Centro Cultural São Paulo – Novembro 2011

Centro Cultural São Paulo – CCSP – Programação de Música – Novembro de 2011

Curadoria de Música

Música Clássica
 
Clássicos do Domingo
Domingo, 11h30
Sala Jardel Filho
Entrada Franca

Dia 06
Baccarelli Coral da Gente Juvenil – Com Adriano Conto (piano) – Regência Gisele Cruz
Frase:
Com grandes clássicos da música erudita e da música popular brasileira, coral se apresenta sob regência de Gisele Cruz e acompanhamento do pianista Adriano Contó.

Desenvolvido desde 2000, o Coral da Gente é a porta de entrada para crianças e adolescentes da comunidade de Heliópolis no Instituto Baccarelli.
O projeto promove o ensino de canto coral e suas atividades representam uma introdução ao universo da música.
As aulas de técnica vocal, postura, respiração, percepção musical e expressão cênica são ministradas por profissionais conceituados e pedagogicamente preparados para trabalharem o aprendizado musical e o desenvolvimento pessoal e social dos alunos.
Desde o seu início, o programa conta com o patrocínio da Volkswagen do Brasil e, atualmente, também tem parceria com outra instituição do grupo, o Banco Volkswagen.
Com um repertório diversificado, o Coral da Gente realiza constantes apresentações em importantes espaços culturais de São Paulo, entre os quais se destacam: Sala São Paulo, Teatro Alfa, Teatro Municipal de São Paulo, Obelisco do Ibirapuera, Estádio do Morumbi, Mosteiro de São Bento, Páteo do Colégio e Catedral da Sé.

PROGRAMA
Victor C. Johnson 
Deo dicamus gratias 
Silvio Baccarelli 
Panis angelicus
Giuseppe Pitoni
Cantate Dominum
Steven Burnett
Jubilate Deo
J. Arcadelt
Ave Maria
Negro Spiritual – Arr-Noble Cain
Deep River
L. V. Beethoven
Joyful, Joyful
R. Vaughan Williams
A song of the New Age
Gabriel Fauré
Cantique de Jean Racine
Caetano Veloso – Arr. André Vidal
Luz do sol
Flavio Venturini/Murilo Antunes – Arr. Alexandre Zilahi
Nascente
Flávio Venturini
Todo azul do mar
Gilberto Gil – Arr. André Protasio
Mulher de Coronel
Tobias Barreto/Caio Senna
Namoro não é crime
Chico Buarque – Arr. Liduino Pitombeira
Acalanto
Dorival Caymi – Arr. Marcos Leite
Vatapá
Dori Caymmi/Nelson Motta – Arr. Walter Junior
Cantador
M. White/Al mc Kay e A. Willis – Arr. Mark Brimer
September

Dia 13
Piano a 4 mãos com Bruno Felix e Lucas Gonçalves
Frase:
Em perfeito entrosamento, jovens talentos apresentam obras de Mignone, Brahms, Ronaldo Miranda, entre outros.
RELEASE
Bruno Felix
Natural de Santos e radicado em Cubatão, cidades litorâneas do estado de São Paulo, começou a estudar piano erudito aos 7 anos de idade no Conservatório Municipal “Ivanildo Rebouças da Silva” (atual Escola Técnica de Música e Dança “Ivanildo Rebouças da Silva”), onde teve aulas com Josvâine Pontes Diniz Santos e concluiu o curso técnico de música com Ana Lucia Passarelli de Souza. Cursou alguns meses de piano erudito na ULM (atual EMESP) em São Paulo, capital, com o professor Daniel Matos. Já se apresentou no Chile, na cidade de Melipilla e atuou como correpetidor em diversos corais pela Baixada Santista. Atualmente cursa piano erudito na Faculdade Cantareira com Daniel Matos. É integrante do Coral Municipal de Cubatão “Zanzalá”. Suas pretensões profissionais destinam-se à elaboração de recitais seja como solista ou camerista, participação em concursos de música pelo Brasil e exterior.

Lucas Gonçalves
O jovem pianista Lucas Gonçalves, de Cubatão-SP, formado na Escola Técnica de Música e Dança ‘’Ivanildo Rebouças da Silva’’, participou de diversos concursos nacionais de piano conquistando diversos prêmios: Concurso Maestro Rodrigo Tavares (3 primeiros lugares), Concurso Maestro Souza Lima (primeiro lugar), Concurso ArtLivre (primeiro lugar) e Concurso Professora Edna Basseth (segundo lugar). Participou também de importantes festivais de música: Festival de Música nas Montanhas/Poços de Caldas-MG (2008-2009) e Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão (2010 e 2011).  Já se apresentou no MuBE (São Paulo), no Teatro Coliseu (Santos) e no Teatro Guarany (Santos). Atualmente, é pianista da Banda Marcial de Cubatão e cursa o primeiro ano de bacharelado em piano na ECA – USP sob orientação do grande pianista Eduardo Monteiro. 

PROGRAMA
Parte 1 – Bruno Felix (solo)
Debussy
Prelúdio da “Suíte Bergamasque”
Guarnieri
“Ponteio n°49”
Ginastera
“Danzas Argentinas”
Chopin
“Scherzo 3”
Beethoven
“Sonata op.2 nº 3” – primeiro movimento

Bruno Felix e Lucas Santos Gonçalves:

Francisco Mignone – “Congada”
Dvořák – “Dança Eslava n°10”
Ronaldo Miranda – “Tango”
Brahms – “16 valsas, op.39”

Dia 20
Savino de Benedictis pelo Coral Infantil da Escola de Música de São Paulo– Regência  Prof. Rosana Civile – 1º PARTE
Frase: Concerto que destaca a produção musical do compositor ítalo-brasileiro, o criador do método de solfejo Bona.

RELEASE
SAVINO DE BENEDICTIS PELA ESCOLA DE MÚSICA DE SÃO PAULO
No dia 20 de novembro de 2011, às 11h30, na série Clássicos do Domingo, a Sala Adoniran Barbosa do Centro Cultural São Paulo recebe alunos da Escola de Música de São Paulo (antiga Escola Municipal de Música) para uma apresentação de obras de Savino De Benedictis, professor e compositor ítalo-brasileiro.
Com uma carreira de atuação bem variada dentro da atividade musical, Savino De Benedictis foi personalidade de destaque desde muito jovem. Começou a carreira como flautista, mas especializou-se como professor de matérias teóricas, das quais escreveu diversos livros adotados em escolas de todo o Brasil. Teve grande destaque na organização do movimento sindical da cidade, fundando em 1913 o Centro Musical de São Paulo. Esta entidade mantinha orquestra própria, incorporada em 1949 pelo município e se tornou a Orquestra Sinfônica Municipal do Teatro Municipal de São Paulo.
Como compositor, escreveu mais de cem peças, entre as quais o grandioso Centenário, para orquestra, banda e corais, que inaugurou o Monumento do Ipiranga em 1922, centenário da Independência do Brasil, e em 1940 inaugurou também o Estádio do Pacaembu.
A apresentação dos alunos da Escola de Música de São Paulo é panorama alentado de sua criação musical, com peças compostas desde 1914 até 1969. São obras pianísticas, corais, canto e piano, câmara e orquestra. O recital é fechado com La Girouette, para orquestra de cordas, última obra composta por ele, aos 86 anos.

PROGRAMA
Obras para canto de Savino de Benedectis – primeira parte

Dia 27
Savino de Benedictis pelo Coral Infantil da Escola de Música de São Paulo– Regência  Prof. Rosana Civile – 2ª PARTE
Frase: Concerto que destaca a produção musical do compositor ítalo-brasileiro, o criador do método de solfejo Bona.

RELEASE
SAVINO DE BENEDICTIS PELA ESCOLA DE MÚSICA DE SÃO PAULO
No dia 20 de novembro de 2011, às 11h30, na série Clássicos do Domingo, a Sala Adoniran Barbosa do Centro Cultural São Paulo recebe alunos da Escola de Música de São Paulo (antiga Escola Municipal de Música) para uma apresentação de obras de Savino De Benedictis, professor e compositor ítalo-brasileiro.
Com uma carreira de atuação bem variada dentro da atividade musical, Savino De Benedictis foi personalidade de destaque desde muito jovem. Começou a carreira como flautista, mas especializou-se como professor de matérias teóricas, das quais escreveu diversos livros adotados em escolas de todo o Brasil. Teve grande destaque na organização do movimento sindical da cidade, fundando em 1913 o Centro Musical de São Paulo. Esta entidade mantinha orquestra própria, incorporada em 1949 pelo município e se tornou a Orquestra Sinfônica Municipal do Teatro Municipal de São Paulo.
Como compositor, escreveu mais de cem peças, entre as quais o grandioso Centenário, para orquestra, banda e corais, que inaugurou o Monumento do Ipiranga em 1922, centenário da Independência do Brasil, e em 1940 inaugurou também o Estádio do Pacaembu.
A apresentação dos alunos da Escola de Música de São Paulo é panorama alentado de sua criação musical, com peças compostas desde 1914 até 1969. São obras pianísticas, corais, canto e piano, câmara e orquestra. O recital é fechado com La Girouette, para orquestra de cordas, última obra composta por ele, aos 86 anos.
PROGRAMA
Obras para canto de Savino de Benedectis – segunda parte

Dia 04 de dezembro
Polyphonia Ensemble Berlin
Com: Martin Kögel (Oboé), NN (Clarinete), Jörg Petersen (Fagote), Johannes Watzel (Violino), Henry Pieper (Viola) e Thomas Rößeler (Violoncelo).

Frase: Pela primeira vez no Brasil, o grupo alemão apresenta obras de compositores consagrados.

PROGRAMA

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791)
Quartett F-Dur KV 370
für Oboe, Violine, Viola und Violoncello
Allegro
Adagio
Rondeau. Allegro

Franz Schubert (1797-1828)
Trio B-Dur D. 581
für Violine, Viola und Violoncello
Allegro moderato
Andante
Menuetto. Allegretto
Rondo. Allegretto

Jean Françaix (1912-1997)
Divertissement
für Oboe, Klarinette und Fagott
Prélude
Allegretto assai
Elégie
Scherzo

Gustav Holst (1874-1934)
Sextett e-moll
für Oboe, Klarinette, Fagott, Violine, Viola und Violoncello
Moderato
Scherzo. Allegro vivace
Adagio
Thema. Allegretto

Concerto ao meio dia
Terça-feira, 12h30
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 01

Rogério Tutti – piano
Frase: Jovem talento do teclado nacional apresenta as quatro Baladas de Chopin, além de obras de Villa-Lobos e Stravinski.

RELEASE
Rogerio Tutti, já apresenta uma carreira de grande destaque internacional. Em inúmeras oportunidades, o pianista já se apresentou em diversas salas dos Rússia, Cuba, Chile, Portugal e Brasil. Mais recentemente em novembro de 2010, Rogerio realizou uma turnê nos Estados Unidos com apresentações que incluíram nas cidades de Nova York, Boston, Norwell, Baton Rudge. Nesta turnê foi realizada a estréia mundial da Sonatina no. 2 de Douglas Tonwsend na Columbia University em Nova York.
Seu primeiro DVD entitulado “Concerto de Piano” que contém obras de Beethoven, Chopin, Liszt e Villa-Lobos já  foi exibido em emissoras do Brasil e em mais de 40 paises incluindo Irlanda, Alemanha, França, Suécia, Noruega, Austrália, Nova Zelândia, Emirados Árabes, Estados Unidos e outros.
Concluiu seu Graduate Diploma em Piano Performance no New England Conservatory com o pianista Gabriel Chodos onde cursou Interpretação Musical com o diretor da Boston Philarmonic o maestro Benjamin Zander e música de câmara com o violinista Nicolas Kitchen e a violista May Motobucsh do Quarteto de Cordas Barromeu.  Rogerio foi também bolsista na Escola Nacional de Artes de Havana, onde estudou piano com a pianista Teresita Junco. Conquistou o título de Mestre em Piano Performance pela University of North Dakota nos Estados Unidos com o pianista Sérgio Gallo. Estudou também com Fernando Paluan,  Rosa Maria Tolón, Luis de Moura Castro em Hartford (EUA) e Antonio Bezzan em São Paulo.      
Dentre os prêmios conquistados, destacam-se: 1o. lugar no Concurso “MTNA – North Dakota” nos Estados Unidos; 1 o. lugar no Concurso “Artlivre” em São Paulo; 3o. lugar no Concurso Internacional “Cláudio Arrau” em Quilpue, no Chile; Prêmio de Melhor Intérprete da Música Latino Americana em “Amadeo Roldan” em Havana, Cuba;
Rogerio também é diretor artístico da série “Villa-Lobos in America”. Série iniciada em 2010 nas cidades de Nova York e Boston  que conta com o apoio da Embaixada Brasileira dos Estados Unidos e Steinway Hall New York.
Atualmente é professor de piano da Escola de Musica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, diretor artístico do projeto social da Escola de Musica de Maçaiba e doutorando em músicologia pela Universidade de São Paulo sob orientação de Eduardo Monteiro.

PROGRAMA
F. CHOPIN (1810-1849)
4 Balada
Balada no. 1 op. 23
Balada no. 2 op. 38 
Balada no. 3 op. 47
Balada no. 4 op. 52. 
HEITOR VILLA-LOBOS (1887-1959)
Alma Brasileira
IGOR STRAVINSKI (1882-1971)
Trois Mouvements de Petrouchka
1. Danse russe
2. Chez Petrouchka
3. La semaine grasse

Dia 08
Dúo Orellana & Orlandini
– Duo de violão
FRASE: Uma reunião de músicas de compositores latinoamericanos compõe este programa executado por dois dos mais renomados violonistas chilenos.

RELEASE
Dúo Orellana & Orlandini – Duo de violão
Formado pelos músicos chilenos Romilio Orellan e Luis Orlandini, violonistas de música clássica, o Duo desenvolve um projeto de circulação de concertos que enfocam em seus repertórios a produção musical latinoamericana e em especial a música chilena. Individualmente os músicos do grupo atuam também como solistas de orquestras.
Desde 2005 realizam o projeto denominado “Dos Guitarras para el Bicentenario” com gravações e intercâmbio com os países irmãos do bicentenário: Argentina, Colômbia e México. Em 2008 como contribuição à valiosa difusão da criação musical chilena e latinoamericana para duo de violões editaram seu primeiro CD pelo Selo SVR-Chile.
Esta apresentação no Brasil se deve graças ao apoio da Direção de Assuntos Culturais do Ministério das Relações Exteriores do Chile e está inserida em um circuito cultural que contempla recitais em outros países, entre os quais Bolívia, Equador, Perú, Argentina e Estados Unidos da América.
Romilio Orellan e Luis Orlandini são professores das mais prestigiosas universidades chilenas, entre elas a Universidad de Chile, Universidad Mayor y Universidad Católica de Chile.

Críticas:
 “… En ese momento fuimos testigos de cómo dos músicos pueden llegar a sentir y transmitir total placer al hacer música, cuando logran afiatarse como corresponde y transmiten su musicalidad y talento al público…exhibieron con mucha elegancia un derroche técnico y estilístico lleno de contrastes dinámicos. La inmensa ovación que les brindó el público solo hizo justicia a un desempeño notable desde todo punto de vista.”
(Gilberto Ponce, Diario El Mercurio. Santiago-Chile, Enero 2005)

PROGRAMA

OSCAR OHLSEN (Chile, 1944)  
Suite sobre Aires Chilenos (2007) 
Impresiones sobre una canción de Luis Advis
Vamos a Belén, pastores (villancico de Chiloé)
La Malaheña (Canción de Chiloé)
La Palomita
JAVIER FARÍAS (Chile, 1973)   
Trastocada (2007)
JUAN ANTONIO SÁNCHEZ (Chile, 1965)  
Rin del Adiós y Sirilla del Nuevo Día (2010)
RADAMES GNATALLI (Brasil, 1906-1988)
Anacleto de Medeiros (Schottisch)
Chiquinha Gonzaga (Corta Jaca) (De Suite Retratos, 1956)

II PARTE

JUAN ANTONIO SÁNCHEZ (Chile, 1965) 
Cuatro Caminos (2007)
Norte / Sur / Este / Oeste
ASTOR PIAZZOLLA(Argentina, 1921 – 1992)   
Tango Suite (1984)
Allegro / Andante / Allegro

Dia 15
“Que Esse Mundo Vai Virar…” – aos encontros entre arranjadores e o canto coral
Com: Dênia Campos (soprano), Ana Sampaio(soprano), Mara Campos(meio-soprano), Kátia Rocha(contralto), José Palomares(tenor), Fernando Grecco(tenor), Maurício Martinazzo(barítono) e Jan Szot (baixo)

Frase: O grupo presta uma homenagem ao canto coral brasileiro.
RELEASE
O canto coral brasileiro, por sua natureza, trajetória e prática agregadora, vem desbravando um caminho cada vez mais identificado com o cancioneiro popular. Seu leal parceiro de jornada? O Arranjador – uma espécie de alquimista – aquele que respira a obra original para exalar e promover a transformação, a possibilidade. Transmutação, não em busca do que reluz como o ouro, mas do que revela, transpira e traduz ao ouvido anônimo a vertigem compartilhada da criação. Co-autor ou co-criador talvez, pois empresta à criatura um outro, o seu e mais fôlego, vibração, colorido e significado.
Sem esquecermos da indiscutível e expressiva genialidade de compositores que nos ofereceram e nos renderam através de suas muitas, tantas canções, dedicamos este concerto aos multiplicadores de idéias, linhas, vozes, órbitas, emoções.
Os textos das obras escolhidas para este repertório complementam-se, fundem-se num profundo desejo de resgate, de promessa, de esperança ainda que diante de nossa inevitável condição humana. Canções para despertar as palavras e os homens.

RELEASE
Mara Campos (direção musical e meio-soprano)
Em sua formação recebeu a orientação das educadoras Adriana Ribeiro e Maria Luiza Carvalho, dos Maestros Benito Juarez, Hugg Ross, Henrique Gregori e J. E. Gardiner, dos Professores Beth Pinheiro, Osvaldo Lacerda e Damiano Cozzella e dos cantores Lúcia Passos e Fernando Carvalhaes.
Desde 1978 atua como Regente coral, formando e dirigindo inúmeros conjuntos como o CORALUSP, o Coral da Aliança Francesa de São Paulo, o Coral da Escola de Belas Artes do Paraná, o Coral do Portal, o Grupo Som-A-Pino, o Coral Paulistano do Theatro Municipal de São Paulo, os Corais Infantil e Juvenil da Escola Municipal de Música, a Oficina de Canto Coral do Centro Cultural São Paulo e os Coros Infantis do projeto de coro cênico desenvolvido pelo Grupo “Canto em Movimento” junto ao SESI/SP.
De 1982 a 1989 integrou o Projeto Villa-Lobos de Canto Coral – INM/FUNARTE e entre 1982 e 2011 foi Professora de regência e canto coral em 20 edições da Oficina de Música de Curitiba/PR. Entre 1987 e 2003 atuou como Regente convidada dos coros ingleses BBC Singers, New College e The Sixteen, do grupo Vox Brasiliensis, da instalação coral Concerto Concreto em temporada na Bienal “A Trama do Gosto” e da gravação do CD Villa-Lobos em Paris. Fez a criação e direção musical dos espetáculos ZAP – O Resumo da Ópera (1999 e 2002), Coro dos Contrários – 22 em 2002 (2002 e 2006) e Ragnarock (2010). Entre 1987 e 2000 criou e coordenou os Festivais de Coros da Aliança Francesa, da Igreja São Francisco, do Grupo Pão de Açúcar e do Theatro Municipal de São Paulo – Encontro de Coros Camago Guarnieri nas edições de 2007 e 2008.
À convite das Orquestras Oficina de Cordas de Campinas/SP, Orquestras Sinfônica Municipal e Experimental de Repertório dirigiu as óperas “Orfeu” de C. Monteverdi e “Os Peregrinos de Meca” de C. W. Gluck, a “Cantata Acadêmica” de B. Britten, “Retratos” de R. Gnattali e “Postais Paulistanos” de Villani-Côrtes entre outras obras.

Ana Sampaio (soprano)
Ana Sampaio estudou canto lírico no Conservatório Musical do Brooklin em 1993, e canto popular na Escola Canto do Brasil em 2005 e 2006 com as professoras Regina Machado e Solange Sá. Atualmente estuda canto com Fernando Grecco e interpretação na Escola de Teatro Célia Helena. Participou de inúmeros corais e grupos vocais, dentre os quais se destacam: Trovadores Urbanos, Coral Unifesp, Madrigal Arcadelt e Zíper na Boca. Em 2010 integrou o elenco do musical Ragnarock, realizado pela Cia. Ópera do Mendigo.

Jan Szot (baixo)
Jan Szot nasceu e iniciou seus estudos em Ribeirão Pires, onde formou-se em piano, flauta doce e regência. Seus estudos de canto foram iniciados em 1989 na Universidade Marie Curie na cidade de Lublin na Polônia. No Brasil, estudou com Ilda Sergl e Adélia Issa na Universidade livre de música, Thomas Salbó na Faculdade Santa Marcelina e o Prof. Maurício Martinazzo.

Denia Campos (soprano)
Iniciou seus estudos de canto aos 16 anos no Centro Cultural Gustav Rither em Goiânia, onde posteriormente cursou a Universidade Federal de Goiás tendo recebido a orientação da professora Maria Bartira Bilego de Moraes. Integrou o Coral Paulistano do Teatro Municipal de São Paulo de 1998 a 2011, participando como solista junto ao coro, Orquestra Sinfônica Municipal e Orquestra Experimental de Repertório em montagens das obras Carmina Burana de Carl Orff, Missa emDó Maior de L. Beethoven, Magnificat de J. S. Bach, Te Deum de M. Charpentier e Litanie de W. A. Mozart. Realizou as primeiras audições no Brasil das óperas Il Mondo de la Luna de J. Haydn e O Grande Macabro de G. Ligeti.
Em2005 participou da montagem da ópera Candide de L. Bernstein no papel dePaquette, em 2006 foi o primeiro gênio da montagem da ópera  A Flauta Mágica de W. A. Mozart e de 2008 a 2010 fez o papel de Amahl na ópera Amahl e os Visitantes da Noite de G. Menotti, dentro da programação realizada pelo Teatro Municipal de São Paulo. Atualmente recebe orientação do professor Juvenal de Moura.

Maurício Martinazzo (barítono)
Jundiaiense teve sua formação musical em piano e canto no Conservatório Musical de Jundiaí. Aperfeiçoou-se posteriormente com Nayr Effemberger Guelli (Escola Pianística Olga Rizzardo Normanha) e com Leilah Farah (técnica vocal).
Desenvolve intensa atividade pedagógica na área do canto erudito com enfoque na pesquisa relacionada à voz humana – estilo e repertório. É fundador do Madrigal “Cantabilis”, formado por cantores de sua Escola Particular de Música. Atualmente é preparador vocal, solista e coralista deste grupo, atuando também como professor de técnica vocal e pianista co-repetidor.

Fernando Grecco (tenor)
Jornalista e regente formado ECA-USP estudou canto com Caio Ferraz. Dentre seus trabalhos como solista vocal destacam-se: A Ressurreição, de Schütz; a Missa do Orfanato, de Mozart; As Sete Palavras de Cristo, de C. Frank; no Réquiem, do padre José Maurício. Em ópera, participou de Orfeu, de Monteverdi, O Rei Arthur, de Purcell; Acis e Galatea, de Haendel; As Bodas de Fígaro, de Mozart; e Salomé, de R. Strauss. Paralelamente, Fernando Grecco desenvolve atividade como diretor de cena, tendo realizado as montagens de Ácis e Galatea, de Haendel; Os Peregrinos de Meka, de Glück; O Elixir do Amor, de Donizetti; e os espetáculos teatrais Belinda e a Guerra das Quengas, A Linguagem das Flores, Os Pecados de Moliére e Ragnarock! _ A Epopéia Humana. De 1992 a 2011, foi integrante do Coral Paulistano do Teatro Municipal de São Paulo.

José Palomares (tenor)
Arquiteto formado pela FAU-USP estudou canto com Caio Ferraz. Dentre seus trabalhos como solista vocal, destacam-se: o Magnificat, a Paixão Segundo São João e o Oratório de Páscoa, de Bach; a Missa da Coroação, de W. A. Mozart; a Pauken Messe e a Missa Lord Nelson, de J. Haydn; a Missa, de I. Stravinsky; e a Cantata Acadêmica, de B. Britten. Em ópera, destacam-se suas atuações em O Rei Arthur, de Purcell, Acis e Galatea, de Haendel; Os Peregrinos de Meka, de Gluck, A Flauta Mágica, de Mozart, Ariana, de Marcello e L’Orfeo, de Monteverdi, O Elixir do Amor, de G. Donizetti; Rigoleto e Um Baile de Máscaras, de Verdi, e Salomé, de R. Strauss. Paralelamente José Palomares vem desenvolvendo trabalhos como cenógrafo e figurinista com destaque para os espetáculos Belinda e a Guerra das Quengas, A Linguagem das Flores,
Os Pecados de Moliére e Ragnarock! – A Epopéia Humana. Desde 1983, é integrante do Coral Paulistano do Teatro Municipal de São Paulo.

Kátia Novaes Rocha (contralto)
Estudou canto com Caio Ferraz, Efigênia Cortes e Margareta Tenaglia. Como solista, destacam-se suas participações no Gloria, de Antonio Vivaldi, e nos espetáculos Spes Única, Requiem Eterno e nos 25 anos do Coro Luther King. Na série das Vesperais Líricas do Teatro Municipal de São Paulo, atuou nas óperas Os Peregrinos de Meka e Ifigênia em Aulis, de Cristoph W. Gluck; e The Fairy Queen e O Rei Arthur, de Henry Purcell. Como coralista, integrou a o Coral Sinfônico do Estado de São Paulo (OSESP) e o Coral Paulistano do Teatro Municipal de São Paulo, entre outros.

PROGRAMA

GERALDO VANDRÉ
Arueira (arranjo de Daniano Cozzella)
JOÃO BOSCO E ALDIR BLANC
Caça à raposa (arranjo de Lincoln Antonio)
DORIVAL CAYMMI E NELSON MOTTA
O cantador (arranjo de Marcos Leite)
MILTON NASCIMENTO
Canção amiga (arranjo de Mara Campos)
CHICO BUARQUE
Todo o sentimento
CHICO BUARQUE E EDU LOBO
Na carreira (arranjos de Ana Yara Campos

Dia 22
Duo Canto e Piano com Luciene Weiland (mezzo-soprano) e Leonardo Fernandes (piano).

Frase: Neste espetáculo um repertório vinculado ao Dia da Consciência Negra.

O duo trabalha pela conservação e divulgação do patrimônio musical brasileiro com o desenvolvimento de intensa pesquisa sobre a obra de H. Villa-Lobos dentro de uma proposta diversificada e pontual que acompanha as diversas fases da obra do autor e sua influência na Música Popular Brasileira. Em fevereiro de 2010, o Duo fez uma turnê ao Oriente Médio (Líbano e Dubai), e à Alemanha durante a Copa Cultural.

Leonardo Fernandes (piano)
Graduou-se pela Universidade de São Paulo, além do mestrado cursado na PUC – São Paulo. Atuou com o cravista Edmundo Hora e com a organista Elisa Freixo. Participou do I e do III Simpósio de Teclados históricos de Mariana e do 27º Workshop Internacional em Stavanger, Noruega. Constantemente requisitado a participar de importantes projetos de música de câmara, Leonardo Fernandes atuou junto a artistas como barítono Walter Weiszflog, a mezzo-soprano Anna Maria Kieffer, o trompetista Paul Mitchell, entre outros.
Seu repertório abrange obras da renascença à contemporaneidade; estreou obras dos compositores Rubens Ricciardi e Marisa Ramires Lima, e é dedicatário de obra do belga Leo Kupper.

Luciene Weiland (Mezzo-soprano)
Estudou, Canto Lírico com Celine Imbert, Leilah Farah e Kátia Guedes (em Berlim, Alemanha) e Música de Câmara com Anna Maria Kieffer, além de ser graduada em História, abrindo amplo campo de pesquisa histórica voltada à música.
Atua no ensino como professora de história da música na ULM (Universidade Livre de Música) Sua formação conta ainda com numerosos cursos, master-classes e workshops, tanto no Brasil como no exterior. Atualmente, aperfeiçoa sua técnica e interpretação com o professor de cantor Lenine Santos e com a maestrina Nancy Bueno.

PROGRAMA
CHICO CANIDÉ
Ebano (texto de abertura)
ALOYSIO ALENCAR PINTO (1905-2007)
Louvação a Ogun (Cantada em três dialetos diferentes)
WALDEMAR HENRIQUE (1905-1995)
Hei de seguir teus passos
WALDEMAR HENRIQUE (1905-1995)
É Maracatú
BABI DE OLIVEIRA (1908-1993)
Vamo Saravá
HEITOR VILLA-LOBOS (1887-1959)
Estrela do céu é lua nova
OSCAR LORENZO FERNANDEZ (1897-1948)
Essa nega Fulô – sobre poema de Jorge de Lima (1893-1953)
FRANCISCO MIGNONE (1897-1986).
Dona Janaina – sobre poema de Manuel Bandeira (1886-1968)
HECKEL TAVARES (1896-1969)
Banzo
ARY BARROSO (1903-1954)
Boneca de piche – sobreLuiz Iglésias (1962).

Dia 29
Canções de um outro Oriente – contemporaneidade  com Adriana Bernardes (soprano) e Antonio Eduardo (piano)

Frase: Neste espetáculo obras de compositores brasileiros do Século 20.

RELEASE
Adriana Bernardes – soprano
Como solista e recitalista, tem se apresentado nas mais diversas salas de espetáculo de São Paulo e Rio de Janeiro, entre as quais Sala São Paulo, Theatro Municipal de São Paulo e Centro Cultural Banco do Brasil SP e RJ.
Em 2010 e 2011 participou do MUC- Mostra de Música Contemporânea de Santos, na qual fez diversas estréias mundiais.
Tem sido constantemente convidada como solista da Orquestra de Câmara Paulista, conjunto com o qual gravou Orquestra de Câmara Paulista ao Vivo na Sala São Paulo em 2009. Em 2007 interpretou Quitéria e Crisostomo em Dom Quixote nas Bodas do Comacho (Telemann) e Colette em Le Devin du Village (Rousseau) nas Vesperais Líricas do Theatro Municipal de São Paulo. Gravou em 2007 o CD Sarau Brasil – canções brasileiras do séc. IXX e em 2008 o CD Curumim com canções de Camargo Guarnieri.

Antonio Eduardo – piano
Participando com freqüência de festivais, encontros de música contemporânea e congressos nacionais e internacionais em musicologia, o Dr. Antonio Eduardo vem se destacando como um pianista e pesquisador voltado para a música de seu tempo.
Escreveu “O Antropofagismo na obra pianística de Gilberto Mendes” (AnnaBlume/FAPESP), além de diversos artigos para periódicos, sobre música  contemporânea.
Atualmente dirige coleção voltada para música contemporânea brasileira, Antonio Eduardo Collection,constando em seu catálogo obras de Gilberto Mendes, Silvia Berg, Sergio Vasconcelos Correa, Rodolfo Coelho de Souza e Almeida Prado.

PROGRAMA
PIOTR LACHERT (1938)
C’era (texto de Rudyard Kipling)
EDUARDO ESCALANTE (1937)
Trovas Populares (2008)
I – Cantiga
II – Galope
III – Modinha
IV – Batuque

Letra de Batuque (versos do folclore brasileiro)
Fui no mato apanhar lima,
Errei, apanhei limão;
Vamos comigo, siá moça,
Não conheço lima, não!

Prelúdio n.16
BRANCO BERNARDES (1965)
Farewell, Dear Heart (letra de Willian Shakespeare) 2009
Citharizat Cantico (Canto do Rouxinol – letra de autor anônimo da compilação dos Carmina Burana) 2009
Canção (2010)
Invenção (em memória de Nilson Lombardi) 2010

Letra de Canção (versos de Paulo Leminski)
Um passarinho voa
Pra árvore que não mais existe
Meu pensamento voa
Até você só pra ficar triste

ANTÔNIO RIBEIRO (1971)
CANÇÕES DE MÁRIO (poemas de Mário de Andrade) 2009
I – Na rua Aurora eu nasci
II – Garoa do meu São Paulo
III – Esse homem que vai sozinho

Letra de Garoa do meu São Paulo (versos de Mário de Andrade)
Garoa do meu São Paulo,
-Timbre triste de martírios-
Um negro vem vindo, é branco!
Só bem perto fica negro,
Passa e torna a ficar branco.
Meu São Paulo da garoa,
-Londres das neblinas finas-
Um pobre vem vindo, é rico!
Só bem perto fica pobre,
Passa e torna a ficar rico.
Garoa do meu São Paulo,
-Costureira de malditos-
Vem um rico, vem um branco,
São sempre brancos e ricos…
Garoa, sai dos meus olhos.

GIL NUNO VAZ
A quem quer todas as notas 2003
De palavra, de palavras 2009
Canção do exílio (poesia de Casimiro de Abreu) 2003
Música Paradiso: o beijo colado 2004

Letra de Canção do exílio (versos de Casemiro de Abreu)
Se eu tenho que morrer na flor dos anos,
Meu Deus que seja já,
Eu quero ouvir na laranjeira, à tarde,
Cantar o sabiá!
A voz do sabiá!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: