Íngreme caminho

Publicado originalmnete por admin em 22 Ago 2009 no antigo blog | sob: poesias

As crespas pedras, íngreme caminho,
que forram esta estrada, a que uso,
deformam meu andar, no desalinho
dos blocos, no arranjo tão confuso.
O andar é claudicante, inseguro,
nos côncavos, convexos, à espera,
e poças já se formam no escuro,
c’os pingos, os já grossos, nas crateras.
Ensopo minhas vestes de cetim,
encolho os já descalços pés feridos.
Comungo, desolada, dos que assim
persistem na miséria: desvalidos.
Caminho que persigo me é raro.
Andar desprotegida é um acaso.
Galgar disformes pedras, (desamparo!)
me diz de arranhaduras do descaso.

Watfa A. Tannus Ramos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: