Programação de música do Centro Cultural São Paulo – Julho 2011

Centro Cultural São Paulo – Curadoria de Música – Julho 2011

Texto de Abertura

Julho é o mês do Rock.

Música Clássica

Clássicos do Domingo
Domingo, 11h30

Sala Jardel Filho
Entrada Franca

Dia 03
Recital de Violão de Eduardo Minozzi Costa

Jovem violonista em passagem pelo Brasil apresenta repertório variado que inclui desde obras de Gismonti, Jobim, Scarlatti, Schubert, entre outros.

RELEASE

Eduardo Minozzi Costa completou seu bacharelado em Violão Erudito na Universidade de São Paulo sob a orientação de Edelton Gloeden. Durante seus estudos, foi um dos alunos que realizou a primeira audição nacional dos 24 Prelúdios e Fugas de Mario Castelnuovo-Tedesco. Eduardo já recebeu diversos prêmios no Brasil e no Exterior, dentre eles o reconhecido concurso Souza Lima, pelo qual foi oferecida uma viagem cultural aos EUA que resultou na obtenção de uma bolsa de estudos integral para realizar o Mestrado em Guitar Performance na Universidade do Arizona. Foi nomeado como professor assistente (GTA) sob a orientação de Thomas Patterson. Eduardo deu recitais solos em diversas cidades brasileiras e em algumas cidades americanas. Como músico de câmara, foi membro do Trio Opus 12 ao lado de Paulo Porto Alegre e Daniel Murray – grupo que tocou como quarteto juntamente com Edelton Gloeden, obtendo o 1º lugar no Concurso Nascente realizado pela USP em 2003.

Entre as diversas primeiras colocações que recebeu em concursos internacionais destacam-se o Alhambra International Guitar Competition – Dallas (2010), o  Indiana International Guitar Competition (2010) e  Sholin Guitar Competition, Tucson, Arizona (2009)
Eduardo Minozzi Costa concluiu em 2011 o “Pathways to Guitar Excellence ©” (Caminhos para a excelência violonística) – um sistema de prática violonística patrocinado pela Fundação Medici. 

PROGRAMA

FRANÇOIS COUPERIN (1668 – 1733)
Les Barricades Mystérieuses

DOMENICO SCARLATTI (1685-1757)
Sonata K391

SYLVIUS LEOPOLD WEISS (1687 – 1750)
Fantasie

DOMENICO SCARLATTI (1685-1757)
Sonata K209

FRANZ SCHUBERT (1797 – 1828)
Lob der Tränen (Praise of Tears)

SERGIO ASSAD (b.1952)
Elis portrait

JOAQUIN MALATS
(1872-1912)
Spanish Serenade 

INTERVALO

ARMANDO NEVES (1902-1976)
Choro no. 2

PIXINGUINHA (1897 – 1973)
Rosa

GUINGA (b. 1950)
Baião de Lacan

TOM JOBIM (1927 – 1994)
Luiza

DILERMANDO REIS (1916-1977)
Tempo de Criança

DENIS GOUGEON (b.1951)
Lamento-Scherzo

MARIO CASTELNUOVO-TEDESCO (1895-1968)
Tarantella

RONALDO MIRANDA (b.1948)
Appassionata  

Dia 10

Quinteto de Sopros do Instituto Baccarelli com Diego Nascimento, flauta/Lieni Calisto, oboé/ Magali Souza, clarinete/ Felipe Arruda, fagote/ Thiago Rodrigues, trompa

O CCSP, numa parceria com o Instituto Baccarelli, abre espaço em sua temporada para os novos talentos brasileiros da música executando obras de Beethoven, Haydn e Danzi.

RELEASE

DIEGO BRITO NASCIMENTO, flauta
Iniciou seus estudos de flauta transversal em 2000. Concluiu seus estudos na Universidade Livre de Música, em 2007, com o professor Marcelo Adib. Integra a Sinfônica Heliópolis, do Instituto Baccarelli, desde 2008, e estuda atualmente com o professor Rogério Wolf.

Recebeu o 3º lugar do 1º Concurso de Música de Câmara da Universidade Livre de Música, na categoria Duo, em 2006, e o 1º lugar no 2º Concurso de Música de Câmara da Universidade Livre de Música, na categoria Trio, em 2007.

Participou como aluno ativo das masterclasses ministradas pelos músicos Marcos Fregnani (Bamberger Symphoniker / 2008), Heike Malz (NDR Radiophiharmonie Hannover / 2010), Martin Michael Kofler (Orquestra Filarmônica de Munique / 2010), André Sebaldi (Orquestra de Colônia / 2010) e Chiara Tonelli (Mahler Chamber Orchestra / 2010).

LIENI DE OLIVEIRA CALIXTO, oboé
Bacharel em música pela Universidade Estadual Paulista, atuou em formações tais como Banda Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo (2003), Orquestra Jovem do Estado de São Paulo (2006) e Orquestra Jovem Municipal de Guarulhos (2006).

Participou dos Festivais de Música de Tatuí e Jaraguá do Sul, assim como também de masterclasses com Christoph Hartmann, Kurt Méier e Casey Hill.

Atualmente, integra a Sinfônica Heliópolis, recebendo orientação instrumental de Joel Gisiger.

MAGALI DA SILVA SOUZA, clarinete
Estudou clarinete no Centro de Estudos Musicais Tom Jobim, sob orientação dos professores Daniel Cornejo e Edmilson Nery. Atualmente, é aluna de Ovanir Buosi no Instituto Baccarelli.

Participou do Festival Internacional de Música de Campos do Jordão – Núcleo Tatuí, sob orientação dos professores Luis Afonso Eugênio Montanha e Joel Barbosa, em 2003; do Festival “Música nas Montanhas”, realizado em Poços de Caldas, sob orientação dos professores Luis Afonso Eugênio Montanha e Edmilson Nery, em 2006; e do Festival de Música de Santa Catarina, sob orientação dos professores Ovanir Buosi e Jhon Manasse (Estados Unidos), em 2007.

Integrou as Orquestras Filarmônica Infanto Juvenil de São Paulo, sob a regência do maestro Daniel Cornejo, de 2003 a 2004; Sinfônica de Mogi das Cruzes, sob a regência do maestro Marcelo Jardim, de 2004 e 2005; e Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo, sob a regência do maestro João Maurício Galindo, em 2007. Integrou também a Banda Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo, sob a regência da maestrina Mônica Giardini, de 2004 a 2006, tendo sido spalla desse corpo artístico.

Desde 2007, integra a Sinfônica de Heliópolis, tendo participado da turnê que essa orquestra realizou pela Alemanha (Bonn, Berlim, Dresden, Munique), Holanda (Amsterdã) e Inglaterra (Londres), sob a regência do maestro Roberto Tibiriçá. Atualmente, o diretor artístico da Sinfônica Heliópolis é o maestro Isaac Karabtchevsky.

Suas atividades pedagógicas incluem ter sido professora de teoria musical na sede da Banda Lira de Santo André; e atualmente é Professora assistente da classe de clarinetes do Instituto Baccarelli, desde 2009.

Participou das masterclasses ministradas por Vladimir Permyakov, da Tchaikovsky Symphony Orchestra Moscow (2008), Franz Bumann, de NDR Radiophilharmonie Hannover (2010) e Alexandra Gruber, da Orquestra Filarmônica de Munique (2010), realizadas no Instituto Baccarelli, sob a promoção do Mozarteum Brasileiro.

FELIPE ARRUDA, fagote
Aos 16 anos de idade iniciou os estudos no fagote. Em 2005, ingressou na Escola Municipal de Música de São Paulo, recebendo orientações do professor Fábio Cury, continuando com ele até 2008, tendo aulas no Curso de Difusão Cultural da Universidade São Paulo – USP. Desde 2009, estuda fagote com o professor Ronaldo Pacheco, no Instituto Baccarelli.

Em 2008, passou a integrar a Orquestra Sinfônica do Conservatório Dramático e Musical de São Paulo, a Banda Sinfônica Jovem e, mais tarde, a Orquestra Tom Jobim. Integrou a Orquestra Sinfônica Jovem Maestro Eleazar de Carvalho, a Orquestra Sinfônica Jovem de Guarulhos, e a Orquestra de Câmara da USP (OCAM).

Desde 2009, integra a Sinfônica Heliópolis, tendo participado da turnê que essa orquestra realizou pela Alemanha (Bonn, Berlim, Dresden, Munique), Holanda (Amsterdã) e Inglaterra (Londres), sob a regência do maestro Roberto Tibiriçá. Atualmente, o diretor artístico da Sinfônica Heliópolis é o maestro Isaac Karabtchevsky.

Participou ativamente de masterclasses ministradas por Francisco Formiga, Alexandre Silvério, Fábio Cury, Ole Dahl (Alemanha), Benjamin Coelho (Estados Unidos), Afonso Venturieri (Suíça), Andrés Rieras (Venezuela), Zeev Dorman (Israel).

Participou do II e III Festival de Jaraguá do Sul, onde recebeu orientações de Isabel Jeremias (Costa Rica), Gustavo Nunez (Royal Concertgwbouw Orchestra) e Milan Turkovic e aulas de contrafagote com Andrea Merenzon (Argentina).

Em 2007, foi convidado pelo maestro e professor Olivier Toni a participar do Festival de Prados, executando peças barrocas e clássicas do repertório solista e orquestral. Ainda em 2007, foi convidado pela Produção Musical e Executiva a participar do espetáculo “Rossini Hits”, em homenagem ao compositor Gioachino Antonio Rossini. Em 2011, participou da 12º Festival “Música nas Montanhas”, em Poços de Caldas. Em 2008, foi solista no Concerto para oboé, flauta e fagote “La Tempesta di Mare”, de Antonio Vivaldi, com a Orquestra de Câmara da USP (OCAM).

É Professor Assistente de Fagote no Instituto Baccarelli e desenvolve atividade camerística com o Quinteto de Sopros dessa instituição de formação musical.

THIAGO MARTINS RODRIGUES, trompa
Iniciou seus estudos musicais aos nove anos de idade. Em 1994, estudou trompa com o professor Marcelo Silva (Banda Sinfônica de Cubatão).

Em 1995 e 1996, passou a estudar com o professor Ruben (Banda Sinfônica de Cubatão). No período de 2000 a 2005, voltou a fazer aulas com o professor Marcelo Silva.

Desde 2006, é aluno do Instituto Baccarelli, onde integra a Sinfônica Heliópolis como primeira trompa. Atualmente, recebe aulas do professor Mário Rocha (Instituto Baccarelli e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal de São Paulo).

Em 2010, viajou junto à Sinfônica Heliópolis para a 1º turnê dessa orquestra na Europa, apresentando-se na Alemanha (Bonn, Berlim e Munique), Holanda (Amsterdam) e Inglaterra (Londres), sob a regência dos maestros Peter Gülke, Yutaka Sado e Roberto Tibiriçá. Atualmente, a Sinfônica Heliópolis tem direção artística do maestro Isaac Karabtchevsky e tem como patrono o maestro Zubin Mehta.

Junto à Sinfônica Heliópolis, teve oportunidade de atuar junto aos renomados solistas como Joshua Bell, Erik Schumann, Leonard Elschenbroich, Daniel Guedes, Antônio Del Claro, Shlomo Mintz, entre outros.

Participou como aluno ativo nas masterclasses ministradas pelos músicos Thomas Muller (Orquestra de Câmara de Zurique), Michael Slatkin (Filarmônica de Israel), Luiz Garcia (Orquestra Sinfônica Brasileira e German Brass), Luckas Cristinat (Orquestra Sinfônica de Lucena- Suíça), Franz Draxinger (Ensemble Berlin) e Jorg Brückner (Orquestra Filarmônica de Munique)

Participou do Festival de Música nas Montanhas (Poços de Caldas – 2007, 2010 e 2011), II Concurso de Férias de Tatuí (2005) e do I Festival de Música de Cubatão (2002).

Atuou como músico convidado das Orquestras Sinfônicas Municipais de São Paulo e Santo André, Orquestra Experimental de Repertório; e como professor no Projeto “Cubatão Sinfonia” (2008).

Atua no Instituto Baccarelli, também, como Professor Assistente.

PROGRAMA

FRANZ JOSEPH HAYDN (1732-1809)
Divertimento
Allegro con spirito
Andante quasi Allegretto
Minuetto
Rondo: Allegretto

FRANZ IGNAZ DANZI (1763-1826)
Quinteto n° 1, op. 56, em si menor
Allegretto
Andante con moto
Menuetto: Allegretto
Allegretto

LUDWIG VAN BEETHOVEN (1770-1827)
Quinteto op. 71
Allegro
Adagio
Menuetto
Rondo

Dia 17

Duo Joaquim Abreu & Paulo Passos – (Percussão e Clarinetes).

Com obras dos compositores Almeida Prado, Marlos Nobre, Leo Brouwer, entre outros, o duo mostra neste concerto a sua versatilidade.

RELEASE

DUO JOAQUIM ABREU & PAULO PASSOS – (Percussão e Clarinetes)
Possuindo trajetórias com muitos pontos em comum, Joaquim Abreu e Paulo Passos começaram a trabalhar juntos em 1998, ao interpretarem obras do compositor Luiz Carlos Csekö. A partir daí suas apresentações têm se multiplicado e diversos compositores têm escrito e dedicado obras ao Duo. Dentre eles podemos citar Flo Menezes, Eduardo Guimarães Álvares, Paulo C. Chagas, Willy Correa de Oliveira, Roberto Victório, Alexandre Schubert, Mauricio Dottori e Caio Senna, entre outros.

Apresentaram-se em vários projetos como o Projeto Rumos Musicais do Itaú Cultural (SP), Projeto Sérgio Porto 2000 (RJ), Projeto Percussão e Invenção, Série Música Brasileira do Século Passado – Teatro Municipal do Rio de Janeiro, Museu da Casa Brasileira (SP), Academia Brasileira de Música (RJ), entre outros. Participaram também das últimas Sete Bienais de Musica Contemporânea Brasileira da Funarte.

Em 2004 idealizaram junto com Flo Menezes os concertos Luciano Berio ” in memorian ” no MASP tendo a participação especial da soprano Andrea Kaiser.

Participaram do concerto de encerramento do Simpósio de Música Contemporânea Colômbia-Brasil e também ministraram workshops nas universidades EAFIT de Medellín e Javeriana de Bogotá com o apóio do Ministério das Relações Exteriores.

Receberam o Prêmio Petrobrás Musica 2004 e Diapason de Ouro, edição brasileira, pelo lançamento de seu CD “Musica Brasileira Contemporânea para Clarinetes e Percussão.

JOAQUIM ABREU E PAULO PASSOS (Percussão)
Joaquim Abreu iniciou seus estudos musicais em São Paulo e entre 1981 e 84 foi bolsista do governo francês, obtendo diplomas de percussão e música de câmara no Conservatório Nacional da região de Strasbourg – França, nas classes Jean Batigne e Detlef Kiefer. Em 1985, quando retornou ao Brasil, se integrou por concurso a Orquestra Sinfônica Brasileira. O percusionista chegou a se apresentar no Carnigie Hall, em Nova York, na Rádio France, em Paris, e no Grand Theatre de Genebra com o Duo Diálogos de Percussão, um de seus trabalhos mais expressivos. Por 20 anos lecionou percussão e música de câmara na Escola Municipal de Música de São Paulo. Com Andrea Kaiser desenvolve um criativo Duo para voz e percussão , o Materiales Ensemble. Integra também o Núcleo Hésperides “Música das Américas”.

PAULO PASSOS (Clarinetas)
Natural de Itajaí-SC, Paulo Passos começou seus estudos na Escola Superior de Música de Blumenau, seguindo depois para Universidade do Rio de Janeiro, onde realizou o curso de bacharelado em clarinete. Até 1983, quando se mudou para a capital carioca, participou da Orquestra de Câmara de Florianópiolis. Em 1999, durante a 20ª Bienal da Música Brasileira Contemporânea, estreou a peça “Paisagens Espectrais”, de Vânia Dantas Leite, especialmente criada para ele. O clarinetista também se apresentou no exterior, em 1995, na Haus der Kulturen der Welt, em Berlim, e em maio deste ano, na cidade de Darmstadt, também na Alemanha.

PROGRAMA

MARLOS NOBRE (1939)
Desafio XVII para marimba e clarone

ALMEIDA PRADO (1943-2010)
Máscaras – Teatro Musical para percussão solo

MARCUS SIQUEIRA (1974)
Uma Outra Idéia Fixa – clarone solo (Dedicada a Paulo Passos)

RICARDO TACUCHIAN (1939)
Manjerona – clarone solo – (Dedicada a Paulo Passos)

MAURÍCIO DE BONIS (1979)
Trapos e Fios Soltos ** para sax alto, vibrafone,glockenspiel,tan tan, gongos e pratos

em primeira audição (Dedicada ao Duo Joaquim Abreu & Paulo Passos)

LEO BROUWER (1939)
Paisage Cubano con Ritual para marimba , vibrafone e clarone
1. Rito
2. Intermezzo
3. Danza

OSVALDO LACERDA (1927)
Variações Sobre “O Cravo Brigou com a Rosa” para sax alto e marimba – Tema, Andantino Innocente
Variação 1 – Allegro con Spirito
Variação 2 – Allegro
Variação 3- Andante
Variação 4- Fuga
Variação 5 – Andante Lento, un poco “ad libitum”
Variação 6- Seresta Romantica, andante
Variação 7- Final , Allegro

Dia 24

Lazare Cherouana (França) – violão – X Mostra de Cordas Dedilhadas – 2011

Vencedor do Concurso Internacional de Guitarra José Tomas (Villa de Petrer – Espanha) apresenta obras de Agustin Barrios, Turina, Joaquim Rodrigo, entre outras.

RELEASE

 “X MOSTRA DE CORDAS DEDILHADAS – 2011” tem a curadoria de Rafael Altro e a produção externa de Rafa Music Produções & Eventos

CAMERATA DE VIOLÕES NAMMUSIC – regência Rafael Altro

Criada pelo músico Rafael Altro em 2007 com o objetivo de participar do “I Encontro de Cameratas de Violões”. O grupo conta hoje com a participação de jovens alunos do NAMMUSIC – Núcleo de Arte Musical. Já se apresentou no Teatro Imprensa, Centro Cultural da Marinha do Brasil em São Paulo, Auditório CRC-SP, Auditório DOC Contabilidade, Auditório da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, Biblioteca Municipal da Mooca e nas edições VII, VIII e IX da Mostra de Cordas Dedilhadas. Em seu repertório executa peças de compositores nacionais e internacionais de diversos estilos e gêneros musicais.

LAZARE CHEROUANA (FRANÇA) – violão.
Nasceu em Vienne em 1988 onde começou seus estudos aos seis anos com o professor Raphael Vaccaro. Posteriormente ingressou no Conservatório Nacional Regional de Lyon onde completou seus estudos com o professor Jesús Castro (Peru). Prosseguiu estudos no Real Conservatório Superior de Musica de Madrid. Atualmente estuda no Mozarteum de Salzburgo e no Conservatório de Klagenfurt (Áustria) com Marco Tamayo e recebe orientações de Judicaël Perroy em Paris. Participou de masterclasses com Eduardo Fernández, Alirio Díaz, José Miguel Moreno, René Bartoli, Ricardo Gallén, Ignacio Rodes, Gerard Abiton, José Luís Rodrigo, Hubert Käppel y Leo Brouwer. Ganhou os prêmios nos concursos de Cezeriat (primeiro lugar), Bártoli (segundo lugar), Hazen-Hosseschruders del Encuentro Internacional “Cuidad de Majadahonda” (primeiro lugar), Premio Segovia del Festival Musica em Compostela (primeiro lugar).

Participou de várias gravações em programas de televisão e realizou recitais em diversas cidades como Lyón, Santiago de Compostela, Budapest, Marrakech, Salzburgo, Boloña, Madrid, Nueva York y París. Em 2010 ganhou em primeiro lugar nos concursos em Fiuggi, Sevilla, Concurso regional, nacional e Europeu prganizado pelo Lion’s Club. Como prêmio do Concurso Internacional de guitarra Jose Tomas (Vila de Petrer – Espanha) realiza a turnê no Brasil.

PROGRAMA

PRIMEIRA PARTE

CAMERATA DE VIOLÕES NAMMUSIC

ARY BARROSO (1903-1964)
Aquarela do Brasil

ZEQUINHA DE ABREU (1880 – 1935)
Branca

EDMUNDO VILLANI-CÔRTES (1930)
Conversinhas nos. 01, 02 e 03

HEITOR VILLA-LOBOS (1887 – 1959)
Bachianas no.04 (Prelúdio)

TRADICIONAL ESPANHOLA (D.P.)
El Vito

SEGUNDA PARTE

LAZARE CHEROUANA (FRANÇA) – Violão 
G. REGONDI (1822-1782)
Introducion y Capricho

N. COSTE (1805-1883)
Rondo de concierto

J. RODRIGO (1901-1999)
Junto al generalife

A. BARRIOS (1885-1944)
Sueño en la floresta

J. TURINA (1882-1949)
Sonata para guitarra

Dia 31

Bruno Soares (violão) – X Mostra de Cordas Dedilhadas – 2011

Vencedor do Concurso Internacional de Violão Eustáquio Grilo (Brasília – Brasil) apresenta obras para violão solo.

RELEASE

A “X MOSTRA DE CORDAS DEDILHADAS –  2011” tem a curadoria de Rafael Altro e a produção externa de Rafa Music Produções & Eventos

DUO “PIANO & VIOLÃO” William Labecca (piano) e Rafael Altro (violão)
Formado desde 1998 pelos músicos William Labecca (piano) e Rafael Altro (violão) o duo tem apresentado em seus recitais um programa com obras de compositores de diversos estilos e gêneros musicais. O duo já realizou diversas apresentações em salas de concertos e auditórios em São Paulo das quais destacam as realizadas na Biblioteca Mario de Andrade, na sala Funarte Guiomar Novaes, no Teatro Paulo Eiró, no Centro Cultural São Paulo (sala Jardel Filho) e no auditório do CRC-SP. Atualmente o duo prepara a gravação de seu primeiro CD com composições próprias e transcrições.

WILLIAM LABECCA  – piano
Bacharel em Música com habilitação em Piano pelo Instituto de Artes da UNESP, William Labecca estudou com pianistas de renome, como Beatriz Balzi, Gilberto Tinetti, Moura Lacerda e Mª Francisca Paez Junqueira. Participou de diversos Master-Classes, com destaque para o da pianista austríaca Elzbieta Sternlicht, no qual atuou como intérprete.

Foi aluno de Música de Câmara de Arcádio Minczuk e de Harmonia de Sérgio Vasconcellos-Corrêa e H. J. Koellreutter. Tendo participado da Virada Cultural 2009, no projeto Piano Na Praça, já se apresentou como pianista em diversos locais, como Centro Cultural São Paulo, MASP, SESC, FUNARTE, UNESP, Biblioteca Mário de Andrade e em vários teatros de São Paulo e de outros estados, como São Pedro, Paulo Eiró, Cacilda Becker, Lauro Gomes, entre outros. Lecionou nos cursos superiores de Composição e Regência do Conservatório Dramático e Musical de São Paulo, de Musicoterapia da Faculdade Paulista de Artes (FPA) e em vários conservatórios da capital paulista. A convite do produtor musical Tom Viana, da PAULUS Gravadora, assumiu a direção musical do CD “Ritmos do Brasil – Região Norte”. Além da direção musical, incluiu composições próprias, tendo feito o arranjo da maioria das faixas.

Também lançou um CD para piano erudito a 4 mãos, com a pianista Maria Cecília Cropi, que leva o nome do duo: “Lumina”, com peças de Brahms, Schubert e Arensky.

RAFAEL ALTRO  ( violão)
Nascido em São Paulo aos 06 de junho de 1.973, violonista autodidata começou a admirar a arte de tocar violão aos dez anos de idade, ouvindo gravações de Andrés Segovia e Dilermando Reis.Com quinze anos fez suas primeiras apresentações em prol de várias instituições beneficentes, incluindo em seu repertório arranjos próprios de peças populares. Completou seus estudos teóricos no Conservatório Musical Anchieta. Prosseguiu seus estudos de técnica e de interpretação com o professor e luthier José Egídio de Oliveira. Participou do “II Encontro Nacional de Violonistas” realizado pelo Instituto de Artes da UNESP.

Apresentou-se em diversos locais em São Paulo. Como Diretor Musical e violonista do Grupo S/Arautos apresentou o espetáculo “Amor”, com Direção Geral de Paulo Ribeiro, no Espaço dos Satyros I, Centro Cultural do grupo Silvio Santos (Teatro Imprensa), na Casa da Fazenda do Morumbi, SESC Pompéia, diversos Eventos Culturais e no Teatro Fernando Azevedo dentro do Projeto Caminho das Artes da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo.

Realizou Direção Musical dos espetáculos: “Verdade ou Desafio” e “Devaneios” com direção de Cris Sandoval e Cristina Santos e “Rapsódia dos Divinos” e “Avatar” com direção de Paulo Ribeiro. Participou como músico e compositor na gravação do CD “Ritmos do Brasil – Música do Norte”, lançado pelo selo Paulus em 2007. Pela mesma gravadora realizou direção musical e atuou como violonista no CD “Momentos de Reflexão, vol. 2”, lançado em 2008. Atualmente prepara seu CD instrumental solo com composições próprias.

BRUNO SOARES (Violão)

Vencedor do Concurso Internacional de Violão Eustáquio Grilo (Brasília – Brasil)

Iniciou seus estudos aos 15 anos com o professor Fernando Vieira, ingressando na Faculdade de Musica do Espírito Santo em 2003 onde concluiu o curso de Bacharelado em Música com habilitação em Violão, sob a orientação do professor Fabiano Mayer e é Pós-Graduando em Arte na Educação.

Participou de inúmeros cursos, palestras, Master Class e Workshops ministrados por nomes como Henrique Pinto (SP), Fabio Zanon (SP), Edelton Gloeden (SP), Gilson Antunes (SP), Michael Lich (EUA), Thomas Patterson (EUA), Carlos Barbosa Lima (BR), Pedro Rufino (PT), Mario Ulloa (Costa Rica), Manuel Espinas (Cuba), entre outros. É aluno do LAPI – Laboratório de Alta Performance em Instrumento – Projeto da Faculdade de Música do ES supervisionado pelo professor Fabiano Mayer e recebe orientações do violonista Fábio Zanon e das pianistas Célia Ottoni e Janne Gonçalves. Participou de diversos concursos, dos quais tem obtido excelentes resultados, destacando-se: 1°. Lugar no IV Concurso de Violão Eustáquio Grilo (DF); 2°. Lugar no I Concurso Latino Americano de Violão Maurício de Oliveira (ES); 2°. Lugar no IV e V Concurso de Violão Erudito do Conservatório Musical Villa-Lobos (SP); 2º. Lugar no Concurso de Musica Erudita Áurea Adnet (ES); 3°. Lugar no XXVII Concurso Latino Americano Rosa Mística (PR); 3°. Lugar no 8°. Concurso de Guitarra César Cortinas (Uruguai).

Foi Semifinalista e 2ª lugar na votação do publico no II Concurso Internacional Vital Medeiros (SP) e foi selecionado para os recitais no Programa Furnas Geração Musical. O recital na “X Mostra de Cordas Dedilhadas” organizado pela Rafa Music é um dos prêmios recebidos no IV Concurso de Violão Eustáquio Grilo (DF).

PROGRAMA

PRIMEIRA PARTE

DUO “PIANO & VIOLÃO” William Labecca (piano) e Rafael Altro (violão)

RAFAEL ALTRO (1973)
Vai-e-Vem

HERMETO PASCOAL (1936)
Bebê

MANUEL DE FALLA (1876 – 1946)
Cancion del Fuego Fátuo

MANUEL DE FALLA (1876 – 1946)
Danza Del Terror

SEGUNDA PARTE

BRUNO SOARES – Violão

D. AGUADO (1784 – 1849)
Introdução e Rondó no.02

MARCELO RAUTA (1981)
Rerigtiba

MARCELO RAUTA (1981)
Sonata Nostálgica

CARLOS CRUZ (1936)
Imagens do Agreste
I – Allegretto
II – Andante
III – Allegretto Grazioso

R. DYENS (1955)
Hommage a Villa-Lobos
I – Climazonie
II – Danse Caractérielle et Bachianinha
III – Andantinostalgie
IV – Tuhu

Concerto ao meio dia
Terça-feira
, 12h30

Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 05

Trios de Schumann e Shostakovich com Romain Garioud (França) – violoncelo, Fabio Chamma – violino, Liliane Kans – piano

Dois trios da mais alta importância na História da Música serão executados por Fabio Chamma – violino, Romain Garioud (França) – violoncelo e Liliane Kans – piano.

RELEASE

Romain Garioud – Violoncelo
Laureado do 12º Concurso Internacional Tchaïkovski (Moscou), do 7º Concurso Internacional Rostropovitch e 2º prémio do Concurso Internacional de Vina del Mar (Chile) em 2001 e 2002, Romain Garioud pertence à jovem e brilhante geração de violoncelistas franceses. É convidado a dar concertos e Masterclasses em inúmeros festivais. Em Novembro de 2005, Romain Garioud ganhou o 1º prêmio do Conservatório Internacional Valentino Bucchi (Roma – Itália).

Em 2007 criou o Delian Quartet ao qual pertence. Este Quarteto tem efetuado diversas gravações para a editora Oehms Classics e tem-se apresentado nas maiores salas de espetáculo da Europa (Konzerthaus et Musikverein Wien, Ludwigsburg festpiele). Ensina os futuros profissionais, na C.R.D. de l’Hay les Roses (França) e na Escola Profissional de Música de Espinho (Portugal).

Fábio Giaretta ChammaViolino
Graduado pela UNESP sob a orientação de Ayrton Pinto, foi também aluno de Jerrold Rubenstein na classe de Especialização no Conservatório Real da Antuérpia, Bélgica, como bolsista da CAPES. Foi Spalla da Orquestra Sinfônica de Rio Claro, e Orquestra de Câmara da UNESP. Tocou também na Orquestra Experimental de Repertório, Camerata Fukuda, Orquestra Sinfônica Paulista, Orquestra Sinfônica de Santo André e Orquestra do Conservatório Real de Antuérpia. Foi solista em diversas orquestras sinfônicas e conjuntos de câmara. Participou de diversos festivais, dentre eles o Festival de Inverno de Campos do Jordão, Oficinas de Música de Curitiba e Festival de Artes de Itu, da Orquestra Barroca do Festival de Juiz de Fora, do Sopron Early Music Days na Hungria e master classes com Paulo Bosísio, Cláudio Mahle, Evgenia Maria Popova, Jerrold Rubenstein e Jean Jacques Kantorow. Atualmente dedica-se à música de câmara, ao violino barroco e é membro da Orquestra Sinfônica Municipal

Liliane Kans – Piano
Bacharel em Piano pela UNESP, foi aluna de Ilza Antunes, Beatriz Balzi e Daisy de Luca. Estudou também na Bélgica no Conservatório Real de Mons na classe de Dalia Ouziel e posteriormente ganhou bolsa de estudos da CAPES para o curso de Especialização (piano e música de câmara) do Conservatório Real de Antuérpia na classe da pianista Eliane Rodrigues. Cursou disciplinas na pós-graduação na UNICAMP e USP. Dentre os vários festivais que participou estão o de Campos do Jordão e o Sopron Early Music na Hungria e obteve a primeira colocação em diversos concursos de âmbito nacional, entre outros, o Prêmio Armando Prazeres do Concurso para Jovens Solistas. Atuou como pianista convidada da Camerata Fukuda e foi solista da Orquestra Sinfônica de Rio Claro, Orquestra Filarmônica de Rio Claro, Orquestra de Cordas Jovens Musicistas de São Paulo, Orquestra de Câmara de Piracicaba e Orquestra Petrobrás Pró Musica do Rio de Janeiro sob a direção de Roberto Tibiriçá. Atualmente exerce intensa atividade camerística em companhia de diversas formações instrumentais e também dedica-se à música historicamente informada com ênfase no classicismo, possuindo um dos poucos fortepianos no Brasil (modelo Stein 1784).

PROGRAMA

ROBERT SCHUMANN
(1810-1856)
Trio nº2 op.80
 1) Sehr lebhaft
 2) Mit innigem Ausdruck
 3) In mässiger Bewegung
 4) Nicht zu rasch

DMITRI SCHOSTAKOVICH (1906-1975)
Trio nº2
 1) Andante
 2) Allegro con brio
 3) Largo
 4) Allegretto

Dia 12

Bach e Pixinguinha- Mestres do Contraponto – Recital de Flauta e Cello com o Duo Charlier-Pellegatti

Segundo Villa-Lobos, Pixinguinha era uma espécie de Bach da música brasileira. Este recital segue a dica do mestre com obras desses dois compositores.

RELEASE

Duo Charlier-Pellegatti
Os paulistanos Celina Charlier e Fábio Pellegatti, amigos de infância, continuam tocando juntos mesmo morando em países diferentes. Fábio tem sólida carreira musical em São Paulo, como cellista, professor e arranjador. Celina, há 12 anos em New York, tem intensa carreira internacional como flautista (tocando nos Estados Unidos, Brasil, Itália, Malta, França, Argentina, Sri Lanka e Emirados Árabes), é professora da Universidade de New York, arranjadora e regente. Todo ano, Celina e Fábio se reencontram para recitais em São Paulo.

O Duo Charlier-Pellegati se destaca pela versatilidade e criatividade, interpretando músicas originais para flauta e cello e arranjos próprios, de música clássica, chorinho, música folclórica japonesa, tango, jazz, música de cinema e outros estilos. Este recital de flauta e violoncelo traz músicas de dois compositores famosos pela arte do contraponto: Bach e Pixinguinha. Bach consagrou com o que se chamou de Barroco Alemão o sistema da música tonal que usamos até hoje no mundo ocidental, num conjunto de músicas chamado “O cravo bem temperado”.

O brasileiríssimo Pixinguinha “chorou” na flauta nossas alegrias e tristezas, nossa riqueza cultural, nossa ginga, nossa brasilidade musical.  A flauta de Celina e o violoncelo de Fábio recriam em estilo único a beleza desses dois seus universos sonoros e culturais.

Celina Charlier – flauta
Nasceu em São Paulo em 1974. Formou-se em Flauta Doce e Flauta Transversal pela Escola Municipal de Música de São Paulo, Bacharel em Flauta pela UNESP e Mestre em Flauta pela New York University (NYU). Atualmente, cursa o PhD in Flute Performance na NYU, onde leciona e rege a NYU Wednesday Orchestra. Em março de 2005, Celina tocou em Nova Iorque um recital de flauta e piano exclusivamente com músicas de Villani, que, gravado ao vivo, originou o CD ‘Villani in the Village’. Desde 1989, Celina tem uma ativa carreira musical como solista, camerista e integrante de orquestra, apresentando-se no Brasil, Argentina, Itália e Estados Unidos.

Fábio Pellegatti – violoncelo
Nascido em 1971 na cidade de São Paulo, é formado em Violoncelo pela Escola Municipal de Música de São Paulo. Foi spalla das Orquestra de Câmara da USP e UNITAU. Em 2002 passou a ocupar o cargo de spalla da Orquestra Sinfônica Municipal de Santos e a atuar no quarteto municipal Martins Fontes. Também em 2002 foi premiado no V Concurso “Solistas da Orquestra Sinfônica Municipal de Santos”. Atualmente é professor de violoncelo do Conservatório de Arte do município de Guarulhos. 

PROGRAMA

PIXINGUINHA (1897-1973) BENEDITO LACERDA (1903-1958)
10 dos 12 Choros (com os contrapontos originais do Pixinguinha)

Acerta o Passo
Ainda me recordo
Descendo a serra
Naquele tempo
Os oito batutas
Proezas de salon
Segura ele
Seu Lourenço no vinho
Vou vivendo
Um a zero

ALEXANDRE F. TRAVASSOS (1970)
Choro de Bliss (primeira audição mundial)

JOHANN SEBASTIAN BACH (1685-1750)
Integral das Invenções a duas Vozes
Invenção n.1, BWV 772, em Do Maior         
Invenção n.2, BWV 773, em do menor          
Invenção n.3, BWV 774, em Ré Maior          
Invenção n.4, BWV 775, em ré menor           
Invenção n.5, BWV 776, em Mi bemol Maior
Invenção n.6, BWV 777, em Mi Maior          
Invenção n.7, BWV 778, em mi menor          
Invenção n.8, BWV 779, em Fá Maior          
Invenção n.9, BWV 780, em fá menor           
Invenção n.10, BWV 781, em Sol Maior       
Invenção n.11, BWV 782, em sol menor        
Invenção n.12, BWV 784, em Lá Maior        
Invenção n.13, BWV 785, em lá menor         
Invenção n.14, BWV 786, em Si bemol Maior
Invenção n.15, BWV 787, em si menor 

Dia 26

Metrópole Quarteto de Saxofones .
A tessitura das quatro vozes do sax num programa com arranjos especiais para as obras de Lennon e McCartney, Gershwin, Bach, Grieg, entre outros.

RELEASE

O Metrópole Quarteto de Saxofones nasceu em São Paulo em março de 2008 a fim de levar ao público uma sonoridade bem peculiar devido a sua formação não muito comum (soprano, alto, tenor e barítono). Formação esta que pode ser comparada aos grandes quartetos de sopro e cordas que existem, principalmente, pela Europa.

O quarteto possui em seu repertório uma variedade de estilos, passando por composições eruditas e populares. Seus integrantes são:

ED FOGAÇA (SAX BARÍTONO E ARRANJOS)
Se formou em saxofone erudito e MPB-JAZZ no Conservatório de Tatuí “Dr. Carlos de Campos”/SP, onde atua como professor. Participou de vários grupos musicais, como orquestras e bandas sinfônicas, big bands, quartetos, além de realizar trabalhos como solista. Em 2002, participou em Milão, Itália, do primeiro encontro da cultura brasileira. Composição e arranjos também fazem parte dos seus estudos e pesquisas musicais. Atua, também, como arranjador e regente da Orquestra Municipal da cidade de Itapetininga, interior de São Paulo.

EDENILSOM FOGAÇA (SAX TENOR)
Começou seus estudos em 1990 no Conservatório de Tatuí, onde estuda até hoje. Estudou saxofone erudito com os professores Lázaro (Pingo) e Luiz Carlos. A partir de 1995, entra para o curso de MPB-JAZZ neste mesmo conservatório, tendo aula com Mané Silveira, Celso Veagnoli, Paulo Braga, Paulo Flores entre outros. Assistiu a Workshops de Denílson Florêncio, Roberto Sion, Nailor “Proveta” Azeredo, Dale Underwood (EUA) e Olmir Stocker (Alemanha). Participou de Banda Sinfônica, Quartetos e Big Bands, assim como do Festival de Inverno de Campos do Jordão.

FELIPE CESAR SANCHEZ (SAX ALTO)
Começou seus estudos com violão e piano popular em conservatório particular. Em julho de 1998, participou, ainda com violão e piano, de um curso na Melodee School of Music, Inc. na cidade de Mineápolis, EUA. Estudou saxofone (desde 2004) no Conservatório Souza Lima e Berklee, sendo integrante do Grupo de Sopro, regido por Ed Fogaça. Participou de workshops de saxofonistas renomados, como Tom Walsh e David Liebman. Já participou do Festival de Inverno de Campos do Jordão e da abertura do workshop de Tom Walsh (Grupo de Sopro).

ALEX SOUZA (SAX SOPRANO)
Cursou aulas de saxofone no Conservatório Souza Lima e Berklee, onde participa de grupos de Música de Câmara e de Jazz Performance (participou também do Grupo de Sopro regido por Ed Fogaça). Participou de festivais de música em Garanhuns/PE e da gravação dos Cd´s da Filarmônica de Belo Jardim/PB. Atualmente, cursa a graduação de bacharelado em saxofone popular na Faculdade Santa Marcelina/SP.

PROGRAMA

LENNON (1940-1980) E MCCARTNEY (1942)
When I’m sixty-four

ED FOGAÇA
É du Arthur

ELTON JOHN (1947) E BERNIE TAUPIN (1950)
Your Song

PIXINGUINHA (1897-1973)
Lamentos

BURT BACHARACH (1928)
I’ll never fall in love again

ED FOGAÇA
Mininice

JOHN SEBASTIAN BACH (1685-1750)
Air

NOEL ROSA (1910-1937)
As pastorinhas

G. GERSHWIN (1898-1937)
Summertime

EDWARD GRIEG (1843-1907)
Chant du Paysan

CHIQUINHA GONZAGA
Gaucho cá e lá – O corta jaca

NOEL ROSA
O feitiço da vila 

Música Popular

Quinta na Faixa
Quinta-feira, 19h

Sala Adoniran Barbosa

Entrada Franca 

Dia 14

Vespas Mandarinas
Vespas Mandarinas é uma banda de rock nacional de admiradores declarados de artistas como Paralamas do Sucesso, Titãs, Lulu Santos, Lobão, Ira e Legião Urbana

Dia 28

Weltbürger
Weltbürger significa “Cidadãos do Mundo” em alemão.Este nome define uma banda de blues que pretende rodar o mundo mostrando suas músicas em alemão, inglês e francês

Sintonia do Rock

Completando 20 anos, a série Sintonia do Rock apresenta diversas vertentes do gênero mais popular do planeta.

Show ao Meio-dia no CCSP – Sintonia do Rock / 201

Sexta-feira, 12h30
Sala Adoniran Barbosa
Entrada Franca

Dia 1 (DACE -Sarau)

Sarau Sérgio Vaz

Dia 8

Santelmo Lounge
Nome de destaque do tango eletrônico na Argentina, onde já lançou 4 CDs, o grupo apresenta uma fusão do tango com ritmos como rock, jazz e rhythm and blues. 

Dia 15

Norba Zamboni
O guitarrista apresenta as composições de seu disco Walking and Sliding

Dia 29

Marcio Tucunduva
O cantor e compositor combina rock, blues e ritmos brasileiros.

Dia 05 de Agosto

The Sparks

Com 45 anos de estrada, The Sparks faz show com o repertório voltado para a Surf Music Instrumental.

Sintonia do Rock / 2011 19h

Sexta-feira, sábado, 19h e domingo, 18h

Sala Adoniran Barbosa

Dia 3
Desengonçalves com Guilhermoso Wild Chicken Participação especial: André Abujamra

A banda recria o universo de Nelson Gonçalves com arranjos Rock ‘n’ Roll para canções imortalizadas por ele

Entrada Franca

Dia 9

Los Porongas
Banda do Acre apresenta show especial de lançamento do seu 2° disco titulado “O Segundo Depois do Silêncio”.

Ingresso: R$20,00 

Dia 10

365

Formada nos anos 1980, a banda paulistana volta aos palcos com sua formação original em um show inédito com as canções que farão parte de seu novo disco.

Ingresso: R$10,00

Dia 15

Patrulha do Espaço

Trinta e três anos de puro Rock ‘n’ Roll
Entrada Franca

Dia 16

Baranga e Carro Bomba

Show de lançamento do álbum “Carcaça”, da banda Carro Bomba e show da turnêdo cd “O Céu é o Hell” da Baranga de 2010.

Ingresso: R$12,00 

Dia 17

Tomada e Cracker Blues

Lançamento do terceiro disco da banda Tomada, “O Inevitável” com participação especial do grupo Cracker Blues.

Ingresso: R$12,00 

Dia 29

Luiz Carlini e Lanny Gordin

Dois extraordinários guitarristas, unem-se para  homenagear feras da guitarra, como Santana e Jimi Hendrix, entre outros.

Entrada Franca

Dia 30

Tarântulas e Tarantinos

Trabalho do músico e Vj. Thunderbird onde ele e banda tocam musicas dos filmes de Tarantino… Uma visão “José Mojica” das trilhas sonoras dos filmes de Quentin Tarantino, como produtor e diretor. Fica evidente a ótica de Rogério Sganzerla no espetáculo, com narrativas entremeadas de imagens.

Entrada Franca

Dia 31

Stay Puff  com convidados
Desde 1989, os gordinhos se reúnem para fazer o bom e velho rock’n’roll, sempre com composições próprias satirizando seus físicos avantajados. “Não deixem de perder”
Os Convidados: 

Nuno Mindélis – Grande Bluesman e pai adotivo desses gordos
Roberto Lazzarini (Terreno Baldio)  – Primo de sangue do Gordo
Prospero Albanese (Joelho de Porco) – Pura empatia obesa

Ingresso: R$15,00

Dia 05 de agosto

The Gilbertos

Banda liderada por Thomas Pappon, ícone do rock alternativo nacional, lança o álbum “A noite sonhamos”.

Entrada Franca

Dia 06 de Agosto

Doidivinas

Power trio carioca formado por garotas faz um som cru do proto punk com música de cabaret e letras envenenadas.

Entrada Franca

Dia 07 de Agosto

Nasi & Banda

O cantor e compositor passa sua carreira a limpo e lança o CD e DVD “Vivo na Cena”

Ingresso: R$20,00

Especiais CCSP

Quinta-feira, sexta-feira e sábado, 19h

Sala Adoniran Barbosa

Entrada Franca

Dia 2

Guinga e David Liebman

Encontro inédito do violonista brasileiro com o saxofonista norte americano.

Dia 07

Regra de 3

“III” é o nome do novo cd  de música instrumental contemporânea gravado pelos músicos talentosos, criativos e experientes: Lupa Santiago, Sizão Machado e Bob Wyatt.

Dia 8

MC4+

“Colagens” é o primeiro trabalho autoral do saxofonista Marcelo Coelho onde se destacam composições originais e improvisações coletivas. Uma simbiose de várias influências e conceitos musicais e não-musicais.

Dia 23 (19h) e 24 (18h)

FILE – Festival Internacional da Linguagem Eletrônica

O File é um Festival de artes em novas mídias que acontece anualmente em São Paulo desde 2000 e eventualmente em algumas outras cidades do mundo.

É o maior festival de arte e tecnologia no Brasil e serve como indicador da pluralidade de pesquisas e de produções nacionais e internacionais nas múltiplas áreas da cultura digital: arte interativa, screenings, performances, games, arte sonora, realidade virtual, discussões teóricas e o cinema digital. O FILE é organizado por um grupo sem fins lucrativos cuja intenção é disseminar e desenvolver cultura, artes, tecnologia e pesquisa científica.

O Grupo MOBILE congrega artistas e pesquisadores envolvidos com a exploração e experimentação sonora. O grupo reúne-se em torno de um projeto de pesquisa em música na Universidade de São Paulo sob a coordenação do compositor Fernando Iazzetta cujo foco são os processos de interação na criação artística. Nesses dois espetáculos são apresentados alguns trabalhos colaborativos que emergem desse ambiente de investigação de linguagens e meios de realização artística.  O grupo conta com apoio institucional da USP e da Fapesp.

Integrantes: Fernando Iazzetta, Lílian Campesato, Giuliano Obici, Alexandre Fenerich, Julian Jaramillo, Vitor Kisil, Michelle Agnes e Rogério Costa.

Festival de Improvisação

Série de apresentações ao longo do ano dedicada à improvisação livre

Dia 26, às 21h

Celio Barros (contrabaixo) e Michelle Agnes (piano)

Em sua edição de julho, o projeto dedicado à improvisação livre recebe dois músicos que levam ao palco experiências musicais distintas, que vão do jazz à música contemporânea de concerto, para sessões de improvisação.

Sala Jardel Filho – Entrada Franca

Anúncios

Há quarenta anos Louis nos deixou

Há exatos quarenta anos Louis Armstrong nos deixou.

Nascido no dia 4 de agosto de 1901 ele faleceu em Nova York no dia 6 de julho de 1971. Sempre sincero e franco ele comentou: “Quando meus pais se separaram, minha mãe foi morar numa rua onde só viviam prostitutas. Se se tornou uma delas não sei, porque nunca vi”. Ele foi morar com sua avó, depois com seu pai e sua madrasta. Uma vida de muitas dificuldades e miséria. Com 12 anos, em uma passagem de ano ele foi enviado para uma casa de correção juvenil. Lá ele começou a tocar na banda e essa passagem foi decisiva para a sua vida. Com 14 anos, já livre ele passou a tocar nas casas noturnas e em barcas pelo rio Mississipi.

Com 21 anos ele passou a tocar na King Oliver’s Creole Jazz Band, em 1925 após um período com a banda de Fletcher Henderson em Nova York ele voltou para Chicago onde criou a sua própria banda. Na época em que as gravações eram em discos de cera, isto é, não existia a possibilidade de refazer ou retocar as músicas gravadas, em uma dessas tomadas a partitura caiu e ele simplesmente começou a improvisar criando o hoje famoso “scat singing”, criando melodias com palavras onomatopáicas, como “dabadabadoo de daby doo”. O seu toque no trumpete é algo simplesmente genial, um fraseado e um swing sem comparação em todos os tempos. Seu estilo de interpretar as canções, sempre com um sorriso e uma maneira de “mascar” as palavras são únicas e uma marca caracterista de sua grande musicalidade.

Um marco fundamental na história do jazz. Uma pessoa iluminada que, apesar de todas as dificuldades, sempre tinha um belo sorriso no rosto, sorriso que o acompanhava seja cantando, tocando ou conversando. Sempre simpático, mas com uma forte personalidade.

Confira o seu grande sucesso “What a Wonderful World”. Agradeço a cantora e compositora Rosa Passos a lembrança da data.

http://www.youtube.com/watch?v=SzJY96m3lkg&feature=related

Cyro Pereira nos deixou

A Causa Sonora lamenta a perda do Mº Cyro Pereira, ele faleceu nesta quinta-feira, dia 9 de junho, vitima de câncer. Uma grande perda para a música brasileira. Ele tinha 81 anos, nascido em Rio Grande (RS), foi um dos mais destacados maestros e arranjadores da fase áurea das orquestras de rádios no nosso país. Foi também arranjador e acompanhador dos festivais de música da Record, de vários programas da emissora entre eles “O Fino da Bossa”, com Elis Regina e Jair Rodrigues.

Ganhou vários prêmios, entre eles destaque para o Roquete Pinto e o Carlos Gomes. Foi professor de orquestração da Unicamp no período entre 1989 e 1999.

No final dos anos 80, Arrigo Barnabé, então assessor da Secretaria de Cultura do Estado, o convidou para ser o principal regente da recém criada Orquestra Jazz Sinfônica de São Paulo. Elaborou centenas de arranjos especialmente escritos para a orquestra e regeu inúmeras apresentações do conjunto.

Centro Cultural São Paulo – Programação Junho2011

Centro Cultural São Paulo –  Programação de Junho 2011
Curadoria de Música
Texto de abertura

 

Neste mês de junho o Centro Cultural São Paulo inicia uma parceria com o Instituto Baccarelli cedendo espaço em sua temporada musical da série Clássicos do Domingo. Seis concertos, um por mês, se estenderão até novembro. Neles grupos de câmara, corais e orquestra juvenil apresentarão um repertório eclético.

O Instituto Baccarelli conta hoje com 1.100 alunos-bolsista que integram um dos mais bem sucedidos programas de formação musical gratuíta voltado a crianças de comunidades carentes de Heliópolis, bairro periférico da Zona Sul de São Paulo.

O espaço que se abre para a apresentação dos novos talentos da música – descobertos nesta louvável iniciativa de ensino musical – se completa com um programa de visitas mediadas da DACE – Divisão de Ação Cultural e Educativa. Turmas de bolsista terão a oportunidade de conhecer os acervos do Centro Cultural São Paulo, exposições de Artes Visuais e demais atividades, que propiciarão aos alunos uma visão ampla do universo cultural além-música.

Nesse mesmo caminho onde se cruzam música e crianças o projeto Brincando com Música, idealizado pelo Maestro Jamil Maluf, tem conquistado a cada mês a alegria e o interesse da garotada da rede de ensino nos divertidos programas da Orquestra Experimental de Repertório com a participação do ator cômico Fernando Paz.

Na série Clássicos do Domingo teremos a apresentação do violinista Davi Graton e da pianista Dana Radu, no dia 5, do flautista Rogério Wolf acompanhado ao violão de Paulo Porto Alegre, no dia 12, do Coral da Gente – Instituto Baccarelli, no dia 19 e a Orquestra Barroca, com seus instrumentos de época, sob a direção do cravista Fernando Cardoso, no dia 26.

A programação da série Concerto ao Meio-dia no CCSP destaca em quatro concertos a música composta para trios, com obras do período renascentista, período barroco, período romântico e ainda obras do Século 20. No dia 7, o Trio Claro (clarinete, viola e piano) apresenta obras de Schumann e Max Bruch. No dia 14, o Trio Barroco, formado por Alexandre Ficarelli (oboé), Dimos Goudaroulos (violoncelo) e Sérgio Carvalho (cravo) apresentam um programa com obras raras do período. O Trio Canzona, por sua vez, recupera obras mais antigas com instrumentos de época como o fagote barroco de Luis Antonio Ramoska, a flauta doce de Marília Macedo e o cravo de Stella Almeida, no dia 21.

O último concerto de junho desta série acontece no dia 28 com o Aulustrio, conjunto de câmara que lançou recentemente um primoroso CD com as obras para trio de Villa-Lobos. Neste recital eles executarão o Trio n.º 2 de Glauco Velásquez.

As atrações da música popular se espalham nas séries semanais Quinta na Faixa, Show ao Meio-dia no CCSP e os Shows de sexta, sábado e domingo com um rico time de artistas como Rogério Sky Lab, Mostro, Márcio Lugó, Caviars Blues Band, Renato Consorte Grupo, entre outros.

Neste mês temos ainda o espetáculo Sarau Astronômico – Tambores, no dia  10, com o grupo de tambores japoneses Wadaiko Sho. Este projeto da DACE – Divisão de Ação Cultural e Educativa.  acontece alternadamente no CCSP e no Planetário de São Paulo. A proposta de aproximar arte e estrelas, já dura mais quatro anos e conjuga música, com performances musicais, poesia, com leituras espontaneas de poemas pelo público e conversas-aulas sobre as estrelas com os astrônomos do Planetário.

E acima de todas as músicas o céu é a última música, abismos sobre as nossas cabeças. Plageando Fernando Pessoa, “A Grande Ogiva ao fim de tudo”.

Francisco Coelho – Curador de Música

Música Clássica

Clássicos do Domingo

Sala Jardel Filho – 11h30

Retirada de ingressos 1h antes do concerto

Entrada franca

Dia 5

Davi Graton (violino) e Dana Radu (piano)

Frase: Duas célebres sonatas para violino e piano interpretadas por dois excelentes músicos.

RELEASE

Davi Graton (violino)

Natural de São Paulo, onde iniciou seus estudos de violino aos 6 anos de idade. Em 1985, tornou-se aluno do Prof. Yoshitame Fukuda e mais tarde obteve toda a sua formação com a violinista Elisa Fukuda, sendo membro fundador da Camerata Fukuda, importante orquestra de câmara de São Paulo.

Recebeu diversos prêmios em concursos no Brasil, destacando-se o primeiro lugar nos concursos de Juiz de Fora (1989), Piracicaba (1991 e 1995), Orquestra Experimental de Repertório (1993) e Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (1996). Em 1997, foi o vencedor do IX Prêmio Eldorado de Música, através do qual gravou CD pelo selo Eldorado.

Atuou como spalla em várias orquestras tendo na oportunidade trabalhado com importantes maestros como Eleazar de Carvalho, Johannes Schlaefli, Kirk Trevor, Lorin Maazel e Kurt Masur.

Como solista, vem se apresentando com orquestras como a Camerata Fukuda, Orquestra Experimental de Repertório, Filarmônica de São Paulo, Sinfônica Paulista, Sinfônica de Santo André, Sinfônica de Ribeirão Preto, Sinfônica da USP, entre outras.

Atualmente Davi Graton é o concertino da OSESP – Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo e integra o Quarteto de Cordas OSESP.

Dana Radu (piano)

Natural da Romênia, iniciou seus estudos de música aos 6 anos de idade. Formou-se como solista na Universidade de Música de Bucareste, com orientação dos professores Viniciu Moroianu, Octavian Radoi e Viorica Radoi.

Em 1993 obteve a primera colocação no Concurso de Música Romêna de Bucareste. Recebeu os Prêmios “Ludmila Popisteanu” e “Olga Szel” pelo piano solo no concurso “Mihail Jora”, 1997, e foi designada pela “Critica Músical” como melhor pianista acompanhadora no concurso “Mihail Jora”, em 1998. Gravou diversos programas para a Rádio e TV de Bucareste e foi convidada a participar dos festivais como “Martian Negrea”, Festival International de Câmera de Brasov, Festival de Música de São José do Rio Preto, Festival de Música de Londrina e festival de Música de Petropolis. Em 2003 e 2004 trabalhou como pianista preparadora no VII e VIII Festival Amazonas de Òpera.

Atuou como solista na frente da Orquestra Sinfônica de Ploiesti e da Orquestra Filarmônica de São Bernardo de Campo e se apresentou como solista e camerista em várias salas, como: Museu “George Enescu”, de Bucareste, sala “Paul Constantinescu” de Ploiesti , Museu de Arte de Râmnicu Vâlcea, Aúditorio da Livraria Cultura São Paulo , Teatro Municipal de São Paulo, Centro Cultural São Paulo, Centro de Cultura Raul Leoni de Petrópolis, Teatro “Ouro Verde” de Londrina, Sesc, MAM (Museu de Arte Moderna São Paulo), CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil).

Atualmente radicada no  Brasil, exerce atividade como pianista da Fundação Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo. 

PROGRAMA

CESAR FRANCK (1822-1890)

Sonata para violino e piano em Lá maior
1. Allegretto moderato
2. Allegro
3. Recitativo-Fantasia. Moderato – Molto lento
4. Allegretto poco mosso

SERGEI PROKOFIEV (1891-1953)

Sonata para violino e piano n.º 1,  em Fa menor, op. 80

1. Andante assai
2. Allegro brusco
3. Andante

4. Allegrissimo, Andante assai, come prima
Dia 12
 

 

Rogério Wolf (flauta) e Paulo Porto Alegre (violão)

Frase: Neste recital o destaque para a íntegra as canções que integram a obra Siete canciones populares españolas de Manuel de Falla.

RELEASE

Rogério Wolf  (flauta)

Após mais de 25 anos como primeira flauta das melhores orquestras do país como Sinfonica do Estado de São Paulo-OSESP (1981-2001) e Sinfonica Brasileira-OSB (2003-2006), atualmente dedica-se a concertos como solista e camerista e é presidente da Associação Brasileira de Flautistas-ABRAF

Professor na Escola Superior de Música da Faculdade Cantareira – SP e Instituto Baccarelli. Em novembro de 2007 esteve na Suiça, onde deu aulas nos Conservatórios de Genebra e La Chaux-de-Fonds.

É integrante do Núcleo Hespérides – Música das Américas.

Já atuou como solista nas principais orquestras do Brasil, entre elas Sinfônica do Estado de São Paulo, Sinfônica de Porto Alegre, USP e Ribeirão Preto, Orquestra Sinfônica de Campinas e também com a Orquestra Sinfônica de Santos.

Sua discografia inclui: – Trio for flute viola and guitar, com Marcelo Jaffé (viola) e Paulo Porto Alegre (violão) – Music for Flutes, com o Quinteto de Flautas de São Paulo, dedicado à obra de Boismortier – Luminamara, com o Núcleo Hespérides  – Retratos de Radamés, com a obra de Radamés Gnattali e Chronos, com obras do compositor Roberto Victório.

Paulo Porto Alegre (violão)

Venceu o V Concurso Internacional de Violão Palestrina, em 1979 e o III Festival Villa-Lobos, realizado em 1984 no Rio de Janeiro.

Em 1986 foi um dos ganhadores do II Prêmio Eldorado de Música.

Com sua obra “Contrast I” ganhou a menção honrosa no XXVI Paris International Contest.

Participou do I Festival de Música Erudita de Pequim, China, como professor, solista e camerista, tendo se apresentado com o Kodaly Quartet.

Apresentou-se como solista na Europa tocando em Paris e em outras quinze cidades na Alemanha.

Como compositor, suas obras são editadas na Alemanha.

PROGRAMA

Primeira parte

PAULO PORTO ALEGRE
Sonata para flauta e violão
1.Rítmico
2.Andante-Luisa
3.Deciso

Encontro das Águas
Suite para flauta e violão
1.Introdução
2.Xaxado
3.Valsa
4.Tocata-Choro

Segunda parte
EDMUNDO VILLANI-CÔRTES
 

 

Cinco Miniaturas
1.Prelúdio
2-Toada
3.Choro
4.Cantiga de Ninar
5.Baião

RADAMÉS GNATTALI
Sonatina para flauta e violão
1.Cantando com simplicidade
2.Adagio
3.Movido 

 

Dia 19
Coral da Gente – Instituto Baccarelli

 

Frase: O CCSP, numa parceria com o Instituto Baccarelli, abre espaço em sua temporada para uma das mais importantes iniciativas brasileiras de educação musical infanto-juvenil.

RELEASE

CORAL DA GENTE

Promover o ensino de canto coral a crianças e adolescentes da comunidade de Heliópolis, em São Paulo é o objetivo do Coral da Gente, programa desenvolvido pelo Instituto Baccarelli desde o ano 2000.

As atividades representam uma introdução ao universo musical de forma mais leve e com uma grande troca entre cada grupo, e é por essa característica que o Coral da Gente atua como porta de entrada para as crianças no Instituto Baccarelli. As aulas de técnica vocal, postura, respiração e percepção musical são ministradas por profissionais conceituados e preparados pedagogicamente para trabalharem o aprendizado e o desenvolvimento dos alunos. O trabalho de expressão cênica complementa o método de ensino, tornando o aprendizado mais lúdico e envolvente ao estimular a manifestação de emoções por meio do movimento e gerar consciência do corpo no espaço.   

Com um repertório diversificado e de qualidade, o Coral da Gente realiza constantes apresentações em importantes espaços culturais de São Paulo, cantando em diversos idiomas, como inglês; francês; espanhol; hebraico a até dialetos africanos.

Atenção DIC: O texto abaixo sobre os patrocinadores do Instituto Baccarelli é obrigação contratual do Instituto Baccarelli com o MinC. Pedimos o obséquio de reproduzir o texto abaixo em nosso folder. Grato. Chico Coelho:

O Instituto Baccarelli tem como Mantenedores-Fundadores: Eletrobras e como Mantenedores-Ouro: Volkswagen, Instituto Votorantim e Petrobras e Mantenedor-Bronze: Comgás

PROGRAMA
PACHELBEL
Sanctus – baseado no Canon  (arranjo de Robert Prizeman)

 

ROBERT PRIZEMAN
Ave Maria (arranjo de Wilson Dobbins)

JACQUELINE FROOM
See the Gipsies (arranjo de Zoltán Kodály)

H. MANCINI, J. MERCER
Moon River (arranjo de Raphael Begosso)

FREDDIE MERCURY
Somebody to Love (arranjo de Julio Cesar Figueiredo)

GEORGE GERSHWIN, IRA GERSHWIN
Clap yo’ Hands (arranjo de Pete King)

JONATHAN LARSON
Seansons of Love

SOLOMON POPOLI LINDA
The Lion Sleeps Tonight (arranjo de Regina Kinjo)

JOHANN SEBASTIAN BACH
BWV 1031 – 3º movimento –Sonata em mi bemol Maior, para flauta e piano
Allegro moderato
Intérprete: Lucas Andrade, flauta

CAETANO VELOSO
Alguém Cantando (arranjo Júlio Giúdice Figueiredo)

NILSON NEVES
Promissão (arranjo de J. Beckman / Sandrainês)

RITA LEE, ROBERTO DE CARVALHO
Desculpe o Auê (arranjo de Bontze S. Sandoval)

TOM JOBIM, VINÍCIUS DE MORAES
Garota de Ipanema (arranjador Edmundo Villani-Côrtes)

SANDRA PERES, R.CORRÊA, P. SÉRGIO VALLE
Fome Come (arranjo Gilberto Perissinoto)

CHICO CÉSAR
Onde estará o meu amor? (arranjo de Nenê Cintra)

GILBERTO GIL
Vamos Fugir (arranjo de Patrícia Costa)

ALCEU VALENÇA
Maracajá (arranjo de Alberto Cunha)

Dia 26

Orquestra Arte Barroca – direção Fernando Cardoso

Frase: Com instrumentos de época e o compromisso de uma interpretação barroca a Orquestra apresenta obras de Aufschnaiter, Telemann, Fasch e Haendel.

RELEASE
Orquestra Arte Barroca

Composto por Paulo Henes (Spalla e Diretor Artístico), Carolina Colepicolo, Renan Vitoriano e Beatriz Ribeiro (violinos barrocos), João de Pierro (viola barroca), Pedro Bevilaqua (violoncelo barroco), Gilberto Chacur (contrabaixo), Anderson de Lima (teorba e guitarra barroca) e Fernando Cardoso (cravo), a Orquestra Arte Barroca tem como proposta interpretar o repertório camerístico e orquestral dos séculos XVII e XVIII, com base na pesquisa de repertório e de tratados de época, e com o uso de cópias de instrumentos barrocos.

Paulo HenesSpalla e Diretor Artístico

Iniciou seus estudos com Alberto Jaffé e posteriormente com Klaus Wustof, Paulo Bosisio e Edson Queiroz. Formou-se pela UNESP em Bacharelado em Violino na classe de Airton Pinto. Participou das Orquestras de Câmara da UNESP, de Americana (spalla) e Orquestra de Câmara Souza Lima, e das orquestras Jovem Municipal de São Paulo (spalla), Experimental de Repertório, Orquestra “Camerata” (spalla) e Orquestra do Estado de Minas Gerais. Iniciou suas atividades com o violino barroco em 1997, no Festival de Música de Juiz de Fora. Participou dos projetos “Barroco”, “Dom Quixote” de Boismortier e “Orpheu” com o Maestro Marcelo Fagerlande. Fez masterclasses com os seguintes professores: Luís Otávio Santos, Manfredo Kraemer, Giuliano Carmignola, Martina Graulich e Sigiswald Kuiken.

Carolina Rosati Colepicolo – violino

Iniciou seus estudos de violino aos seis anos e em 1998 ingressou no Conservatório Magda Tagliaferro, estudando com Nair de Mattos Moreno. Em 2003 iniciou aulas de violino barroco com Paulo Henes, e atualmente é integrante da Orquestra Arte Barroca, sob sua direção. Desde 2005 faz aulas de violino moderno com Cecília Guida, participando do I Festival de Inverno “Trio Images” com Cecília Guida e Henrique Muller. Em julho de 2006 participou do Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga da cidade de Juiz de Fora, tendo aulas e realizando audições com os professores Luís Otávio Santos (violino barroco) e Rina Baffa Puig (canto).

Renan Vitoriano de Souza – violino

Iniciou seus estudos de violino aos 6 anos. Aos 15, ingressou no Centro de estudos musicais Tom Jobim. Foi aluno de Laércio Sinhorelli e Mariah Virshinia. Integrou a Camerata Jovem de São Bernardo (Spalla). Teve aulas de Interpretação Musical e História da Música com o Maestro Luciano Garcez e aulas de Interpretação barroca com o violoncelista João Guilherme Figueiredo. Aos 16 anos foi professor do projeto de iniciação a música antiga a crianças e jovens carentes, na Fundação Criança (São Bernardo do Campo). Foi 1º violino do grupo Ópera Iuvenis, com quem participou da montagem da peça teatral o Burguês e o Fidalgo. Aos 17 foi Spalla da Camerata Paidéia. Aos 18 participou da montagem da Ópera L’Orfeo de Monteverdi. Atualmente. É aluno de Paulo Henes e integrante da Orquestra Arte Barroca.

Beatriz Ribeiro – violino

Aluna da classe da professora Cristina Rapp na EMM – Escola Municipal de Música, departamento do Theatro Municipal de São Paulo, desde 2000. Atua como professora de violino, iniciação musical e flauta doce em escolas e em aulas particulares desde 2006. Integra o Grupo Charivari (corpo estável da CASA 2 – Núcleo de Aprendizagem e Reeducação através da Música). Integrou a OSIJEMM – Orquestra Sinfônica Infanto-Juvenil da Escola Municipal de Música (1º violino) de 2005 a 2007, tendo em 2008 participado como solista sob a regência da maestrina Gretchen Miller. Participou da XXIII Oficina de Música de Curitiba na classe da professora Betina Stegmann (2005).

Pedro Beviláqua – violoncelo barroco

Começou seus estudos na Escola Municipal de Música com a Professora Cecília Brucolli. Posteriormente fez aulas com a prof. Rosana Leventhal e Gretchen Miller. É bacharel em música pela UNESP sob a orientação do prof. Zigmund Kubala. No violoncelo barroco fez aulas com o prof. Dimus Goudarolis e participou da Oficina de música antiga de Curitiba, tendo aulas com o prof. Gaetano Nasilo. Foi chefe de naipe da Orquestra Jovem do Estado de São Paulo e da OCAM e concertino das orquestras dos estados de Mato Grosso e Sergipe. Como músico da Orquestra de Mato Grosso, participou da turnê Sonora Brasil realizada pelo SESC, tocando em 78 cidades brasileiras. Atuou em diversos grupos como solista como na Orquestra Jovem do Estado de São Paulo na peça “Allegro Apassionatto” de Camile Saint-Saëns. Hoje, integra a Orquestra Arte Barroca.

Gilberto Chacur – contrabaixo

Formou-se em 2008 pela Escola Municipal de Música, onde estudou contrabaixo com o Prof. Marco Antonio Brucoli. Também teve aulas com Valerie Albright e masterclass com o Prof. Zolt Fejérvári da Budapest Festival Orchestra no Teatro Cultura Artística, realizada em setembro de 2003. Como contrabaixista, participou da “Paixão e Ressurreição” com o Madrigal Vila Mariana. Também atuou com a Orquestra de Câmara do Colégio Porto Seguro, sob a regência de Gretchen Miller, com o conjunto L’estro armonico e a Orquestra Jovem da Escola Municipal de Música. De 2008 a 2009, teve aulas com Pedro Gadelha, primeiro contrabaixo da OSESP. É Licenciando em Educação Musical pela UNESP.

Edílson de Lima – teorba e guitarra barroca

Iniciou seus estudos no Conservatório Municipal de Guarulhos e posteriormente da Escola Municipal de Música de São Paulo. Bacharelou-se em Composição e Regência pelo Instituto de Artes da UNESP em 1992. Obteve o titulo de Mestre em Música em 1998 com a dissertação As Modinhas do Brasil, documento do final do século XVII encontrado na Biblioteca da Ajuda, Lisboa. Dirigiu e produziu o cd Modinhas de amor – Lira d´Ofeo, 2004. Publicou o livro As Modinhas do Brasil (2001). Atualmente é coordenador do Curso de Música da Universidade Cruzeiro do Sul (SP) e professor de História da Música

Fernando Cardoso – cravo, espineta e órgão

Finalista do III Concurso Nacional “Tarde da Juventude Villa Lobos” em São Paulo, Fernando estudou piano com Alex Sandra Grossi e Nilze Kruze, e cravo com Sérgio de Carvalho e Regina Schlochauer (com quem se bacharelou em Cravo pela FAAM em 2009). Em festivais de música, teve aulas de piano com Marco Antônio Almeida e Gilberto Tinetti, e cravo com Edmundo Hora, Alessando Santoro, Nicolau de Figueiredo, Claudio Barducco e Christine Daxelhofer (Alemanha). Foi solista junto à OCAM no Concerto para 2 cravos e Orquestra em Dó maior de J.S.Bach (2004) e dirigiu a Cantata do Café e o Concerto para Cravo e Orquestra em Ré menor (2009), também de J.S.Bach, com o grupo de câmara da FAAM. Foi produtor das duas séries de concertos “O Cravo Barroco”, em São Paulo (2007-8), do “Oratório do Divino”, em Mogi das Cruzes (2007) e do “Festival Hammond Concerts” (2009). Ao cravo solo, realizou recitais em São Paulo, São Carlos, Mogi das Cruzes e Paranapiacaba. Atualmente é professor da Escola de Música e Tecnologia e também integra os grupos “Barroco Versatile” e “Violeta de Outono”.

PROGRAMA
O Barroco Alemão

B.A. AUFSCHNAITER (1665-1742)
“Concors Discordia” – Serenata n.1 em Sol maior

1. Ciaccona
2. Ballo
3. Menuet
4. Boureè

5. Guigue
G.PH. TELEMANN (1681-1767)
Ouverture em Mi menor TWV 55e7
1. Ouverture
2. Le Contentement
3. Gavotte
4. Loure
5. Menuet
6. Rondeau

7. Canarie. Très viste
J.F. FASCH (1688-1758)
Sinfonia em Sol Maior
1. Vivace
2. Grave
3. Fuge

4. Presto
G.F. HAENDEL (1685-1759)
Concerto Grosso Op.6 no.7 em Mi bemol maior
1. Largo
2. Allegro
3. Largo e piano
4. Andante

5. Hornpipe

Concertos ao meio dia
Sala Adoniran Barbosa – 12h30

Entrada franca

Dia 7

Trio Claro – Daniel de Oliveira (clarineta), Erica Elis (viola) e Carina Inoue (piano)

Frase: Neste programa o célebre opus 83 de Max Bruch e Os Contos de Fada, op. 132 de Schumann.

RELEASE
Daniel Oliveira (Clarineta)

 

Iniciou seus estudos musicais na Banda Lyra de Mogi Mirim – SP. Graduado em Clarineta pela UNESP na classe dos professores: Sergio Burgani e Luis Afonso Montanha. Atua como primeiro clarinetista-solista da Orquestra do Theatro São Pedro e na Orquestra Bachiana Filarmônica SESI-SP.

Na música de câmara atua nos grupos 4uarteto, Duo Daniel Oliveira & Carina Inoue e Clownrinet Duo e Duo Homenagens com o clarinetista Diogo Maia. É professor da Escola de Musica da Hebraica e Professor convidado da Universidade Estadual de Belém do Pará.

Trabalha como assessor do Projeto Guri Santa Marcelina onde é responsável pela elaboração do método de clarineta. Recebeu em 2007 o prêmio Novos Talentos da Música Brasileira, prêmio esse concedido pela Casa de Cultura de Israel.

Classificou-se dois anos consecutivos para a final do concurso “Jovens Cameristas de Londrina” e recebeu menção honrosa no concurso “Jovens Solistas da Banda Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo”. No teatro atua como músico na Cia Miolo – Teatro de Rua e no espetáculo SÓ?

Criado com o ator Leonardo Mussi. Sua intensa atividade como pesquisador possibilitou colocar o Brasil no patamar de fabricante de clarinetas de alta qualidade, pesquisa esta desenvolvida juntamente com a Devon&Burgani Instrumentos Musicais e com a Plataforma de Pesquisa Clarinart – Suíça.

Erica Elis (Viola)

Iniciou seu estudos musicais aos 7 anos de idade com sua mãe, Damaris Adelina Barnabé Grangeiro. Aos 16, iniciou seus estudos na viola com o professor Ricardo Kubala, com o qual mais tarde se graduou bacharel em viola no Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista – UNESP.

Recebeu orientação do professor Alexandre Razera entre 2005 até 2008. Em sua formação musical inclui passagens pela Fundação Cultural Cassiano Ricardo em São José dos Campos (FCCR) e Universidade Estadual Paulista (UNESP). Participou de Master Classes com violistas renomados como Tabea Zimmermann, Wilfred Strehle, Richard Young, Marie-Cristine Spüngel, Dariuz Korcz, Vladimir Mykytka, Alexandre Razera, Renato Bandel, Emerson de Biaggi, Ulrich Knoezer, Johannes Luethy. Participou de diversos festivais pelo Brasil e no exterior, destacando o 35º e 37º Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão em 2004 e 2006, Idyllwild Arts Festival – Califórnia/EUA em 2007. Em 2008 foi convidada a participar do Festival de Pommersfelden na Alemanha. Participou de turnê com a Young Orchestra of the Radio of Berlin (RIAS) pela China em 2004/2005.

Participou em abril de 2008 da International Young Orchestra Academy (IJOA) realizando turnê pela Alemanha. Passou a integrar a Junesses Musicales World Orchestra em 2008, realizando turnê pelo Canadá (2008) e Espanha (2009

Com quatro turnês internacionais, já se apresentou em diversos países na Europa, Estados Unidos, Canadá e China, podendo destacar entre esses as salas Opernhaus (Bayreuth) e Max Reger Halle (Weiden) na Alemanha; Walt Disney ConcertHall (Los Angeles) nos Estados Unidos e Auditório Nacional de Música, (Madri), Teatro Arriaga (Bilbao) na Espanha. Atualmente atua como violista na Orquestra Sinfônica de Santo André e é aluna do professor Davi Graton.

Carina Inoue (Piano)

Diplomada pelo conservatório Heitor Villa-Lobos curso técnico de piano e bacharel em música pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) com habilitação em instrumento piano sob a orientação da Profa. Anna Cláudia Agazzi.

Recebeu orientações dos professores Antonio Bezzan, Luciana Sayuri, Eduardo Monteiro, Gilberto Tinetti, Richard Bishop e Ricardo Ballestero. Participou de diversos masterclasses com os professores Daisy DeLucca, Menahem Pressler, Olga Kiun, Cristina Ortiz, Achille Picchi, entre outros. Vencedora do VIII Concurso de piano maestro Rodrigo Tavares, de Cubatão.

Foi contemplada com uma bolsa pela reitoria da UNESP para atuar como camerista em diversas formações instrumentais e vocais exercendo esta função até o presente momento. Acompanhou os alunos da classe do professor Tibô Delor, Valerie Albright, Cecília Guida, Márcia Guimarães, Carmo Barbosa e acompanha as aulas do maestro Lutero Rodrigues. Atualmente trabalha como pianista colaboradora em festivais como “Festival de música de Londrina”, “Música nas Montanhas” de Poços de Caldas, coros, aulas de regência, canto e instrumento. Trabalhou com os coros Núcleo Universitário de Ópera, Coro de Câmara da UNESP e Vox Aeterna, Canticorum Jubilum – com quem realiza trabalhos até hoje – com a orquestra Metropolitana de São Paulo e grupos de música de câmera como o trio Claro, o Duo Inoue- Oliveira, Duo Sonare e Duo Persona , especializando-se no trabalho de pianista colaboradora. Foi pianista convidada da oficina de Música de Curitiba.

PROGRAMA
Max Bruch (1838-1920)
8 Peças op. 83 (1910)

 

Robert Schumann (1810-1856)
Contos de Fada, op. 132 (1853)
1. Lebhaft, nicht zu schnell
2. Lebhaft und sehr markirt
3. Ruhiges Tempo, mit zartem Ausdruck
4.

Lebhaft, sehr markirt.

Dia 14
Trio Barroco – Alexandre Ficarelli (oboé), Dimos Goudaroulis (violoncelo) e Sérgio de Carvalho (cravo)

 

Frase: Neste concerto serão apresentadas obras de Besozzi, Sammartini, Geminiani, Platti e Vivaldi.

RELEASE

O Trio Barroco com a formação instrumento solista, no caso o oboé, e continuo (cravo e violoncelo) é uma das formações mais comuns na música barroca.

A interação dos instrumentistas e proximidade do repertório barroco fez com que nascesse a vontade de mostrar ao público, peças de extrema delicadeza e beleza contrapondo a virtuosidade e estilo de cada um dos compositores escolhidos.

Os três instrumentistas têm um currículo vasto com experiências únicas e individuais que se completam e se misturam trazendo à tona um universo sonoro instigante. O resultado é uma viagem sonora multifacetada trazendo ao ouvinte sabores inusitados.

ALEXANDRE FICARELLI (oboé)  é professor de oboé do Departamento de Música da Universidade de São Paulo. Graduou-se na Alemanha, na Escola Superior de Música e Artes Dramáticas de Stuttgart na classe do Prof. Ingo Goritzki, posteriormente deu prosseguimento aos estudos concluindo o Mestrado em Performance na mesma instituição. Neste período foi bolsista da Fundação Vitae. Participou de diversas formações instrumentais entre elas: Deutsche Kammerakademie Neuss, Stuttgarter Kammerorchester,Bachakademie e Bach Collegium Stuttgart, com a Orquestra Sinfônica do Festival de Schleswig-Holstein e com a Orquestra Filarmônica de Ulm, como membro estável na temporada 1995/96.Desde setembro de 1996 ocupa o cargo de primeiro oboé da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo. É membro do grupo contemporâneo – Camerata Aberta – Emesp. Paralelamente as atividades didáticas e orquestrais atua como camerista, sendo reconhecido como um dos mais destacados solistas no Brasil, levando ao público estréias de peças brasileiras e do repertório internacional.É um artista patrocinado pela Buffet-Crampon – Paris. 

DIMOS GOUDAROULIS (violoncelo) Violoncelista versátil e músico muito ativo, Dimos Goudaroulis se destaca por pertencer a uma nova geração de instrumentistas que transita brilhantemente por estilos musicais diferentes e se apresenta tanto com instrumentos modernos quanto com instrumentos de época. Convidado a participar de inúmeros concertos, turnês e gravações, colabora com importantes músicos e grupos de música erudita e popular no mundo. Nascido em 1970 na Grécia, estudou violoncelo em Thessalônica e depois em Paris, com Philippe Muller e Reine Flachot. Lá, começou a tocar jazz e música improvisada, explorando novas possibilidades e criando uma linguagem original para o violoncelo. Em 1996 mudou-se para o Brasil. Desde então, dedica-se à interpretação historicamente orientada da música antiga, pesquisando e divulgando o repertório violoncelístico do período barroco e clássico, trabalhando com importantes músicos e grupos especializados e tocando em grandes salas européias. Paralelamente se apresenta como solista com várias orquestras, toca música contemporânea e música brasileira. Em Setembro de 2003 recebeu o Prêmio Carlos Gomes de melhor solista; em 2008 lançou sua gravação das 3 primeiras Suítes para violoncelo solo de J.S.Bach, que ganhou o importante Prêmio Bravo-Prime de Cultura, como melhor cd de música erudita do ano; como membro da Camerata Aberta, grupo especializado em música contemporânea, recebeu em 2010 o Prêmio APCA. Ainda em 2010 gravou, junto com Nicolau de Figueiredo no cravo, o álbum duplo “o tenor perdido”, com a primeira gravação mundial de obras para violoncello piccolo de 4 cordas, trabalho elogiadíssimo pela crítica. Dimos Goudaroulis se apresenta regularmente em vários países da Europa, América latina, Estados Unidos e Canadá.  

 
SÉRGIO DE CARVALHO (cravo). Bacharelou-se em Música , modalidade: cravo, pelo Departamento de Música do Instituto de Artes da UNICAMP, graduando em 1992, na classe da Profa. Helena Jank. Desde então dedica-se também ao órgão de tubos, recebendo orientação de Elisa Freixo. De 1999 a 2004 aperfeiçoou-se com a renomada cravista Maria Lúcia Nogueira.  Participou do Festival de Verão da Academia Bach de Stuttgart e do Seminário de Música Antiga de Buenos Aires. Freqüentou diversos masterclasses, com o cravista Jacques Ogg, e com os organistas Jean-François Devillier, Ton van Eck, Julia Brown e Mario Videla. De 1992 a 1996, foi organista da Igreja da Paz e de 1996 a 2005 organista da Paróquia Santo Inácio de Loyola, ambas em São Paulo.  Foi cravista da Orquestra de Câmara da UNESP, em 1993, e de 1998 a 2001.Desde 2001 é cravista e organista convidado da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo.  Em 2005 concluiu o mestrado em Comunicação pela ECA-USP, sob a orientação do prof. Dr. Celso Frederico. Foi professor de cravo e baixo-cifrado no curso de “Práticas da Música dos séculos XVII e XVIII” do Núcleo de Difusão Cultural do Departamento de Música da ECA-USP, de 2002 a 2006. Atualmente é pianista e professor no CORALUSP.

 

PROGRAMA

SONATAS ITALIANAS PARA OBOÉ E CONTINUO 

ALESSANDRO BESOZZI (1702 – 1793)
Sonata para oboé e continuo em Fá Maior
1. Allegro
2. Andante
3.

Allegro
GIUSEPPE SAMMARTINI  (C.1691-1750)
Sonata para oboé e continuo em Sol Maior
1. Andante
2. Allegro
3. Adagio
4.

Minuetto
FRANCESCO GEMINIANI (1687-1762)
Sonata para oboé e continuo em mi menor
1. Adagio
2. Allegro
3. Largo Vivace

GIOVANNI BENEDETTO PLATTI (C.1690-1763)
Sonata para oboé, violoncelo e continuo em Fá Maior
1. Adagio
2. Allegro
3.

Largo. Allegro
ANTONIO VIVALDI (1678-1741)
Sonata para oboé e continuo em sol menor ‘Il Pastor Fido” op. 13
1. Vivace -Fuga da Capella
2. Largo
3.

Allegro ma non presto

Dia 21
Trio Canzona – Marília Macedo (flauta doce), Luis Antonio Ramoska (fagote barroco e dulciana) e Stella Almeida (cravo)

 

Frase: Com instrumentos de época o grupo apresenta obras da renascença e do barroco.

RELEASE
Trio Canzona com Marília Macedo – Flauta doce, Luis Antonio Ramoska – Fagote barroco e dulciana e Stella Almeida – Cravo

 

Formado por músicos com larga experiência como cameristas e solistas, o trio surgiu a partir do seu trabalho nos grupos “Camerata Barroca”, “Concerto Affettuoso” e “Orquestra Barroca de São Paulo”. Os grupos mencionados, assim como o Trio, dedicam-se à tradição da música historicamente orientada. Utilizam cópias de instrumentos de época  – diversos exemplares de flauta doce, fagote barroco, dulciana (fagote renascentista) e cravo – e seu trabalho de pesquisa envolve o conhecimento de tratados dos séculos XVI, XVII e XVIII que se referem à  articulação, ornamentação e harmonia. Seus integrantes têm especialização em interpretação de Música Antiga, além de trabalhos paralelos com outras formações instrumentais que envolvem outros períodos da música erudita.

PROGRAMA

GIOVANNI PAOLO CIMA (ca.1570-ca.1622)

Sonata em sol
GIROLAMO FRESCOBALDI (1583-1643)

Canzona detta La Bernardinea
FRANCESCO MARIA VERACINI (1690-1768

Sonata em lá menor
JOHANN JACOB FROBERGER (1616-1667)

Suíte
M. CORRETTE (1709-1795)

Les Delices de la Solitude
G. PH. TELEMANN (1681-1767)

Sonata em fá menor
F. COUPERIN  (1668-1733)
Les Baricades Mistérieuses
La Berson

J. S. BACH (1685-1750)

Sonata em Fá Maior
A. VIVALDI (1678-1741)

Trio em lá menor

Dia 28
Aulustrio – Fábio Brucoli (violino), Mauro Brucoli (violoncelo) e Paulo Brucoli (piano)

 

Frase: Neste concerto uma rara oportunidade: o Trio n.º 2 de Glauco Velasquez; além de obras de Liszt e Michael Gnessin.

RELEASE

Aulustrio formado por Fábio Brucoli (violino), Mauro Brucoli (violoncelo) e Paulo Brucoli (piano) foi criado no ano de 2001.

Fábio Brucoli (violino)

Ganhou por duas vezes o concurso “Jovens Solistas OSESP”. Estudou com os professores alemães radicados no Brasil, Erich Lehninger e Uwe Kleber. Ganhador de bolsa de estudos pela Instituição VITAE, integrou-se na classe do Prof. Roman Nodel, na escola Superior de Música de Mannheim – Alemanha, onde concluiu o curso de “Kunstlerische Ausbildung”. Como solista atuou com algumas das principais Orquestras Brasileiras como OSESP, OSUSP, Orquestra Filarmônica de São Bernardo e Orquestra Solistas do Brasil na qual foi SPALLA nos anos de 1995 a 2002. Realizou gravações para emissoras de TV e de rádio “Rádio e TV Cultura de São Paulo”, “Rádio Eldorado” e “TV Globo”.

Como camerista foi premiado por duas vezes em 1995 e novamente em 1997 com o “Premio APCA”.

Mauro Brucoli (violoncelo) – Foi monitor de violoncelos da Orquestra Experimental de Repertório, primeiro violoncelo da Amazonas Filarmônica e Orquestra de Câmara São Paulo. Venceu os concursos Jovens Solistas da OER e da OSESP. Iniciou seus estudos de violoncelo com sua mãe a a violocncelista Maria Cecília Lombardi Brucoli e aperfeiçoando-se na classe do violoncelista Sigmund Kubala com quem obteve o seu diploma.

Recebeu bolsa de estudos da instituição VITAE para estudar com o professor Antônio Del Claro e posteriormente na Academia Nacional de Sófia, na Bulgária, concluindo o curso de Especialização em Violoncelo com o professor Anatoli Krâstev e o Curso de Música de Câmara na classe do compositor e pianista Victor Schuchukov.

Paulo Brucoli (piano) – Destaca-se como uns dos principais talentos da nova geração do Brasil em recitais de piano solo e música de câmera. É pianista da orquestra de tango “De Puro Guapos” com a qual participa de gravações e shows pelo Brasil e Argentina. Foi aluno de piano dos professores Homero Magalhães, Isabel Mourão, Antônio Bezzane e Diana Kacso. Fez cursos de interpretação com os professores Fernando Lopes, Flávio Varani David Witten e Serguei Dukachev.

Paralelamente ao estudo do piano conclui o seu bacharelado em contrabaixo pelo Instituto de Artes da UNESP, atuando também como contrabaixista nas principais orquestras sinfônicas da cidade de São Paulo.

PROGRAMA
GLAUCO VELÁSQUEZ (1884-1914)
Trio n.º 2
1. Allegro moderato
2. Scherzando
3. Lento
4.

Finale- Allegro (molto)Vivace
MICHAEL GNESSIN (1883-1957)
Trio op. 63 (dedicado à memória de nossas crianças perdidas
Andante sostenuto quase uma ballata

 

FRANZ LISZT (1811-1886)
Tristia – La vallée d’Obermann (versão para o Trio n.º 1 original do compositor)
 1. Lento assai
 2. Un poco più di moto ma sempre lento, Più mosso,Presto
 
3

. Lento, sempre animando sin’al fine
 Obs.: Um movimento dividido em três partes interligadas

Brincando com música
Sala Adoniran Barbosa

Quinta, 14h – Entrada franca

Dias 2, 9, 16 e 30

Release

A ORQUESTRA EXPERIMENTAL DE REPERTÓRIO, conjunto artístico do Theatro Municipal de São Paulo, e o Centro Cultural São Paulo apresentam a nova série de espetáculos didáticos “Brincando com Música”. Essa parceria de grande sucesso começou há alguns anos com as séries didáticas “Tá na Clave” e “Passaporte Cultural”.

“Brincando com Música”, conta com a participação dos Instrumentistas Monitores da OER, do Maestro Titular Jamil Maluf, além da fundamental atuação do ator cômico Fernando Paz.

É um espetáculo que passa conceitos de execução, instrumentação e regência musicais de forma muito divertida, buscando analogias com o dia a dia das pessoas, e colocando-as no centro da prática musical. É pensado para todo tipo de público, objetivando estimular o interesse das pessoas pela arte musical, além de contribuir para ampliar seu conhecimento de forma descontraída.

O agendamento para grupos de todas as idades e escolas das redes pública e privada pode ser feito pelo email: visitasccsp@prefeitura.sp.gov.br e informações pelo tel: 3397-4036. Há também ingressos gratuitos para o público em geral, que serão disponibilizados na bilheteria 1 hora antes do espetáculo.

Música Popular
Quinta na faixa

Sala Adoniran Barbosa – 19h

Entrada Franca

Dia 2
Sanfonias

O grupo alia sonoridades da tradição nordestina ao espírito urbano do chorinho.

Dia 9
Mario Lugó

O cantor e compositor paulistano lança seu primeiro disco, “desacelera”.

Dia 16
Ricardinho Paraíso

O Contrabaixista faz um dialogo de música brasileira moderna numa liguagem diferenciada e intuitiva

Dia 23
La Madre Del Borrego

Banda argentina (Cordoba) apresenta uma fusão latina com elementos da  cumbia argentina, do ska jamaicano, do rock platino, da  murga  carnavalesca, e  do  candombe  uruguaio. A toda  esta energia rítmica se soma também elementos do tango e  do  folclore  argentino.

Dia 30
Caviars Blues Band

Com muita energia e personalidade, o grupo interpreta clássicos do blues rock, do blues de Chicago e composições próprias .Um blues atual e moderno, dando uma nova roupagem para músicas de Otis Rush, Eric Clapton, Sonny Boy Willianson, Albert King, Albert Collins, Robben Ford e Rolling Stones.

Show ao meio dia

Sala Adoniran Barbosa – 12h30
Entrada Franca

Dia 3
Juliana Kehl

Um delicioso híbrido de MPB tradicional e Pop que prendem pela delicadeza de sua voz, em levadas grooves somadas a elementos eletrônicos.
Dia 10
Renato Consorte Grupo
      

 
O guitarrista, compositor e produtor musical, apresenta seu novo trabalho, “Contos Melódicos, Ritmos Poéticos”

 

Dia 17
Ione Papas
A cantora faz uma roda de samba onde os principais ritmos são Samba de Roda da Bahia e Ijexá, ritmo tocado e cantado pelos blocos afros do carnaval baiana.

 

Dia 24
Guilhermoso Wild Chicken
O frango selvagem do Rock ‘n’ Roll
Shows

Sextas e sábados às 19h, domingos às 18h
Sala Adoniran Barbosa

Dia 3
Elio Camalle
Lançamento do CD/DVD “Receita”, com influências do country e do blues.

Dia 4
Apanhador Só

A celebrada banda de Porto Alegre apresenta as canções deu seu álbum de estreia homônimo, considerado um dos melhores de 2010, além de composições inéditas, como “Na Ponta dos Pés” e “Torcicolo”.

Dia 5
Elo da Corrente + Lourdez da Luz

Duas das atrações  mais representativas do hip hop nacional,   mostram o porquê de tamanho prestígio.

Dia 10 – Sarau Astronômico – Tambores
Wadaiko Sho

Em parceria com o Planetário, o CCSP apresenta mais uma edição do Sarau Astronômico com o grupo Wadaiko Sho, especializado na arte dos tambores japoneses em – o Taiko – num espetáculo que mescla ritmos e coreografias.

Dia 11 (19h) e Dia 12 (18h)
Rogério Sky Lab n.º 10

Show de lançamento do cd Skylab X, ‘ o último suspiro de um cadáver’

Dia 17

Mostro
Banda vinda dos Andes Chileno faz pop bizarro e retorcido de forte personalidade, caracterizado por um interessante trabalho rítmico recheado de quebras e lapidado intuitivamente pelo Jazz, hardocore e samba.

Dia 18
Konk Pak

Resultado do encontro de três expoentes da improvisação livre na Europa, o grupo tem quase 15 anos de estrada e se notabilizou pela combinação da bateria com recursos eletrônicos.

 

Dia 19
Kevin Drum

Com laptops, sintetizadores analógicos e experimentos na guitarra o norte americano Kevin Drumm faz uma apresentação de música improvisada ao lado do brasileiro Carlos Issa e seu projeto Objeto Amarelo.
Dia 24 e 25

Edy Star

Comemoração dos quarenta anos do cultuado disco “Sessão das Dez” com Edy Star, Raul Seixas, Miriam Batucada e Sérgio Sampaio
Dia 26

Test / O Inimigo

 

Figuras conhecidas e referenciais da música extrema do underground nacional, o baterista Barata (D.E.R.) e o guitarrista e vocalista João Kombi (Are You God?), desde 2010 formam o duo Test, que em pouco menos de um ano espalhou pelo país seu death metal old school com grindcore por meio de uma demo e um EP.  O Inimigo, banda punk rock paulistana formada em 2002 com influência de bandas da Dischord e SST e que conta com integrantes e ex membros de bandas como Ratos de Porão, Againe, RHD, Kangaroos in Tilt e CPM22.

Especial  –  SARAU ASTRONÔMICO

O prof. Dr. Walmir Thomazi Cardoso fará uma apresentação introdutória acerca das bases da cultura tradicional japonesa logo após a abertura do grupo de instrumentos musicais japoneses Sho de Taikô, na seqüência haverá a exposição de tópicos diferenciais desse povo vistos no céu, na forma de constelações ou como mitos da cosmogonia antiga. Após as primeiras histórias, entra em cena um grupo de praticantes de Kenjutsu, arte Samurai ensinada no Brasil pelo Instituto Niten que representa a 12a geração de aprendizes de Miyamoto Musashi, o mais famoso dos Samurais. Walmir retoma as descrições míticas que precedem declamações de Haikai (Haiku). Finalmente o “narrador” apresenta mais um mito celeste tradicional japonês e abre espaço para uma apresentação mais performática e completa do grupo de instrumentos japoneses que encerram o Sarau.

Dia 10 – Sarau Astronômico – Tambores
Wadaiko Sho
Em parceria com o Planetário, o CCSP apresenta mais uma edição do Sarau Astronômico com o grupo Wadaiko Sho, especializado na arte dos tambores japoneses em – o Taiko – num espetáculo que mescla ritmos e coreografia.

Ron Carter – Pastels

Ron Carter – Pastels – todo o colorido sonoro de um dos maiores contrabaixistas do jazz. Agradeço a dica de Miguel Franceschini Aranega.

Feminina na voz de Joyce

Joyce, compositora, violonista e intérprete, uma das nossas melhores expressões musicais ajuda a Causa Sonora a prestar uma homenagem a todas as mulheres.

Bob Dylan completa 70 anos

Hoje, 24 de maio, Bob Dylan completa 70 anos. O maior poeta do rock, o compositor e cantor americano que influenciou Beatles, Jimi Hendrix e tantos outros artistas continua ativo e produzindo obras fundamentais na reflexão e questionamentos da sociedade dos anos 60 até hoje. Como ele afirmou em recente entrevista: “Uma canção é um reflexo do que eu vejo ao meu redor o tempo inteiro”.

No começo da sua carreira ele fazia cover de Little Richard até que descobriu Wood Guthrie que veio ser o seu grande mestre e mentor no estilo folk do qual ele foi o seu maior representante, misturando com pitadas de rock.

Confira um dos seus grandes sucessos “Like a Rolling Stone” . Quem quiser pode também acessar a DylanRadio.com  que toca suas músicas.

Dica de video: Penna Prearo

Entradas Mais Antigas Anteriores Próxima Entradas mais recentes