Programação do Centro Cultural São Paulo – Setembro de 2011

Programação de Música do Centro Cultural São Paulo – CCSP  – Setembro 2011

Texto de Abertura

No início do ano a pianista pernambucana Elyanna Caldas desceu em São Paulo e veio conhecer o Centro Cultural. Ao ver a Sala Adoniran Barbosa com um show repleto de público pensou logo em propor um evento no qual pudesse apresentar seu último trabalho que destacou em CD um pouco da música de seu conterrâneo, o compositor Capiba que viveu entre 1904 e 1997. Assim nascia esse projeto que agora se consolida no concerto do dia  20 que apresenta não os frevos deste compositor de mais de 200 obras, mas as suas valsas e os seus choros com a rica herança nordestina que presenteia São Paulo.
Nesta linha de um evento clássico-popular a pianista Rosária Gatti apresenta um concerto de flores, isto é, selecionou um repertório de músicas que falam rosa, jasmim, flor de abacate, pássaros… Enfim um repertório que anuncia a primavera (dia 13). A série Concerto ao meio-dia traz ainda o Duo Amato formado pela pianista Nathália Kato e pelo clarinetista Herson Amorim com um rico programa que contempla, entre outras obras, a Fantasiestücke op. 73, de Schumann e a Sonata em Ré de Nino Rota. (dia 6). E no dia 27 o pianista búlgaro Miroslav Georgiev e a flautista norte-americana Sarah Hornsby apresentam um repertório com obras de compositores pouco conhecidos no Brasil como Vladiguerov, Schulhoff, entre outros. Uma oportunidade de conhecer novos sons.
A tradicional série Clássicos do Domingo traz em setembro dois programas instrumentais e dois programas dedicados ao canto. Continuando a parceria do CCSP com o Instituto Baccarelli temos no dia 7 o Quarteto de Cordas Baccarelli, formado por professores do Instituto que apresentam obras Beethoven, Webern e o trágico quarteto n. 8 de Shostakovich. No dia 18 um concerto-homenagem a um dos maiores compositores brasileiros do Século 20, o genial Almeida Prado (1943-2010), que coincidentemente realizou sua última palestra neste CCSP no dia 18/09/10. O Ensemble Almeida Prado liderados pelo Maestro Carlos Moreno apresenta um programa inteiramente dedicado à obra deste compositor. Nos concertos líricos o Duo Abumrad-Reis, formado pelo baixo Eduardo Janho-Abumrad e pelo pianista João Moreira Reis apresenta um delicioso programa romântico com obras de Liszt e Mahler, no dia 11. E no último domingo do mês, dia 25, Márcia Domingues (soprano), Martha Domingues (piano) e Érica Manfredini (violoncelo) apresentam as canções do mais recente CD da cantora, Brasil em Cores, com modinhas imperiais e música folclórica brasileira.
Mas não é só de música clássica que a programação do CCSP é formada. Aliás, a música popular é a que tem o maior número de espetáculos e amplo público diversificado. Os shows acontecem de quinta a domingo no período noturno e ainda tem o Show ao meio-dia, às sextas-feiras. Neste mês são 19 eventos de gêneros diversificados. Entre os artistas e bandas destacamos o suave timbre de voz Carolina Zingler, o multimidiático Loungetude46 dialogando com literatura e cinema, GEM – Grupo Experimental de Música com seus instrumentos inusitados de material reciclável, o guitarrista Tony Babalu, com seu trabalho experimental que remonta a primeira geração do rock paulistano, o grupo Tigre Dente de Sabre com sua música instrumental no limite do jazz e da música underground, o norte-americano Daniel Higgs ex-integrante da culturada branda Lungfish e muitas outras bandas e grupos. Veja a programação completa neste folder.  Destaque ainda para dois projetos de continuidade. Um que acontece ao longo do ano com programas mensais, o Festival de Improvisação, que neste mês traz Veryan Weston (piano), Hannah Marshall (violoncelo), Tony Buck (bateria), Ingrid Laubrock (viola), Mandy Drummond (viola) e Luc Ex (baixo), grupo de músicos europeus que fazem uma leitura livre de obras de compositores como Charles Ives e Eric Satie a Burt Bacharach.
O segundo projeto se integra com outros equipamentos municipais de cultura como o Centro Cultural da Juventude e a Galeria Olido, o conhecido Outubro Independente, que está em sua terceira edição – uma série de eventos que discute a produção independente através de performances e debates. Porém, uma programação integrada, combinando datas e compromissos de espaços culturais em rede, exigiu que o projeto Outubro Independente deste ano fosse realizado em setembro (!). Para não perder a história do projeto e para não dizer que neste ano outubro caiu em setembro, a esquisitice do nome Outubro em Setembro Independente/2011 tenta dar conta dessa história. Independente de outubro ou setembro ou esquisito o que vale é que a programação está ótima. Confira!

Francisco Coelho
Curador de Música

Música Clássica
 
Clássicos do Domingo
Domingo, 11h30
Sala Jardel Filho
Entrada Franca

Dia 04
Quarteto de Cordas Baccarelli
– Com: Luiz Amato (violino); Eliane Tokeshi; (violino); Renato Bandel (viola); André Micheletti (violoncelo)
FRASE: O quarteto apresenta obras de Beethoven, Webern e a obra que Shostakovich dedicou às vítimas do facismo e da guerra, o Quarteto n. 8.

RELEASE
LUIZ AMATO (violino)
Luiz Amato é natural de São Paulo, violinista e professor. Bacharel pela Universidade de São Paulo (USP) realizou Mestrado e Graduate Diploma pelo New England Conservatory de Boston, nos Estados Unidos. Em 1996, doutorou-se pela Universidade da Califórnia, em Santa Barbara, Estados Unidos, e, durante esse período, foi membro do quarteto de cordas em residência desta universidade, com o qual participou de vários festivais e concertos pelos Estados Unidos, Europa e Brasil.
De volta ao Brasil, Luiz Amato integrou como spalla a Camerata Novo Horizonte e a Orquestra de Câmara São Paulo, o Trio Ives e o Quarteto de São José dos Campos e Municipal da Cidade de São Paulo – com quem ganhou respectivamente em 1997 e 2001, o prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), na categoria “Melhor Grupo de Câmara do Ano”.
Foi spalla da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, da Amazonas Filarmônica e da Orquestra Jazz Sinfônica. Em 2006, gravou o CD “Abstrações” com o Grupo Quintal Brasileiro, o qual foi indicado pelo “Prêmio Toddy de Música Independente” como um dos melhores do ano na categoria instrumental.
Ex-Diretor Artístico da Orquestra de Câmara da UNESP, atualmente Luiz Amato é professor da UNESP e do Instituto Baccarelli.

ELIANE TOKESHI (violino)
Obteve o título de Bacharel em Violino no Instituto de Artes da Unesp, como aluna do professor Ayrton Pinto. Premiada com uma bolsa do governo brasileiro (CAPES), deu continuidade aos estudos na Boston University, Estados Unidos, onde estudou com o professor Peter Zazofsky. Em 1999, concluiu o curso de Doutorado em Violino na Northwestern University em Chicago, sob orientação de Gerardo Ribeiro.
Recebeu diversos prêmios, como o 1o lugar nos concursos Jovens Instrumentistas do Brasil, Jovens Estímulos do Estado de São Paulo e Jovens Solistas da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, quando atuou sob a regência do maestro Eleazar de Carvalho. Em 1998, venceu o Concurso de Solistas da Northwestern University.
Como solista, tocou à frente de várias orquestras, com destaque para as orquestras da Universidade de São Paulo, da Unesp, Sinfonia Cultura, Sinfônica de North Shore e da Universidade da Northwestern (EUA).
Apresenta-se também em recitais e concertos de música de câmara. Tem realizado várias estreias de obras, conseqüência de destacado trabalho voltado para a valorização do repertório brasileiro e contemporâneo. Com freqüência tem lecionado em festivais, como os de Campos de Jordão, Londrina, Ourinhos e Gramado, e ministrado master classes em universidades. 
Foi professora de violino e música de câmara da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e atualmente leciona no Departamento de Música da Universidade de São Paulo e no Instituto Baccarelli.

RENATO BANDEL (viola)
Nascido em Piracicaba, São Paulo, iniciou seus estudos de música aos seis anos de idade, com sua mãe. Estudou com Maria Lúcia Krug, Celisa Frias, Ed Walson Marafon, Yoshitame Fukuda, Elisa Fukuda, Marcelo Jaffé, Paulo Bosísio, Neithard Resa e Hartmut Rohde.
Aos 20 anos, recebeu uma bolsa para estudar na Academia da Orquestra Filarmônica de Berlim. Realizou concertos com essa orquestra sob regência de Claudio Abbado, Daniel Barenboim, Seiji Ozawa, Günter Wand, Zubin Mehta, Bernard Haitink, Simon Rattle, Nikolaus Harnoncourt, entre outros, em várias cidades europeias. Com esta orquestra, realizou diversas gravações de CDs e DVD.
Em 2000, recebeu título de “Mestre” na Universidade de Artes de Berlim.
Recebeu o “Prêmio Carlos Gomes – Melhor Conjunto de Câmara”, em 2006, como integrante do Quarteto Camargo Guarnieri.
Durante sua estadia de sete anos em Berlim integrou a “Ensemble Oriol Berlin”, realizando concertos na Alemanha, México, Portugal, com renomados solistas internacionais. Atuou também como músico convidado na Orquestra Gulbenkian (Lisboa / Portugal).
É professor e coordenador do Instituto Baccarelli (São Paulo). Coordena também o Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão e a Escola de Música do Estado de São Paulo (EMESP).

ANDRÉ MICHELETTI (violoncelo)
Natural de Piracicaba, André Micheletti é professor de violoncelo na Unicamp, coordenador pedagógigo do projeto de ensino musical na cidade de Paulínia e está na fase final de seu doutorado na Indiana University, como bolsista da CAPES – Fulbright, em Violoncelo e Violoncelo Barroco, sob orientação de Helga Winold, Nigel North e Stanley Ritchie, tendo aulas particulares e masterclasses com Janos Starker.
Mestre em Violoncelo e Pedagogia do violoncelo pela Northwestern University em Chicago, sob orientação de Hans Jörgen Jensen e Bacharel em violoncelo pela Unicamp, sob orientação de Antonio Lauro del Claro.
Participou de festivais de música nacionais e internacionais, além de aulas particulares e masterclasses com Roberto Ring, Frans Helmerson, Hidemi Suzuki, Antonio Menezes, Robert Suetholz, Cláudio Jaffé, Wieland Kujken, Eric Kim, John Holloway e Christopher Hogwood.
Foi concertino da Columbus Indiana Philharmonic Orchestra, concertino da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal de São Paulo e primeiro violoncelo da Camerata Fukuda e da Orquestra de Câmara da Unesp. Atuou ainda junto a Orquestra Experimental de Repertório e Jazz Sinfônica.
Como solista, fez, entre outras apresentações, a primeira audição do concerto para violoncelo e orquestra de Edmundo Villani Côrtes. Como recitalista e camerista, tem atuado no Brasil e nos Estado Unidos.
Atuou como camerista convidado do Quarteto de Cordas da Cidade de São Paulo, na série “Pinacoteca – Bank Boston” e na série de concertos do Centro de Cultura Judaica.
Foi o primeiro colocado e melhor intérprete de Música Brasileira nos Concursos Estímulo aos Jovens Solistas do Brasil e no Concurso Jovens Instrumentistas do Brasil, além de vencedor do Concurso Jovens Solistas da Orquestra Experimental de Repertório.
Com instrumento de época (violoncelo barroco), foi finalista do Concours Etoile-Galaxy, de Montreal, com o Trio Vetruviani e semi-finalista da competição “A Tre”, em Trossingen, Alemanha.
Em 2009, foi vencedor do Concurso de Música da Espanha e América Latina, promovido pela Embaixada da Espanha nos Estados Unidos e pelo Centro de Música Latino-Americana da Indiana University.
Foi professor na escola da Columbus Indiana Philharmonic Orchestra, da Universidade Livre de Musica – Centro de Estudos Musicais Tom Jobim e dos festivais de Música de Juiz de Fora, Belém do Pará, Londrina, do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão e do FIB – Festival de Internacional de Inverno de Brasília. É professor de violoncelo no Instituto Baccarelli.

PROGRAMA

Ludwig van Beethoven (1770-1827)
Quarteto de cordas nº 1, em fá maior, op. 18
Allegro con brio
Adagio affetuoso ed appassionato
Scherzo
Allegro
Anton Webern (1883-1945)
Langsamer Satz
Dmitri Shostakovich (1906-1975)
Quarteto de cordas nº 8, em dó menor, op. 110
Allegro molto
Allegretto
Largo

Dia 11
Duo Abumrad / Reis
– Com: Eduardo Janho-Abumrad (baixo) e João Moreira Reis (piano)
FRASE: O Duo traz um repertório romântico com obras de Franz Liszt e o Gustav Mahler.

RELEASE:
O duo entre o baixo Eduardo Janho-Abumrad e o pianista João Moreira Reis atua desde 1985 e de seus programas constam, desde o início de sua formação, obras dos períodos que vão do Barroco ao Romantismo, do Impressionismo ao Modernismo, incluindo os nacionalistas espanhóis e brasileiros, divulgando-os também no exterior, por ocasião da estada do Duo em Milão, entre os anos de 1988 e 1995. 
Além das performances como duo, ministram cursos de aperfeiçoamento técnico e de interpretação lírica e de câmera, como ocorreu entre 2005 e 2008, nos curso de Canto do Festival de Inverno de Sabará,  patrocinados pela Secretaria de Cultura de Sabará e pela UniBH.
As apresentações do Duo despertam sempre os aplausos do público, acompanhadas freqüentemente de elogiadas críticas especializadas em jornais do Brasil e do exterior. Dentre as apresentações, destacam-se aquelas realizadas no Palazzo dei Leoni, em Asti, e no Auditório da RAI, em Turim, ambas na Itália; no MASP, Sala Cidade de São Paulo, Teatro Municipal, em São Paulo. Recentemente realizou recitais no Rio de Janeiro (Espaço Finep), Belo Horizonte (Palácio das Artes) e São Paulo (Centro Cultural São Paulo,  Masp, Sesc Vila Mariana e Teatro Popular do Sesi) e pelos Sesis de várias cidades do interior de São Paulo.

EDUARDO JANHO- ABUMRAD
(baixo)
Estreou no Teatro Municipal de São Paulo em 1976 (La Traviata e Macbeth) e na Missa Diligite, de Camargo Guarnieri – sob sua regência – no Teatro Cultura Artistica (1977). Em 1979 gravou autores brasileiros na Radiotelevisión Española e estreou em Werther no Theatre de la Monnaie, em Bruxelas. Cantou no Festival Verdi de Ludwigshafen (Il Corsaro) e, no Festival de Martina Franca, Les Pêcheurs de Perles, de Bizet, gravado pelo selo Nouva Era e Gala Mozart. Apresentou-se nas Salas Verdi e Puccini do Conservatório Giuseppe Verdi, de Milão e no Teatro da Rai de Turim. De volta ao Brasil cantou Requiem,  Nabucco, Il Trovatore, Rigoletto e Macbeth de Verdi,  Salvator Rosa,  Il Guarany e Lo Schiavo de Carlos Gomes,  Il Barbiere di Siviglia e Missa Solene de Rossini; criou Gonçalo em A Tempestade de Ronaldo Miranda e Ways of the Voice de Leo Kupper em São Paulo, Espanha e Bélgica. Privilegia também a música de câmera, e com o Duo Abumrad-Reis desde 1983, apresenta-se no Brasil e Europa. Gravou Remeiros do  São Francisco de Ernst Widmer, Way of the voice, Dedicatórias (canções nacionais), com o pianista João Moreira Reis  e Top 28, memória da Ópera Brasileira. Dentro outros, estreou em 2010 Oroveso (“Norma”), Frate (“Colombo”), as Quatro Canções Sérias (Branhms )e ciclo de Canções (Lorca). Estudou com Tiana Amarante e Herminia Russo (Brasil) e Romolo Gazzani, Rodolfo Celetti  e Luiza Giannini (Itália) .
No Teatro Castro Alves, de Salvador, cantou, anteriormente, La Bohéme, de Puccini, Lucia di Lammermoor, de Donizetti e Il Trovatore, de Verdi, sempre sob regência do Maestro  Pino Onnis.

JOÃO MOREIRA REIS (piano) 
Natural de Barretos, SP, onde iniciou os estudos musicais e de piano com Janette Bampa, tendo se diplomado pelo Conservatório Musical “Carlos Gomes”.  Posteriormente concluiu o curso de piano pela Faculdade Paulista de Arte, na capital paulista, onde estudou com Vera Velloso e André Müller, com quem retomou os estudos de aperfeiçoamento técnico e estilistico em 2004.  
Desde 1985, colabora ao piano com cantores eruditos, acrescentando à atividade de solista a de camerista, com apresentações no Brasil, Alemanha e Itália, em salas como MASP e Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo, Auditório Cláudio Santoro, em Campos do Jordão, Palácio das Artes, em Belo Horizonte, Estúdio Bennet Kleintje, em Munique/Alemanha, Auditório RAI de Turim, Palazzo Ottolenghi, de Asti, e Academia Européia de Música de Erba, na Itália. Registrou para a Europa Rádio de Milão e gravou o CD “Dedicatórias”, pela Algol (São Paulo). 
Luiz Gonzaga de Oliveira (Brasil), Fábio Luz e Adriana Maimone (Itália) são nomes que influenciaram seu aperfeiçoamento.

PROGRAMA

Franz Liszt (1811-1886)
Du bist wie eine Blume  ( Heinrich Heine)
Des Tage laute Stimmen schweigen  (Ferdinad von Saar)
Ein Fichtenbaum steht einsam ( Heinrich Heine)
Valse Obliée – piano solo
Einst  (Friedrich v. Bodenstedt)
Gebet (Friedrich v. Bodenstedt)
Sei still (Henriette von Schorn)
Consolação nº 2- piano solo
O Lieb (Ferdinad Freiligrath)
Oh, quand je dors ( Victor Hugo)
Gustav Mahller (1860-1911)
Rückertlieder
Liebst du um Schönheit
Ich atmet’ einen linden Duft
Blicke mir nicht in die Lieder
Um Mitternacht
Ich bin der Welt abhanden gekommen

Dia 18
Ensemble Almeida Prado
– Com: Helenice Audi (piano); Constança Almeida Prado (violino); Joaquim Abreu (percussão); Eduardo Bello (violoncelo) e Carlos Moreno (Direção Artística)

FRASE: A diversidade na música de câmara de Almeida Prado

RELEASE

JOAQUIM ABREU (Percussão)
Joaquim Abreu iniciou seus estudos musicais em São Paulo e entre 1981 e 84 foi bolsista do governo francês, obtendo diplomas de percussão e música de câmara no Conservatório Nacional da região de Strasbourg – França, nas classes Jean Batigne e Detlef Kiefer. Em 1985, quando retornou ao Brasil, se integrou por concurso a Orquestra Sinfônica Brasileira. O percusionista chegou a se apresentar no Carnigie Hall, em Nova York, na Rádio France, em Paris, e no Grand Theatre de Genebra com o Duo Diálogos de Percussão, um de seus trabalhos mais expressivos. Por 20 anos lecionou percussão e música de câmara na Escola Municipal de Música de São Paulo. Com Andrea Kaiser desenvolve um criativo Duo para voz e percussão , o Materiales Ensemble. Integra também o Núcleo Hésperides “Música das Américas”.

Helenice Audi (Piano)
Nasceu em São Paulo. Fez seus estudos de Piano com Lina Pires de Campos e Arnaldo Estrella . Matérias teóricas, Harmonia, Contraponto, Análise e História da Música com Osvaldo Lacerda e Camargo Guarnieri .Ganhou vários Concursos entre eles o 1o  prêmio no Concurso Nacional de Tatuí , 1o  prêmio no Concurso Jovens Solistas da OSESP e  Prêmio Governador do Estado de S. Paulo. Formou- se em Piano e Virtuosidade pelo Conservatório Sta. Cecília de São Paulo. Com Maria Curcio fez Curso de Interpretação e Téçnica Pianística. Formou- se em Pedagogia na Universidade Oswaldo Cruz.
Como solista apresentou- se ao lado de regentes como: Eleazar de Carvalho, Diogo Pacheco, Flavio Florence, Carlos Alberto Pinto Fonseca , Reinaldo Calegari entre outros. Realizou Recitais e Gravações de Música Brasileira em Helsinqui, Copenhage, Roma, Genebra, Frankfurt, Nova Iorque, e em várias capitais brasileiras. Realizou diversas estréias mundiais no Brasil e na Europa da obra pianística de Almeida Prado. Como camerista, apresentou-se junto à Evgenia Popova, Perez Dworecki, Dartiu Silveira e paralelamente tem se dedicado à atividade pedagógica.
Em 2006, participou do Projeto Petrobrás : Música Contemporânea em registro na Discoteca Oneyda Alvarenga,  sob direção de Francisco Coelho, com a gravação de Obras para Violino e Piano de Almeida Prado.

Constança Almeida Prado (Violino)
Premiada com a Bolsa de Estudos da CAPES/Brasília, programa Apartes, concluiu em 2001 o Mestrado em Violino-Performance na Manhattan School of  Music – New York, com a orientação do Professor Isaac Malkin, música de câmara com Isidor Cohen e Sylvia Rosenberg, interpretação com Kenneth Cooper. Com a orientação de Evgenia Popova, Ayrton Pinto e Cecília Guida, realizou o Bacharelado em Violino na Faculdade Santa Marcelina em 1998, onde orientada por Paulo Castagna e Álvaro Carlini, desenvolveu o trabalho “31 Compositores Paulistas – Panorama da Obra violinística”.
Nascida em São Paulo em 1978, iniciou os estudos de violino aos seis anos com Yoshitame Fukuda e Elisa Fukuda. Estudou teoria musical,  percepção e análise  com Osvaldo Lacerda e Dante Cavalheiro. Recebeu os Prêmios: 1o lugar no Concurso Nacional de Violino de Piracicaba, Prêmio de Melhor Intérprete de Música Brasileira e 2o lugar  no Concurso IBEU Nacional de Violino, Indicação ao Prêmio Carlos Gomes 2001.
Como solista de orquestra, realizou estréia aos 10 anos. Realizou estréia mundial das seguintes obras: dos compositores norte-americanos Peter Andreacchi, Hayg Boyadjian ao lado de Beatriz Balzi, do compositor russo Vladimir Beluntsov, e compositores brasileiros como Sergio Kafeijian, a obra Constantia para violino e piano, de Mario Ficarelli, as obras  para violino e orquestra: Fantasia e Cartas Celestes n.8, de seu pai, Almeida Prado,  e gravações das mesmas com OSB (ao Papa João Paulo II), Orquestra do Teatro Nacional e “Sudwestfalen Landesorchester NRW”, participando também em recitais dedicados a obras de Silvia de Lucca, Osvaldo Lacerda, Ronaldo Miranda. Atuou como solista na Alemanha e Brasil, junto aos Maestros Carlos Moreno, Roberto Tibiriçá, Benito Juarez, Ricardo Rocha, Ligia Amadio, Lutero Rodrigues, Claudia Ferez, Henrique Muller, Guga Petri, Cláudio Cruz, Graham Griffits, Emiliano Patarra, Aylton Escobar, Reinaldo Calegari, Silvio Barbato, Kenneth Cooper, assim como recitais no Brasil e em Nova Iorque, junto aos pianistas Helenice Audi, Achille Picchi, Eun Lee, Sarah Higino e André Rangel.
De 2001 a 2006, assumiu a classe de violino de Evgenia Popova na ECA/USP, tendo sido nomeada após Concurso Público. Entre diversos Festivais, participou em 2003 e 2004, como Violinista e Professora do Festival Eleazar de Carvalho, em Fortaleza, e, a convite do Maestro Kirk Trevor , do Festival de Verão da “Missouri Symphony Orchestra”, por dois meses em 2005, dando continuidade ao seu aperfeiçoamento. Em 2006, participou do CD /Projeto Petrobrás : Música Contemporânea em registro na Discoteca Oneyda Alvarenga,  sob direção de Francisco Coelho, com Obras de Almeida Prado. Realizou junto ao Maestro Carlos Moreno e o Algol Ensemble, a gravação da obra “Das Lied Von der Erde” de Gustav Mahler-Versão de câmara de Arnold Schoenberg, com Rodrigo Esteves e Fernando Portari, em 2008.

EDUARDO BELLO (violoncelo)
Natural de Petrópolis/R.J, iniciou os estudos musicais aos 10 anos no Instituto dos Meninos Cantores, “Canarinhos de Petrópolis”, participando, durante 12 anos, de gravações e concertos dentro do cenário nacional e internacional. 
Bacharel em violoncelo foi laureado com o 1º lugar nos principais concursos do Brasil: III Concurso Nacional – Academia Nacional de Música/R.J; I Concurso de Música de Câmara “Magdalena Tagliaferro”/S.P.; Concurso “Cidade de Araçatuba”; e nos concursos públicos para a Orquestra Sinfônica de Campinas e OSUSP, onde permanece desde 1998.
Seus principais mestres foram Henrique Drach, Atelisa Sales, Alceu Reis e Gretchen Miller; além de Paulo Bosísio e Ernani Aguiar. Participou de master classes internacionais com Antônio Meneses, YoYo Ma, Peter Rejto, Dennis Parker, Peter Wispelwey.
Como camerista e solista constam em seu repertório, em primeira audição mundial, obras dos compositores Ernani Aguiar, Almeida Prado e Amaral Vieira.
Pós-graduado pela PUC de Campinas é frequentemente convidado a participar de bancas de concursos e a lecionar nos principais festivais do Brasil.
Ministrou aulas no Conservatório de Tatuí, na Escola de Música de Piracicaba e na EMESP.
Como regente iniciou sua especialização com o maestro português Osvaldo Ferreira. Atuou como regente nas orquestras Infanto-Juvenil do Conservatório de Tatuí e Filarmônica Infanto-Juvenil de São Paulo.
Participou do “1º Encontro Internacional de Professores de Orquestras”, em 2008 na Venezuela, representando o Instituto Baccarelli e, em julho de 2011, foi regente e professor durante o II Festival Internacional de música de Piracicaba.  Atualmente é Coordenador do Departamento Infantil-Juvenil, regente e professor do Instituto Baccarelli, violoncelista da OSUSP e regente da Orquestra Jovem de Paulínia/SP.

PROGRAMA
Almeida Prado
(1943 – 2010)
Preambulum – dedicado a Antonio Meneses, (cello solo)
Livro de Xangô (1985) (violino e cello)
Sonata n.4 “da Ressurreição” (2007) (violino e piano)
Allegro Appassionato
Andante Cantabile ‘ como orquídeas orvalhadas’
Rápido
Máscaras: ação dramatica-sonora (1986) (percussão)   
Cartas Celestes n.11 (2000) (percussão e piano)

Dia 25
Brasil em Cores
– Com: Márcia Domingues (soprano); Martha Domingues (piano) e Érica Manfredini (violoncelo)

FRASE:  Recital com interpretações de modinhas imperiais e músicas folclóricas brasileiras, obras que compõe o novo CD da soprano, Brasil em Cores

RELEASE
Márcia Domingues (soprano)
Soprano, natural de São Paulo, Bacharel em Pedagogia com habilitação em Edac – Educação para Deficientes da Áudio Comunicação (portadores de deficiência auditiva) pela FMU- Faculdades Metropolitanas Unidas, iniciou seus estudos de canto com Cláudia Mocchi e realizou aperfeiçoamento musical na “Danube Bend” Summer – Universitad im Donauknie, Hungria.
Participou do Projeto de Musicalização Infantil em São Paulo, através do Método Kodály em 1995. Participou do Concurso “Novos Talentos”, promovido pela Prefeitura de São Paulo, no qual recebeu classificação máxima.Interpretou Canções Clássicas dos desenhos da Disney, em evento promovido pela Walt Disney Company, Brasil em 1998. Participação no Cd: Das Ensemble Von Disneys Der König Der Löwen (Os Cantores do Rei Leão da Walt Disney) : Gemeinsam Für Afrika ( Juntos pela Africa) 2006. Atuou como principal Sarabi no elenco da produção da Walt Disney Company – Rei Leão (Der König der Löwen) em Hamburgo, Alemanha em 2006 e 2007.
Em 2008 lançou o  CD solo : Uma Voz Um Piano Um Só Coração de  Marcia Domingues & Helenice Audi  de peças barrocas:”Esse seu primeiro disco solo é dedicado a árias de compositores barrocos. Peças de Giordani (Caro mio ben); Caccini (Tu ch’hai le penne, amore); Antonio Scarlatti (Se Florindo è fedele, Son tutta duolo etc.); Pergolesi (Se tu m’ami, se sospire) e Händel (Ah! Mio cor) dão oportunidade para a artista mostrar seus dotes vocais e seu timbre delicado. – Revista Concerto  de Música Erudita/2008  -São Paulo- Brasil.
Neste ano teve seu projeto : Musicas Folclóricas Brasileiras / Modinhas Imperiais selecionado no Edital Sesi de Música Erudita 2011. Participou de diversas apresentações, dentre as quais destacamos as realizadas nos seguintes locais: Theater in Hafen – Hamburg, Alemanha, Spiegelsal -Hamburg, Alemanha,Martin Luther Kirche- Wentorf – Alemanha,Centro Cultural de São Paulo, Teatro Municipal de São Paulo, Catedral Metropolitana da Sé, Teatro Municipal de Santos, Theatro São Pedro, Memorial da América Latina, Solar do Barão de Jundiaí, Espaço Cultural Alberto Frediana de Amparo, Memorial do Imigrante, Pinacoteca Benedito Calixto, Ginásio do Ibirapuera , Ginásio da Portuguesa, TBC- Teatro Brasileiro de Comédia, Teatro Popular do Sesi entre outros.

Martha Domingues (Piano)
Bacharel em música pelo conservatório  Dramático e Musical de São Paulo, iniciou seus estudos de piano com a Profª. Filomena Piccininni, concluindo o Curso Superior de música sob a orientação da Profª. Mercedes Collacioppo.
Participou como solista em apresentações das quais destacamos: Sesc Pompéia, Capela do Pátio do Colégio de São Paulo, Centro Cultural de São Paulo, Teatro Municipal de Santos, Teatro espelhospiterrr.
Durante a realização do Kodály Course, em Stergon na Hungria, atuou como acompanhante de cantores e instrumentistas.Como pianista é integrante de Conjuntos de Câmara e tem se dedicado ao acompanhamento de cantores líricos.
É regente  do Coral da Seicho No Ie do Brasil, com o qual realizou a produção e direção  musical dos  dois Compact Disco.No ano de 2008/2009 produziu o CD Uma Voz Um Piano Um Só Coração de peças Barrocas da soprano Marcia Domingues

Érica Manfredini (violoncelo)
Formada pelo Departamento de Música da Universidade de São Paulo, iniciou seus estudos no Dramático e Musical Dr. Carlos de Campos, em Tatuí.Violoncelista do grupo do Ungambikkula, com o cd O Rastro do canto, a Poesia da alma lançado em 2007 pela Azul Music e com o segundo CD Fala Sagrada, 2009. Atua, também, no grupo Vintena Brasileira e na Orquestra Sinfonieta Fortíssima do Espetáculo Aprendiz de Maestro sob a regência do maestro João Maurício Galindo na Sala São Paulo.
Integrou a Orquestra da  Ópera Il Matrimonio Secreto de Domenico Cimarosa, sob direção musical e regência do maestro João Maurício Galindo (2007);Orquestra Sinfônica Jovem de Guarulhos (2005 e 2006); Orquestra Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo Maestro Eleazar de Carvalho (2003 a 2005); Orquestra Filarmonia, São Paulo, SP (2003 e 2004); Orquestra da montagem da ópera Der Schaupeildirektor, k486, W.A. Mozart, encenada no anfiteatro Camargo Guarnieri na USP (2003); Orquestra Sinfônica Jovem de Sorocaba (2001). Compôs e interpretou a trilha Sonora do curta metragem hóspede, segundo colocado no Festival do Minuto (2004).

PROGRAMA
Anônimo
Deixa dália, flor mimosa…
Roseas flores d’alvorada
Hei- de amar-te até morrer
Franz Ludwik W. Varnhagen
O coração perdido
Anônimo
Busco a campina serena…
Que noites eu passo…
Oswaldo de Souza
Sereia do Mar
Montemor Junior
Uiára
Waldemar Henrique
Boi- Bumba
Luiz Peixoto e Hekel Tavares
Azulão
Inezita Barroso
Nhapopé
Waldemar Henrique e Antonio Tavernard
Foi bôto, sinhá!
Jayme Ovalle e Manoel Bandeira
Azulão

Concerto ao meio dia
Terça-feira, 12h30
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 06
Duo Amato
– Com: Herson Amorim (clarinete) e Nathália Kato (piano)
FRASE: Entre outras obras importantes, a Sonata em ré de Nino Rota e Fantasiestücke op. 73 de Schumann integram o programa deste concerto.

RELEASE
Duo Amato
O Duo Amato, formado pelo clarinetista Herson Amorim e pela pianista Nathália Kato, tem trabalhado intensamente desde sua formação que se deu em outubro de 2009, com a divulgação do repertório específico e original para clarineta e piano. No primeiro momento de seu trabalho, o duo executou o projeto “A Música do Mundo”, que tinha como objetivo mesclar no mesmo recital, peças de compositores de diversos países, evidenciando as diferentes abordagens que cada um deles deu à formação clarineta e piano, considerando as qualidades
timbrísticas dos instrumentos e o contexto histórico em que as peças foram escritas.
O recital “A Música do Mundo” teve apresentações no Museu de Arte do Pará (Belém-PA), e no Museu de Arte de São Paulo (São Paulo-SP), na Série “Música no MASP”.
Em 2010, além de apresentações nas cidades de São Paulo, Campinas e Belém, o Duo Amato gravou um programa para a Rádio MEC-FM no Rio de Janeiro – RJ e realizou um concerto com repertório brasileiro em Portugal a convite da Embaixada Brasileira em Lisboa.

Herson Amorim (Clarineta )
Bacharel em Musica pela Universidade do Estado do Pará (UEPA) na classe do professor Joel Barbosa, onde também estudou com o professor Oleg Andryeyev, o clarinetista Herson Amorim iniciou seus estudos musicais na Igreja Assembléia de Deus com José Maria Pereira. Ingressou em seguida no Conservatório Carlos Gomes, onde estudou com Marcos Cohen e Jacob Cantão.
Participou de diversos festivais de música no Brasil e no exterior e master classes dos professores André Kerver, Romain Guyot, Jon Manasse, Kymberly Cole, Ovanir Buosi, Giuliano Rosas, Cristiano Alves, Luis Rossi, Pedro Robatto, Luis Afonso Montanha, Domingos Elias e Joel Barbosa.
Em abril de 2007 tocou no programa “Prelúdio” da TV Cultura de São Paulo tendo sua apresentação exibida em rede nacional. Foi professor no Conservatório Carlos Gomes (Belém-PA) e primeiro clarinetista solista da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz.
Atualmente é professor efetivo de clarineta da Escola de Música da Universidade Federal do Pará (EMUFPA), integra o Duo Amato, atua no grupo “Sexteto de 7”, e é aluno de Ovanir Buosi (OSESP).

Nathália Kato  (Piano)
Bacharel em Música pela Universidade do Estado do Pará (UEPA) na classe da Profª Glória Caputo, é natural de Belém-Pará e iniciou seus estudos musicais no Japão em 1992. Em 1995, de volta a Belém, ingressou no Conservatório Carlos Gomes onde teve como professores Nelson Neves e Doris Azevedo.
Em festivais nacionais e internacionais, participou de master classes de piano e música de câmara com diversos professores como Piere Ferraux, Edson Elias, Fany Solter, Ricardo Castro e Afonso Venturieri. Na área docente, atuou como professora de Música de Câmara e correpetidora junto ao Conservatório Carlos Gomes e Universidade do Estado do Pará
Tem desenvolvido atividades, sobretudo, como camerista e correpetidora em salas de concerto do Brasil e Portugal. Trabalhou sob regência de maestros como Mateus Araujo, Miguel Campos Neto, Luiz Fernando Malheiro e Jamil Maluf. Atuou no VII Encontro de Violoncelos da Amazônia; XIX, XX e XXII Festival Internacional de Música do Pará; I e II Festival Internacional de Ópera da Amazônia e XII Festival Amazonas de Ópera.
Atualmente, integra o Duo Amato e cursa o Mestrado em Música na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), sob orientação do Prof. Dr. Mauricy Martin.

PROGRAMA

R. Schumann (1810-1856)
Fantasiestücke op. 73 (1849)
I. Zart und mit Ausdruck
II. Lebhaft, leicht
III. Rasch und mit Feuer
N. Rota (1911-1979)
Sonata in Re (1945)
I. Allegretto scorrevole
II. Andante (quasi adagio)
III. Allegro scorrevole
J. Françaix (1912-1997)
Tema con Variazioni (1974)
F. Hydas (1928-2007)
Fantasia
L. Bassi (1766-1825)
Fantasia de concerto sobre temas da ópera
Rigoletto, de G. Verdi

Dia 13
Recital de Piano com Rosária Gatti
FRASE: Com um repertório musical que fala de flores e pássaros a pianista celebra a chegada da primavera.

RELEASE
ROSÁRIA GATTI
Estudou piano com os maestros Mariani, Souza Lima e com a compositora Lina Pires de Campos. Com Anita Salles e Yolanda Sereno estudou órgão. Desenvolve um trabalho musical eclético e versátil, transitando livremente do erudito ao popular. Destaca-se como intérprete de chorinho, valsas e vários outros estilos brasileiros.
Realiza com dedicação um trabalho de pesquisa da memória musical brasilleira resgatando obras valiosas do choro e outros estilos musicais, revelando também o talento de compositores contemporâneos.
Atualmente com quatro CDs gravados pelo selo Eldorado, interpreta obras já consagradas e pérolas redescobertas e adaptadas para piano solo e grupos instrumentais de formação tipicamente brasileira. Com sensibilidade traduz para a linguagem pianística o universo do choro e da música brasileira, divulgando um repertório, em sua maior parte desconhecido do grande público. Perpetua com o seu trabalho a obra de grandes autores que expressam o melhor da alma e da cultura musical Brasileira.
Está se preparando para a produção de seu quinto Cd sobre a obra de Garoto e um DVD ao vivo de música brasileira.

PROGRAMA

MAURA SANDOVAL
AMAR Á NATUREZA
ERNESTO NAZARETH
PÁSSAROS EM  FESTA
ANACLETO DE MEDEIROS
TRÊS ESTRELINHAS
ALVÁRO SANTIM
FLOR DE ABACATE
ZEQUINHA DE ABREU
TARDES EM LINDÓIA
LINA PESCE
CANARINHO GRACIOSO 
PIXINGUINHA
ROSA 
JOÃO PERNAMBUCO
GRAÚNA
JUVENTINO MACIEL
JASMIN
WALDIR AZEVEDO
FLOR DO CERRADO
ARISTIDES BORGES
SUBINDO AO CÉU
JACOB DO BANDOLIM
CHORINHO NA PRAIA

Dia 20
Capiba, valsas e choros
– Com: Elyanna Caldas ( piano); Flávio Androni (violão); Antonio Carlos Vinha  (baixo elétrico) e Kiko Andreolli  (percussão)

FRASE: Em homenagem ao cantor e compositor pernambucano, grupo se reúne para relembrar e fazer releituras da grande obra de Capiba.

RELEASE
Elyanna Caldas (piano)
Pernambucana com cursos de aperfeiçoamento na França, Áustria e Polônia, vem exercendo grande atividade artística, tendo sido professora fundadora do Curso de Música da UFPE e diretora do Conservatório Pernambucano de Música.
Primeiro prêmio do Concurso Magda Tagliaferro, de quem foi aluna em Paris, e segundo prêmio do Concurso Rádio Ministério de Educação  (RJ), participou do V Concurso Internacional Fréderic Chopin em Varsóvia. Tem gravados quatro CDs, sendo dois de Choros e Valsas de Capiba, (divulgados na França em 1997, 2001 e 2008), outro, ‘O Piano em Pernambuco’, dedicado à música pernambucana dos fins do séc. XIX  e inícios do séc. XX, além do ‘Charme da Valsa e do Maxixe’ com composições do paulista Aurélio Gregori e ‘Tritonis’ (obras de Dave Brubeck, Claude Bolling, Paul Desmond e outros renomados jazzistas.

Flávio Androni (violão)
Compositor, arranjador e professor de Música, trabalha na Fundação Magda Tagliaferro onde é Membro do Conselho e Diretor do departamento de música popular. Estudou violão clássico com Clemer Andreotti e composição e arranjo com o maestro Antonio Duran.

Antonio Carlos Vinha (Baixo)
Músico freelancer, estudou com o prof. Aldo Landi, fez o curso de composição e regência na Faculdade Marcelo Tupinambá e de arranjador, com Tom Zé. É professor da Fundação Magda Tagliaferrro em São Paulo.

Kiko Andreoli (percussão)
Técnico de monitoramento do projeto social Amigos do Projeto Guri (2006 a 2008). Baterista titular do musical Cauby, Cauby, com Diogo Vilela,  do musical Os Produtores, na temporada do Rio de Janeiro e do Trio instrumental de música brasileira, Baquara.

PROGRAMA
Capiba
(1904 – 1997)
Cem Anos de Choro
Quem For Bom Me Acompanhe
Valsa Antiga nº 1
Choro para Altamiro
Choro para Radamés Gnatalli
Valsa Verde
Choro para Artur Moreira Lima
Choro para Elyanna Caldas
Mariazinha (valsa)
Relembrando Nazareth
Choro para Miguel Proença
É de Toróró (maracatú)
Choro Antigo nº 1
Choro para Marco César
Um Pernambucano no Rio (frevo)

Dia 27
Recital de flauta e piano
Com: Miroslav Georgiev (piano) e Sarah Hornsby (flauta)
FRASE: Neste programa uma rara oportunidade de conhecer a escrita para flauta e piano dos compositores Schulhoff, Bartok, Vladiguerov e Martinu

RELEASE
Sarah Hornsby (flauta)
A flautista americana Sarah Hornsby atua como camerista e recitalista, além de participar de orquestras internacionais. Ativa defensora de música nova, Sarah estreou várias obras de compositores contemporâneos em colaboração com grupos através dos Estados Unidos e Europa, como o Kammerensemble Neue Musik Berlin, o Ensemble Remix de Portugal e o Manhattan Contemporary Ensemble. Apresentações recentes incluem o Festival Musica Viva de Munique, onde ela estreou “My Sweet Latin Lover” de Iris ter Schiphorst para flautista/atriz e conjunto instrumental, e o Festival de Música Nova de Leipzig, onde seu recital solo foi transmitido para toda a Alemanha. Ela apresentou recitais nos Estados Unidos, Brasil e Alemanha, e foi apresentada como solista com orquestras como a Manhattan Chamber Sinfonia e a Orquestra Sinfônica de Berlim. Como musicista de orquestra, se apresentou com a New York City Opera Orchestra, os Manhattan Virtuosi, a orquestra da Rádio de Berlim e a Sinfônica de Bilbao. Foi premiada em diversos concursos, incluindo o da “Flute Talk Magazine”, o da Chicago Flute Society e o concurso Leopold Bellan em Paris. Em 1996, se apresentou no Carnegie Recital Hall como vencedora da “Artists International Competition”. Gravou para os selos Centaur e Koch-Schwann.
Sarah Hornsby é Mestre em Performance Orquestral pela Manhattan School (onde posteriormente lecionou) e graduada pela Universidade de Wisconsin, assim como diplomada em dois conservatórios na França. Seus professores incluem Sandra Church, Patrick Gallois e Mary Kay Fink.
Recentemente Sarah se dedica ao estudo da performance histórica, especializando-se em flautas históricas pela Escola Superior de Música de Frankfurt, orientada pelo professor Karl Kaiser. Ela é professora de flauta e música da câmera da Escola de Música do Estado de São Paulo.

Miroslav Georgiev (piano)
Formado em piano pela Escola Nacional de Música da Bulgária, cursou dois mestrados na Academia de Música “Pancho Vladigerov” Sofia (Bulgária): piano e regência orquestral. Em 2005, concluiu mais um mestrado em piano na Universidade do Sul da Flórida (EUA). Aos 30 anos e já com 25 anos de experiência musical, Miroslav é um músico bem conceituado. O contato com professores e artistas de tradições eslava e ocidental lhe conferiu uma visão ampla da técnica e interpretação do piano. Além disso, a experiência por ele adquirida em muitas áreas da música – incluindo canto, regência, acompanhamento e música de câmara – o capacita a ter uma abordagem universal e complexa que vai do estilo clássico ao popular.
Miroslav Georgiev foi premiado em vários concursos nacionais e internacionais, entre os quais se destacam: Competição Internacional “Carl Filtch”, em Sibiu, Romênia, segunda colocação; Competição Nacional “Dimitar Nenov”, em Razgrad, Bulgária, primeira colocação; Competição Internacional “Albert Roussel”, em Sofia, Bulgária, prêmio especial de melhor performance em obra francesa.
Com um repertório vasto que abrange todos os estilos e épocas da música, incluindo gêneros do pré-clássico ao contemporâneo, Miroslav realizou inúmeros recitais na Europa, Estados Unidos e Brasil, destacando-se o recital no Museu Debussy em Paris. Suas apresentações em recitais solo, de câmara e em gravações lhe conferiram reconhecimento do público e de críticos na Europa e nos Estados Unidos.
Miroslav Georgiev fixou residência no Brasil em 2006 e atua como correpetidor das madeiras e da classe de regência orquestral na Universidade Livre de Música (Centro Tom Jobim). Desde então, tem realizado vários recitais solo, concertos camerísticos com integrantes da OSESP e outros músicos em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasília. Também realizou gravações para os programas ‘Rede Vida Musical’ da Rede Vida e ‘Pianíssimo’ da rádio Cultura FM, entre outros. Seus últimos projetos incluem a série de concertos ‘O Impressionismo Francês’, em comemoração pelo Ano da França no Brasil, realizados no Centro Cultural São Paulo.

PROGRAMA
Erwin Schulhoff
(1894 – 1942)
Sonata (1927)             
Allegro moderato
Scherzo
Aria
Rondo-Finale
Bela Bartok/Paul Arma (1881 – 1945)
Suite Paysanne Hongroise (1914-17)          
Alexander Vladiguerov (1939 – 1993)
Variaçoes ‘Dilmano – Dilbero’ op.2 (1954)  
Bohuslav Martinu (1890 – 1959)
Sonata No. 1 para flauta e piano (1945)          
Allegro moderato
Adagio
Allegro poco moderato

Música Popular

Quinta na Faixa – Especial Outubro em Setembro Independente – 2011
Quinta-feira, 19h
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 01
Aurélio e seus Cometas
Tendo como uma de suas principais referências “Ziggy Stardust”, de David Bowie, o power trio retorna ao Brasil para lançar o terceiro álbum depois de uma temporada em Londres.

Dia 8
Malaquerencia (
Argentina)
Com forte atuação frente aos músicos independentes da Argentina, o grupo tem como principais referências a salsa, o folclore argentino, o reggae e o jazz.

Dia 15
Biernes
(Argentina)
Com canções dançantes, sejam elas cantadas ou instrumentais, o grupo de Córdoba apresenta uma fusão onde o rock latino é atravessado pelo jazz, a música disco, o candombe uruguaio, o mambo dos anos 70 e a cumbia mar platense.

Dia 22
Optic Yellow Felt
Folk, jazz e rock inglês são algumas das influências do grupo que acaba de lançar um disco gravado pelo produtor Roy Cicala, que já trabalhou com John Lennon, Jimi Hendrix e The Who. A banda explora várias possibilidades de arranjos criando uma sonoridade diferente.

Dia 29
Tusq (Alemanha) e Eletrofan
Influenciada por bandas como Teenage Fan Club, Wilco e Árcade Fire, os alemães do Tusq mescla folk, rock e indie acompanhada pela banda brasileira Eletrofan.

Show ao Meio-dia no CCSP – Especial Outubro em Setembro Independente – 2011
Sexta-feira, 12h30
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 2
Carolina Zingler
Com suave timbre de voz, a cantora e compositora gaúcha faz uma interessante fusão de cool jazz e rock numa viagem poético musical carregada de interpretações marcadas por leveza e sensualidade.

Dia 9
Sérgio Reze Convida:
Zé Alexandre Carvalho (contrabaixo) e Benjamin Taubkin (piano)
Formado por instrumentistas experientes, o trio apresenta composições próprias e temas consagrados da música brasileira.

Dia 16
Loungetude46
Coletivo multimidiático que, tendo a música como mola mestra, dialoga efetivamente com a literatura, o cinema e as artes visuais.

Dia 23
GEM
O Grupo Experimental de Música (GEM) integra em seu trabalho música, lutheria e a artes-visuais. Seus integrantes, através de material reciclável, criam instrumentos inusitados extraindo sons, timbres e ritmos variados com uma sonoridade ímpar.

Dia 30
Tony Babalu & Banda
Trabalho experimental do guitarrista da primeira geração do rock paulistano

Outubro em Setembro Independente / 2011
Quinta-feira, sexta-feira e sábado, 19h e domingo, 18h
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 9
Tigre dente de sabre
O grupo realiza um trabalho instrumental que fica entre o jazz, o erudito e a música eletrônica underground.

Dia 10
Daniel Higgs (EUA)
Ex-integrante da cultada banda Lungfish, o artista natural de Baltimore (EUA) apresenta seu trabalho solo, marcado por sonoridades cíclicas e com inspirações poéticas dentro do universo do pós-rock.

Dia 11
James Orr Complex
Projeto solo do cantor, instrumentista e compositor escocês Chris Mack que transita entre o folk de Nick Drake e o experimentalismo de John Fahey.

Dias 16 e 17
Faust (Alemanha)
Surgida nos anos setenta a banda é umas das pioneiras do gênero que ficou conhecido como Krautrock, uma versão mais experimental do rock progressivo em que estão presentes tanto a música industrial como a psicodélica. O grupo se apresenta pela primeira vez no Brasil.

Dia 23
Nikita
Em seu CD de estréia Phenomenometrika, a cantora e compositora aposta em canções pop perfeitas, com beats modernos e rimas cujos temas giram em torno do universo juvenil.

Dia 24
Seu Nelson da Rabeca
Músico convidado: Zé Pitoco (zabumba)
Músico autodidata e ex-cortador de cana em Alagoas, Seu Nelson é instrumentista, compositor e luthier. Seu repertório tem forte raiz nordestina, com destaque para o baião, o xaxado, o xote e a marcha.

Dia 25
A Deriva
O quarteto, formado por Daniel Müller (piano e escaleta), Beto Sporleder (sax tenor), Guilherme Marques (bateria) e Rui Barossi (contrabaixo acústico), apresenta músicas de seu mais recente álbum, Suíte do Náufrago.

Dia 30
Joe Lally Trio
(EUA/Itália)
Conhecido por ter sido baixista das lendárias bandas Fugazi e Ataxia, nesta última ao lado de John Frusciante do Red Hot Chilli Peppers, Joe Lally vem ao Brazil para lançar em vinil seu terceiro disco solo, “why should i get used to it”.

Concertos Especiais CCSP – Outubro em Setembro Independente
Terça-feira, 21h e quarta-feira, 19h
Sala Jardel Filho
Entrada Franca

Dia 7 
Arthur Kampela e convidados

Músicos convidados: Daniel Murray (violão), Sarah Hornsby (flauta)
Consagrado pelo uso percussivo do violão, o instrumentista brasileiro residente em Nova York recebe convidados para interpretar músicas próprias em diferentes formações. 

Dia 20
O Grivo
O duo mineiro apresenta trilhas compostas para a obra do cineasta e artista plástico Cao Guimarães, do qual serão projetos filmes e curtas durante o espetáculo.

Festival de Improvisação
A série reúne músicos brasileiros e estrangeiros ao longo do ano em apresentações de improvisação livre, tipo de música que se caracteriza por radicalizar a experiência da improvisação por meio de uma criação coletiva que incorpora elementos da música erudita contemporânea, vertentes do jazz, música folclórica, rock, entre outros. Parte dos espetáculos está inserida na programação regular de música do CCSP; outra parte acontece em dias, salas e horários alternativos, aproveitando as múltiplas possibilidades deste espaço.

Sala Adoniran Barbosa
Domingo, 18h
Entrada Franca

Dia 18
Sol6

Com: Veryan Weston (piano), Hannah Marshall (violoncelo) , Tony Buck (bateria), Ingrid Laubrock (viola), Mandy Drummond (viola) e Luc Ex (baixo).
Formado por expoentes da improvisação livre na Europa, o grupo reúne músicos de diferentes países e trajetórias musicais, combinando numa mesma apresentação trechos totalmente improvisados e versões que vão de Charles Ives e Eric Satie a Burt Bacharach.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: