica de Munique / 2010), André Sebaldi (Orquestra de Colônia / 2010) e Chiara Tonelli (Mahler Chamber Orchestra / 2010).

LIENI DE OLIVEIRA CALIXTO, oboé
Bacharel em música pela Universidade Estadual Paulista, atuou em formações tais como Banda Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo (2003), Orquestra Jovem do Estado de São Paulo (2006) e Orquestra Jovem Municipal de Guarulhos (2006).

Participou dos Festivais de Música de Tatuí e Jaraguá do Sul, assim como também de masterclasses com Christoph Hartmann, Kurt Méier e Casey Hill.

Atualmente, integra a Sinfônica Heliópolis, recebendo orientação instrumental de Joel Gisiger.

MAGALI DA SILVA SOUZA, clarinete
Estudou clarinete no Centro de Estudos Musicais Tom Jobim, sob orientação dos professores Daniel Cornejo e Edmilson Nery. Atualmente, é aluna de Ovanir Buosi no Instituto Baccarelli.

Participou do Festival Internacional de Música de Campos do Jordão – Núcleo Tatuí, sob orientação dos professores Luis Afonso Eugênio Montanha e Joel Barbosa, em 2003; do Festival “Música nas Montanhas”, realizado em Poços de Caldas, sob orientação dos professores Luis Afonso Eugênio Montanha e Edmilson Nery, em 2006; e do Festival de Música de Santa Catarina, sob orientação dos professores Ovanir Buosi e Jhon Manasse (Estados Unidos), em 2007.

Integrou as Orquestras Filarmônica Infanto Juvenil de São Paulo, sob a regência do maestro Daniel Cornejo, de 2003 a 2004; Sinfônica de Mogi das Cruzes, sob a regência do maestro Marcelo Jardim, de 2004 e 2005; e Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo, sob a regência do maestro João Maurício Galindo, em 2007. Integrou também a Banda Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo, sob a regência da maestrina Mônica Giardini, de 2004 a 2006, tendo sido spalla desse corpo artístico.

Desde 2007, integra a Sinfônica de Heliópolis, tendo participado da turnê que essa orquestra realizou pela Alemanha (Bonn, Berlim, Dresden, Munique), Holanda (Amsterdã) e Inglaterra (Londres), sob a regência do maestro Roberto Tibiriçá. Atualmente, o diretor artístico da Sinfônica Heliópolis é o maestro Isaac Karabtchevsky.

Suas atividades pedagógicas incluem ter sido professora de teoria musical na sede da Banda Lira de Santo André; e atualmente é Professora assistente da classe de clarinetes do Instituto Baccarelli, desde 2009.

Participou das masterclasses ministradas por Vladimir Permyakov, da Tchaikovsky Symphony Orchestra Moscow (2008), Franz Bumann, de NDR Radiophilharmonie Hannover (2010) e Alexandra Gruber, da Orquestra Filarmônica de Munique (2010), realizadas no Instituto Baccarelli, sob a promoção do Mozarteum Brasileiro.

FELIPE ARRUDA, fagote
Aos 16 anos de idade iniciou os estudos no fagote. Em 2005, ingressou na Escola Municipal de Música de São Paulo, recebendo orientações do professor Fábio Cury, continuando com ele até 2008, tendo aulas no Curso de Difusão Cultural da Universidade São Paulo – USP. Desde 2009, estuda fagote com o professor Ronaldo Pacheco, no Instituto Baccarelli.

Em 2008, passou a integrar a Orquestra Sinfônica do Conservatório Dramático e Musical de São Paulo, a Banda Sinfônica Jovem e, mais tarde, a Orquestra Tom Jobim. Integrou a Orquestra Sinfônica Jovem Maestro Eleazar de Carvalho, a Orquestra Sinfônica Jovem de Guarulhos, e a Orquestra de Câmara da USP (OCAM).

Desde 2009, integra a Sinfônica Heliópolis, tendo participado da turnê que essa orquestra realizou pela Alemanha (Bonn, Berlim, Dresden, Munique), Holanda (Amsterdã) e Inglaterra (Londres), sob a regência do maestro Roberto Tibiriçá. Atualmente, o diretor artístico da Sinfônica Heliópolis é o maestro Isaac Karabtchevsky.

Participou ativamente de masterclasses ministradas por Francisco Formiga, Alexandre Silvério, Fábio Cury, Ole Dahl (Alemanha), Benjamin Coelho (Estados Unidos), Afonso Venturieri (Suíça), Andrés Rieras (Venezuela), Zeev Dorman (Israel).

Participou do II e III Festival de Jaraguá do Sul, onde recebeu orientações de Isabel Jeremias (Costa Rica), Gustavo Nunez (Royal Concertgwbouw Orchestra) e Milan Turkovic e aulas de contrafagote com Andrea Merenzon (Argentina).

Em 2007, foi convidado pelo maestro e professor Olivier Toni a participar do Festival de Prados, executando peças barrocas e clássicas do repertório solista e orquestral. Ainda em 2007, foi convidado pela Produção Musical e Executiva a participar do espetáculo “Rossini Hits”, em homenagem ao compositor Gioachino Antonio Rossini. Em 2011, participou da 12º Festival “Música nas Montanhas”, em Poços de Caldas. Em 2008, foi solista no Concerto para oboé, flauta e fagote “La Tempesta di Mare”, de Antonio Vivaldi, com a Orquestra de Câmara da USP (OCAM).

É Professor Assistente de Fagote no Instituto Baccarelli e desenvolve atividade camerística com o Quinteto de Sopros dessa instituição de formação musical.

THIAGO MARTINS RODRIGUES, trompa
Iniciou seus estudos musicais aos nove anos de idade. Em 1994, estudou trompa com o professor Marcelo Silva (Banda Sinfônica de Cubatão).

Em 1995 e 1996, passou a estudar com o professor Ruben (Banda Sinfônica de Cubatão). No período de 2000 a 2005, voltou a fazer aulas com o professor Marcelo Silva.

Desde 2006, é aluno do Instituto Baccarelli, onde integra a Sinfônica Heliópolis como primeira trompa. Atualmente, recebe aulas do professor Mário Rocha (Instituto Baccarelli e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal de São Paulo).

Em 2010, viajou junto à Sinfônica Heliópolis para a 1º turnê dessa orquestra na Europa, apresentando-se na Alemanha (Bonn, Berlim e Munique), Holanda (Amsterdam) e Inglaterra (Londres), sob a regência dos maestros Peter Gülke, Yutaka Sado e Roberto Tibiriçá. Atualmente, a Sinfônica Heliópolis tem direção artística do maestro Isaac Karabtchevsky e tem como patrono o maestro Zubin Mehta.

Junto à Sinfônica Heliópolis, teve oportunidade de atuar junto aos renomados solistas como Joshua Bell, Erik Schumann, Leonard Elschenbroich, Daniel Guedes, Antônio Del Claro, Shlomo Mintz, entre outros.

Participou como aluno ativo nas masterclasses ministradas pelos músicos Thomas Muller (Orquestra de Câmara de Zurique), Michael Slatkin (Filarmônica de Israel), Luiz Garcia (Orquestra Sinfônica Brasileira e German Brass), Luckas Cristinat (Orquestra Sinfônica de Lucena- Suíça), Franz Draxinger (Ensemble Berlin) e Jorg Brückner (Orquestra Filarmônica de Munique)

Participou do Festival de Música nas Montanhas (Poços de Caldas – 2007, 2010 e 2011), II Concurso de Férias de Tatuí (2005) e do I Festival de Música de Cubatão (2002).

Atuou como músico convidado das Orquestras Sinfônicas Municipais de São Paulo e Santo André, Orquestra Experimental de Repertório; e como professor no Projeto “Cubatão Sinfonia” (2008).

Atua no Instituto Baccarelli, também, como Professor Assistente.

PROGRAMA

FRANZ JOSEPH HAYDN (1732-1809)
Divertimento
Allegro con spirito
Andante quasi Allegretto
Minuetto
Rondo: Allegretto

FRANZ IGNAZ DANZI (1763-1826)
Quinteto n° 1, op. 56, em si menor
Allegretto
Andante con moto
Menuetto: Allegretto
Allegretto

LUDWIG VAN BEETHOVEN (1770-1827)
Quinteto op. 71
Allegro
Adagio
Menuetto
Rondo

Dia 17

Duo Joaquim Abreu & Paulo Passos – (Percussão e Clarinetes).

Com obras dos compositores Almeida Prado, Marlos Nobre, Leo Brouwer, entre outros, o duo mostra neste concerto a sua versatilidade.

RELEASE

DUO JOAQUIM ABREU & PAULO PASSOS – (Percussão e Clarinetes)
Possuindo trajetórias com muitos pontos em comum, Joaquim Abreu e Paulo Passos começaram a trabalhar juntos em 1998, ao interpretarem obras do compositor Luiz Carlos Csekö. A partir daí suas apresentações têm se multiplicado e diversos compositores têm escrito e dedicado obras ao Duo. Dentre eles podemos citar Flo Menezes, Eduardo Guimarães Álvares, Paulo C. Chagas, Willy Correa de Oliveira, Roberto Victório, Alexandre Schubert, Mauricio Dottori e Caio Senna, entre outros.

Apresentaram-se em vários projetos como o Projeto Rumos Musicais do Itaú Cultural (SP), Projeto Sérgio Porto 2000 (RJ), Projeto Percussão e Invenção, Série Música Brasileira do Século Passado – Teatro Municipal do Rio de Janeiro, Museu da Casa Brasileira (SP), Academia Brasileira de Música (RJ), entre outros. Participaram também das últimas Sete Bienais de Musica Contemporânea Brasileira da Funarte.

Em 2004 idealizaram junto com Flo Menezes os concertos Luciano Berio ” in memorian ” no MASP tendo a participação especial da soprano Andrea Kaiser.

Participaram do concerto de encerramento do Simpósio de Música Contemporânea Colômbia-Brasil e também ministraram workshops nas universidades EAFIT de Medellín e Javeriana de Bogotá com o apóio do Ministério das Relações Exteriores.

Receberam o Prêmio Petrobrás Musica 2004 e Diapason de Ouro, edição brasileira, pelo lançamento de seu CD “Musica Brasileira Contemporânea para Clarinetes e Percussão.

JOAQUIM ABREU E PAULO PASSOS (Percussão)
Joaquim Abreu iniciou seus estudos musicais em São Paulo e entre 1981 e 84 foi bolsista do governo francês, obtendo diplomas de percussão e música de câmara no Conservatório Nacional da região de Strasbourg – França, nas classes Jean Batigne e Detlef Kiefer. Em 1985, quando retornou ao Brasil, se integrou por concurso a Orquestra Sinfônica Brasileira. O percusionista chegou a se apresentar no Carnigie Hall, em Nova York, na Rádio France, em Paris, e no Grand Theatre de Genebra com o Duo Diálogos de Percussão, um de seus trabalhos mais expressivos. Por 20 anos lecionou percussão e música de câmara na Escola Municipal de Música de São Paulo. Com Andrea Kaiser desenvolve um criativo Duo para voz e percussão , o Materiales Ensemble. Integra também o Núcleo Hésperides “Música das Américas”.

PAULO PASSOS (Clarinetas)
Natural de Itajaí-SC, Paulo Passos começou seus estudos na Escola Superior de Música de Blumenau, seguindo depois para Universidade do Rio de Janeiro, onde realizou o curso de bacharelado em clarinete. Até 1983, quando se mudou para a capital carioca, participou da Orquestra de Câmara de Florianópiolis. Em 1999, durante a 20ª Bienal da Música Brasileira Contemporânea, estreou a peça “Paisagens Espectrais”, de Vânia Dantas Leite, especialmente criada para ele. O clarinetista também se apresentou no exterior, em 1995, na Haus der Kulturen der Welt, em Berlim, e em maio deste ano, na cidade de Darmstadt, também na Alemanha.

PROGRAMA

MARLOS NOBRE (1939)
Desafio XVII para marimba e clarone

ALMEIDA PRADO (1943-2010)
Máscaras – Teatro Musical para percussão solo

MARCUS SIQUEIRA (1974)
Uma Outra Idéia Fixa – clarone solo (Dedicada a Paulo Passos)

RICARDO TACUCHIAN (1939)
Manjerona – clarone solo – (Dedicada a Paulo Passos)

MAURÍCIO DE BONIS (1979)
Trapos e Fios Soltos ** para sax alto, vibrafone,glockenspiel,tan tan, gongos e pratos

em primeira audição (Dedicada ao Duo Joaquim Abreu & Paulo Passos)

LEO BROUWER (1939)
Paisage Cubano con Ritual para marimba , vibrafone e clarone
1. Rito
2. Intermezzo
3. Danza

OSVALDO LACERDA (1927)
Variações Sobre “O Cravo Brigou com a Rosa” para sax alto e marimba – Tema, Andantino Innocente
Variação 1 – Allegro con Spirito
Variação 2 – Allegro
Variação 3- Andante
Variação 4- Fuga
Variação 5 – Andante Lento, un poco “ad libitum”
Variação 6- Seresta Romantica, andante
Variação 7- Final , Allegro

Dia 24

Lazare Cherouana (França) – violão – X Mostra de Cordas Dedilhadas – 2011

Vencedor do Concurso Internacional de Guitarra José Tomas (Villa de Petrer – Espanha) apresenta obras de Agustin Barrios, Turina, Joaquim Rodrigo, entre outras.

RELEASE

 “X MOSTRA DE CORDAS DEDILHADAS – 2011” tem a curadoria de Rafael Altro e a produção externa de Rafa Music Produções & Eventos

CAMERATA DE VIOLÕES NAMMUSIC – regência Rafael Altro

Criada pelo músico Rafael Altro em 2007 com o objetivo de participar do “I Encontro de Cameratas de Violões”. O grupo conta hoje com a participação de jovens alunos do NAMMUSIC – Núcleo de Arte Musical. Já se apresentou no Teatro Imprensa, Centro Cultural da Marinha do Brasil em São Paulo, Auditório CRC-SP, Auditório DOC Contabilidade, Auditório da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, Biblioteca Municipal da Mooca e nas edições VII, VIII e IX da Mostra de Cordas Dedilhadas. Em seu repertório executa peças de compositores nacionais e internacionais de diversos estilos e gêneros musicais.

LAZARE CHEROUANA (FRANÇA) – violão.
Nasceu em Vienne em 1988 onde começou seus estudos aos seis anos com o professor Raphael Vaccaro. Posteriormente ingressou no Conservatório Nacional Regional de Lyon onde completou seus estudos com o professor Jesús Castro (Peru). Prosseguiu estudos no Real Conservatório Superior de Musica de Madrid. Atualmente estuda no Mozarteum de Salzburgo e no Conservatório de Klagenfurt (Áustria) com Marco Tamayo e recebe orientações de Judicaël Perroy em Paris. Participou de masterclasses com Eduardo Fernández, Alirio Díaz, José Miguel Moreno, René Bartoli, Ricardo Gallén, Ignacio Rodes, Gerard Abiton, José Luís Rodrigo, Hubert Käppel y Leo Brouwer. Ganhou os prêmios nos concursos de Cezeriat (primeiro lugar), Bártoli (segundo lugar), Hazen-Hosseschruders del Encuentro Internacional “Cuidad de Majadahonda” (primeiro lugar), Premio Segovia del Festival Musica em Compostela (primeiro lugar).

Participou de várias gravações em programas de televisão e realizou recitais em diversas cidades como Lyón, Santiago de Compostela, Budapest, Marrakech, Salzburgo, Boloña, Madrid, Nueva York y París. Em 2010 ganhou em primeiro lugar nos concursos em Fiuggi, Sevilla, Concurso regional, nacional e Europeu prganizado pelo Lion’s Club. Como prêmio do Concurso Internacional de guitarra Jose Tomas (Vila de Petrer – Espanha) realiza a turnê no Brasil.

PROGRAMA

PRIMEIRA PARTE

CAMERATA DE VIOLÕES NAMMUSIC

ARY BARROSO (1903-1964)
Aquarela do Brasil

ZEQUINHA DE ABREU (1880 – 1935)
Branca

EDMUNDO VILLANI-CÔRTES (1930)
Conversinhas nos. 01, 02 e 03

HEITOR VILLA-LOBOS (1887 – 1959)
Bachianas no.04 (Prelúdio)

TRADICIONAL ESPANHOLA (D.P.)
El Vito

SEGUNDA PARTE

LAZARE CHEROUANA (FRANÇA) – Violão 
G. REGONDI (1822-1782)
Introducion y Capricho

N. COSTE (1805-1883)
Rondo de concierto

J. RODRIGO (1901-1999)
Junto al generalife

A. BARRIOS (1885-1944)
Sueño en la floresta

J. TURINA (1882-1949)
Sonata para guitarra

Dia 31

Bruno Soares (violão) – X Mostra de Cordas Dedilhadas – 2011

Vencedor do Concurso Internacional de Violão Eustáquio Grilo (Brasília – Brasil) apresenta obras para violão solo.

RELEASE

A “X MOSTRA DE CORDAS DEDILHADAS –  2011” tem a curadoria de Rafael Altro e a produção externa de Rafa Music Produções & Eventos

DUO “PIANO & VIOLÃO” William Labecca (piano) e Rafael Altro (violão)
Formado desde 1998 pelos músicos William Labecca (piano) e Rafael Altro (violão) o duo tem apresentado em seus recitais um programa com obras de compositores de diversos estilos e gêneros musicais. O duo já realizou diversas apresentações em salas de concertos e auditórios em São Paulo das quais destacam as realizadas na Biblioteca Mario de Andrade, na sala Funarte Guiomar Novaes, no Teatro Paulo Eiró, no Centro Cultural São Paulo (sala Jardel Filho) e no auditório do CRC-SP. Atualmente o duo prepara a gravação de seu primeiro CD com composições próprias e transcrições.

WILLIAM LABECCA  – piano
Bacharel em Música com habilitação em Piano pelo Instituto de Artes da UNESP, William Labecca estudou com pianistas de renome, como Beatriz Balzi, Gilberto Tinetti, Moura Lacerda e Mª Francisca Paez Junqueira. Participou de diversos Master-Classes, com destaque para o da pianista austríaca Elzbieta Sternlicht, no qual atuou como intérprete.

Foi aluno de Música de Câmara de Arcádio Minczuk e de Harmonia de Sérgio Vasconcellos-Corrêa e H. J. Koellreutter. Tendo participado da Virada Cultural 2009, no projeto Piano Na Praça, já se apresentou como pianista em diversos locais, como Centro Cultural São Paulo, MASP, SESC, FUNARTE, UNESP, Biblioteca Mário de Andrade e em vários teatros de São Paulo e de outros estados, como São Pedro, Paulo Eiró, Cacilda Becker, Lauro Gomes, entre outros. Lecionou nos cursos superiores de Composição e Regência do Conservatório Dramático e Musical de São Paulo, de Musicoterapia da Faculdade Paulista de Artes (FPA) e em vários conservatórios da capital paulista. A convite do produtor musical Tom Viana, da PAULUS Gravadora, assumiu a direção musical do CD “Ritmos do Brasil – Região Norte”. Além da direção musical, incluiu composições próprias, tendo feito o arranjo da maioria das faixas.

Também lançou um CD para piano erudito a 4 mãos, com a pianista Maria Cecília Cropi, que leva o nome do duo: “Lumina”, com peças de Brahms, Schubert e Arensky.

RAFAEL ALTRO  ( violão)
Nascido em São Paulo aos 06 de junho de 1.973, violonista autodidata começou a admirar a arte de tocar violão aos dez anos de idade, ouvindo gravações de Andrés Segovia e Dilermando Reis.Com quinze anos fez suas primeiras apresentações em prol de várias instituições beneficentes, incluindo em seu repertório arranjos próprios de peças populares. Completou seus estudos teóricos no Conservatório Musical Anchieta. Prosseguiu seus estudos de técnica e de interpretação com o professor e luthier José Egídio de Oliveira. Participou do “II Encontro Nacional de Violonistas” realizado pelo Instituto de Artes da UNESP.

Apresentou-se em diversos locais em São Paulo. Como Diretor Musical e violonista do Grupo S/Arautos apresentou o espetáculo “Amor”, com Direção Geral de Paulo Ribeiro, no Espaço dos Satyros I, Centro Cultural do grupo Silvio Santos (Teatro Imprensa), na Casa da Fazenda do Morumbi, SESC Pompéia, diversos Eventos Culturais e no Teatro Fernando Azevedo dentro do Projeto Caminho das Artes da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo.

Realizou Direção Musical dos espetáculos: “Verdade ou Desafio” e “Devaneios” com direção de Cris Sandoval e Cristina Santos e “Rapsódia dos Divinos” e “Avatar” com direção de Paulo Ribeiro. Participou como músico e compositor na gravação do CD “Ritmos do Brasil – Música do Norte”, lançado pelo selo Paulus em 2007. Pela mesma gravadora realizou direção musical e atuou como violonista no CD “Momentos de Reflexão, vol. 2”, lançado em 2008. Atualmente prepara seu CD instrumental solo com composições próprias.

BRUNO SOARES (Violão)

Vencedor do Concurso Internacional de Violão Eustáquio Grilo (Brasília – Brasil)

Iniciou seus estudos aos 15 anos com o professor Fernando Vieira, ingressando na Faculdade de Musica do Espírito Santo em 2003 onde concluiu o curso de Bacharelado em Música com habilitação em Violão, sob a orientação do professor Fabiano Mayer e é Pós-Graduando em Arte na Educação.

Participou de inúmeros cursos, palestras, Master Class e Workshops ministrados por nomes como Henrique Pinto (SP), Fabio Zanon (SP), Edelton Gloeden (SP), Gilson Antunes (SP), Michael Lich (EUA), Thomas Patterson (EUA), Carlos Barbosa Lima (BR), Pedro Rufino (PT), Mario Ulloa (Costa Rica), Manuel Espinas (Cuba), entre outros. É aluno do LAPI – Laboratório de Alta Performance em Instrumento – Projeto da Faculdade de Música do ES supervisionado pelo professor Fabiano Mayer e recebe orientações do violonista Fábio Zanon e das pianistas Célia Ottoni e Janne Gonçalves. Participou de diversos concursos, dos quais tem obtido excelentes resultados, destacando-se: 1°. Lugar no IV Concurso de Violão Eustáquio Grilo (DF); 2°. Lugar no I Concurso Latino Americano de Violão Maurício de Oliveira (ES); 2°. Lugar no IV e V Concurso de Violão Erudito do Conservatório Musical Villa-Lobos (SP); 2º. Lugar no Concurso de Musica Erudita Áurea Adnet (ES); 3°. Lugar no XXVII Concurso Latino Americano Rosa Mística (PR); 3°. Lugar no 8°. Concurso de Guitarra César Cortinas (Uruguai).

Foi Semifinalista e 2ª lugar na votação do publico no II Concurso Internacional Vital Medeiros (SP) e foi selecionado para os recitais no Programa Furnas Geração Musical. O recital na “X Mostra de Cordas Dedilhadas” organizado pela Rafa Music é um dos prêmios recebidos no IV Concurso de Violão Eustáquio Grilo (DF).

PROGRAMA

PRIMEIRA PARTE

DUO “PIANO & VIOLÃO” William Labecca (piano) e Rafael Altro (violão)

RAFAEL ALTRO (1973)
Vai-e-Vem

HERMETO PASCOAL (1936)
Bebê

MANUEL DE FALLA (1876 – 1946)
Cancion del Fuego Fátuo

MANUEL DE FALLA (1876 – 1946)
Danza Del Terror

SEGUNDA PARTE

BRUNO SOARES – Violão

D. AGUADO (1784 – 1849)
Introdução e Rondó no.02

MARCELO RAUTA (1981)
Rerigtiba

MARCELO RAUTA (1981)
Sonata Nostálgica

CARLOS CRUZ (1936)
Imagens do Agreste
I – Allegretto
II – Andante
III – Allegretto Grazioso

R. DYENS (1955)
Hommage a Villa-Lobos
I – Climazonie
II – Danse Caractérielle et Bachianinha
III – Andantinostalgie
IV – Tuhu

Concerto ao meio dia
Terça-feira
, 12h30

Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 05

Trios de Schumann e Shostakovich com Romain Garioud (França) – violoncelo, Fabio Chamma – violino, Liliane Kans – piano

Dois trios da mais alta importância na História da Música serão executados por Fabio Chamma – violino, Romain Garioud (França) – violoncelo e Liliane Kans – piano.

RELEASE

Romain Garioud – Violoncelo
Laureado do 12º Concurso Internacional Tchaïkovski (Moscou), do 7º Concurso Internacional Rostropovitch e 2º prémio do Concurso Internacional de Vina del Mar (Chile) em 2001 e 2002, Romain Garioud pertence à jovem e brilhante geração de violoncelistas franceses. É convidado a dar concertos e Masterclasses em inúmeros festivais. Em Novembro de 2005, Romain Garioud ganhou o 1º prêmio do Conservatório Internacional Valentino Bucchi (Roma – Itália).

Em 2007 criou o Delian Quartet ao qual pertence. Este Quarteto tem efetuado diversas gravações para a editora Oehms Classics e tem-se apresentado nas maiores salas de espetáculo da Europa (Konzerthaus et Musikverein Wien, Ludwigsburg festpiele). Ensina os futuros profissionais, na C.R.D. de l’Hay les Roses (França) e na Escola Profissional de Música de Espinho (Portugal).

Fábio Giaretta ChammaViolino
Graduado pela UNESP sob a orientação de Ayrton Pinto, foi também aluno de Jerrold Rubenstein na classe de Especialização no Conservatório Real da Antuérpia, Bélgica, como bolsista da CAPES. Foi Spalla da Orquestra Sinfônica de Rio Claro, e Orquestra de Câmara da UNESP. Tocou também na Orquestra Experimental de Repertório, Camerata Fukuda, Orquestra Sinfônica Paulista, Orquestra Sinfônica de Santo André e Orquestra do Conservatório Real de Antuérpia. Foi solista em diversas orquestras sinfônicas e conjuntos de câmara. Participou de diversos festivais, dentre eles o Festival de Inverno de Campos do Jordão, Oficinas de Música de Curitiba e Festival de Artes de Itu, da Orquestra Barroca do Festival de Juiz de Fora, do Sopron Early Music Days na Hungria e master classes com Paulo Bosísio, Cláudio Mahle, Evgenia Maria Popova, Jerrold Rubenstein e Jean Jacques Kantorow. Atualmente dedica-se à música de câmara, ao violino barroco e é membro da Orquestra Sinfônica Municipal

Liliane Kans – Piano
Bacharel em Piano pela UNESP, foi aluna de Ilza Antunes, Beatriz Balzi e Daisy de Luca. Estudou também na Bélgica no Conservatório Real de Mons na classe de Dalia Ouziel e posteriormente ganhou bolsa de estudos da CAPES para o curso de Especialização (piano e música de câmara) do Conservatório Real de Antuérpia na classe da pianista Eliane Rodrigues. Cursou disciplinas na pós-graduação na UNICAMP e USP. Dentre os vários festivais que participou estão o de Campos do Jordão e o Sopron Early Music na Hungria e obteve a primeira colocação em diversos concursos de âmbito nacional, entre outros, o Prêmio Armando Prazeres do Concurso para Jovens Solistas. Atuou como pianista convidada da Camerata Fukuda e foi solista da Orquestra Sinfônica de Rio Claro, Orquestra Filarmônica de Rio Claro, Orquestra de Cordas Jovens Musicistas de São Paulo, Orquestra de Câmara de Piracicaba e Orquestra Petrobrás Pró Musica do Rio de Janeiro sob a direção de Roberto Tibiriçá. Atualmente exerce intensa atividade camerística em companhia de diversas formações instrumentais e também dedica-se à música historicamente informada com ênfase no classicismo, possuindo um dos poucos fortepianos no Brasil (modelo Stein 1784).

PROGRAMA

ROBERT SCHUMANN
(1810-1856)
Trio nº2 op.80
 1) Sehr lebhaft
 2) Mit innigem Ausdruck
 3) In mässiger Bewegung
 4) Nicht zu rasch

DMITRI SCHOSTAKOVICH (1906-1975)
Trio nº2
 1) Andante
 2) Allegro con brio
 3) Largo
 4) Allegretto

Dia 12

Bach e Pixinguinha- Mestres do Contraponto – Recital de Flauta e Cello com o Duo Charlier-Pellegatti

Segundo Villa-Lobos, Pixinguinha era uma espécie de Bach da música brasileira. Este recital segue a dica do mestre com obras desses dois compositores.

RELEASE

Duo Charlier-Pellegatti
Os paulistanos Celina Charlier e Fábio Pellegatti, amigos de infância, continuam tocando juntos mesmo morando em países diferentes. Fábio tem sólida carreira musical em São Paulo, como cellista, professor e arranjador. Celina, há 12 anos em New York, tem intensa carreira internacional como flautista (tocando nos Estados Unidos, Brasil, Itália, Malta, França, Argentina, Sri Lanka e Emirados Árabes), é professora da Universidade de New York, arranjadora e regente. Todo ano, Celina e Fábio se reencontram para recitais em São Paulo.

O Duo Charlier-Pellegati se destaca pela versatilidade e criatividade, interpretando músicas originais para flauta e cello e arranjos próprios, de música clássica, chorinho, música folclórica japonesa, tango, jazz, música de cinema e outros estilos. Este recital de flauta e violoncelo traz músicas de dois compositores famosos pela arte do contraponto: Bach e Pixinguinha. Bach consagrou com o que se chamou de Barroco Alemão o sistema da música tonal que usamos até hoje no mundo ocidental, num conjunto de músicas chamado “O cravo bem temperado”.

O brasileiríssimo Pixinguinha “chorou” na flauta nossas alegrias e tristezas, nossa riqueza cultural, nossa ginga, nossa brasilidade musical.  A flauta de Celina e o violoncelo de Fábio recriam em estilo único a beleza desses dois seus universos sonoros e culturais.

Celina Charlier – flauta
Nasceu em São Paulo em 1974. Formou-se em Flauta Doce e Flauta Transversal pela Escola Municipal de Música de São Paulo, Bacharel em Flauta pela UNESP e Mestre em Flauta pela New York University (NYU). Atualmente, cursa o PhD in Flute Performance na NYU, onde leciona e rege a NYU Wednesday Orchestra. Em março de 2005, Celina tocou em Nova Iorque um recital de flauta e piano exclusivamente com músicas de Villani, que, gravado ao vivo, originou o CD ‘Villani in the Village’. Desde 1989, Celina tem uma ativa carreira musical como solista, camerista e integrante de orquestra, apresentando-se no Brasil, Argentina, Itália e Estados Unidos.

Fábio Pellegatti – violoncelo
Nascido em 1971 na cidade de São Paulo, é formado em Violoncelo pela Escola Municipal de Música de São Paulo. Foi spalla das Orquestra de Câmara da USP e UNITAU. Em 2002 passou a ocupar o cargo de spalla da Orquestra Sinfônica Municipal de Santos e a atuar no quarteto municipal Martins Fontes. Também em 2002 foi premiado no V Concurso “Solistas da Orquestra Sinfônica Municipal de Santos”. Atualmente é professor de violoncelo do Conservatório de Arte do município de Guarulhos. 

PROGRAMA

PIXINGUINHA (1897-1973) BENEDITO LACERDA (1903-1958)
10 dos 12 Choros (com os contrapontos originais do Pixinguinha)

Acerta o Passo
Ainda me recordo
Descendo a serra
Naquele tempo
Os oito batutas
Proezas de salon
Segura ele
Seu Lourenço no vinho
Vou vivendo
Um a zero

ALEXANDRE F. TRAVASSOS (1970)
Choro de Bliss (primeira audição mundial)

JOHANN SEBASTIAN BACH (1685-1750)
Integral das Invenções a duas Vozes
Invenção n.1, BWV 772, em Do Maior         
Invenção n.2, BWV 773, em do menor          
Invenção n.3, BWV 774, em Ré Maior          
Invenção n.4, BWV 775, em ré menor           
Invenção n.5, BWV 776, em Mi bemol Maior
Invenção n.6, BWV 777, em Mi Maior          
Invenção n.7, BWV 778, em mi menor          
Invenção n.8, BWV 779, em Fá Maior          
Invenção n.9, BWV 780, em fá menor           
Invenção n.10, BWV 781, em Sol Maior       
Invenção n.11, BWV 782, em sol menor        
Invenção n.12, BWV 784, em Lá Maior        
Invenção n.13, BWV 785, em lá menor         
Invenção n.14, BWV 786, em Si bemol Maior
Invenção n.15, BWV 787, em si menor 

Dia 26

Metrópole Quarteto de Saxofones .
A tessitura das quatro vozes do sax num programa com arranjos especiais para as obras de Lennon e McCartney, Gershwin, Bach, Grieg, entre outros.

RELEASE

O Metrópole Quarteto de Saxofones nasceu em São Paulo em março de 2008 a fim de levar ao público uma sonoridade bem peculiar devido a sua formação não muito comum (soprano, alto, tenor e barítono). Formação esta que pode ser comparada aos grandes quartetos de sopro e cordas que existem, principalmente, pela Europa.

O quarteto possui em seu repertório uma variedade de estilos, passando por composições eruditas e populares. Seus integrantes são:

ED FOGAÇA (SAX BARÍTONO E ARRANJOS)
Se formou em saxofone erudito e MPB-JAZZ no Conservatório de Tatuí “Dr. Carlos de Campos”/SP, onde atua como professor. Participou de vários grupos musicais, como orquestras e bandas sinfônicas, big bands, quartetos, além de realizar trabalhos como solista. Em 2002, participou em Milão, Itália, do primeiro encontro da cultura brasileira. Composição e arranjos também fazem parte dos seus estudos e pesquisas musicais. Atua, também, como arranjador e regente da Orquestra Municipal da cidade de Itapetininga, interior de São Paulo.

EDENILSOM FOGAÇA (SAX TENOR)
Começou seus estudos em 1990 no Conservatório de Tatuí, onde estuda até hoje. Estudou saxofone erudito com os professores Lázaro (Pingo) e Luiz Carlos. A partir de 1995, entra para o curso de MPB-JAZZ neste mesmo conservatório, tendo aula com Mané Silveira, Celso Veagnoli, Paulo Braga, Paulo Flores entre outros. Assistiu a Workshops de Denílson Florêncio, Roberto Sion, Nailor “Proveta” Azeredo, Dale Underwood (EUA) e Olmir Stocker (Alemanha). Participou de Banda Sinfônica, Quartetos e Big Bands, assim como do Festival de Inverno de Campos do Jordão.

FELIPE CESAR SANCHEZ (SAX ALTO)
Começou seus estudos com violão e piano popular em conservatório particular. Em julho de 1998, participou, ainda com violão e piano, de um curso na Melodee School of Music, Inc. na cidade de Mineápolis, EUA. Estudou saxofone (desde 2004) no Conservatório Souza Lima e Berklee, sendo integrante do Grupo de Sopro, regido por Ed Fogaça. Participou de workshops de saxofonistas renomados, como Tom Walsh e David Liebman. Já participou do Festival de Inverno de Campos do Jordão e da abertura do workshop de Tom Walsh (Grupo de Sopro).

ALEX SOUZA (SAX SOPRANO)
Cursou aulas de saxofone no Conservatório Souza Lima e Berklee, onde participa de grupos de Música de Câmara e de Jazz Performance (participou também do Grupo de Sopro regido por Ed Fogaça). Participou de festivais de música em Garanhuns/PE e da gravação dos Cd´s da Filarmônica de Belo Jardim/PB. Atualmente, cursa a graduação de bacharelado em saxofone popular na Faculdade Santa Marcelina/SP.

PROGRAMA

LENNON (1940-1980) E MCCARTNEY (1942)
When I’m sixty-four

ED FOGAÇA
É du Arthur

ELTON JOHN (1947) E BERNIE TAUPIN (1950)
Your Song

PIXINGUINHA (1897-1973)
Lamentos

BURT BACHARACH (1928)
I’ll never fall in love again

ED FOGAÇA
Mininice

JOHN SEBASTIAN BACH (1685-1750)
Air

NOEL ROSA (1910-1937)
As pastorinhas

G. GERSHWIN (1898-1937)
Summertime

EDWARD GRIEG (1843-1907)
Chant du Paysan

CHIQUINHA GONZAGA
Gaucho cá e lá – O corta jaca

NOEL ROSA
O feitiço da vila 

Música Popular

Quinta na Faixa
Quinta-feira, 19h

Sala Adoniran Barbosa

Entrada Franca 

Dia 14

Vespas Mandarinas
Vespas Mandarinas é uma banda de rock nacional de admiradores declarados de artistas como Paralamas do Sucesso, Titãs, Lulu Santos, Lobão, Ira e Legião Urbana

Dia 28

Weltbürger
Weltbürger significa “Cidadãos do Mundo” em alemão.Este nome define uma banda de blues que pretende rodar o mundo mostrando suas músicas em alemão, inglês e francês

Sintonia do Rock

Completando 20 anos, a série Sintonia do Rock apresenta diversas vertentes do gênero mais popular do planeta.

Show ao Meio-dia no CCSP – Sintonia do Rock / 201

Sexta-feira, 12h30
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 1 (DACE -Sarau)

Sarau Sérgio Vaz

Dia 8

Santelmo Lounge
Nome de destaque do tango eletrônico na Argentina, onde já lançou 4 CDs, o grupo apresenta uma fusão do tango com ritmos como rock, jazz e rhythm and blues. 

Dia 15

Norba Zamboni
O guitarrista apresenta as composições de seu disco Walking and Sliding

Dia 29

Marcio Tucunduva
O cantor e compositor combina rock, blues e ritmos brasileiros.

Dia 05 de Agosto

The Sparks

Com 45 anos de estrada, The Sparks faz show com o repertório voltado para a Surf Music Instrumental.

Sintonia do Rock / 2011 19h

Sexta-feira, sábado, 19h e domingo, 18h

Sala Adoniran Barbosa

Dia 3
Desengonçalves com Guilhermoso Wild Chicken Participação especial: André Abujamra

A banda recria o universo de Nelson Gonçalves com arranjos Rock ‘n’ Roll para canções imortalizadas por ele

Entrada Franca

Dia 9

Los Porongas
Banda do Acre apresenta show especial de lançamento do seu 2° disco titulado “O Segundo Depois do Silêncio”.

Ingresso: R$20,00 

Dia 10

365

Formada nos anos 1980, a banda paulistana volta aos palcos com sua formação original em um show inédito com as canções que farão parte de seu novo disco.

Ingresso: R$10,00

Dia 15

Patrulha do Espaço

Trinta e três anos de puro Rock ‘n’ Roll
Entrada Franca

Dia 16

Baranga e Carro Bomba

Show de lançamento do álbum “Carcaça”, da banda Carro Bomba e show da turnêdo cd “O Céu é o Hell” da Baranga de 2010.

Ingresso: R$12,00 

Dia 17

Tomada e Cracker Blues

Lançamento do terceiro disco da banda Tomada, “O Inevitável” com participação especial do grupo Cracker Blues.

Ingresso: R$12,00 

Dia 29

Luiz Carlini e Lanny Gordin

Dois extraordinários guitarristas, unem-se para  homenagear feras da guitarra, como Santana e Jimi Hendrix, entre outros.

Entrada Franca

Dia 30

Tarântulas e Tarantinos

Trabalho do músico e Vj. Thunderbird onde ele e banda tocam musicas dos filmes de Tarantino… Uma visão “José Mojica” das trilhas sonoras dos filmes de Quentin Tarantino, como produtor e diretor. Fica evidente a ótica de Rogério Sganzerla no espetáculo, com narrativas entremeadas de imagens.

Entrada Franca

Dia 31

Stay Puff  com convidados
Desde 1989, os gordinhos se reúnem para fazer o bom e velho rock’n’roll, sempre com composições próprias satirizando seus físicos avantajados. “Não deixem de perder”
Os Convidados: 

Nuno Mindélis – Grande Bluesman e pai adotivo desses gordos
Roberto Lazzarini (Terreno Baldio)  – Primo de sangue do Gordo
Prospero Albanese (Joelho de Porco) – Pura empatia obesa

Ingresso: R$15,00

Dia 05 de agosto

The Gilbertos

Banda liderada por Thomas Pappon, ícone do rock alternativo nacional, lança o álbum “A noite sonhamos”.

Entrada Franca

Dia 06 de Agosto

Doidivinas

Power trio carioca formado por garotas faz um som cru do proto punk com música de cabaret e letras envenenadas.

Entrada Franca

Dia 07 de Agosto

Nasi & Banda

O cantor e compositor passa sua carreira a limpo e lança o CD e DVD “Vivo na Cena”

Ingresso: R$20,00

Especiais CCSP

Quinta-feira, sexta-feira e sábado, 19h

Sala Adoniran Barbosa

Entrada Franca

Dia 2

Guinga e David Liebman

Encontro inédito do violonista brasileiro com o saxofonista norte americano.

Dia 07

Regra de 3

“III” é o nome do novo cd  de música instrumental contemporânea gravado pelos músicos talentosos, criativos e experientes: Lupa Santiago, Sizão Machado e Bob Wyatt.

Dia 8

MC4+

“Colagens” é o primeiro trabalho autoral do saxofonista Marcelo Coelho onde se destacam composições originais e improvisações coletivas. Uma simbiose de várias influências e conceitos musicais e não-musicais.

Dia 23 (19h) e 24 (18h)

FILE – Festival Internacional da Linguagem Eletrônica

O File é um Festival de artes em novas mídias que acontece anualmente em São Paulo desde 2000 e eventualmente em algumas outras cidades do mundo.

É o maior festival de arte e tecnologia no Brasil e serve como indicador da pluralidade de pesquisas e de produções nacionais e internacionais nas múltiplas áreas da cultura digital: arte interativa, screenings, performances, games, arte sonora, realidade virtual, discussões teóricas e o cinema digital. O FILE é organizado por um grupo sem fins lucrativos cuja intenção é disseminar e desenvolver cultura, artes, tecnologia e pesquisa científica.

O Grupo MOBILE congrega artistas e pesquisadores envolvidos com a exploração e experimentação sonora. O grupo reúne-se em torno de um projeto de pesquisa em música na Universidade de São Paulo sob a coordenação do compositor Fernando Iazzetta cujo foco são os processos de interação na criação artística. Nesses dois espetáculos são apresentados alguns trabalhos colaborativos que emergem desse ambiente de investigação de linguagens e meios de realização artística.  O grupo conta com apoio institucional da USP e da Fapesp.

Integrantes: Fernando Iazzetta, Lílian Campesato, Giuliano Obici, Alexandre Fenerich, Julian Jaramillo, Vitor Kisil, Michelle Agnes e Rogério Costa.

Festival de Improvisação

Série de apresentações ao longo do ano dedicada à improvisação livre

Dia 26, às 21h

Celio Barros (contrabaixo) e Michelle Agnes (piano)

Em sua edição de julho, o projeto dedicado à improvisação livre recebe dois músicos que levam ao palco experiências musicais distintas, que vão do jazz à música contemporânea de concerto, para sessões de improvisação.

Sala Jardel Filho – Entrada Franca

Há quarenta anos Louis nos deixou

Há exatos quarenta anos Louis Armstrong nos deixou.

Nascido no dia 4 de agosto de 1901 ele faleceu em Nova York no dia 6 de julho de 1971. Sempre sincero e franco ele comentou: “Quando meus pais se separaram, minha mãe foi morar numa rua onde só viviam prostitutas. Se se tornou uma delas não sei, porque nunca vi”. Ele foi morar com sua avó, depois com seu pai e sua madrasta. Uma vida de muitas dificuldades e miséria. Com 12 anos, em uma passagem de ano ele foi enviado para uma casa de correção juvenil. Lá ele começou a tocar na banda e essa passagem foi decisiva para a sua vida. Com 14 anos, já livre ele passou a tocar nas casas noturnas e em barcas pelo rio Mississipi.

Com 21 anos ele passou a tocar na King Oliver’s Creole Jazz Band, em 1925 após um período com a banda de Fletcher Henderson em Nova York ele voltou para Chicago onde criou a sua própria banda. Na época em que as gravações eram em discos de cera, isto é, não existia a possibilidade de refazer ou retocar as músicas gravadas, em uma dessas tomadas a partitura caiu e ele simplesmente começou a improvisar criando o hoje famoso “scat singing”, criando melodias com palavras onomatopáicas, como “dabadabadoo de daby doo”. O seu toque no trumpete é algo simplesmente genial, um fraseado e um swing sem comparação em todos os tempos. Seu estilo de interpretar as canções, sempre com um sorriso e uma maneira de “mascar” as palavras são únicas e uma marca caracterista de sua grande musicalidade.

Um marco fundamental na história do jazz. Uma pessoa iluminada que, apesar de todas as dificuldades, sempre tinha um belo sorriso no rosto, sorriso que o acompanhava seja cantando, tocando ou conversando. Sempre simpático, mas com uma forte personalidade.

Confira o seu grande sucesso “What a Wonderful World”. Agradeço a cantora e compositora Rosa Passos a lembrança da data.

http://www.youtube.com/watch?v=SzJY96m3lkg&feature=related

Cyro Pereira nos deixou

A Causa Sonora lamenta a perda do Mº Cyro Pereira, ele faleceu nesta quinta-feira, dia 9 de junho, vitima de câncer. Uma grande perda para a música brasileira. Ele tinha 81 anos, nascido em Rio Grande (RS), foi um dos mais destacados maestros e arranjadores da fase áurea das orquestras de rádios no nosso país. Foi também arranjador e acompanhador dos festivais de música da Record, de vários programas da emissora entre eles “O Fino da Bossa”, com Elis Regina e Jair Rodrigues.

Ganhou vários prêmios, entre eles destaque para o Roquete Pinto e o Carlos Gomes. Foi professor de orquestração da Unicamp no período entre 1989 e 1999.

No final dos anos 80, Arrigo Barnabé, então assessor da Secretaria de Cultura do Estado, o convidou para ser o principal regente da recém criada Orquestra Jazz Sinfônica de São Paulo. Elaborou centenas de arranjos especialmente escritos para a orquestra e regeu inúmeras apresentações do conjunto.

Entradas Mais Antigas Anteriores

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.